As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lula- Alckmin

Imagem: Jeswin Thomas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RODRIGO VIANNA*

A conversa que mexe com o tabuleiro político e assusta a direita

O último mês do terrível ano de 2021 começa com o quadro político quase definido para 2022. João Dória ganhou o braço de ferro no PSDB, e por estreita margem será o candidato de um partido decadente. Dória tem a máquina de São Paulo, muito dinheiro e guarda alguma simpatia em setores tradicionais da elite paulista.

Sérgio Moro ocupou todos os espaços que a mídia tradicional generosamente lhe concedeu: é o candidato da Globo e de fatias importantes do mercado financeiro, além de agregar aqueles militares que sonham com um bolsonarismo sem Bolsonaro. Ainda na extrema-direita, Bolsonaro jogou fora o figurino de “antissistema” e se abraçou ao Centrão, filiando-se ao PL, enquanto vê suas taxas de aprovação caírem abaixo de 20%.

O movimento mais importante, no entanto, deu-se na oposição. Lula emitiu sinais, numa entrevista à emissora de rádio gaúcha, de que a aliança com Geraldo Alckmin passou de “possível” para o estágio de “desejável” em parte da direção petista.

A possibilidade da chapa Lula-Alckmin gera urticária em parte da militância de esquerda, mas é preciso entender o grave quadro do país. Não, Alckmin não soma grande quantidade de votos ao pré-candidato do PT, hoje favorito nas pesquisas. O que Alckmin faz é destravar portas.

Não se sabe se a articulação vai prosperar, mas a reação de colunistas lavajatistas, que trabalham como escribas do patronato midiático, mostra que a conversa entre Lula e o (quase) ex-tucano muda o jogo. Josias de Sousa (UOL) e Vera Magalhães (O Globo) estão entre os que atacaram a chapa que ninguém sabe se vai mesmo existir. Mas já assusta.

A reação na mídia, seguida de críticas de empresários extremistas como Salim Mattar (outro que criticou a conversa entre Lula e Alckmin), é sinal claro de que o lavajatismo torce para que o petista fique preso ao canto esquerdo do ringue, com a (falsa) imagem de “radical defensor de ditaduras” sendo martelada nas manchetes.

A chapa Lula-Alckmin quebra essa narrativa.

Lula poderia ganhar a eleição com uma chapa “puro sangue” de centro-esquerda? Talvez… Mas lembremos: em 1989, 1994 e 1998 (quando se apresentou acompanhado de Bisol/PSB, Mercadante/PT e Brizola/PDT), Lula perdeu. Em 2002 e 2006, com um vice moderado, Lula ampliou e ganhou a eleição.

Ah, mas Alckmin apoiou o golpe de 2016! É verdade. Foi dos menos barulhentos no apoio ao golpe, chegou a se posicionar contra, mas depois embarcou na aventura. A dura realidade é que o golpe de 2016 nos levou a um quadro de degenerescência da Democracia. Não vivemos na normalidade democrática. E a esquerda sozinha, parece-me, não tem força para tirar o país do atoleiro. Não basta ganhar nas urnas, é preciso criar governabilidade.

Nos anos 1970, JK e Carlos Lacerda (que haviam apoiado o Golpe de 64) sentaram pra conversar com Jango para formar uma frente ampla pela Democracia e contra a ditadura. Mais tarde, um personagem como Teotônio Vilela (egresso do partido conservador Arena) teve papel fundamental na abertura democrática, denunciando abusos autoritários e cobrando a anistia. Não acho que Alckmin tenha a mesma estatura desses personagens. Mas o paralelo é possível. Situações excepcionais requerem saídas excepcionais.

Não pretendo dourar a pílula: Alckmin é conservador e privatista (apesar de, em 2006, ter declarado que não levaria adiante privatização de Petrobras e Banco do Brasil); por outro lado, é um interlocutor leal e correto nas negociações – como atesta Fernando Haddad, que teve interlocução com ele quando o petista era prefeito e Alckmin governador.

A extrema-direita hoje tem dois personagens à procura de um enredo: Bolsonaro ou Moro podem blocar a direita (agronegócio, mercado, militares, mídia) e transformar 2022 num inferno salpicado de antipetismo e terrorismo eleitoral. Alckmin com Lula significa romper o bloco da direita, significa tirar uma peça que está “do lado de lá” e trazer “pro lado de cá” do tabuleiro.

Não sei se o conservador Alckmin será, ao fim, o vice de Lula. Mas a conversa, por si só, mexe com o tabuleiro, assusta a direita e permite que Lula abra portas ainda fechadas junto ao empresariado e à classe média conservadora. Lula-Alckmin não é tão importante, talvez, para ganhar a eleição. Mas para criar governabilidade em 2023.

Por fim, o arranjo permitiria destravar o quadro em São Paulo, criando as condições para a derrota do bloco de Dória e para encerrar o longo ciclo tucano no estado mais rico do país.

*Rodrigo Vianna é jornalista e mestre em História Social pela USP.

Publicado originalmente no Portal Brasil 247.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Claudio Katz Alexandre Aragão de Albuquerque Jean Marc Von Der Weid Marcelo Guimarães Lima João Lanari Bo Ronaldo Tadeu de Souza Priscila Figueiredo Bernardo Ricupero Roberto Bueno Bento Prado Jr. Manchetômetro Luciano Nascimento Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Eleonora Albano Lincoln Secco José Luís Fiori Francisco Pereira de Farias Francisco Fernandes Ladeira Flávio Aguiar Tales Ab'Sáber Celso Frederico João Carlos Salles Leonardo Boff Antonino Infranca Kátia Gerab Baggio Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato Liszt Vieira Michael Löwy João Carlos Loebens Tarso Genro Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva Ricardo Musse Sandra Bitencourt Luiz Costa Lima Luiz Bernardo Pericás Renato Dagnino Atilio A. Boron Luiz Roberto Alves José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira Érico Andrade Gilberto Lopes Marcos Silva Ronald León Núñez Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Vanderlei Tenório João Feres Júnior Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Valério Arcary Salem Nasser Afrânio Catani Eduardo Borges Leonardo Sacramento João Sette Whitaker Ferreira Annateresa Fabris Igor Felippe Santos Samuel Kilsztajn Dênis de Moraes Alexandre de Lima Castro Tranjan Gabriel Cohn Luiz Marques Juarez Guimarães José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Antonio Martins Ladislau Dowbor Otaviano Helene Remy José Fontana Heraldo Campos Luis Felipe Miguel Chico Alencar Ricardo Antunes Luiz Renato Martins Celso Favaretto Vladimir Safatle Julian Rodrigues Maria Rita Kehl Paulo Martins José Geraldo Couto Rodrigo de Faria Airton Paschoa Dennis Oliveira Daniel Costa Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Flávio R. Kothe Valerio Arcary Elias Jabbour Eleutério F. S. Prado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Eugênio Trivinho Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Gerson Almeida Rafael R. Ioris Milton Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Paulo Nogueira Batista Jr Fábio Konder Comparato Denilson Cordeiro Marcus Ianoni Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Thomas Piketty Eugênio Bucci Henry Burnett Andrew Korybko Armando Boito André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Alysson Leandro Mascaro Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Costa Júnior Vinício Carrilho Martinez André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin José Dirceu Gilberto Maringoni Manuel Domingos Neto Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Daniel Brazil Marcos Aurélio da Silva Marilena Chauí Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Avritzer Ricardo Abramovay Chico Whitaker Carlos Tautz Paulo Fernandes Silveira Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Berenice Bento Rubens Pinto Lyra Francisco de Oliveira Barros Júnior Slavoj Žižek Carla Teixeira Anselm Jappe Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Boaventura de Sousa Santos Michael Roberts Bruno Machado Paulo Capel Narvai

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada