Um presidente e os 100 mil mortos por Covid-19

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Kátia Gerab Baggio*

Bolsonaro não governa, não preside, apenas mente e engana os que se deixam enganar, por idolatria ou má fé

Se Jair Bolsonaro agisse, de fato, como presidente da República, ele teria falado à população brasileira, no sábado, 8 de agosto, em rede nacional, por meio das emissoras de televisão, rádio e internet.

Mas ele apenas ocupa o cargo, não atua como presidente, não governa. Por isso, não merece ser chamado de presidente, apesar de eleito (utilizando-se de métodos espúrios, como já foi comprovado). Por isso, não há governo, e sim desgoverno.

E o que falaria, em rede nacional, um presidente de fato, neste momento em que a pandemia matou 100.000 pessoas no Brasil (na verdade, muito mais, em razão da subnotificação nos atestados de óbito)?

Lamentaria, sim, e com sinceridade, as mortes, e daria condolências às famílias enlutadas.

Mas, acima de tudo, prestaria contas à população brasileira sobre todas as medidas já tomadas para combater o avanço da pandemia, melhorar o atendimento aos doentes (de covid-19 e de outras enfermidades) por meio da estrutura do SUS, e reativar a economia, em crise profunda.

Além disso, daria informações, da maneira mais clara possível, sobre as medidas que seriam adotadas nos próximos meses, tanto de políticas de saúde pública como econômicas e sociais.

Também daria entrevistas coletivas, com liberdade para os jornalistas fazerem perguntas.

Como nada disso acontece, e Jair não admite questionamentos — pelo contrário, agride, com ofensas e violência verbal, os(as) jornalistas (e todas as pessoas que façam quaisquer objeções aos seus métodos e modos grosseiros e autoritários) —, não há uma democracia de fato, hoje, no Brasil.

E o que faz Bolsonaro? Apenas lives na internet, com sua fala truncada e vocabulário desconexo, para fazer propaganda de um medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19. Em sua última live, na quinta, 6 de agosto — ao lado do ministro da Saúde, general da ativa Eduardo Pazuello (interino há quase três meses, que militarizou o ministério em meio à pandemia) —, disse apenas que “lamenta todas as mortes” e completou: “mas vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar desse problema”.

Essa não é uma atitude de um presidente da República. É papo de botequim, conversa de esquina, sem nenhum compromisso com nada. E, muito menos, com a nação.

Bolsonaro não governa, não preside, apenas mente e engana os que se deixam enganar, por idolatria ou má fé.

Como explicar que milhões de brasileiros e brasileiras continuem apoiando “isso aí” — segundo várias pesquisas de opinião —, depois de mais de 19 meses de desgoverno de um desqualificado que jamais poderia ocupar o cargo de presidente da República? Um sujeito que debocha e desdenha dos problemas mais sérios da população?

Foram anos seguidos de criminalização da política e desconstrução dos valores democráticos, em que o ovo da serpente do neofascismo foi chocado. E são milhões a receberem o auxílio emergencial, em um momento de desespero e desalento.

Que não tenhamos ilusões. Reconstruir a democracia não será tarefa nada simples, nada fácil. Será longa e penosa.

Esse período ficará marcado, na história brasileira, pela tragédia e pela mais absoluta vergonha.

E, mais uma vez, os militares brasileiros, na sua grande maioria — por ação ou omissão —, serão corresponsáveis pela tragédia e pela vergonha.

* Kátia Gerab Baggio é professora de História das Américas na Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Flávio Aguiar Michael Roberts Eugênio Bucci Osvaldo Coggiola Igor Felippe Santos Ricardo Fabbrini Mário Maestri João Carlos Salles Jorge Luiz Souto Maior Tadeu Valadares Otaviano Helene Anselm Jappe Tales Ab'Sáber Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Daniel Afonso da Silva Michel Goulart da Silva Fábio Konder Comparato José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Rodrigo de Faria Valerio Arcary José Costa Júnior Sandra Bitencourt José Geraldo Couto Alysson Leandro Mascaro Daniel Brazil Valerio Arcary Leonardo Boff Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Paulo Sérgio Pinheiro Milton Pinheiro Heraldo Campos Marcos Silva Ronaldo Tadeu de Souza Vanderlei Tenório Dennis Oliveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Salem Nasser Andrés del Río Juarez Guimarães Antonio Martins Manchetômetro Ricardo Musse Eduardo Borges Lincoln Secco Luiz Roberto Alves Berenice Bento Francisco de Oliveira Barros Júnior Yuri Martins-Fontes Bernardo Ricupero Marilia Pacheco Fiorillo Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Dênis de Moraes Michael Löwy Leonardo Avritzer João Paulo Ayub Fonseca Marjorie C. Marona Luis Felipe Miguel Marilena Chauí Chico Whitaker Ronald León Núñez Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Marcelo Módolo Fernão Pessoa Ramos Paulo Fernandes Silveira Mariarosaria Fabris Eleonora Albano Ricardo Abramovay Leonardo Sacramento Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin Eugênio Trivinho Elias Jabbour Chico Alencar Claudio Katz Benicio Viero Schmidt Boaventura de Sousa Santos João Lanari Bo André Singer Luiz Bernardo Pericás Afrânio Catani Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Julian Rodrigues Paulo Capel Narvai Maria Rita Kehl Bento Prado Jr. Henri Acselrad Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bruno Machado Vladimir Safatle Daniel Costa Celso Favaretto Eliziário Andrade João Carlos Loebens Atilio A. Boron Rubens Pinto Lyra Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto José Machado Moita Neto Érico Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Priscila Figueiredo Luciano Nascimento Jorge Branco Fernando Nogueira da Costa José Raimundo Trindade José Luís Fiori Carla Teixeira Leda Maria Paulani Liszt Vieira Ronald Rocha Francisco Pereira de Farias Ricardo Antunes Remy José Fontana Gabriel Cohn Denilson Cordeiro Gerson Almeida Ladislau Dowbor Sergio Amadeu da Silveira Paulo Martins Luiz Renato Martins Slavoj Žižek João Feres Júnior Renato Dagnino Vinício Carrilho Martinez Antonino Infranca Annateresa Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gilberto Lopes Walnice Nogueira Galvão Gilberto Maringoni Eleutério F. S. Prado Henry Burnett Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral Armando Boito Flávio R. Kothe Manuel Domingos Neto Luiz Marques João Adolfo Hansen Carlos Tautz Luiz Werneck Vianna

NOVAS PUBLICAÇÕES