As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Inteligência artificial – aberta ou fechada?

Imagem: Alex Knight
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHAEL ROBERTS*

O desenvolvimento de Inteligência artificial não deve estar nas mãos de empreendedores “ambiciosos” ou controlado pelas Big Techs

A demissão chocante de Sam Altman, o fundador da OpenAI, pelo próprio conselho da empresa que fora criada por ele, revela as contradições emergentes no desenvolvimento desse tipo de tecnologia. A crise atinge a ChatGPT, mas também outros empreendimentos de “inteligência artificial generativa”, os quais estão impulsionando a atual revolução no campo da inteligência artificial.

Será que a Inteligência artificial e esses modelos de aprendizagem de idiomas (também chamados de LLM) trarão benefícios novos, maravilhosos, para as nossas vidas, reduzindo as horas de trabalho e elevando nosso conhecimento a novos patamares de esforço humano? Ou a Inteligência artificial generativa levará ao aumento do domínio da humanidade pelas máquinas, assim como a uma desigualdade ainda maior de riqueza e renda, à medida que os proprietários e controladores da Inteligência artificial se tornam “vencedores que levam tudo”, enquanto o resto da humanidade é “deixado para trás”?

Parece que o conselho da OpenAI demitiu seu líder “guru” Sam Altman porque ele tinha “conflitos de interesse”, ou seja, Sam Altman queria transformar a OpenAI em uma enorme operação de geração de dinheiro apoiada por grandes empresas (a Microsoft é o atual financiador), enquanto o resto do conselho continuou a ver a OpenAI como uma operação sem fins lucrativos com o objetivo de espalhar os benefícios da Inteligência artificial para todos com as devidas salvaguardas sobre privacidade, supervisão e controle.

O objetivo original da OpenAI era ser um empreendimento sem fins lucrativos criado para beneficiar a humanidade – e não os acionistas. Mas parece que a cenoura verde dos enormes lucros estava levando Sam Altman a mudar esse objetivo. Mesmo antes, Sam Altman havia construído um negócio separado baseado na comercialização de chips de Inteligência artificial que o tornara um novo rico.  Sob a sua direção, a OpenAI desenvolveu um braço de negócios “com fins lucrativos”, permitindo que a empresa atraísse investimentos externos e comercializasse seus serviços.

Eis o que disse o jornal Financial Times: “essa estrutura híbrida criou tensões entre as duas “tribos” na OpenAI, como Sam Altman as chamou. A “tribo” de segurança, liderada pelo cientista-chefe e membro do conselho Ilya Sutskever, argumentou que a OpenAI deve manter seu propósito fundador. O seu objetivo seria desenvolver com o cuidado necessário os mecanismos de inteligência artificial.  A “tribo” comercial parecia deslumbrada com as possibilidades desencadeadas pelo sucesso do ChatGPT e queria acelerar (ou seja, ganhar mais e mais dinheiro). A tribo da segurança parece ter vencido por enquanto”.

Sam Altman não é um cientista; afigura-se mais como um grande homem de ideias, um empreendedor na tradição de Bill Gates (com a Microsoft). Sob Sam Altman, a OpenAI foi transformada em oito anos de uma empresa de pesquisa sem fins lucrativos em uma empresa capaz de gerar cerca de US$ 1 bilhão de receita por ano.  Os clientes vão do Morgan Stanley à Estée Lauder, Carlyle e PwC.

O sucesso fez de Sam Altman o embaixador de fato da indústria de Inteligência artificial, apesar de sua falta de formação científica. No início deste ano, ele embarcou em uma turnê global, reunindo-se com líderes mundiais, startups e reguladores em vários países. Sam Altman falou até mesmo na cúpula regional da Apec Ásia-Pacífico em São Francisco, apenas um dia antes de ser demitido.

Sam Altman aparentemente tem “uma ambição feroz e uma capacidade de angariar apoio”. Ele foi descrito como “profundamente, profundamente competitivo”. Parece ser um mentor” – um sujeito que tem uma mente privilegiada voltada – alguém que o conhece bem vaticinou – para acumular poder melhor do que nenhuma outra.  Como resultado, ele tem sido “cultuado” pelos 700 funcionários de sua empresa. Diante do episódio, a maioria desse grupo assinou uma carta exigindo a sua reintegração, assim como a renúncia dos representantes da “tribo” de segurança no conselho da empresa. 

A OpenAI gastou meio bilhão de dólares no desenvolvimento do ChatGPT. Estava prestes a lançar uma venda de ações no valor de US$ 86 bilhões antes da divisão no conselho em duas “tribos”. Essa operação teria permitido que a abordagem sem fins lucrativos tivesse continuidade. Agora, com Sam Altman e outros que lhe são associados se juntando à Microsoft como funcionários dela, parece que a OpenAI pode ser engolida por essa firma gigante por uma ninharia. Assim, a missão pressuposta de que se estaria criando uma empresa “sem fins lucrativos” encontraria o seu fim.

O que tudo isso mostra é que uma ilusão está se transformando numa desilusão. Qual seja ela, a fantasia de que a revolução da Inteligência artificial e da tecnologia da informação será desenvolvida por empresas capitalistas em benefício de todos. O lucro vem em primeiro, em segundo e mesmo em último lugar – qualquer que seja, aliás, o impacto na segurança e nos empregos que a tecnologia de Inteligência artificial possa ter para a humanidade nas próximas décadas.

Alguns temem que a Inteligência artificial se torne “semelhante a Deus”, ou seja, uma superinteligência que passa a se desenvolver de forma autônoma, sem supervisão humana e, eventualmente, controlando a humanidade. Até agora, a inteligência artificial e os algoritmos de aprendizagem linguística (AI e LLM em suas siglas em inglês) não exibem essa “superinteligência”. Como já argumentei em outros artigos, essas tecnologias não podem substituir o poder imaginativo do pensamento humano. Mas eles podem aumentar enormemente a produtividade, diminuir as horas de trabalho e desenvolver novas e melhores maneiras de resolver problemas se colocados em uso social.

O que está claro é que o desenvolvimento de Inteligência artificial não deve estar nas mãos de empreendedores “ambiciosos” como Sam Altman ou controlados por gigantes da tecnologia como a Microsoft. O que é necessário agora é a criação de um instituto de investigação internacional, não comercial, semelhante ao CERN em física nuclear. Se algo requer propriedade pública e controle democrático no século XXI, é sobretudo a IA, ou seja, a inteligência maquínica. Eis que ela pode substituir os mercados e, assim, a supressão da máquina por excelência do capital.

*Michael Roberts é economista. Autor, entre outros livros, de The great recession: a marxist view (Lulu Press). [https://amzn.to/3ZUjFFj]

Tradução: Eleutério F. S. Prado.

Publicado originalmente em The next recession blog.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Celso Frederico Luiz Eduardo Soares Juarez Guimarães Gilberto Lopes João Feres Júnior João Lanari Bo Fernando Nogueira da Costa Antonino Infranca Maria Rita Kehl Chico Alencar Dennis Oliveira Otaviano Helene Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira Marcos Silva Eleutério F. S. Prado Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro André Singer Andrew Korybko Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Michael Roberts Antônio Sales Rios Neto José Geraldo Couto Gilberto Maringoni José Luís Fiori Henry Burnett Carla Teixeira Thomas Piketty Francisco Pereira de Farias José Micaelson Lacerda Morais Valério Arcary Francisco Fernandes Ladeira Francisco de Oliveira Barros Júnior Marjorie C. Marona Luciano Nascimento Ricardo Antunes Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Marilena Chauí Jorge Luiz Souto Maior Heraldo Campos Rafael R. Ioris Ricardo Abramovay Mariarosaria Fabris Flávio R. Kothe José Costa Júnior Eliziário Andrade Armando Boito Daniel Costa Leonardo Boff Carlos Tautz Leda Maria Paulani Julian Rodrigues Renato Dagnino Jean Pierre Chauvin Remy José Fontana Sergio Amadeu da Silveira Roberto Noritomi Érico Andrade Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Caio Bugiato Rubens Pinto Lyra Antonio Martins Lincoln Secco Lorenzo Vitral Michael Löwy Priscila Figueiredo Alexandre Aragão de Albuquerque Rodrigo de Faria Fábio Konder Comparato Tadeu Valadares Kátia Gerab Baggio Tarso Genro Paulo Martins Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt Luiz Renato Martins Chico Whitaker Fernão Pessoa Ramos Valerio Arcary Annateresa Fabris Afrânio Catani Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Salem Nasser Anderson Alves Esteves José Machado Moita Neto Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Sandra Bitencourt Vanderlei Tenório Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento Igor Felippe Santos Ricardo Musse Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Avritzer Jorge Branco Luis Felipe Miguel Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Bucci Gabriel Cohn Daniel Brazil Bernardo Ricupero Ronald Rocha Roberto Bueno Henri Acselrad Elias Jabbour Bruno Machado João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Denilson Cordeiro João Carlos Salles Slavoj Žižek Luiz Carlos Bresser-Pereira Eduardo Borges Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald León Núñez Anselm Jappe Vinício Carrilho Martinez Luiz Werneck Vianna Daniel Afonso da Silva Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro José Dirceu André Márcio Neves Soares Walnice Nogueira Galvão João Carlos Loebens Gerson Almeida Celso Favaretto Samuel Kilsztajn Atilio A. Boron Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Tales Ab'Sáber Yuri Martins-Fontes Luiz Marques Dênis de Moraes Luiz Bernardo Pericás Flávio Aguiar Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Luiz Costa Lima Marcelo Módolo Eleonora Albano Vladimir Safatle

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada