As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Como reformular as diretrizes

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELENIRA VILELA & DANIEL CARA*

Novo Ensino Médio não tem remendo, a resposta está nos Institutos Federais

O tema mais importante da educação brasileira nesse início de Governo Lula-Alckmin é o Novo Ensino Médio (NEM). Chegou a ser tema de entrevista do Presidente à PósTV 247, com ele afirmando o compromisso do seu governo em que estudantes e profissionais da educação sejam ouvidos de verdade na reformulação das diretrizes. E na segunda-feira, 3 de abril surgiu a notícia de que a implementação ficará suspensa pelos próximos 90 dias, inclusive no que atinge as alterações do ENEM 2024, vitória de estudantes, pesquisadores e trabalhadoras da educação mobilizadas.

O NEM, também conhecido como Reforma do Ensino Médio, foi aprovado e implantado por Medida Provisória, no contexto do processo de golpe liderado por Michel Temer e, portanto, sem um amplo debate educacional. Diante desse fato e das graves consequências dessa política, desde a transição governamental, é esperado que o Governo Lula-Alckmin abra um amplo debate considerando duas possibilidades: primeiro, a revogação da Reforma do Ensino Médio (apoiada pela esmagadora maioria da comunidade educacional) e, segundo, a revisão do Novo Ensino Médio – perspectiva defendida pelos formuladores da Reforma que são próximos do ministro Camilo Santana e de sua secretária-executiva, Izolda Cela.

Em 2023, após um ano de implementação do Novo Ensino Médio, essa Reforma imposta de cima para baixo, desestruturou a etapa terminativa da Educação Básica, esvaziando o aprendizado dos estudantes e precarizando o trabalho dos professores.

Contudo, diante das críticas, há um esforço dos defensores (e formuladores) da Reforma em defender o indefensável, destacando supostos elementos positivos no NEM. Por exemplo, não há uma única educadora (ou educador) no Brasil que seja contrário a aumentar a jornada escolar. É fato, nosso país é um dos maiores países do mundo, mas tem uma das menores jornadas escolares. No entanto, o Novo Ensino Médio na verdade reduz a jornada, porque estabelece um máximo de 1800 horas para a educação geral, representando uma redução de 25% da carga horária das ciências e conhecimentos escolares dos currículos internacionalmente e tradicionais no Brasil. Além disso, temos como fundamental o questionamento sobre que trabalho é desenvolvido nesse tempo a mais e com que objetivos, quem executa e quem lucra com isso.

A aprovação e implantação do Novo Ensino Médio (NEM) foi um processo que atropelou totalmente um longo debate que estava acontecendo e era coordenado pelo Ministério da Educação (MEC) nas gestões Lula e Dilma, envolvendo trabalhadoras da educação em todo o Brasil.

Chama a atenção como a proposta se materializou no Congresso e o quanto foi e é defendida por personagens estranhos ao chão das escolas públicas brasileiras, como especuladores financeiros, banqueiros e suas associações e fundações que atuam nas políticas educacionais. Na época, a chamada reforma do ensino médio foi louvada pelo então presidente do Banco Central Ilan Goldfajn como uma das medidas de intervenção econômica do governo que geraram otimismo no chamado mercado.[i]

O atual Ministro da Educação Camilo Santana fez duas afirmações em entrevista à revista Veja do dia 27/01/2023[ii] com as quais é preciso dialogar:

“Acho que a ideia contém aspectos positivos — amplia a carga horária, dá espaço ao ensino profissionalizante e torna o currículo mais flexível, o que pode ser um atrativo para tantos jovens que andam desinteressados da sala de aula. Mas há ponderações que precisamos observar: municípios mais pobres terão condições de fazer uma mudança tão profunda?”.

E sobre rever o novo ensino médio, o ministro afirma: “O fato é que nem esse nem qualquer outro debate podem ser pautados pelo filtro ideológico, que acaba por ofuscar a visão. O melhor caminho é sempre consultar as pesquisas e ouvir o que diz a ciência”.

Sobre a primeira cabe ressaltar que no Art. 10, da secção IV da LDB (Lei 9394/1996) fica claro que a atribuição de garantir o Ensino Médio é prioritariamente de Estados,[iii] não de municípios, então sua pergunta caberia aos sistemas de ensino dos estados brasileiros.

Mas tratando dos pontos positivos a que se refere o Ministro, é possível afirmar: não há flexibilidade, há desestruturação do ensino, enfraquecimento do conhecimento científico a ser oferecido aos estudantes, há quebra da exigência de formação específica para atuação na docência e a organização para a satisfação de necessidades das empresas ou fundações que pretendem vender ensino de má qualidade em pacotes para estudantes ou redes e sistemas de ensino em escala industrial, proporcionando formação ideologizada e distante da ciência – a que chamaremos de mercadorização.[iv]

Esse será um ensino pouco educativo, no sentido da formação que defendemos, e um ensino na formação do homem neoliberal, pessoas que acreditarão em visões fantasiosas sobre meritocracia, possibilidade de ignorar a organização do sistema de exploração em que vivemos, racista, machista, classista e excludente de maneira estrutural.

Sobre o desinteresse dos estudantes, esse é sem dúvidas um elemento fundamental do processo, porque adolescentes e jovens vêem pouco ou nenhum interesse no conhecimento científico e na escola. Mas percebe-se que este problema não somente não foi resolvido, como foi agravado pelo Novo Ensino Médio e que a promessa de poder escolher os itinerários formativos se demonstrou mentirosa, afinal 55% dos municípios tem apenas uma escola de ensino médio, que não tem estrutura nem para manter o modelo original. Que a maioria delas oferece no máximo duas opções e que elas são absolutamente incapazes, por falta de estrutura e pessoas com formação para propor itinerários relevantes e organizados realmente capazes de dialogar com necessidades e motivações da juventude.

Em relação à afirmação sobre a neutralidade científica sugerida, ela já foi debatida e desmontada pela própria ciência que analisa fenômenos sociais como a educação e o projeto educativo de uma nação de tantas formas que não seria possível citar as incontáveis fontes científicas existentes que demonstram sua impossibilidade e inexistência.

Por último e o mais importante: concordamos textualmente com o Senhor Ministro quando ele se refere a propor para a rede o modelo que se comprovou o mais eficaz na formação.

Apesar de não considerarmos que testes de avaliação sejam a principal e muito menos a única referência nessa análise, visto a complexidade do processo educativo em relação ao desenvolvimento do indivíduo e ao projeto social com o qual se relaciona. Enfatizamos: mesmo usando apenas testes como ENEM e PISA como referência alertamos ao ministro que o modelo que o MEC deve defender e oferecer como referência aos demais sistemas de ensino que operam e executam o Ensino Médio jamais seria o Novo Ensino Médio, mas deveria ser o ensino médio técnico integrado proposto e executado pela Rede de Institutos Federais em todo o Brasil.

Mesmo depois de ter passado por um processo de perseguição política e sabotagem pelos governos Temer e Bolsonaro, com cortes profundos nas verbas discricionárias, impedimento de concursos, difamação e perseguição dos trabalhadores e estudantes, entre outros, essa ainda é a rede que exibe os resultados mais relevantes e mesmo impressionantes quando nos referimos à educação pública brasileira historicamente.

Citando apenas a última edição do PISA temos que se destacarmos o desempenho dos estudantes dessa rede, o Brasil tem desempenho semelhante ao dos EUA, acima de estudantes de Espanha e Portugal em Ciências e Leitura e em todas as três áreas analisadas (a terceira é Matemática) é acima da média da OCDE, sempre acima de todos os demais países da América Latina que participam da análise e ficam próximos ou pouco abaixo (em avaliações anteriores em alguns itens inclusive acima) de Coreia do Sul, Canadá e Finlândia. Lembrando que há política de cotas raciais e sociais nessa rede e no mínimo 50% dos estudantes é oriundo de escolas públicas e/ou tem renda familiar abaixo de 1,5 salário mínimo per capita.

*Elenira Vilela é professora de matemática no Instituto Federal de Santa Catarina e Coordenadora Geral do SINASEFE.

*Daniel Cara é professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo e membro do Comitê Diretivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação.

Notas


[i] https://theintercept.com/2017/10/20/sob-aplausos-do-mercado-financeiro-empresarios-ja-lucram-com-reforma-do-ensino-medio/

[ii] https://veja.abril.com.br/paginas-amarelas/lula-tem-pressa-diz-camilo-santana-sobre-plano-para-educacao/

[iii] Segundo o Censo Escolar “Ensino médio A rede estadual tem a maior participação no ensino médio, atendendo a 6,6 milhões de alunos (84,5%). Nela, também está a maioria dos estudantes de escolas públicas (96%). Em seguida, estão as redes privada, com cerca de 935 mil alunos (12%), e federal, com 229 mil matrículas (3%), respectivamente”. De onde se deduz que menos de 1% dos estudantes de Ensino Médio estuda em escolas municipais. Disponível em https://undime-sc.org.br/noticias/inep-divulga-dados-da-1a-etapa-censo-escolar-2021/

[iv] A utilização do termo mercadorização deve-se ao fato de que é uma mudança estrutural e de visão do mercado sobre o ensino, não apenas seguir comercializando um serviço que já é mercantilizado há décadas, talvez séculos no país. (Vilela, Nery, 2017. Disponível em https://jornalggn.com.br/educacao/a-rede-federal-de-educacao-e-a-nova-petrobras-por-daniel-neri-e-elenira-vilela/).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Luiz Souto Maior Jorge Branco Andrew Korybko João Carlos Loebens Atilio A. Boron Carla Teixeira Paulo Fernandes Silveira Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Salem Nasser Bruno Machado Sandra Bitencourt Anselm Jappe Michael Löwy João Lanari Bo Samuel Kilsztajn Marilena Chauí José Machado Moita Neto Luciano Nascimento Marcos Aurélio da Silva Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Tadeu Valadares Leda Maria Paulani Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Luis Felipe Miguel Claudio Katz Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro João Feres Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Bernardo Ricupero Luiz Eduardo Soares Gabriel Cohn Antonino Infranca Elias Jabbour Daniel Costa Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Antonio Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Afrânio Catani Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Martins Ari Marcelo Solon Marcelo Módolo Dennis Oliveira Jean Marc Von Der Weid Slavoj Žižek Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez Eugênio Trivinho Sergio Amadeu da Silveira José Geraldo Couto Julian Rodrigues Tales Ab'Sáber Caio Bugiato Denilson Cordeiro Carlos Tautz Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Walnice Nogueira Galvão Heraldo Campos Luiz Marques Ricardo Antunes Milton Pinheiro João Adolfo Hansen Daniel Brazil Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Werneck Vianna Berenice Bento Gilberto Maringoni José Costa Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin Igor Felippe Santos Henri Acselrad Airton Paschoa Flávio Aguiar Roberto Noritomi Francisco de Oliveira Barros Júnior Leonardo Sacramento Michael Roberts Paulo Capel Narvai Armando Boito Celso Favaretto José Raimundo Trindade Francisco Fernandes Ladeira Luiz Roberto Alves Annateresa Fabris José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Ronald Rocha Mariarosaria Fabris José Luís Fiori Antônio Sales Rios Neto Rubens Pinto Lyra Lincoln Secco Thomas Piketty Celso Frederico Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Chico Whitaker Roberto Bueno Ladislau Dowbor João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vladimir Safatle Dênis de Moraes Everaldo de Oliveira Andrade Eduardo Borges Valerio Arcary Lucas Fiaschetti Estevez Henry Burnett Vanderlei Tenório Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Kátia Gerab Baggio José Dirceu Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Anderson Alves Esteves Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino Flávio R. Kothe Chico Alencar André Singer Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Yuri Martins-Fontes Marcus Ianoni Mário Maestri Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro André Márcio Neves Soares Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Leonardo Avritzer Marcos Silva João Carlos Salles Valério Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada