A sociologia é um esporte de combate

Pierre Bourdieu. Frame do documentário "La sociologie est un sport de combat"/ Divulgação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário do filme de Pierre Carles sobre o sociólogo francês Pierre Bourdieu

O filme de Pierre Carles (1962) acompanha, em seus 140 minutos, parte da trajetória de Pierre Bourdieu (1930-2002), em especial suas atividades de sociólogo engajado em alguns movimentos sociais de seu tempo. O título, emblemático, refere-se a uma consideração realizada por ele logo no início, ao afirmar que “a sociologia serve como um esporte de combate e, como tal, serve para se defender, não deve servir para atacar”.

Mas, defender quem, do que? Defender aqueles indivíduos que se encontram em situações de perigo social real ou iminente diante dos poderes que os oprimem – os governos de direita e/ou de esquerda, que na prática operam de forma semelhante; a mídia, ao elaborar um discurso que ilumina determinadas dimensões sociais e obscurece outras; as associações internacionais trilaterais de crédito e fomento; os organismos patronais etc.

A sociologia pode ajudar a explicar-lhes melhor a situação que vivenciam, as causas sociais que conduziram seus destinos a essa condição de desfavorabilidade. Entretanto, explicar, descrever, mostrar não é solucionar nem transformar – daí, no entender de Pierre Bourdieu, a necessidade dos movimentos sociais organizados.

A fita é repleta de entrevistas concedidas por Pierre Bourdieu a pesquisadores, a programas radiofônicos e televisivos, além de registrar várias de suas participações em debates públicos em instituições acadêmicas e associações culturais vinculadas a outras entidades da sociedade civil. Não se excluem, ainda, reuniões de trabalho com sua equipe de pesquisadores e com seus auxiliares administrativos; aulas e exposições que integram seu métier de professor e rápidos flashes que o mostram em momentos de tensão e de relaxamento.

Pierre Carles não parece tão preocupado com a duração do filme, pois tudo o que considerou relevante nas andanças de Pierre Bourdieu acabou preservando na montagem: a longa explicação do sociólogo sobre sua noção de capital cultural; as considerações acerca de suas origens sociais e formação acadêmica: as conversas com outros intelectuais em que vai delineando seu método de trabalho, a “cozinha da pesquisa” e formas de artesanato intelectual; sua interpretação da dominação masculina, do papel do Estado e das reformas neoliberais, baseadas na dissociação do econômico e do social; o combate à tendência anti-intelectualista, que dá o tom em boa parte dos movimentos sociais e seu orgulho em se reafirmar um “agitprop” que tanto horror causou a intelectuais ligados ao governo socialista francês no início dos anos 2000.

Não se perde de vista, igualmente, extensa sessão de debates em um auditório de um banlieue parisiense, em que Pierre Bourdieu passa por maus momentos, recebendo críticas e reagindo, quando um dos participantes sai em sua defesa: “C’est Bourdieu, pas Dieu!”. E acrescenta bem humorado que em seu duro cotidiano eles também “tentam ser sociólogos, mas são vira-latas”.

Reafirmando que a única maneira de enfrentar tal situação adversa seria a organização de movimentos sociais com objetivos bem definidos, defende a necessidade dos sociólogos fazerem sua própria sociologia, fazerem autossocioanálise. “É fazendo a socioanálise da sua própria experiência que se pode servir sociologicamente. Aliás, o próprio trabalho da pesquisa é uma socioanálise […] Aprende-se muito sobre si mesmo […] Um professor aprende mais sobre seu inconsciente estudando o sistema escolar que estudando a obra de Freud”.

*Afrânio Catani é professor titular aposentado da Faculdade de Educação da USP e, atualmente, professor sênior na mesma instituição. Professor visitante na Faculdade de Educação da UERJ (campus de Duque de Caxias).

Publicado originalmente em Afrânio Mendes Catani; Maria Alice Nogueira; Ana Paula Hey; Cristina C. C. Medeiros (orgs.). Vocabulário Bourdieu. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, p. 145-146.

Referência


La sociologie est un sport de combat
França, 2001, documentário, 146 minutos
Direção: Pierre Carles
Produção: Véronique Frégosi e Annie González
Montagem: Virginie Charif, Youssef Charifi, Claire Painchault e Bernard Sasia
Participação de: Pierre Bourdieu, Loïc Wacquant. Serge Halimi, Maria Andréa Loyola, Daniel Mermet, Rémi Lenoir, Patrick Champagne, Edward Saïd, Günter Grass.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia
  • Marxismo e política — modos de usarLuis Felipe Miguel 15/07/2024 Por LUIS FELIPE MIGUEL: Introdução do autor ao livro recém-publicado
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • Julian Assange, Edward Snowden, Daniel Ellsbergwalnice 13/07/2024 Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO: Só permanece desinformado sobre segredos e inconfidências quem de fato tiver muita preguiça
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES