Pequeno vocabulário da imprensa cínica

Imagem: Fatih Güney
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

Os donos da imprensa, assim como os senhores da guerra, sabem bem utilizar a ideologia do “direito de defesa” em favor das potências mundiais

Domingo, 22 de outubro de 2023, das 16h em diante. A intervalos regulares, um empolgado locutor de corrida anuncia que, logo mais, o canal de televisão (cuja marca celebra os morticínios provocados pelas Entradas e Bandeiras, nos séculos XVII e XVIII) exibirá matéria exclusiva sobre a guerra de “Israel contra o Hamas”. Segunda-feira, 23 de outubro, das 20h45 em diante. O noticiário da mesma emissora dedica um bloco inteiro nomeando alguns israelenses desaparecidos, enquanto o rodapé do ecrã realça os dizeres “Israel x Hamas”.

Reparem bem: os mais de cinco mil mortos na Palestina ainda não entraram na conta da emissora; e, como sabemos, não se trata de fato isolado. Por sinal, seria preciso muita ingenuidade para acreditar que se trata de mero ponto de vista de um grupo ou setor. O que estamos a assistir é a tentativa de validar, como única e legítima, a perspectiva veiculada dia e noite por cartéis da comunicação de massa.

Não é o bom senso que alimenta as emissoras; é o cinismo de seus porta-vozes que forja o suposto senso comum, reproduzido orgulhosamente pelos “homens de bem”.

Os donos da imprensa, assim como os senhores da guerra, sabem muito bem como utilizar a ideologia do “direito de defesa” em favor das potências mundiais, reforçando estereótipos. No noticioso, de meia hora atrás, um homem fardado israelense declarou que o ataque ao Líbano (de hoje) teria prevenido ações do Hezbollah.

Foi graças à imprensa corporativa que aprendemos, pela opinião reproduzida por nossos pais, que uns são ditadores e outros, presidentes; que aqueles representam a liberdade de expressão, a propriedade individual e a “saudável” livre-concorrência, enquanto os outros simbolizam formas totalitárias e atrasadas de pensar ou lidar com setores da cultura e da macroeconomia; que uns têm poder de veto, pois seu assento é permanente, enquanto outros, chamados (por um oportunista sem escrúpulo) de países de “pequena relevância”,[i] não merecem sequer ser ouvidos no Conselho de Segurança da ONU.

Que as siglas ONU e EUA comungam de pseudovalores equivalentes, resta pouca dúvida. Porém, há que se perguntar ainda uma vez: qual o horizonte imediato de Israel, Estados Unidos e companhia? Escoar a produção da indústria de armas, despejando balas, mísseis e bombas sobre os civis palestinos, em nome do “bem”. Infelizmente, como as armas são teleguiadas, mas ainda não averiguam identidade, idade, religião e filiação partidária, não demora muito, os porta-vozes do massacre poderão reciclar afrontosamente o que também declarava George Bush sobre os milhares de mortos na guerra “contra o terror”, no Iraque, em outubro de 2015. Até mesmo a CNN reproduziu a notícia em tom crítico, na ocasião.[ii]

O objetivo maior, que corre em paralelo aos mísseis, é fortalecer a crença de que é preciso extirpar “o mal”, mesmo porque ele seria praticado por “animais”, como disse um membro do governo genocida israelense. Basta rolar o feed do instagram para topar com vídeos de gente sádica: uma atriz usa ketchup, talco, lápis preto e fruta para ridicularizar o sofrimento de mulheres palestinas e seus filhos; um grupo de israelenses, com crianças, homens e idosos, reúne-se com faixas de incentivo ao Tzahal e gritos de ódio, sugerindo que é preciso exterminar os árabes em geral, preferencialmente os palestinos.

Evidentemente, a luta não é “contra o Hamas”. A começar porque os conflitos entre Israel e Palestina se pautam em mitologias milenares, supostamente fundamentadas em livros sagrados. No Brasil, onde a Bíblia é mais conhecida pelos ateus e religiosos progressistas que pelos crédulos acríticos, os mesmos que se dizem pró-vida e vociferam que “aborto é assassinato” estão lá a hastear orgulhosamente seus preconceitos todos, cristãmente justificados, na defesa intransigente de Israel, fechando os olhos para homens, mulheres e crianças massacradas. Para começar, seria preciso averiguar se os fundamentalistas made in Brazil reconheceriam as diferenças entre os períodos mosaico e cristão.

O vocabulário, ou seja, a escolha lexical dos veículos corporativos de comunicação produz efeitos sérios e, em alguns casos, irremediáveis. Seria relevante investigar se os guardiões dos factoides aprenderam algo com o vendaval neofascista no Brasil. A julgar pelo modo brando como se referem ao candidato da ultradireita argentina, parcialmente derrotado ontem, o cinismo é mais lucrativo que a ética. A simulação de compromisso com a verdade continua a comandar as emissoras de rádio, os canais de tevê, os veículos “com maior credibilidade” e os podcasts, capitaneados por “produtores de conteúdo” tão superficiais quanto oportunistas.

Só um otimista incurável pode vislumbrar saída, neste país de golpistas, reacionários e hipócritas tarados por armas, que: (1) tentaram contatar alienígenas alternando sinais de luz com mensagens nas línguas dos terráqueos; (2) oraram em torno de pneus; (3) treparam no para-choque de um caminhão simulando heroísmo intransigente; (4) sequestraram filhos de povos originários para “evangelizá-los” segundo a teologia da prosperidade (lucrativa apenas para os pastores de televisão); (5) juram defender a honra da família, enquanto praticam feminicídio, violentam mulheres e crianças; (6) votam em inimigos da saúde, da moradia popular, da educação pública etc., etc., etc.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete falas: ensaios sobre tipologias discursivas (Editora Cancioneiro).[https://amzn.to/3sW93sX]

Notas


[i] https://oglobo.globo.com/blogs/sonar-a-escuta-das-redes/post/2023/10/moro-diz-que-brasil-nao-tem-relevancia-internacional-e-e-rebatido-por-ministro-das-relacoes-exteriores-como-nao.ghtml

[ii] https://edition.cnn.com/2015/10/06/middleeast/us-collateral-damage-history/index.html 


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Celso Favaretto Paulo Capel Narvai Gilberto Maringoni Denilson Cordeiro Ricardo Antunes Airton Paschoa Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan José Costa Júnior Liszt Vieira Marcus Ianoni Valerio Arcary Leonardo Boff José Micaelson Lacerda Morais João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Vladimir Safatle Carlos Tautz Luiz Renato Martins Daniel Costa Maria Rita Kehl Renato Dagnino João Paulo Ayub Fonseca Eduardo Borges Tadeu Valadares Eugênio Trivinho Claudio Katz Rafael R. Ioris José Luís Fiori Vanderlei Tenório Armando Boito Benicio Viero Schmidt Jorge Luiz Souto Maior Marcos Silva Luiz Marques Celso Frederico Daniel Afonso da Silva Mário Maestri Eleonora Albano Atilio A. Boron Yuri Martins-Fontes Afrânio Catani Caio Bugiato Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento José Machado Moita Neto Ladislau Dowbor Heraldo Campos Matheus Silveira de Souza Luis Felipe Miguel Gilberto Lopes Dennis Oliveira Jorge Branco Michel Goulart da Silva Sandra Bitencourt Otaviano Helene João Adolfo Hansen Leonardo Avritzer Salem Nasser Gerson Almeida João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna Daniel Brazil Priscila Figueiredo Lincoln Secco Francisco de Oliveira Barros Júnior Alysson Leandro Mascaro Carla Teixeira José Geraldo Couto Henry Burnett Lorenzo Vitral Leda Maria Paulani Thomas Piketty Elias Jabbour Osvaldo Coggiola José Dirceu João Carlos Salles Eliziário Andrade Juarez Guimarães Slavoj Žižek Michael Löwy Marcelo Módolo Valerio Arcary Ronald Rocha Tales Ab'Sáber Bernardo Ricupero Alexandre de Freitas Barbosa Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Milton Pinheiro Marilena Chauí Luiz Bernardo Pericás Antonino Infranca Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Luiz Carlos Bresser-Pereira Lucas Fiaschetti Estevez Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Whitaker Julian Rodrigues Fernão Pessoa Ramos Jean Marc Von Der Weid André Singer Luciano Nascimento André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris Michael Roberts Manchetômetro Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Andrew Korybko Dênis de Moraes Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Ricardo Abramovay José Raimundo Trindade Anselm Jappe Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto João Lanari Bo Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Roberto Alves Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Chico Alencar Jean Pierre Chauvin João Sette Whitaker Ferreira Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Rodrigo de Faria Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Manuel Domingos Neto Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana Flávio Aguiar Antonio Martins Érico Andrade Annateresa Fabris Andrés del Río Berenice Bento Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Bruno Machado Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Flávio R. Kothe Fábio Konder Comparato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada