As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

João Donato (1934-2023)

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

O músico que uniu jazz com música latina

Cantou Donato em seu último álbum :“A cabeça no ar/e os pés no chão”

Uma dor muito grande, a morte de João Donato. Tenho quase todos os seus álbuns, a maioria em CDs e é raro o dia em que não escuto suas músicas.

A Folha de S. Paulo de 18 de julho de 2023 apresentou excelentes artigos de Gustavo Zeitel, Leonardo Lichote, Lucas Brêda, Renato Contente e Lucas Nobile que mapeiam os mais de 70 anos da carreira de João Donato, enquanto O Estado de S. Paulo, mais comedido, lhe dedicou um correto obituário – não tive a oportunidade de ler outros jornais a respeito.

O conjunto de artigos fala do princípio da carreira profissional do artista, das amizades cariocas na juventude, da aproximação com a bossa nova, da pouca receptividade de sua música no Brasil no final dos anos 1950, obrigando-o a viajar aos Estados Unidos, onde se impressionou com a música caribenha, levando-o a operar a fusão do mambo com a bossa nova. Apresentou-se com seu amigo João Gilberto, tocou com Chet Baker, Johnny Martínez, Mongo Santamaría, Eddie Palmieri, dentre outros.

Lucas Brêda escreveu que no começo de sua permanência nos Estados Unidos, João Donato “se viu num limbo – era jazzístico demais para tocar música brasileira, mas brasileiro demais para tocar jazz,” Em seus altos e baixos, idas e vindas entre os EUA e o Brasil, tocou, cantou, compôs, além dos nomes mencionados no parágrafo anterior, com Eumir Deodato, Marcos Valle, Sérgio Mendes, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Gal Costa, Rosinha de Valença, Luiz Melodia, Jards Macalé, Paulo Moura, Marcelo D2, Chucho Valdés, Tuti Moreno, Céu, Robertinho Silva, Joyce Moreno, Tulipa Ruiz, Jorge Helder, Lilian Carmona, Luiz Alves, Luiz Melodia…

João Donato experimentou muitas frustrações. Mesmo após gravar Lugar Comum, em 1975, contendo “Emoriô”, “Bananeira”, “Lugar Comum”, “Deixei Recado”, “Naturalmente”, canções que depois se tornaram verdadeiros clássicos, o disco não obteve o retorno comercial que a gravadora esperava. Ele acabou ficando sem gravar por 10 anos, optando em seguida por gravadoras estadunidenses e outras brasileiras pequenas, quase independentes. Sua carreira acabou por engrenar com vigor e, entre 1996 e 2022, lançou 25 álbuns.

Uma declaração de João Donato, recuperada por Leonardo Lichote (“João Donato, aos 88 anos, ainda era um menino de alma e mente”, Folha de S. Paulo, 18.07.2023), acho que ajuda a compreender a personalidade do músico, que falou no depoimento concedido ao Museu da Imagem e do Som, em 2009, que “o relógio para mim não tem números. É um círculo que gira em torno de si mesmo, como a Terra, como o Sol”; ou seja, os números têm um significado bastante relativo para ele.

No final de 1972 ou início de 1973, em momento de incertezas quanto aos rumos a seguir, João Donato ouviu do cantor e compositor Agostinho dos Santos (1932-1973) um conselho que se tornaria precioso: precisava de um letrista, de alguém que colocasse letras em suas canções. Ele, Agostinho, iria viajar, realizar uma turnê e, na volta, gostaria de fazer parcerias com o acreano João Donato. Infelizmente, Agostinho morreu no acidente do voo Varig 820 em 12 de julho de 1973, em Orly, aos 41 anos. O músico seguiu o conselho, e seus letristas, em geral, foram de primeira linha: Paulo César Pinheiro, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Chico Buarque, Lysias Ênio, seu irmão mais novo, apenas para nomear alguns.

Até hoje, 50 anos depois, a menção a Agostinho dos Santos me emociona. Em 11 de julho de 1973, juntamente com minha namorada, fui ao Aeroporto de Congonhas me despedir de uma grande amiga dela, nossa colega na Getúlio Vargas, casada com um engenheiro de computação francês que trabalhava no Brasil; era mãe de um garotinho de colo e estavam indo para a França passar vinte dias de férias. À entrada da sala de embarque Agostinho, sorridente, dava entrevista. Foi a última vez que os vimos.

Lucas Nobile (“Tal qual Sócrates e Maradona no futebol, o articulista pairou acima de estilos e gêneros”, Folha de S. Paulo, 18.07.2023), com felicidade, escreveu que João Donato “não era pianista virtuoso, mas gravou com os instrumentistas mais respeitados do país. Seu piano economizava em notas, mas tinha balanço como poucos”.

Em 2022, João Donato lançou Serotonina, seu álbum derradeiro. Em uma das faixas, “Órbita”, talvez tenha cantado a síntese do que esperava da vida:

A cabeça no ar
E os pés no chão
Na terra, mar e ar
Imensidão

Eu gosto mais de sim
Do que de não
Com a paz de Oxalá
No coração

*Afrânio Catani é professor titular sênior aposentado da Faculdade de Educação da USP. Atualmente é professor visitante na Faculdade de Educação da UERJ, campus de Duque de Caxias.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Julian Rodrigues Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Gilberto Maringoni Luiz Werneck Vianna Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Armando Boito Eliziário Andrade Rafael R. Ioris João Carlos Loebens Berenice Bento Heraldo Campos Denilson Cordeiro Chico Whitaker Luis Felipe Miguel José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Marcus Ianoni Lucas Fiaschetti Estevez Benicio Viero Schmidt Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Ronald Rocha Valério Arcary Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Liszt Vieira Gabriel Cohn Marcos Silva Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Valerio Arcary Leonardo Avritzer Otaviano Helene Lincoln Secco Osvaldo Coggiola Gerson Almeida Alexandre de Lima Castro Tranjan Juarez Guimarães Carlos Tautz Mário Maestri Michael Löwy Vladimir Safatle Andrew Korybko Luciano Nascimento Tadeu Valadares Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Everaldo de Oliveira Andrade Tales Ab'Sáber Bento Prado Jr. Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos Plínio de Arruda Sampaio Jr. André Márcio Neves Soares Priscila Figueiredo Manuel Domingos Neto Celso Favaretto Bruno Machado Rodrigo de Faria José Costa Júnior João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Henri Acselrad Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes João Feres Júnior Mariarosaria Fabris Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima José Dirceu Gilberto Lopes Jorge Branco Boaventura de Sousa Santos Fábio Konder Comparato Flávio R. Kothe Renato Dagnino Ladislau Dowbor Michael Roberts Afrânio Catani Jorge Luiz Souto Maior Daniel Brazil Paulo Martins Vinício Carrilho Martinez Leonardo Boff José Luís Fiori Ronald León Núñez Érico Andrade João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Sandra Bitencourt Flávio Aguiar Anderson Alves Esteves Eduardo Borges Daniel Costa Atilio A. Boron José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Ricardo Musse João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Roberto Bueno Walnice Nogueira Galvão Carla Teixeira Leda Maria Paulani Eleonora Albano João Lanari Bo Dennis Oliveira Roberto Noritomi Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Antonino Infranca Luiz Roberto Alves Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho Luiz Marques Samuel Kilsztajn Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Luiz Bernardo Pericás Anselm Jappe Vanderlei Tenório Salem Nasser Remy José Fontana Igor Felippe Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí André Singer Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Antônio Sales Rios Neto Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Celso Frederico Marjorie C. Marona Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek Henry Burnett Ari Marcelo Solon

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada