As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Eleição em Porto Alegre – um programa mínimo

Marina Gusmão, Cobra doce.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Porto Alegre já foi um ícone da esquerda mundial, que projetou a cidade em todo o mundo.

O que tem de muito novo no cenário da luta democrática, em escala global, é que a formação de um novo bloco hegemônico reacionário ou conservador, antidemocrático e tendencialmente fascista, se dá – nos dias de hoje – através do deslocamento do seu centro de poder interno – até então ocupado pelo conservadorismo e pela direita tradicional, para o domínio de uma extrema direita que, através da redes sociais e dos porões da internet (nos seus meandros do crime organizado) dão o “tom” e o “subtom”, para uma parte significativa das classes dominantes nacionais.

Estas abandonaram todas as simulações do apreço à democracia e se deslocaram para o campo do fascismo: um fascismo mais rude e mais duro, que dispensa quaisquer formulações intelectuais e se prepara para uma nova luta direta contra o liberalismo democrático.

As modulações conceituais para definir o que é “esquerda” e o que é “direita” mudam, segundo a natureza dos conflitos econômico-sociais e culturais, fluentes em cada território da política. Em cada contexto histórico a decisão eleitoral das “partes” da sociedade – representadas pelos partidos e frações de partidos que atuam em cada cenário – nunca resulta de um cálculo geométrico que coteje – de forma mecânica – as ideias “majoritárias” ou “minoritárias”, que opõem politicamente grupos e classes: os contingentes eleitorais organizam suas afinidades por uma série de motivos – próximos e remotos – fixos ou variáveis, que desafiam qualquer padrão de análise que até ali poderia ter alguma validade.

Penso que o corte político local, que separa homens e mulheres, entre-classes e intraclasses, hoje é – muito menos – a posição “objetiva” que estes grupos e classes ocupam na hierarquia social de uma cidade ou de um estado e – muito mais – a sua subjetividade, mais, ou menos propensa, a acordar com o fascismo contra a democracia ou optar pelo caminho democrático para enfrentar a hidra fascista.

Se isto está correto, o corte decisivo dos sistemas de alianças estaria situado, então, entre quem estaria contra a massa de cidadãos que não tolera a infecção do fascismo – como mal radical que degrada a condição humana ao mais baixo do que espécie pode chegar – e quem não aceita mais a democracia liberal e passa a compactuar com a ditadura e a política do medo.

Porto Alegre já foi um ícone da esquerda mundial, que projetou a cidade em todo o mundo. É a mesma cidade que hoje é dirigida por um prefeito totalmente estranho àquela tradição, eleito em eleições livres, que é negacionista e privatista, apoiador de um ex-presidente que nos envergonha em todo o mundo, que estimulou a negação da ciência e que foi derrotado, na cidade de Porto Alegre, por Lula no segundo turno das eleições presidenciais, por sete pontos de diferença (Lula 53,50 %, Jair Bolsonaro 46,50 %).

Tais percentuais mostram que a cidade ainda vive e tem memória e que aqui seria um campo propício para uma grande unidade popular e democrática, que resgatasse – remodelada pelo tempo e pelas novas mutações tecnológicas – a utopia de uma cidade democrática, aberta, culta e participativa, que já foi modelo para o mundo.

Considerando que a extrema direita – hoje – colonizou a direita tradicional e dirige, politicamente, partes do nosso país e do mundo, o resultado das eleições presidenciais em Porto Alegre deixou claro que mesmo em condições extremas e adversas Porto Alegre não se transformou – como foi dito no curto reinado de Bolsonaro – numa” cidade de direita”. Muito menos de esquerda, todavia. O que pode caracterizar Porto Alegre, por este indício eleitoral, é apenas (e é muito para nos guiar na conjuntura da eleição) que numa hipotética intentona fascista contra o Estado democrático de direito sua maioria não seria pró-fascismo e não admitiria uma ditadura de qualquer tipo para governar nossas vidas.

Reporto-me, com todo respeito aos companheiros dirigentes do campo de esquerda e centro-esquerda de Porto Alegre e ao centro democrático, fragmentado em todos os partidos tradicionais, que os movimentos táticos que os Partidos do campo progressista fizeram, até agora – em direção às eleições municipais – estão adiando de forma imprudente as negociações políticas estratégicas (programáticas e de unidade política) para as eleições municipais do próximo ano.

Falo em “partidos progressistas” de forma proposital, assim como falo em “campo antifascista” também propositalmente e faço-o porque o “progressismo” só pode existir, hoje, a partir da experiência da democracia social e do compromisso irrestrito com a democracia política.

O que tenho sustentado é que, ao contrário do fascismo, que nas suas alianças com a direita tradicional e a extrema direita, mostrou que pode ser ao mesmo tempo autoritário e liberal-radical – “libertarista” em termos de economia – que soube unir os fascistas e os conservadores num pacto de morte durante a pandemia, saibamos nós apresentar hoje um programa mínimo de regeneração da cidade, com premissas ideológicas simples e diretas e princípios programáticos que façam as pessoas recuperar o gosto pela política e retomar as virtudes da solidariedade.

E, para isso, precisamos acordar as regras da unidade programática, buscando depois uma candidata ou candidato, ao mesmo tempo capaz de nos unificar e de fazer a cidade vencer a resignação ao autoritarismo dos “síndicos” sem programa e sem iluminação criadora.

*Tarso Genro foi governador do estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil. Autor, entre outros livros, de Utopia possível (Artes & Ofícios). https://amzn.to/3ReRb6I

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Valério Arcary João Adolfo Hansen Luiz Roberto Alves Eugênio Trivinho Salem Nasser Andrew Korybko Antonino Infranca Antônio Sales Rios Neto Gabriel Cohn Eleonora Albano Alexandre Aragão de Albuquerque José Geraldo Couto Lincoln Secco Michael Löwy Lorenzo Vitral Bernardo Ricupero Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Roberto Noritomi Gilberto Lopes Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Afrânio Catani Heraldo Campos Leonardo Avritzer Francisco Pereira de Farias Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Paulo Nogueira Batista Jr Paulo Sérgio Pinheiro Otaviano Helene Marilena Chauí Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa Fernando Nogueira da Costa Benicio Viero Schmidt Francisco de Oliveira Barros Júnior Carla Teixeira Liszt Vieira Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Vladimir Safatle Luiz Renato Martins José Dirceu Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Igor Felippe Santos Jean Pierre Chauvin Marcos Aurélio da Silva Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Anselm Jappe Antonio Martins José Costa Júnior Luís Fernando Vitagliano Ricardo Abramovay Bento Prado Jr. Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado Tadeu Valadares Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Salles Vinício Carrilho Martinez Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira Annateresa Fabris Eliziário Andrade José Raimundo Trindade Caio Bugiato Jorge Branco Marcus Ianoni Mariarosaria Fabris Ricardo Antunes Paulo Fernandes Silveira Samuel Kilsztajn Carlos Tautz Airton Paschoa Berenice Bento Flávio R. Kothe Flávio Aguiar Chico Whitaker Marjorie C. Marona Tales Ab'Sáber Luiz Costa Lima Chico Alencar Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria João Feres Júnior Érico Andrade Thomas Piketty Armando Boito Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares João Carlos Loebens Fernão Pessoa Ramos José Luís Fiori Eleutério F. S. Prado Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Juarez Guimarães Luiz Werneck Vianna Anderson Alves Esteves Henri Acselrad Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Eduardo Soares Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Kátia Gerab Baggio Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Tarso Genro Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Renato Dagnino Eduardo Borges Michael Roberts Dênis de Moraes Maria Rita Kehl Daniel Costa Ladislau Dowbor Luiz Marques Mário Maestri Leonardo Boff Manchetômetro Marcos Silva Paulo Martins Roberto Bueno Francisco Fernandes Ladeira Fábio Konder Comparato Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Slavoj Žižek Gerson Almeida Sandra Bitencourt André Singer Remy José Fontana Luiz Bernardo Pericás Jean Marc Von Der Weid

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada