As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A guerra longa

Imagem: Ales Uscinau
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDREW KORYBKO*

O comandante-em-chefe da Ucrânia fez um último apelo por ajuda americana

A disfunção do Congresso norte-americano no mês passado, ao lado da guerra entre Israel e o Hamas, que eclodiu ao mesmo tempo, criaram a tempestade perfeita do ponto de vista da Ucrânia, pois resultou no corte abrupto de ajuda, paralelamente à redefinição de prioridades de seu principal patrocinador em relação ao autoproclamado Estado judeu. “A revista Time compartilhou algumas verdades ‘politicamente inconvenientes’ sobre a Ucrânia” em seu artigo de capa sobre Volodymyr Zelensky, citando seus assessores mais próximos e conselheiros seniores não identificados, o que a The Economist acaba de confirmar.

Eles entrevistaram o comandante-em-chefe Zaluzhny e publicaram uma série em três partes composta pelo relatório sobre esta conversa (cf. aqui), o artigo dele de nove páginas sobre “Guerra moderna de posição e como vencê-la” (cf. aqui) e o resumo executivo que ele escreveu (cf. aqui). Juntos, eles representam o último apelo desse oficial militar de alto escalão pela ajuda americana, sem a qual seu lado será forçado a fazer um acordo com a Rússia por meio de um cessar-fogo ou, pelo menos, um congelamento informal do conflito; ou arriscará um motim se continuar lutando.

No entanto, este último cenário não é tão improvável quanto os apoiadores mais fervorosos de Kiev podem instintivamente alegar, já que os dois artigos da revista Time e o da The Economist sugerem isso de forma assustadora. A primeira informou a seus leitores que algumas tropas começaram a recusar ordens para avançar mesmo quando elas vêm do gabinete presidencial, algo que consideram suicida sem a mobilização de mais armas e homens, enquanto a segunda estava fortemente orientada por Zaluzhny no primeiro de seus três artigos mencionados, como segue:

“‘O maior risco de uma guerra de atrito por trincheiras é que ela pode se arrastar por anos e desgastar o Estado ucraniano’, diz [Zaluzhny]. Na Primeira Guerra Mundial, os motins interferiram antes que a tecnologia pudesse fazer a diferença. Quatro impérios colapsaram e uma revolução eclodiu na Rússia. Um colapso no moral ucraniano e no apoio ocidental é exatamente com o que Putin está contando. Não há dúvidas na mente do general Zaluzhny de que uma guerra longa favorece a Rússia, um país com uma população três vezes maior e uma economia dez vezes maior que a da Ucrânia”.

Lendo nas entrelinhas, Volodymyr Zelensky – que as fontes anônimas do séquito da revista Time advertiram que “ele se ilude” com uma crença na vitória de Kiev que começou a “beirar o messianismo” – pode muito bem apostar que é melhor arriscar um motim do que congelar o conflito. Em outras palavras, ele continuará lutando mesmo que a ajuda americana nunca retorne a seu ritmo, escala e abrangência anteriores e continue sendo “apenas o meio de sobreviver” ao conflito e não “o meio de vencer a guerra”, como descreveram as fontes.

Zaluzhny estava aludindo a esse pior cenário ao alertar sobre como um conflito prolongado poderia “desgastar o Estado”, mas preferiu apelar mais para a crença arrogante de alguns formuladores de políticas americanos de que eles ainda poderiam derrotar a Rússia em sua última tentativa de restaurar o mesmo nível de ajuda. É por isso que, em sua entrevista, no artigo que escreveu e em seu resumo executivo do referido artigo, ele se concentrou mais nos tipos específicos de armas de que precisa e em como planeja usá-las.

Até então, especular sobre um motim iminente ou um golpe militar antes dos artigos da revista Time e da The Economist era um assunto do reino da Comunidade de Mídia Alternativa, que a Mídia Tradicional desacredita como sendo “propaganda russa”. Depois desses dois artigos, entretanto, os ocidentais comuns e seus formuladores de políticas podem agora discutir esses cenários sem medo de serem difamados. Isso representa uma das mudanças narrativas mais significativas desde o início do conflito e, portanto, deve ser acompanhada de perto.

*Andrew Korybko é mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou. Autor do livro Guerras híbridas: das revoluções coloridas aos golpes (Expressão Popular). [https://amzn.to/46lAD1d]

Tradução: Fernando Lima das Neves.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henry Burnett Antônio Sales Rios Neto Otaviano Helene Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Osvaldo Coggiola Bernardo Ricupero Fábio Konder Comparato Samuel Kilsztajn Lincoln Secco João Lanari Bo Bruno Machado João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Leonardo Boff André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro Eleonora Albano Ronaldo Tadeu de Souza Yuri Martins-Fontes José Micaelson Lacerda Morais José Geraldo Couto Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Luiz Marques Celso Frederico Gerson Almeida Anselm Jappe Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Eleutério F. S. Prado Igor Felippe Santos Luiz Renato Martins João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Michael Roberts Celso Favaretto Tadeu Valadares Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Bucci Daniel Costa Marjorie C. Marona Lucas Fiaschetti Estevez Walnice Nogueira Galvão Rafael R. Ioris Valerio Arcary Gabriel Cohn Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes Slavoj Žižek Roberto Bueno Paulo Capel Narvai André Singer Ronald León Núñez Afrânio Catani Priscila Figueiredo Francisco Pereira de Farias Tarso Genro José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Sandra Bitencourt Ricardo Fabbrini Francisco Fernandes Ladeira Heraldo Campos Rodrigo de Faria Mário Maestri Henri Acselrad Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Alexandre de Lima Castro Tranjan Salem Nasser Berenice Bento Ladislau Dowbor Ricardo Musse Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Vladimir Safatle Liszt Vieira Dennis Oliveira Anderson Alves Esteves Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Ronald Rocha Remy José Fontana Marilia Pacheco Fiorillo Julian Rodrigues Daniel Brazil Carlos Tautz Michael Löwy Mariarosaria Fabris Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Kátia Gerab Baggio Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Eduardo Borges Boaventura de Sousa Santos Claudio Katz Juarez Guimarães Luiz Bernardo Pericás Valério Arcary Paulo Martins Vanderlei Tenório Annateresa Fabris Atilio A. Boron Leonardo Sacramento João Carlos Salles Jorge Branco Flávio R. Kothe Antonio Martins José Luís Fiori Gilberto Lopes João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Noritomi Caio Bugiato João Adolfo Hansen José Raimundo Trindade José Machado Moita Neto Denilson Cordeiro Marcos Silva Leonardo Avritzer Eliziário Andrade Bento Prado Jr. Gilberto Maringoni Jorge Luiz Souto Maior Carla Teixeira Maria Rita Kehl Ari Marcelo Solon Lorenzo Vitral Milton Pinheiro Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Manchetômetro Marcus Ianoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Thomas Piketty Andrew Korybko Luiz Costa Lima Luciano Nascimento Marilena Chauí Paulo Sérgio Pinheiro Tales Ab'Sáber Chico Whitaker Chico Alencar Daniel Afonso da Silva Ricardo Antunes Jean Pierre Chauvin Érico Andrade Paulo Fernandes Silveira Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada