As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Israel x Palestina

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Human Rights Watch: Israel deve prestar contas de como trata os palestinos.

Na missa do domingo de Bom Pastor, o padre Júlio Lancelotti observou que não se pode dizer que Israel vacinou toda sua população, simplesmente porque não foram vacinados todos os palestinos. De fato, o governo israelense, embora tenha imunizado a maioria de seus cidadãos, inclusive aqueles que vivem em assentamentos ilegais, não forneceu vacinas para a vasta maioria dos quase 5 milhões de palestinos na Cisjordânia, ocupada há mais de 50 anos e na Faixa de Gaza, sob bloqueio.

A Human Rigths Watch (HRW), organização não governamental internacional de direitos humanos e sua representação no Brasil, nossa parceira, acabam de publicar o relatório “Um limite ultrapassado: autoridades israelenses e os crimes de apartheid e perseguição”, de 213 páginas. Muito provavelmente, a celebração compulsiva de Israel pela mídia vai impor um obsequioso silêncio de rigueur contra qualquer alegação de violação de direitos humanos por Israel, ou colocar a pecha de seletividade – o que, no caso, será difícil. A HRW tem investigado, durante mais de quarenta anos de atuação, em inúmeros relatórios crimes contra humanidade, nas mais diferentes regiões do globo, inclusive em outros países no Oriente Médio.

No relatório em questão, examina o tratamento de Israel aos palestinos. Cerca de 6,8 milhões de israelenses judeus e número equivalente de palestinos vivem hoje entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão, uma área que abrange Israel e o Território Palestino Ocupado (TPO) – este último formado pela Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental e a Faixa de Gaza. Na maior parte dessa área, Israel é o único poder governante; no restante, exerce autoridade primária ao lado do autogoverno palestino limitado.

Em todas essas áreas e na maioria dos aspectos da vida, as autoridades israelenses privilegiam os judeus israelenses e discriminam os palestinos, que têm sido vítimas de confiscos generalizados de terras, deslocamento forçado e amplas restrições a seus direitos civis. “Negar direitos fundamentais a milhões de palestinos, sem justificativa legítima de segurança e unicamente por serem palestinos e não judeus, não é simplesmente uma questão de ocupação abusiva”, disse Ken Roth, diretor-executivo de HRW. ”Essas políticas, que concedem aos israelenses judeus os mesmos direitos e privilégios onde quer que vivam, enquanto discriminam os palestinos em vários níveis, onde quer que vivam, refletem uma política de privilegiar um povo em detrimento de outro”. Em certas áreas, conforme documenta a HRW, essas privações são tão graves que equivalem aos crimes contra a humanidade de apartheid e de perseguição.

A Convenção Internacional sobre a supressão e a punição do crime de apartheid de 1973 e o Estatuto de Roma de 1998, do Tribunal Penal Internacional, definem o apartheid como crime contra a humanidade. Este contém três elementos principais: a intenção de manter a dominação de um grupo racial pelo outro, o contexto de opressão sistemática do grupo dominante pelo outro; e atos desumanos.

O crime contra a humanidade de perseguição, conforme definido no Estatuto de Roma e no direito internacional consuetudinário, consiste na privação grave de direitos fundamentais de um grupo racial, étnico ou outro, com propósito discriminatório.

O relatório sugere que a promotoria do Tribunal Penal Internacional (TPI) – que em fevereiro de 2021 confirmou a jurisdição da corte para a situação da Palestina – investigue e processe aqueles com sérios indícios de envolvimento naqueles crimes. Propõe que “a comunidade internacional reavalie seu engajamento com Israel e a Palestina, e adote uma abordagem centrada em direitos humanos e accountability, responsabilização”.

Todas essas recomendações receberão ouvidos moucos do governo de extrema direita brasileiro, refém dos fundamentalistas evangélicos que rechaçam qualquer crítica a Israel em nome da futura vinda do Messias em seu território. Diante disso, ao menos espera-se que as entidades brasileiras de direitos humanos, que tanto prezam a solidariedade internacional, quando é para nós, não abandonem o enfrentamento do tratamento iníquo faz mais de meio século pelas autoridades israelenses aos palestinos.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP e ex-ministro dos Direitos Humanos. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lincoln Secco José Geraldo Couto Manchetômetro Otaviano Helene Slavoj Žižek Antonino Infranca Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Ronald Rocha Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Eleutério F. S. Prado Ricardo Musse Manuel Domingos Neto Mário Maestri Luis Felipe Miguel José Micaelson Lacerda Morais Armando Boito Alexandre de Freitas Barbosa Rubens Pinto Lyra Henri Acselrad Fábio Konder Comparato Bento Prado Jr. Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz João Lanari Bo Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Eleonora Albano Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Luiz Roberto Alves Érico Andrade Flávio R. Kothe Gilberto Maringoni Airton Paschoa Gerson Almeida Tales Ab'Sáber Gilberto Lopes Salem Nasser Ricardo Fabbrini Dênis de Moraes Anderson Alves Esteves Daniel Brazil Kátia Gerab Baggio Berenice Bento Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Carla Teixeira Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Michael Roberts Luiz Costa Lima José Machado Moita Neto Dennis Oliveira Lucas Fiaschetti Estevez Francisco de Oliveira Barros Júnior Valério Arcary Marcelo Módolo Juarez Guimarães Luiz Renato Martins Atilio A. Boron Flávio Aguiar Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Marcus Ianoni Valerio Arcary Fernão Pessoa Ramos Ronaldo Tadeu de Souza João Feres Júnior Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Samuel Kilsztajn Antônio Sales Rios Neto Leda Maria Paulani Luiz Marques Elias Jabbour Henry Burnett Vladimir Safatle Gabriel Cohn Marilia Pacheco Fiorillo Anselm Jappe Jean Marc Von Der Weid José Luís Fiori Roberto Noritomi Marcos Aurélio da Silva Antonio Martins Francisco Pereira de Farias Milton Pinheiro Claudio Katz Ricardo Abramovay Marjorie C. Marona Marilena Chauí Annateresa Fabris Liszt Vieira Heraldo Campos Chico Alencar José Costa Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Celso Favaretto Boaventura de Sousa Santos José Dirceu Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Walnice Nogueira Galvão Bernardo Ricupero André Singer Renato Dagnino Jorge Branco Thomas Piketty Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris Caio Bugiato Sergio Amadeu da Silveira Tarso Genro Ronald León Núñez Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai João Paulo Ayub Fonseca Celso Frederico Lorenzo Vitral Chico Whitaker Remy José Fontana Yuri Martins-Fontes Leonardo Boff Luciano Nascimento Luís Fernando Vitagliano João Carlos Loebens João Sette Whitaker Ferreira Michael Löwy Roberto Bueno Julian Rodrigues Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alysson Leandro Mascaro Eugênio Trivinho Marcelo Guimarães Lima Bruno Machado Paulo Martins Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada