A guerra longa

Imagem: Ales Uscinau
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDREW KORYBKO*

O comandante-em-chefe da Ucrânia fez um último apelo por ajuda americana

A disfunção do Congresso norte-americano no mês passado, ao lado da guerra entre Israel e o Hamas, que eclodiu ao mesmo tempo, criaram a tempestade perfeita do ponto de vista da Ucrânia, pois resultou no corte abrupto de ajuda, paralelamente à redefinição de prioridades de seu principal patrocinador em relação ao autoproclamado Estado judeu. “A revista Time compartilhou algumas verdades ‘politicamente inconvenientes’ sobre a Ucrânia” em seu artigo de capa sobre Volodymyr Zelensky, citando seus assessores mais próximos e conselheiros seniores não identificados, o que a The Economist acaba de confirmar.

Eles entrevistaram o comandante-em-chefe Zaluzhny e publicaram uma série em três partes composta pelo relatório sobre esta conversa (cf. aqui), o artigo dele de nove páginas sobre “Guerra moderna de posição e como vencê-la” (cf. aqui) e o resumo executivo que ele escreveu (cf. aqui). Juntos, eles representam o último apelo desse oficial militar de alto escalão pela ajuda americana, sem a qual seu lado será forçado a fazer um acordo com a Rússia por meio de um cessar-fogo ou, pelo menos, um congelamento informal do conflito; ou arriscará um motim se continuar lutando.

No entanto, este último cenário não é tão improvável quanto os apoiadores mais fervorosos de Kiev podem instintivamente alegar, já que os dois artigos da revista Time e o da The Economist sugerem isso de forma assustadora. A primeira informou a seus leitores que algumas tropas começaram a recusar ordens para avançar mesmo quando elas vêm do gabinete presidencial, algo que consideram suicida sem a mobilização de mais armas e homens, enquanto a segunda estava fortemente orientada por Zaluzhny no primeiro de seus três artigos mencionados, como segue:

“‘O maior risco de uma guerra de atrito por trincheiras é que ela pode se arrastar por anos e desgastar o Estado ucraniano’, diz [Zaluzhny]. Na Primeira Guerra Mundial, os motins interferiram antes que a tecnologia pudesse fazer a diferença. Quatro impérios colapsaram e uma revolução eclodiu na Rússia. Um colapso no moral ucraniano e no apoio ocidental é exatamente com o que Putin está contando. Não há dúvidas na mente do general Zaluzhny de que uma guerra longa favorece a Rússia, um país com uma população três vezes maior e uma economia dez vezes maior que a da Ucrânia”.

Lendo nas entrelinhas, Volodymyr Zelensky – que as fontes anônimas do séquito da revista Time advertiram que “ele se ilude” com uma crença na vitória de Kiev que começou a “beirar o messianismo” – pode muito bem apostar que é melhor arriscar um motim do que congelar o conflito. Em outras palavras, ele continuará lutando mesmo que a ajuda americana nunca retorne a seu ritmo, escala e abrangência anteriores e continue sendo “apenas o meio de sobreviver” ao conflito e não “o meio de vencer a guerra”, como descreveram as fontes.

Zaluzhny estava aludindo a esse pior cenário ao alertar sobre como um conflito prolongado poderia “desgastar o Estado”, mas preferiu apelar mais para a crença arrogante de alguns formuladores de políticas americanos de que eles ainda poderiam derrotar a Rússia em sua última tentativa de restaurar o mesmo nível de ajuda. É por isso que, em sua entrevista, no artigo que escreveu e em seu resumo executivo do referido artigo, ele se concentrou mais nos tipos específicos de armas de que precisa e em como planeja usá-las.

Até então, especular sobre um motim iminente ou um golpe militar antes dos artigos da revista Time e da The Economist era um assunto do reino da Comunidade de Mídia Alternativa, que a Mídia Tradicional desacredita como sendo “propaganda russa”. Depois desses dois artigos, entretanto, os ocidentais comuns e seus formuladores de políticas podem agora discutir esses cenários sem medo de serem difamados. Isso representa uma das mudanças narrativas mais significativas desde o início do conflito e, portanto, deve ser acompanhada de perto.

*Andrew Korybko é mestre em Relações Internacionais pelo Instituto Estadual de Relações Internacionais de Moscou. Autor do livro Guerras híbridas: das revoluções coloridas aos golpes (Expressão Popular). [https://amzn.to/46lAD1d]

Tradução: Fernando Lima das Neves.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A indenização esquecidamercado de escravos 07/07/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: O capital inicial das famílias da elite foi de escravizados, o grande e escondido capital inicial de quase todos os grandes empresários brasileiros
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • Greve — o curso da verdade e um fragmento do realclarisse gurgel 08/07/2024 Por CLARISSE GURGEL: Toda greve do serviço público, em nosso país, é um fragmento do real do qual outra ideia de Brasil atesta que o trabalho de sua verdade está em curso

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES