As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Haendel em gospel

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Walnice Nogueira Galvão*

O gospel é o canto religioso que predomina nas igrejas protestantes negras dos Estados Unidos. Como o jazz, criado pelos escravos, vem das profundezas da alma oprimida que no canto encontra liberação.

O último concerto da temporada 2018 da Osesp foi espetacular: nada menos que o Messias de Haendel transcrito para gospel.

A maestrina da Osesp, Marin Alsop, encomendou a realização a Bob Christianson e Gary Anderson, que fizeram os arranjos orquestrais, instrumentais e vocais. Mantiveram as melodias, que permanecem reconhecíveis, mas alteraram profundamente a harmonização e os ritmos, acrescentando outras dimensões e desabrochando num suíngue irresistível.

A massa coral era impressionante: o Coro da Osesp somado ao Coro Acadêmico, ultrapassando a centena de vozes. Os solistas, que vieram de fora – tenor, soprano e contralto – eram especialistas em gospel e jazz, pois os malabarismos vocais não são os mesmos do canto lírico. Quem já ouviu gospel sabe o que é esse canto religioso inspirado, que predomina nas igrejas protestantes negras dos Estados Unidos. Como o jazz, criado pelos escravos, vem das profundezas da alma oprimida que no canto encontra liberação.

A rainha do gospel, Mahalia Jackson, reinou a vida inteira sobre os fiéis e os fãs, tendo soltado sua poderosa voz em ocasiões que calaram fundo: na posse de John Kennedy; na marcha sobre Washington em prol dos direitos civis de seu povo, quando Martin Luther King proferiu o célebre discurso “I have a dream”; e no funeral deste líder.

O gospel, embora com resultados diferentes, é aparentado ao blues, que é um canto de banzo, de tristeza, de nostalgia. Já o gospel é cheio do Espírito, cheio de energia, da gente que encontra júbilo na expressão de sua dor. Nessas igrejas, a vibração crescente do canto, que vai se apoderando de todos os crentes, logo leva à dança, mesmo em recinto sagrado, fazendo lembrar Davi, rei e poeta, que cantava e dançava os salmos de sua lavra diante do altar do Altíssimo.

Não fossem o canto e a dança um canal de expressão privilegiado, induzindo ao transe e ao êxtase, comuns aos rituais de todos os povos, inclusive no Brasil – seja nos cultos sagrados dos orixás, seja nas formas profanas como a batucada, a escola de samba e o carnaval.

O Messias em gospelcontagiou os presentes, traduzindo-se em outra forma de participação que não a estática e contemplativa determinada pela etiqueta em concertos de música clássica. Na ocasião, a participação exigiu, a partir da incitação dos cantores, que se batessem palmas ritmadas e que se prorrompessem em aplausos (coisa inaudita!) ao fim de cada sequência. Tal comportamento é de bom-tom em ópera, a cada ária especialmente bem executada, ou em balé para saudar a perfeição de um pas-de-deux. Mas não em concerto sinfônico, onde é considerado gafe aplaudir antes do fim.

Do jazz, não faltou o scat singing, que Ella Fitzgerald ou Louis Armstrong eram capazes de improvisar a perder de vista (ou de ouvido). Também foram enxertados alguns solos instrumentais: de piano, de saxofone, de trompete. Mas o mais sensacional foi o de bateria, que se prolongou por vários minutos, os demais instrumentos em silêncio, lembrando os históricos solos do baterista Gene Krupa e de tantos outros. Ou, mais próximo de nós, daquele que há pouco nos deixou, o grande Naná Vasconcelos, oito vezes eleito o maior percussionista do mundo pela Down Beat e detentor de oito Grammys.

O único problema foi que na Sala São Paulo não há visibilidade a partir da plateia. Embora a bateria se localizasse logo na segunda fileira, portanto bem perto, o belo solo foi só ouvido, ninguém conseguiu ver nada da perícia do executante. Da plateia dava para ver os integrantes da massa coral, de pé no palco, a olhar o baterista encantados.

Afora a participação entusiasmada do público, houve embrião de dança na ginga, na expressão corporal e nos gestos dos cantores solistas. Tudo isso criou a expectativa de que a qualquer momento o Espírito visitaria o conclave através de seus fiéis, como nas igrejas protestantes negras onde o gospel integra a liturgia. Ou então, como no candomblé, o santo baixaria…

E foi por pouco, porque a convergência de todos esses elementos com a música belíssima de Haendel era de arrebatar.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH-USP.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernão Pessoa Ramos Manuel Domingos Neto Caio Bugiato Bento Prado Jr. Michael Löwy Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento Mariarosaria Fabris João Sette Whitaker Ferreira Paulo Capel Narvai Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan João Adolfo Hansen Flávio Aguiar Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho João Lanari Bo Milton Pinheiro Valerio Arcary Bruno Machado Airton Paschoa João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Ronald León Núñez Gerson Almeida Lincoln Secco Dennis Oliveira Alysson Leandro Mascaro Luiz Werneck Vianna Jean Marc Von Der Weid Chico Whitaker Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro Leda Maria Paulani Fernando Nogueira da Costa Salem Nasser Gabriel Cohn Thomas Piketty Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Bernardo Ricupero Ronald Rocha José Costa Júnior Ricardo Fabbrini Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Elias Jabbour Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Carlos Tautz Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Remy José Fontana Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Chico Alencar Vinício Carrilho Martinez Michael Roberts Luis Felipe Miguel Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Priscila Figueiredo Annateresa Fabris Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Gilberto Lopes Julian Rodrigues Anselm Jappe Marilena Chauí Roberto Bueno Valério Arcary Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves João Carlos Salles Ricardo Abramovay Marcos Silva Eugênio Bucci Paulo Martins Boaventura de Sousa Santos Benicio Viero Schmidt Marjorie C. Marona Walnice Nogueira Galvão Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Yuri Martins-Fontes Afrânio Catani Manchetômetro Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Anderson Alves Esteves Denilson Cordeiro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Eleonora Albano Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Fernandes Silveira Luiz Marques Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Eliziário Andrade André Singer Luiz Costa Lima Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Osvaldo Coggiola Luís Fernando Vitagliano Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais Daniel Afonso da Silva Armando Boito Antônio Sales Rios Neto Leonardo Boff Eduardo Borges Renato Dagnino Liszt Vieira Fábio Konder Comparato José Dirceu Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Vladimir Safatle Gilberto Maringoni Flávio R. Kothe João Carlos Loebens Andrew Korybko Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Musse José Raimundo Trindade José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral Celso Favaretto Antonino Infranca Slavoj Žižek Mário Maestri Marcus Ianoni Daniel Costa Daniel Brazil Igor Felippe Santos Claudio Katz Samuel Kilsztajn João Paulo Ayub Fonseca José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Tales Ab'Sáber Berenice Bento Otaviano Helene Sandra Bitencourt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada