As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Introdução à financeirização

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ CARLOS BRESSER-PEREIRA*

Prefácio do livro recém-lançado de Ilan Lapyda

Este livro se propõe a ser uma introdução ao conceito de financeirização e realiza plenamente seu objetivo. O jovem autor, Ilan Lapyda, terminou recentemente seu doutoramento da USP com uma tese sobre a financeirização no Brasil, e para escrevê-la precisou dominar a ampla literatura sobre o tema que se formou desde as contribuições ao mesmo tempo pioneiras e definitivas de François Chesnais. Este livro é dedicado a este grande marxista francês, há pouco falecido. A dedicatória me estimulou a escrever este prefácio porque François Chesnais era um ótimo amigo com quem eu sempre me encontrava em Paris.

O livro passa por todos os principais autores que discutiram a financeirização e o neoliberalismo – dois aspectos centrais do capitalismo contemporâneo. Eu entendo a financeirização como a captura, pelo setor financeiro, de uma parcela do excedente econômico mundial ocorrida desde 1980 até 2008. Ilan Lapyda, porém, vê a financeirização como um fenômeno que se confunde com o capitalismo neoliberal. Para ele a financeirização consiste na “predominância da lógica financeira nas atividades econômicas (e na sociedade e na política), que leva à intensificação e à diversificação da exploração do trabalho para atender à apropriação rentista da riqueza produzida”.

É uma boa definição, na qual nós vemos um conceito importante – “a apropriação rentista”. De fato, nós podemos pensar o capitalismo neoliberal dessa maneira, porque enquanto o capitalismo social-democrático e desenvolvimentista do após-guerra era dirigido por uma ampla coalizão fordista, a coalizão neoliberal que esteve por trás do processo de financeirização é estreita, formada apenas por uma elite financeiro-rentista. E promoveu um enorme aumento da desigualdade no mundo capitalista. François Chesnais foi novamente pioneiro nesse ponto.

Como observa Ilan Lapyda, o rentista, voltado à extração de rendas, é mais do que um simples credor; este participa de um “financiamento efetivo” e possui uma relação direta com o empreendimento financiado (inclusive tendo de aguardar o retorno do seu capital com os juros). “O interesse da propriedade patrimonial (rentista) não está voltado para o consumo das famílias, nem para o incremento permanente dos mercados secundários, mas para a garantia de um rendimento regular e liquidez permanente dos mercados secundários”.

Ilan Lapyda trabalha com dois autores principais. Toda a primeira parte do livro tem como referência a contribuição notável de François Chesnais e seu conceito de “mundialização financeira”. O projeto imperialista americano de globalização ou mundialização esteve a serviço não do povo americano, mas de uma elite financeiro-rentista. O objetivo não foi o de apenas abrir o mercado de mercadorias do resto do mundo para a troca desigual de bens e serviços sofisticados com alto valor adicionado per capita por bens e serviços simples que agam baixos salários; foi também abrir o mercado de capitais e incluir todo o mundo no processo de financeirização.

O imperialismo não está apenas interessado em exportar mercadorias, interessa-se também por exportar capitais e, para isso, a partir da “virada neoliberal” de 1980, promoveu a abertura financeira. Com isso os países que se submeteram – principalmente os da América Latina – perderam capacidade de controlar sua taxa de câmbio e perderam, assim, um instrumento fundamental para o seu desenvolvimento.

Depois de sintetizar o pensamento de François Chesnais, Ilan Lapyda volta-se para outro notável marxista, este inglês, David Harvey, que foi pioneiro na análise e crítica do neoliberalismo. Ainda nos anos 1980 ele percebeu que estava havendo uma transição do fordismo para um sistema de ‘acumulação flexível’, que foi assim um primeiro nome para o neoliberalismo. David Harvey e François Chesnais pensam de maneira semelhante. “Assim como François Chesnais, David Harvey também observa a diminuição da separação das atividades do capital monetário (que tem como objetivo juros e dividendos) e do capital industrial (voltado para a obtenção de lucros)”.

Aproveito esta afirmação para fazer minha própria crítica a este excelente livro. Ao lê-lo podemos ficar com a impressão de que financeirização, neoliberalismo, e capitalismo são a mesma coisa; que entre as elites capitalistas não há conflitos maiores; que a clássica divergência entre o capital financeiro e o capital industrial deixou de existir. Não creio que seja assim. A financeirização e o neoliberalismo entraram em crise em 2008, essa crise assumiu um caráter também político em 2016 com a reação etnonacionalista e populista representada pela eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, e entrou em colapso com a pandemia da Covid em 2020.

O resultado foi a “virada desenvolvimentista” de 2021, liderada pelo presidente Joe Biden. Desde então o Estado está de volta na economia americana, e o mesmo acontece, ainda que com menos intensidade, na Europa. O governo de Joe Biden está envolvido em um grande projeto de reindustrialização e, para isto, está usando amplamente da política industrial e do aumento do investimento público. Está em curso nos Estados Unidos uma estratégia nacional de desenvolvimento – algo que não existia nos Estados Unidos desde o governo do presidente Franklin D. Roosevelt. Joe Biden está atendendo, dessa maneira, às demandas populares, mas é difícil considerar que o capitalismo produtivo não esteja também envolvido nessa virada maior do capitalismo.

No Brasil, as elites brasileiras revelam novamente seu atraso e continuam presas ao neoliberalismo, mas aconteceu algo maravilhoso – a derrota do populismo fascista e neoliberal de Jair Bolsonaro e a eleição do presidente Lula. Surge, assim, uma nova esperança para o Brasil. A financeirização e o neoliberalismo estão reagindo duramente ao novo que aqui está surgindo, mas o êxito dos países do Leste da Ásia deixou claro para o Norte Global que o desenvolvimentismo faz mais sentido, e o novo governo brasileiro sabe muito bem disto. Ilan Lapyda não discute esta questão. Escreveu, porém, um livro que eu recomendo vivamente a quem se interessa em compreender o capitalismo contemporâneo.

*Luiz Carlos Bresser-Pereira é professor Emérito da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Autor, entre outros livros, de Em busca do desenvolvimento perdido: um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil (Ed. FGV).

Referência

Ilan Lapyda. Introdução à financeirização: David Harvey, François Chesnais e o capitalismo contemporâneo. São Paulo, CEFA Editorial, 2023, 160 págs (https://amzn.to/3QGuIPE).

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Martins Luiz Roberto Alves Osvaldo Coggiola João Adolfo Hansen Marcus Ianoni Thomas Piketty Milton Pinheiro Rafael R. Ioris João Lanari Bo Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Valério Arcary Daniel Brazil Ricardo Fabbrini Luis Felipe Miguel João Paulo Ayub Fonseca Flávio Aguiar Ari Marcelo Solon José Costa Júnior Valerio Arcary André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Costa Alysson Leandro Mascaro Dênis de Moraes Elias Jabbour Walnice Nogueira Galvão Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manchetômetro Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Avritzer João Carlos Salles Remy José Fontana Sergio Amadeu da Silveira Renato Dagnino Gabriel Cohn Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Mariarosaria Fabris José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado Armando Boito Antonio Martins Marilena Chauí João Sette Whitaker Ferreira Yuri Martins-Fontes José Raimundo Trindade Tadeu Valadares Vinício Carrilho Martinez Henry Burnett Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe João Carlos Loebens Marcos Silva Juarez Guimarães Gilberto Lopes Michael Löwy Paulo Sérgio Pinheiro Eduardo Borges Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano José Dirceu Slavoj Žižek Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Priscila Figueiredo Alexandre de Lima Castro Tranjan Gerson Almeida Celso Frederico Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Bernardo Pericás Manuel Domingos Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Érico Andrade Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Bento Prado Jr. Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Atilio A. Boron Eleutério F. S. Prado Afrânio Catani Kátia Gerab Baggio Marjorie C. Marona Lorenzo Vitral Julian Rodrigues Chico Alencar Lincoln Secco Ronald Rocha Heraldo Campos Marcelo Guimarães Lima Liszt Vieira Carlos Tautz Eugênio Trivinho Fernão Pessoa Ramos André Singer Benicio Viero Schmidt Chico Whitaker Vanderlei Tenório Eliziário Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Tales Ab'Sáber Ricardo Abramovay Vladimir Safatle Denilson Cordeiro Bernardo Ricupero Eleonora Albano Francisco Fernandes Ladeira Otaviano Helene Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Tarso Genro Alexandre de Freitas Barbosa José Geraldo Couto Jorge Branco Samuel Kilsztajn Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Leda Maria Paulani Ladislau Dowbor Ronald León Núñez José Luís Fiori Berenice Bento Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Maria Rita Kehl Michael Roberts Rodrigo de Faria Ricardo Antunes Leonardo Sacramento Caio Bugiato Luciano Nascimento Mário Maestri Roberto Bueno Sandra Bitencourt Jorge Luiz Souto Maior José Machado Moita Neto João Feres Júnior Roberto Noritomi Carla Teixeira Dennis Oliveira Leonardo Boff Anselm Jappe Airton Paschoa Luiz Renato Martins Marcelo Módolo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada