Pedro pedreiro

Breon O'Casey, Música, 1997
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA*

Comentário sobre a canção de Chico Buarque de Holanda

Apesar de não ser conto, ser canção, “Pedro pedreiro”, nas audições, conta como inequívoca canção. Parece que só tem meio, mas, redonda, começa e termina perfeitamente. Exige apenas que seu início-meio-fim se confunda com seu estilo. Júlio Cortázar, sem saber, que eu saiba, gostaria de ter gostado, se tivesse conhecido. “Pedro pedreiro penseiro esperando o trem” contém personagem, ação e contexto de uma só vez, começo com início, meio e fim costurados no primeiro verso; feitio acabado de parte-todo tal qual um sistema, mais social que de filosofia.

O drama, quando começa para quem lê e escuta, tem que trabalhar para sobreviver, já nasce adulto, estabelecido na ficção. Quem espera vê o tempo andar parado, quem o faz aqui no faz de conta labora ritmo, pulso e aliteração.

A narração, essencialmente temporal, dissimula em “Pedro”, na parte que lhe toca o conto, uma falsa fixação sob e sobre seu tempo de vida de canção, coisa de minutos. Em tempo, a música, metade da canção, só existe em ato, não se desmonta, não se estoca, não se guarda. A ideia não realista de que tudo o que não é visto não existe, pois só se materializa diante dos olhos, morre como caricatura e entra pelo ouvido como contradição ondulada desde a objetividade da primeira nota. Ou é ou nada, não, nada de ou: devir, talvez, como a realidade a qual “Pedro” se refere.

“Esperando, esperando, esperando / Esperando o sol / Esperando o trem / Esperando o aumento […]”: o tempo passa, o sonho é que não. A estilização anafórica é conflito com a vida dura que dura feito pedra. Vindo numa linha anterior à leitura do conto, à audição da canção, “Desde o mês passado”, o tempo se faz quando encarna textual, e toca em Pedro parado, e lhe conta um conto, por hora nem um conto, e avisa do porvir, “para o mês que vem”, temporalmente impossível de o aumento de salário ser alcançado dentro de dois minutos e trinta e cinco segundos. O gênero canção é coautor de seus efeitos, e aqui o Brasil se esbalda, às vezes longe, noutras perto de seus Pedros.

A percussão, permanente do início ao fim, representação da continuidade inevitável, acelera seu relógio de som, tripudia seu samba. Reagindo a essa indiferença estão os metais melodramáticos, que só arranjam o que arranjam porque são mais contingenciais, e estão curiosamente alegres, latino-americanos. Há um círculo entre Pedro e pedreiro, ou uma linha não teleológica que usa a estrutura bem-acabada à Chico Buarque como fonte de sua energia virtual.

Aí, como tudo na vida, depende. O trem anuncia “que já vem”, promessa que, por se repetir como ironia crítica no conto, revela que pode estar parada. Ou, por se repetir como onomatopeia na mesma parte derradeira da canção, gerando um efeito dependente da interpretação dada pelo canto em ato consciente e prático, sinaliza que pode ser esperança.

*Rogério Rufino de Oliveira é professor de literatura e doutorando em Letras na Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Trivinho Alexandre Aragão de Albuquerque Antonio Martins Tales Ab'Sáber Gerson Almeida Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes José Dirceu Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade José Micaelson Lacerda Morais Leda Maria Paulani Luciano Nascimento Michael Löwy Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos André Singer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Anselm Jappe Carla Teixeira Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Ronald León Núñez Francisco Fernandes Ladeira Marcus Ianoni Luiz Eduardo Soares Marcos Silva Boaventura de Sousa Santos Ladislau Dowbor Renato Dagnino José Geraldo Couto Matheus Silveira de Souza Michael Roberts Fernando Nogueira da Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Michel Goulart da Silva Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado Leonardo Sacramento Mariarosaria Fabris José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel Rafael R. Ioris Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Tarso Genro Antonino Infranca Érico Andrade Luiz Marques Ronald Rocha Ricardo Fabbrini Alysson Leandro Mascaro Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí Dênis de Moraes Chico Alencar Afrânio Catani Henry Burnett Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Tadeu Valadares Leonardo Avritzer Anderson Alves Esteves Denilson Cordeiro Luiz Carlos Bresser-Pereira Liszt Vieira Ricardo Musse Leonardo Boff Henri Acselrad Berenice Bento Fábio Konder Comparato Paulo Sérgio Pinheiro Jean Pierre Chauvin Eduardo Borges Julian Rodrigues Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Lincoln Secco Luiz Bernardo Pericás Paulo Nogueira Batista Jr João Sette Whitaker Ferreira Daniel Costa Carlos Tautz Valerio Arcary João Carlos Loebens Andrés del Río Heraldo Campos João Feres Júnior Eugênio Bucci Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Mário Maestri Andrew Korybko Ari Marcelo Solon Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Elias Jabbour Chico Whitaker Gabriel Cohn Vladimir Safatle Dennis Oliveira Osvaldo Coggiola Priscila Figueiredo Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Annateresa Fabris Paulo Martins Daniel Brazil Bento Prado Jr. Maria Rita Kehl Otaviano Helene Armando Boito Remy José Fontana Lorenzo Vitral Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira João Paulo Ayub Fonseca Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Gilberto Lopes Alexandre de Lima Castro Tranjan Sandra Bitencourt Samuel Kilsztajn João Lanari Bo Vanderlei Tenório José Luís Fiori Luiz Renato Martins Lucas Fiaschetti Estevez Eliziário Andrade André Márcio Neves Soares Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Ricardo Antunes Caio Bugiato Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Bruno Machado Claudio Katz José Costa Júnior Valerio Arcary Atilio A. Boron Flávio R. Kothe Milton Pinheiro Thomas Piketty

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada