As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Harsíese

Leão do portão de Ishtar, Babilônia (tijolos vidrados), Museu Arqueológico, Istambul, Turquia
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDUARDO SINKEVISQUE*

Considerações sobre o livro de Jacyntho Lins Brandão

A múmia queimada pelo incêndio do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista renasce como fênix na poesia de Jacyntho Lins Brandão, que não a repõe, nem a recria em seu mais recente livro de poemas vencedor do Prêmio Alphonsus de Guimaraens da Fundação Biblioteca Nacional.

Em Harsíese, Jacyntho Lins Brandão faz voar a fênix, a desloca de lugares, que são Ouro Preto, Belo Horizonte, entre outros Orientes e horizontes.

Em seu recém-lançado livro de poemas, Jacyntho Brandão faz a múmia falar.

A poesia de Harsíese vem de um não-lugar ou do lugar-da-morte e se desenha aos olhos e ouvidos (internos) do leitor. É maravilha, espanto, precipício, memória, ruína, sítio, Babilônia, Cartago, Pérsia. É poesia da enargeia, da evidentia. História, escavação.

Quero dizer que li os poemas que compõem Harsíase seguindo sua disposição de partes. Li-os como um leitor não obediente, mas aderente às escolhas que o poeta fez. Ou seja, li sequencialmente “Brancor” e seus poemas; “Dialética Disléxica” e seus poemas; “Ouro Preto: Raízes”, e seus poemas e “Errâncias” e seus poemas. E os li devagar. E os li adiando o fim.

Em “Brancor” vi um tom melancólico, por vezes, um resquício de Carlos Drummond em “Casa dos Lodi”. E senti o ritmo lindo do poema. Anotei: maravilha! Maravilhoso!!! E vi o poeta fazer perguntas retóricas que prescindem de respostas. Vi graça em “Delira, Marília”, aquela dama cantada desde o século XVIII, mas que carrega consigo tantos lugares antigos de mulher, tantas camadas de lirismo. Ouvi a cantiga, a canção com refrão de Jacyntho nesse poema-modinha.

E ouvi também a cantiga de “Me equilibro em corda tensa”, a musicalidade do poema, a graça, a leveza. Me ri na epígrafe de “Nada Dizer”, vi o estimado Luciano na “Ilha da utopia”. Me diverti em “Ode ao fumo”, encontrando mais uma vez Drummond em Jacyntho Brandão em “Palavra em ponto de bala”. Vi emulação. Vi Jacyntho vencer o (suposto) modelo.

Em “Dialética Disléxica”, de que não vou me ater à agudeza que nomeia esta parte de Harsíese, eu comecei por grafar uma exclamação logo ao ler a epígrafe.

Aliás, as epígrafes do livro são todas ótimas e saborosas, compondo uma leitura paralela para além de cumprirem sua função de complementar, ilustrar de alguma maneira os textos. Aliás, as epígrafes podem funcionar como inscrições lapidares, lápides.

Se minha hipótese de leitura, de que o poeta faz o morto falar, faz a ruína falar, as epígrafes de Harsíese são lápides.

Mas voltando à “Dialética Disléxica”, reconheci em Jacyntho Lins Brandão um homem de seu tempo, de muitos tempos, de todos os tempos.

Sublinhei muitos versos, desenhei muitas exclamações, derramei afecções sobre as afecções propostas.

“Ouro Preto: Raízes” foi a parte em que menos me comovi, a parte que menos me moveu. Entendo-a como uma espécie de cancioneiro, assim meio que à maneira de Cecília Meirelles. Um cancioneiro ouro-pretense, que imagino em homenagem à cidade, um dos amores de Jacyntho Brandão.

Mesmo assim grafei exclamações indicando ter sido atingido por um ou outro poema da série, que anotei lindíssimo. Vi nesta partícula de Harsíase mote/glosa de si mesmo nos anos, como no poema de 1955 (p. 69), as variações elocutivas.

Em “Errâncias”, para ser “breve e leve”, e não ser amplificativo condenso o comentário ao dizer que vi Drummond novamente. Vi emulação de Drummond em “Não há mais bondes para as pernas”.

Harsíese termina em Ítaca. Como só poderia. Inicia-se com o “traço que corrompe” e termina o percurso, a diegese, em Ítaca!

A poesia de Jacyntho deste livro está posta sob égide de Harsíese, alto funcionário egípcio que o fascismo brasileiro fez e deixou queimar.

Trata-se de poesia da dissolução. Pode como uma rima ser apenas uma solução, mas não. Tendo (e às vezes tem) ou não rima é mais do que solução, soluço grande. É poesia grande, que está sob a dissolução.

*Eduardo Sinkevisque é pós-doutor em teoria literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referência


Jacyntho Lins Brandão. Harsíese. São Paulo, Patuá, 2023. [https://amzn.to/3R4bP82]

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Julian Rodrigues Flávio Aguiar Ricardo Abramovay Roberto Bueno Érico Andrade Sandra Bitencourt Marcus Ianoni Celso Frederico Marcos Silva Daniel Afonso da Silva Airton Paschoa Atilio A. Boron Antônio Sales Rios Neto Mariarosaria Fabris Salem Nasser Yuri Martins-Fontes Ari Marcelo Solon Mário Maestri Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Lincoln Secco Jorge Luiz Souto Maior Luiz Roberto Alves Fernando Nogueira da Costa Luiz Eduardo Soares Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez José Raimundo Trindade José Geraldo Couto Henry Burnett Armando Boito Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Claudio Katz Leonardo Avritzer João Carlos Loebens Vladimir Safatle Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Leda Maria Paulani Ricardo Musse Antonio Martins Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Eliziário Andrade Vanderlei Tenório Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima Francisco Pereira de Farias Otaviano Helene Anselm Jappe Alexandre de Freitas Barbosa Afrânio Catani Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Luiz Carlos Bresser-Pereira Milton Pinheiro Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Priscila Figueiredo Daniel Brazil João Carlos Salles José Dirceu Luiz Marques Carla Teixeira José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Módolo Gerson Almeida Luiz Renato Martins Michael Roberts Juarez Guimarães Luciano Nascimento Jean Pierre Chauvin Leonardo Sacramento Gilberto Maringoni Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Marilia Pacheco Fiorillo Michael Löwy Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Eugênio Trivinho Luiz Costa Lima Tadeu Valadares João Lanari Bo Renato Dagnino Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Henri Acselrad Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Daniel Costa Heraldo Campos José Costa Júnior Slavoj Žižek Valério Arcary Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Paulo Capel Narvai Elias Jabbour Roberto Noritomi Rubens Pinto Lyra André Márcio Neves Soares João Feres Júnior Jorge Branco Caio Bugiato João Adolfo Hansen João Paulo Ayub Fonseca Paulo Nogueira Batista Jr Andrew Korybko Leonardo Boff Boaventura de Sousa Santos Eduardo Borges Luis Felipe Miguel Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Eleutério F. S. Prado Lorenzo Vitral Eugênio Bucci André Singer José Luís Fiori Rafael R. Ioris Manchetômetro Celso Favaretto Flávio R. Kothe Paulo Martins Fernão Pessoa Ramos Paulo Sérgio Pinheiro Antonino Infranca Anderson Alves Esteves Liszt Vieira Gabriel Cohn Tales Ab'Sáber Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Alexandre Aragão de Albuquerque Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Igor Felippe Santos Berenice Bento Ronald León Núñez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada