Independência e morte, bradam as polícias do Rio de Janeiro

Dora Longo Bahia, A polícia vem, a polícia vai, 2018 Acrílica sobre vidro laminado trincado 50 x 80 cm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ EDUARDO SOARES*

O enclave policial é refratário à autoridade política e nenhum governador jamais comandou (plena e efetivamente) as polícias estaduais

O título exato deste artigo deveria ser mais extenso: As polícias fluminenses, por meio de seu porta-voz, o governador, proclamam a independência e declaram que o Rio de Janeiro passa a ser território livre dos limites constitucionais. Explico.

A transição parcialmente tutelada pelos militares impôs restrições ao processo constituinte e nos legou dois artigos (142 e 144), que são sarcófagos de nossa história: mumificaram as forças armadas e as polícias, tais como existiam no regime ditatorial, bloqueando os ventos das mudanças que a democracia emergente soprava. Resultado: criaram-se dois enclaves institucionais, refratários à autoridade política, civil, republicana. Por isso, o genocídio de jovens negros e de jovens pobres, nos territórios vulneráveis, ante a inércia cúmplice do Ministério Público, o imobilismo da Justiça, o endosso de políticos -não só de direita-, o aplauso de setores da mídia e da opinião pública, e a anuência das demais instituições, das quais se diz, ironicamente, que “funcionam”.   

Também por isso, o encarceramento em massa de pequenos varejistas do comércio de substâncias ilícitas, fruto do casamento perverso entre nosso modelo policial (a jabuticaba que oferecemos ao almanaque mundial de bizarrices) e a hipócrita e racista lei de drogas. No país sem investigação, reina o flagrante, único meio de as PMs realizarem (dado que são constitucionalmente proibidas de investigar) o que creem ser sua missão precípua: prender. A grande ferramenta de uma polícia ostensiva destinada a prender em flagrante é a lei de drogas: a pescaria, evidentemente, se resume a peixes pequenos, operadores do varejo. Nada a ver com crime organizado e grandes negócios transnacionais, ou com exercício despótico de poder armado sobre territórios e comunidades. A maioria desses varejistas está sendo presa sem portar armas, praticar violência ou apresentar laços orgânicos com organizações criminosas. 

O sistema em que se engatam as máquinas de morte, perpetradoras do banho de sangue (no estado do Rio, 20.791 pessoas foram mortas por ações policiais, entre 2003 e 2022, e menos de 10% dos homicídios foram punidos), é ainda mais perverso: posto que os estados não cumprem a Lei de Execuções Penais e as unidades penitenciárias são dominadas por facções criminosas, os quase 40% dos 900 mil presos (entre as mulheres, 63%), que cumprem pena por tráfico ou aguardam julgamento sob esta acusação, precisam contar, para sobreviver, com a proteção das facções que mandam nos cárceres. O preço será pago depois da volta à liberdade, sob a forma de lealdade e prestação de serviços. Ou seja, o país está contratando violência futura e fortalecendo as facções, ao custo da vida de gerações e suas famílias. É o que a famigerada guerra às drogas está produzindo, além de sofrimentos indescritíveis às comunidades.

Como o enclave policial é refratário à autoridade política, nenhum governador jamais comandou (plena e efetivamente) as polícias estaduais, embora a magnitude e as implicações dessa impotência variem no espaço e no tempo. O estado do Rio de Janeiro atingiu a culminância desse processo de autonomização inconstitucional das polícias: o governador passou a ser comandado pelas polícias. Atua não só como seu para-choque político e representante corporativo, justificando todos os atos mais brutais, até mesmo as chacinas, como acaba agora de assumir posto ainda mais lamentável: tornou-se porta-voz da arrogância e da autossuficiência policiais, confrontando decisão do Supremo Tribunal Federal, no âmbito da ADPF 635. Não satisfeitas em descumprir outras determinações judiciais, as unidades policiais especiais, BOPE (da PM) e CORE (da Polícia Civil, mas militarizada, desafiando também por isso a Constituição), se recusam a adotar o uso de câmeras corporais em operações nas favelas. Trata-se de dispositivo importante, embora limitado, para a redução de execuções extrajudiciais, como a experiência paulista tem demonstrado. E o governador foi o emissário dessa resistência.

É indispensável para o futuro do que nos resta de democracia que se entenda o seguinte: o que está em jogo não é apenas o emprego ou não das câmeras pelas unidades policiais especiais; o que está em jogo é a preservação e a reprodução crescentemente blindada do enclave institucional, refratário à autoridade republicana. Se a liderança política sucumbiu, no Rio, está nas mãos do STF a oportunidade de promover a autoridade republicana, submetendo as polícias e rompendo o enclave. Os movimentos sociais têm se empenhado há muitos anos nessa luta. Com a tácita declaração de guerra do governador ao Poder Judiciário -e ao bom senso minimamente civilizado-, caberá ao Supremo decidir se, além de República das Milícias, o Rio vai se tornar também a República das corporações policiais autônomas e independentes, alheias à Constituição e livres para aprofundar as iniquidades e o racismo estrutural. 

*Luiz Eduardo Soares é antropólogo, cientista político e escritor. Ex-secretário nacional de segurança pública. Autor, entre outros livros, de O Brasil e seu Duplo (Todavia, 2019) e Dentro da Noite Feroz; o fascismo no Brasil (Boitempo, 2020).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henri Acselrad Salem Nasser Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Antônio Sales Rios Neto Mário Maestri Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Denilson Cordeiro Antonino Infranca José Costa Júnior Vanderlei Tenório Eduardo Borges Vinício Carrilho Martinez Francisco Pereira de Farias Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Otaviano Helene Fernando Nogueira da Costa João Adolfo Hansen Eugênio Trivinho José Machado Moita Neto João Carlos Loebens Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Musse Marjorie C. Marona Mariarosaria Fabris Vladimir Safatle Milton Pinheiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Marcus Ianoni Valerio Arcary Airton Paschoa Ricardo Abramovay Jean Marc Von Der Weid José Raimundo Trindade Alexandre de Freitas Barbosa João Feres Júnior Carla Teixeira Berenice Bento Flávio R. Kothe Luiz Eduardo Soares Marilia Pacheco Fiorillo Juarez Guimarães Daniel Costa Eugênio Bucci Armando Boito Chico Alencar Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Sette Whitaker Ferreira Elias Jabbour José Luís Fiori João Lanari Bo José Geraldo Couto Carlos Tautz Renato Dagnino Remy José Fontana Afrânio Catani Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Lorenzo Vitral Michael Roberts Daniel Brazil Leonardo Boff Julian Rodrigues Yuri Martins-Fontes Manchetômetro Ronald León Núñez Eleonora Albano Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Marcelo Módolo Chico Whitaker Claudio Katz Dênis de Moraes Marilena Chauí Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Tales Ab'Sáber Marcos Silva Henry Burnett Igor Felippe Santos Heraldo Campos Thomas Piketty Bento Prado Jr. Leonardo Sacramento Michael Löwy Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Gerson Almeida Ronald Rocha Luciano Nascimento Jorge Luiz Souto Maior Eliziário Andrade Priscila Figueiredo Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Alexandre Aragão de Albuquerque José Dirceu Annateresa Fabris Slavoj Žižek Caio Bugiato Luiz Bernardo Pericás Ricardo Fabbrini Osvaldo Coggiola Rodrigo de Faria Celso Favaretto Leda Maria Paulani Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Avritzer Anselm Jappe Ricardo Antunes Flávio Aguiar Celso Frederico Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco André Márcio Neves Soares Sandra Bitencourt Érico Andrade Michel Goulart da Silva João Carlos Salles Matheus Silveira de Souza Jean Pierre Chauvin Andrew Korybko Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Dennis Oliveira Luiz Marques Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Andrés del Río Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Ari Marcelo Solon Manuel Domingos Neto Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Guimarães Lima André Singer Tarso Genro Luiz Roberto Alves João Paulo Ayub Fonseca Fábio Konder Comparato Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Jorge Branco Rafael R. Ioris

NOVAS PUBLICAÇÕES