Valor do voto

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

A restauração de um governo contaminado, deve se dar com a integral e a completa reparação dessa contaminação, decorrente de uma progressiva deterioração do meio político pela ascensão do nazifascismo

A contaminação de uma eleição pelos grupos que utilizaram as rachadinhas, as fake news, as milícias e o crime organizado para chegar ao poder, pode prejudicar toda uma nação como vem fazendo esse atual governo.

O noticiário dos jornais e das TVs estão aí no nosso dia a dia para comprovar o prejuízo causado.

A restauração de um governo contaminado, deve se dar com a integral e a completa reparação dessa contaminação, decorrente de uma progressiva deterioração do meio político pela ascensão do nazifascismo.

Para que essa restauração ocorra, um dos pontos chave na questão é o valor do voto e aqui se propõe uma formulação para que ela possa vir a acontecer em breve.

Por esse caminho, a restauração de um governo contaminado acontece quando a maioria da população puder retornar para as urnas e apresentar as suas aspirações democráticas, não contendo contaminações.

Para se tentar dar uma resposta para o valor do voto e a restauração do dano causado por uma eleição contaminada, a formulação VV = 57 ME x BS = 1,1 MI + 51 mM + PD pode ser considerada como uma simples referência simbólica, onde:

VV = valor do voto

ME = milhões de eleitores

BS = bolsonaros

MI = milhões de infectados pelo coronavírus

mM = mil mortos pelo coronavírus

PD = proto-ditadura

Assim, para que ocorra essa restauração o termo BS = bolsonaros teria que ser substituído pelo termo ED = eleições diretas, que está relacionado à cassação da chapa presidencial-militar eleita pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que já vem analisando essa possibilidade, devido aos desmandos identificados nas últimas eleições presidenciais.

Esse seria o primeiro passo, que poderia ser seguido por outros como, por exemplo, uma reforma política já, via Congresso, com cláusula de barreira para os partidos, mandato de cinco anos, sem reeleição, em uma eleição geral para todos os cargos eletivos, coincidindo, ainda, com o calendário eleitoral de 2020, se não for sonhar demais.

Registra-se que a retirada do termo BS = bolsonaros da formulação, não vai alterar a marca dos mais de 1,1 milhões de infectados pelo coronavírus (1,1 MI), nem trazer de volta a vida dos 51 mil mortos pelo coronavírus (51 mM), causados pela total falta de compaixão do presidente e de seu governo autoritário que, além disso, deu origem a essa protoditadura (PD) que estamos vivendo e que foi eleita por 57 milhões de eleitores (57 ME) em 2018.

Desse modo, a formulação VV = 57 ME x ED = 1,1 MI + 51 mM + PD deve ser considerada, com a substituição do termo BS pelo ED, como uma iniciativa para solucionar o problema da contaminação da última eleição presidencial, podendo sofrer novos ajustes e refinamentos, como no que diz respeito ao termo PD = protoditadura, porque parecia que tudo indicava que nunca mais iríamos ter que conviver com ele e não foi bem isso o que aconteceu.

“Na vida só há um modo de ser feliz. Viver para os outros” (Léon Tolstoi).

*Heraldo Campos é doutor em ciências pelo Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo (USP).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • Oportunismo, doença infantil do esquerdismocadeira 5 18/06/2024 Por HERLON MIGUEL: Considerações sobre a greve na Universidade Federal da Bahia

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES