As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Levante na Palestina

Imagem: Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARIQ ALI*

Os palestinos têm o direito de resistir à agressão ininterrupta a que estão sujeitos. Não há equivalência moral, política ou militar no que diz respeito aos dois lados

Em dezembro de 1987, uma nova intifada irrompeu na Palestina, abalando Israel e as elites do mundo árabe. Algumas semanas depois, o grande poeta sírio Nizar Qabbani escreveu “A trilogia das crianças das pedras”, em que denunciava a geração mais velha de líderes palestinos – hoje representada pela corrupta e colaboracionista (Não-) Autoridade Palestina. Ela foi cantada e recitada em muitos cafés palestinos:

As crianças das pedras
disseminaram nossos papéis
verteram tinta em nossas roupas
zombaram da banalidade de textos antigos…
Ó crianças de Gaza
Não se importem com nossas transmissões
Não nos ouçam
Somos povo de frio cálculo
De adição, de subtração
Travem suas guerras e nos deixem em paz
Estamos mortos e sem túmulos
Órfãos sem olhos.
Crianças de Gaza
Não se refiram a nossos escritos
Não sejam como nós.
Somos seus ídolos
Não nos adorem.
Ó povo louco de Gaza,
Mil saudações aos loucos
A era da razão política já se foi há muito tempo
Então nos ensine a loucura…

Desde então, o povo palestino tem tentado todos os métodos para conseguir alguma forma de autodeterminação significativa. “Renunciem à violência”, disseram-lhes. E foi o que fizeram, com exceção da retaliação singular após uma atrocidade israelense. Entre os palestinos do país e da diáspora, houve apoio em massa ao Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS): um movimento pacífico por excelência, que começou a ganhar força em todo o mundo entre artistas, acadêmicos, sindicatos e, eventualmente, governos.

Os EUA e sua família da OTAN reagiram tentando criminalizar o BDS na Europa e na América do Norte, alegando, com a ajuda de grupos de lobby sionistas, que boicotar Israel era “antissemita”. Isso se mostrou bastante eficaz. Na Grã-Bretanha, o Partido Trabalhista de Keir Starmer proibiu qualquer menção ao “apartheid israelense” em sua próxima conferência nacional. A esquerda trabalhista, com medo de ser banida, ficou em silêncio sobre essa questão. Uma situação lamentável.

Enquanto isso, a maioria dos Estados árabes se juntou à Turquia e ao Egito para capitular diante de Washington. A Arábia Saudita está atualmente em negociações, mediadas pela Casa Branca, para reconhecer oficialmente Israel. O isolamento internacional do povo palestino parece destinado a aumentar. A resistência pacífica não levou a lugar algum.

Durante todo esse tempo, as Forças de Defesa de Israel atacaram e mataram palestinos à vontade, enquanto sucessivos governos israelenses trabalharam para sabotar qualquer esperança de criação de um Estado. Recentemente, alguns generais da reserva das Forças de Defesa de Israel e agentes do Mossad admitiram que o que está sendo feito na Palestina equivale a “crimes de guerra”. Mas eles só tiveram coragem de dizer isso depois de já terem se aposentado.

Enquanto ainda serviam, eles apoiaram totalmente os colonos fascistas nos territórios ocupados, permanecendo parados enquanto queimavam casas, destruíam plantações de oliveiras, despejavam cimento em poços, atacavam palestinos e os expulsavam de suas casas enquanto cantavam “Morte aos árabes”. O mesmo aconteceu com os líderes ocidentais, que permitiram que tudo isso acontecesse sem qualquer murmúrio. A era da razão política já se foi há muito tempo, como diria Nizar Qabbani.

Então, um dia, a liderança eleita em Gaza começa a revidar. Eles saem de sua prisão a céu aberto e atravessam a fronteira sul de Israel, atacando alvos militares e populações de colonos. De repente, os palestinos estão no topo das manchetes internacionais. Os jornalistas ocidentais estão chocados e horrorizados com o fato de eles estarem realmente resistindo. Mas por que não deveriam? Eles sabem melhor do que ninguém que o governo de extrema-direita de Israel retaliará violentamente, apoiado pelos EUA e pela União Europeia de boca fechada.

Mas, mesmo assim, não estão dispostos a ficar sentados enquanto Benyamin Netanyahu e os criminosos de seu gabinete expulsam ou matam gradualmente a maioria de seu povo. Eles sabem que os elementos fascistas do Estado israelense não hesitariam em sancionar o assassinato em massa de árabes. E eles sabem que é preciso resistir a isso por todos os meios necessários. No início deste ano, os palestinos assistiram às manifestações em Tel Aviv e entenderam que aqueles que marchavam para “defender os direitos civis” não se importavam com os direitos de seus vizinhos ocupados. Eles decidiram resolver o problema com suas próprias mãos.

Os palestinos têm o direito de resistir à agressão ininterrupta a que estão sujeitos? Com certeza. Não há equivalência moral, política ou militar no que diz respeito aos dois lados. Israel é um estado nuclear, armado até os dentes pelos EUA. Sua existência não está ameaçada. São os palestinos, suas terras, suas vidas, que estão. A civilização ocidental parece estar disposta a ficar parada enquanto eles são exterminados. Eles, por outro lado, estão se levantando contra os colonizadores.

*Tariq Ali é jornalista, historiador e escritor. Autor, entre outros livros, de Confronto de fundamentalismos (Record). [https://amzn.to/3Q8qwYg]

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no site Sidecar da New Left Review.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero João Lanari Bo Alysson Leandro Mascaro Henry Burnett Gabriel Cohn Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Luiz Eduardo Soares Annateresa Fabris Renato Dagnino Lorenzo Vitral Dênis de Moraes Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Tarso Genro Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares Marilena Chauí Antonino Infranca João Paulo Ayub Fonseca Marjorie C. Marona Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Leda Maria Paulani Dennis Oliveira Luiz Renato Martins Vanderlei Tenório Carlos Tautz Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Luís Fiori Mário Maestri Eugênio Trivinho Luiz Costa Lima Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Rodrigo de Faria Antonio Martins Marcos Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Roberto Noritomi Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Chico Whitaker Berenice Bento Carla Teixeira José Micaelson Lacerda Morais Eugênio Bucci José Dirceu João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Gilberto Maringoni José Raimundo Trindade Marcus Ianoni Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Remy José Fontana João Feres Júnior Daniel Costa Michael Löwy Eduardo Borges Rafael R. Ioris Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Bueno Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Ronaldo Tadeu de Souza Fábio Konder Comparato Flávio Aguiar André Singer Lincoln Secco Afrânio Catani Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Osvaldo Coggiola Valerio Arcary Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Julian Rodrigues Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Érico Andrade Jorge Luiz Souto Maior Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás Samuel Kilsztajn Armando Boito Luiz Roberto Alves Priscila Figueiredo Luis Felipe Miguel João Carlos Salles Leonardo Boff Marcos Aurélio da Silva Anselm Jappe Eleonora Albano Luiz Marques Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Branco Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Milton Pinheiro Liszt Vieira José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Chico Alencar Manchetômetro Bruno Machado Bento Prado Jr. Gerson Almeida Sandra Bitencourt José Machado Moita Neto Antônio Sales Rios Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Luís Fernando Vitagliano Andrew Korybko Michael Roberts Tadeu Valadares Otaviano Helene Salem Nasser Airton Paschoa Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira Maria Rita Kehl Ladislau Dowbor Mariarosaria Fabris Valério Arcary Rubens Pinto Lyra Ricardo Musse Francisco Pereira de Farias Leonardo Sacramento Paulo Martins Ronald Rocha Marcelo Módolo Luciano Nascimento Claudio Katz Ricardo Fabbrini Denilson Cordeiro Luiz Werneck Vianna Caio Bugiato Eliziário Andrade Igor Felippe Santos Ronald León Núñez Jean Marc Von Der Weid Celso Frederico Juarez Guimarães Ari Marcelo Solon Vladimir Safatle Sergio Amadeu da Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada