As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ignorância: uma história global

Eliezer Markowich Lissitzky, Empresas, fábricas, poços, minas, Fotografia, 1939
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

Considerações a partir do livro de Peter Burke

Ignorance: a global history, de Peter Burke, saiu do forno recém (2022, pela Yale University Press; 2023, pela Editora Vestígio). Para o The New York Times Book Review, a obra “explora os modos como obstáculos, esquecimento, sigilo, negação, incerteza, preconceito, mal-entendidos e credulidade têm impactado o curso da história, desde o redesenho das fronteiras até a negação da mudança climática e muito mais”. O ensaio é dedicado “Aos professores deste mundo, heróis e heroínas na tentativa diária de remediar a ignorância”. Nossa categoria tenta.

Renato Janine Ribeiro, na apresentação da edição brasileira, elogia o oportuno esforço intelectual numa época que torna a ignorância “arrogante”. Para fascistas, a cultura é alvo do ódio e a incultura motivo de orgulho. A reflexão divide-se em duas partes alentadas. Na primeira, “A ignorância na sociedade”, discorre especialmente sobre a área da religião, da ciência e da geografia. Na segunda, “Consequências da ignorância”, percorre a guerra, os negócios, a política, as catástrofes, os segredos, as dúvidas e o esquecimento do passado. A conclusão, “O novo conhecimento e a nova ignorância”, projeta a concepção cíclica (maquiaveliana) do ícone em história cultural, da Universidade de Cambridge.

De quem? Para quem?

A ignorância é um dos “cinco gigantes” a serem derrotados pelo processo civilizatório, junto com a pobreza, a doença, a miséria e a ociosidade. Lê-se no relatório que fundamentou o Estado de bem-estar social britânico, criado pelo governo trabalhista de 1945. Sob a hegemonia das finanças, tal programa cedeu ao reverso – a “produção da ignorância” nas massas.

Resultado: mais pobreza, pelo aumento das desigualdades; mais doença, pela inexistência de um sistema de saúde universal; mais miséria, pelo abandono das políticas sociais e da esperança nascida há mais de 500 anos com a Utopia, de Thomas More, de uma renda básica contra a criminalidade e; mais ociosidade forçada, pela célere expulsão da atividade formal de milhões de pessoas. O neoliberalismo da Société du Mont Pèlerin acarretou uma sobrecarga tóxica de barbarização e indiferença na sociedade.

À lista, é possível acrescentar a ignorância propagada pelas classes dominantes sobre a economia, no capitalismo. Seja para mistificar o léxico de justificação da “austeridade” e a eliminação dos aportes estatais em saúde, educação, habitação, assistência social, convertendo direitos em serviços pagos, na Europa; seja para naturalizar os juros definidos por um Banco Central dito independente, no Brasil – de quem? para quem? No consumo, a desinformação também cumpre papel importante. “Os agentes do mercado não perdem a chance de se beneficiar da ignorância alheia”, conforme explana Flávio Fligenspan, no artigo “A falácia do parcelado sem juros” (Sul 21, 11/09/2023).

Para não ficarmos restritos ao desconhecido-desconhecido (o que se desconhece sem estar ciente de desconhecer), vale citar o conhecido-desconhecido (o conhecimento que não conhece a si mesmo), como Slavoj Zizek refere-se ao inconsciente freudiano-lacaniano. A insciência é geral. Somos todos imperitos, em uma medida ou outra. A recusa do saber não é inocente. Pode agravar as catástrofes pseudo naturais. As enchentes nos municípios gaúchos dão provas. Os pobres em zonas vulneráveis percebiam os perigos, e não tinham poder decisório; os altos administradores estavam informados dos estragos potenciais, e detinham o comando. Nada fizeram, a não ser chorar o leite derramado. Ou espairecer a calamidade num show da Ivete Sangalo em São Paulo, como o governador do Rio Grande do Sul.

A ignorância custa caro

São perigosos os que tomam decisões qual os ignorantes (nihil sciens), de costas para os desastres da comunidade. A “ética da responsabilidade” impõe aos representantes políticos, primeiro, garantir o direito à segurança dos representados no território que habitam e; segundo, prestar solidariedade não pró forma aos dependentes de instituições oficiais. Pós-tudo, aos sequelados nas águas que arrastaram casas e sonhos, cabe ajuizar mandatários rápidos com os “de cima” nas privatizações do patrimônio público e, burocráticos, com os “de baixo” na necessidade. O luto exige circunspecção. “O senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães”, aprende-se lá nas veredas do grande sertão.

A perseguição da potência do Norte a Julian Assange ocorre pela divulgação dos documentos sigilosos sobre as invasões do Afeganistão, do Iraque e o CableGate – espionagem de dirigentes estrangeiros através do acesso ilegal ao Gmail. O argumento remonta aos “segredos de Estado” ou às “razões de Estado”. No Estado de direito democrático prevalece o valor da transparência para o interesse público. Se não prevalece, é que a verdade abala os alicerces do status quo imperialista.

A démarche neoliberal investe na inevitabilidade de um progresso que gera o caos social e a crise ambiental. Para Peter Burke, a ascensão dos novos conhecimentos traz novas ignorâncias. Se a espécie in totum sabe hoje mais do que nunca, individualmente talvez não se possa falar o mesmo. O estudo dos clássicos caiu em desuso. A fragmentação do saber forma técnicos sem sapiência, acusa o centenário Edgar Morin. Na medicina, onde cedo a ignorância é estudada, muitos médicos abraçaram o negacionismo científico na pandemia, em contradição com o juramento de Hipócrates.

Totalidade significativa

Há que articular o conhecimento existente a partir do que Lucien Goldmann denomina “totalidade significativa”. Na visão dialética, ao contrário da positivista, “o todo não é sinônimo de tudo”. O que conta para a cognição são as peças relevantes ao entendimento dos fenômenos da realidade. O poder do pensamento está em sua capacidade de estruturar e significar o conhecimento de maneira inteligível, e não na quantidade aleatória e desordenada dos dados estocados pelo doutor Google.

A “infocracia” explora a ignorância das multidões com a tecnologia do Big Data. A manipulação das tendências consumistas e inclusive eleitorais está longe de equivaler a uma potencialização da racionalidade dos comportamentos, e menos, à compreensão de conjunto dos acontecimentos. A consciência é o palco da disputa entre a crítica socialista e a cobiça capitalista que tece modalidades da dominação para trapacear os ingênuos. A emancipação ou sujeição da humanidade está em jogo. Por sorte, não se pode enganar todas as pessoas o tempo todo, embora a si próprio seja bem fácil.

A “sociedade de informação” não resolve nenhum impasse da contemporaneidade – a hecatombe climática, as abissais desigualdades, a destruição da democracia e a ameaça de conflito nuclear. A luta de classes não é saudade da era analógica, senão sintoma da rediviva equação de classes. Para aqueles que desempenham funções de mando, recomenda-se o capítulo onde sob três ângulos Peter Burke aborda “A ignorância política”: dos governantes (reis, primeiros-ministros ou presidentes), dos governados e da organização do sistema de governança. As 366 páginas se apoiam na citação de Thomas Jefferson: “Se uma nação espera ser ignorante e livre, e ainda em condição de civilização, ela espera algo que nunca aconteceu e jamais acontecerá”. Mas, isso, a leitora e o leitor decidem.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

Referência


Peter Burke. Ignorância: uma história global. Tradução: Rodrigo Seabra. Belo Horizonte, Vestígio, 366 págs. [https://amzn.to/46DeKdT]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Anselm Jappe Francisco Pereira de Farias Flávio R. Kothe Eduardo Borges Ronald León Núñez Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Manchetômetro Michael Roberts Ari Marcelo Solon Denilson Cordeiro Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Bernardo Ricupero Igor Felippe Santos Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Bruno Machado Roberto Noritomi André Márcio Neves Soares Luiz Renato Martins Bento Prado Jr. Gabriel Cohn Jean Marc Von Der Weid Eugênio Bucci Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Gilberto Lopes Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay Celso Frederico Antônio Sales Rios Neto Everaldo de Oliveira Andrade Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Caio Bugiato Paulo Martins João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Leonardo Boff Valério Arcary João Carlos Salles Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vladimir Safatle Rodrigo de Faria Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Dennis Oliveira Fernando Nogueira da Costa Luiz Bernardo Pericás Marcelo Guimarães Lima Michael Löwy Flávio Aguiar João Adolfo Hansen Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto Daniel Costa José Raimundo Trindade Chico Whitaker Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Jorge Branco Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Vanderlei Tenório Eleonora Albano Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Eugênio Trivinho Dênis de Moraes João Feres Júnior Eliziário Andrade Daniel Brazil Thomas Piketty Afrânio Catani Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Gerson Almeida Andrew Korybko Lorenzo Vitral Ronaldo Tadeu de Souza José Costa Júnior Berenice Bento Tadeu Valadares Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Mário Maestri Roberto Bueno Luis Felipe Miguel Slavoj Žižek Kátia Gerab Baggio Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Chico Alencar Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Gilberto Maringoni Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior Leda Maria Paulani Sandra Bitencourt Annateresa Fabris André Singer Renato Dagnino Francisco de Oliveira Barros Júnior José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Antunes Milton Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Marcos Aurélio da Silva Marcos Silva Leonardo Sacramento Ricardo Fabbrini Armando Boito Carlos Tautz Mariarosaria Fabris Antonino Infranca Tales Ab'Sáber João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Heraldo Campos Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Alysson Leandro Mascaro Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro João Lanari Bo Airton Paschoa Érico Andrade Paulo Fernandes Silveira Marjorie C. Marona Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Valerio Arcary Julian Rodrigues José Dirceu Marcelo Módolo Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Luiz Costa Lima Liszt Vieira Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada