As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Hector Benoit

Foto de Graciela Rodriguez
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VÁRIOS AUTORES*

Hector Benoit era um gênio. E como todo gênio, temperamental, explosivo e sempre muito ciente de si

Quis o destino que um homem atormentado pela angústia e o desespero diante dos paradoxos e misérias da vida morresse inesperadamente e em paz. Assim faleceu Hector Benoit na madrugada desta segunda-feira 05 de dezembro de 2022, dormindo e sem tempo para despedidas e lamentações. Seu temperamento uruguaio, Hector Benoit era orgulhosamente basco-uruguaio, certamente não nos toleraria chorando em seu leito de morte.

Hector Benoit foi professor livre docente de filosofia na Unicamp. Formado em filosofia na USP nos anos 1970, para driblar a censura militar aos estudos do marxismo dedicou-se ao estudo da dialética antiga e das obras de Platão. Entre 1982 e 1990 tornou-se mestre e doutor em filosofia sob a orientação do falecido e renomado professor José Cavalcante de Souza. Aprendeu grego e passou a ler os diálogos platônicos diretamente em sua língua natal. Desta leitura surgiu uma interpretação original e revolucionária dos diálogos platônicos, antípoda das leituras francesas lideradas pelo estruturalismo de Victor Goldschmidt.

Ao mesmo tempo, aprendeu alemão e estudou Hegel, Marx, Nietzsche e Heidegger também no original. Nos anos 1990 tornou-se professor de filosofia na Unicamp, onde se aposentou em 2015. Foi líder e fundador dos GTs Platão e o Platonismo e Marx e a Tradição Dialética da Anpof nos anos 2000. Foi Diretor do CPA (Centro do Pensamento Antigo) e integrante do CEMARX (Centro de Estudos Marxistas) da Unicamp. Foi membro do Conselho Editorial das revistas Crítica Marxista e Outubro e fundador da extinta revista Mais-valia.

Hector Benoit, porém, ainda que possa ser reconhecido como platonista, hegeliano, nietzschiano ou heideggeriano nunca o fora na verdade. Hector Benoit era marxista.  Marxista trotskista. Benoit foi militante trotskista desde a juventude e durante toda a sua vida política. Faleceu criticando a experiência soviética pós-Lênin e o marxismo burocrático que surgiu a partir daí. Faleceu acreditando e defendendo as teses clássicas do marxismo, do proletariado como vanguarda da revolução, da necessidade de um partido revolucionário, de uma formação intelectual rigorosa, dialética e filosófica dos militantes e da organização e da solidariedade internacional do proletariado.

Sua experiência com a dialética socrática e os demais filósofos estudados lhe permitiu ultrapassar ainda jovem a leitura e a interpretação canônica de certas inspirações dominantes no marxismo brasileiro sobre a obra de Karl Marx e a revolucionar certas interpretações consagradas e dogmáticas acerca da dialética, de O capital, da história, da luta de classes, do papel de Engels na interpretação da obra de Marx, do partido, de Lênin, de Trotsky, da Revolução Soviética, da revolução brasileira e do papel central do proletariado brasileiro na revolução internacional.

Suas críticas impiedosas de inspiração trotskista à experiência stalinista não o levaram, contudo, a fechar os olhos à história do próprio trotskismo, internacional e brasileiro, a seus desvios teóricos e políticos, a seu abandono do próprio marxismo clássico e internacionalista de Trotsky, às suas vacilações antiproletárias, a seus adesismos nacionalistas e a seus entrismos oportunistas e, especialmente, à doença vanguardista e degenerativa do esquerdismo e do sectarismo que afeta grande parte das organizações políticas trotskistas.

Hector Benoit era um gênio. E como todo gênio, temperamental, explosivo e sempre muito ciente de si. Mas, Benoit não era um gênio qualquer, Hector Benoit era como um daqueles gênios anunciados por Sócrates no Fedro, daqueles gênios tomados por uma loucura e uma inspiração tão divinas e tão profundas que somente a eles seriam reveladas as verdades e as belezas trazidas pelas Musas. Hector Benoit era um destes loucos irracionais iluminados por uma verdade tão clara e luminosa que não poderia ser compreendida facilmente por nosso racionalismo de inspiração moderna e nosso marxismo esquemático e burocratizado.

Devido à sua rica formação intelectual e filosófica, Hector Benoit queria ser poeta e teatrólogo, ao rigor de seus estudos sobre os diálogos de Sócrates e Platão e ao seu gênio dionisíaco louco, inquieto e antiburocrático, Hector Benoit estava a léguas e léguas de distância de boa parte deste marxismo brasileiro sem alma, sem vida, repetitivo e monótono, que se recusa a se recriar, a se renovar e a se revolucionar intelectual e politicamente.

Hector Benoit viveu mergulhado na angústia e na tristeza. Não suportava a pobreza intelectual e espiritual do marxismo brasileiro. Não suportava a vida e nossa mediocridade. Viveu afundado em crises e insatisfeito. Malgrado essa vida, Hector Benoit tinha belos momentos de alegria quando falava de Sócrates, Platão e Marx, de suas aventuras, e desventuras, amorosas, de futebol, do Palmeiras, que considerava injusto não ter um Mundial, e da seleção uruguaia. Chorou quando Luís Suárez, o anti-herói uruguaio, foi expulso da Copa do Mundo no Brasil em 2014 por ter mordido, num ato intempestivo, o ombro do zagueiro italiano Giorgio Chiellini.

Mas, Hector Benoit, agora, morreu em paz e nós estamos mais pobres intelectualmente. Resta-nos a esperança de que novos loucos iluminados como ele surjam e nos tirem deste atoleiro intelectual e político que tomou conta do marxismo e da sociedade brasileira!

*Anderson Prado

*Carlos Prado

*Christiano Tortatto

*Eduardo Ferreira Chagas

*Fabiano Joaquim da Costa

*Fábio Sobral

*Gerson Pereira Filho

*Gustavo Machado

*Jadir Antunes

*Jair Antunes

*Joanir Fernando Ribeiro

*Julia Lemos Vieira

*Paulo Denisar Fraga

*Pedro Tarozzo

*Péricles Ariza

*Rafael Padial

*Ricardo Pereira de Melo

*Rodrigo O. Antonio

*Thaís André

*Zaira Rodrigues Vieira

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Avritzer Bernardo Ricupero Slavoj Žižek Samuel Kilsztajn Luiz Carlos Bresser-Pereira Vanderlei Tenório João Carlos Salles Berenice Bento Luiz Bernardo Pericás Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Whitaker Tales Ab'Sáber Rafael R. Ioris Afrânio Catani Luiz Roberto Alves Mário Maestri Gerson Almeida Manchetômetro Vinício Carrilho Martinez Flávio Aguiar Denilson Cordeiro Marcos Silva Julian Rodrigues Ricardo Abramovay Alexandre de Freitas Barbosa Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito José Costa Júnior José Luís Fiori Heraldo Campos Eliziário Andrade Ronald Rocha Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Walnice Nogueira Galvão Lincoln Secco Michael Löwy Gilberto Lopes João Feres Júnior Flávio R. Kothe José Dirceu Plínio de Arruda Sampaio Jr. Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Valério Arcary Gabriel Cohn Chico Alencar Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Antonino Infranca Fábio Konder Comparato Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad Eleutério F. S. Prado Dênis de Moraes Eleonora Albano Celso Favaretto Paulo Capel Narvai André Singer Luís Fernando Vitagliano Rubens Pinto Lyra Tarso Genro José Geraldo Couto Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour Caio Bugiato Daniel Costa Michael Roberts Manuel Domingos Neto Eugênio Bucci Carla Teixeira Milton Pinheiro Paulo Sérgio Pinheiro Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro Jorge Branco Lorenzo Vitral João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Annateresa Fabris Jean Pierre Chauvin Antônio Sales Rios Neto Celso Frederico Ricardo Fabbrini Andrew Korybko João Carlos Loebens Anselm Jappe Rodrigo de Faria Remy José Fontana Renato Dagnino Everaldo de Oliveira Andrade Roberto Bueno Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa João Lanari Bo Daniel Afonso da Silva Dennis Oliveira Francisco de Oliveira Barros Júnior Mariarosaria Fabris Igor Felippe Santos Marcelo Guimarães Lima Fernão Pessoa Ramos Leda Maria Paulani José Raimundo Trindade Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Luiz Eduardo Soares Daniel Brazil Marcus Ianoni Anderson Alves Esteves Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Luiz Marques Bento Prado Jr. Salem Nasser Juarez Guimarães Eduardo Borges Maria Rita Kehl Leonardo Boff Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Otaviano Helene Gilberto Maringoni Francisco Fernandes Ladeira João Sette Whitaker Ferreira Luiz Werneck Vianna Ricardo Antunes Lucas Fiaschetti Estevez José Micaelson Lacerda Morais Priscila Figueiredo Ari Marcelo Solon Bruno Machado Roberto Noritomi André Márcio Neves Soares Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Marilena Chauí Ronaldo Tadeu de Souza Marjorie C. Marona Osvaldo Coggiola Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Francisco Pereira de Farias Érico Andrade Claudio Katz Airton Paschoa Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Luiz Costa Lima Jean Marc Von Der Weid Paulo Martins Carlos Tautz Atilio A. Boron Henry Burnett

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada