O general Mourão continua negando os crimes da ditadura

Dora Longo Bahia, Desconhecida I, 1996 Óleo sobre tela
 68 x 54 cm.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Os áudios do STM recém-divulgados devassam com inesperada clareza os crimes da ditadura para as jovens gerações

O general Mourão continua o mesmo, aquele que foi exonerado do Comando Militar do Sul pela presidenta Dilma Rousseff, em 2015, por comemorar o golpe de 1964 que instalou a ditadura no Brasil. Até que ele se esforçou em se diferenciar de seu presidente, mas não conseguiu. Agora mesmo, perguntado sobre investigação sobre a tortura, respondeu: “Apurar o quê? Os caras já morreram tudo, pô. [risos]. Vai trazer os caras do túmulo de volta?”.

Lamentavelmente, os oficiais superiores das forças armadas brasileiras, com poucas e notáveis exceções, estão no mesmo diapasão do vice-presidente. Basta lembrar a deplorável nota conjunta do atual ministro da Defesa e dos três comandantes militares que guindaram a ditadura militar – com uma penca de violações e crimes contra a humanidade impunes – como “marco histórico da evolução política” no Brasil.

Em vez dessa visão dissimuladora e edulcorada da ditadura, depois do projeto Brasil: Nunca Mais (1985), criado sob o empenho dos saudosíssimos cardeal Dom Paulo e pastor Jaime Wright, e de toda a luta dos familiares dos desaparecidos políticos, não havia mais dúvida alguma sobre a culpabilidade da ditadura por aquelas violações. Na mesma direção, a lei sobre os desaparecidos políticos e reparações a suas famílias, em 1995, no início do governo Fernando Henrique, afirmou que os crimes comuns praticados por agentes do governo na ditadura, como os desaparecimentos, eram da responsabilidade do Estado brasileiro e, portanto, passíveis de reparações às famílias das vítimas.

Apesar desse reconhecimento, a abrangência da Lei da Anistia para casos de tortura e crimes comuns, cometidos por civis e agentes do Estado durante a ditadura militar (1964-1985) continua valendo. Apesar de acordão da Corte Interamericana de Direitos Humanos ter considerado a anistia no Brasil nula, pois tratava-se de uma autoanistia aos agentes da ditadura, consagrando sua impunidade.

Em 2014, o relatório da Comissão Nacional Verdade (CNV) demonstrou que a tortura e outros crimes não eram abusos cometidos por uma “tigrada” autônoma. Mas remetiam à cadeia de comando que partia dos generais presidentes e ministros militares, chegando até os operadores da tortura. O coronel Ustra, um dos chefes maiores dos torturadores, celebrado pelo atual presidente da República, tinha assento no gabinete do ministro do Exército como muitos outros colegas seus. Depois do governo golpista de Michel Temer, e no presente governo, o relatório da CNV e suas recomendações foram jogados no lixo.

Por todas essas razões, é notável feito a pesquisa do professor e historiador Carlos Fico, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que, graças ao Supremo Tribunal Federal, pode ter acesso às 10 mil horas de áudios de gravações de julgamentos entre 1975 e 1985, no Superior Tribunal Miliar (STM). Ao contrário da galhofice do general Mourão, é vital ouvir as vozes daqueles membros do STM, como o almirante Julio de Sá Bierrenbach e os generais Rodrigo Otávio Jordão Ramos e Augusto Fragoso, que acreditaram nas denúncias de tortura contra os prisioneiros políticos da ditadura.

Esses áudios devassam com inesperada clareza os crimes da ditadura para as jovens gerações, permitem reabrir investigações e condenam a lamentável celebração da tortura pelo chefe da Nação brasileira.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP; ex-ministro dos Direitos Humanos; relator especial da ONU para a Síria e membro da Comissão Arns. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Andrés del Río Celso Favaretto Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Claudio Katz Lincoln Secco Antonino Infranca Eugênio Bucci Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Tales Ab'Sáber Luiz Werneck Vianna Osvaldo Coggiola Luiz Marques Vanderlei Tenório Afrânio Catani Eleutério F. S. Prado Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Tarso Genro Michael Roberts Ricardo Musse Ronald León Núñez Yuri Martins-Fontes João Carlos Loebens Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Bento Prado Jr. Chico Alencar Leonardo Avritzer Matheus Silveira de Souza Luciano Nascimento Gabriel Cohn Antonio Martins Igor Felippe Santos João Lanari Bo Mariarosaria Fabris João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Paulo Martins José Luís Fiori José Machado Moita Neto João Feres Júnior Rubens Pinto Lyra Rafael R. Ioris Bruno Machado Celso Frederico Milton Pinheiro João Carlos Salles Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Marcos Aurélio da Silva Juarez Guimarães Luiz Roberto Alves Sandra Bitencourt Berenice Bento José Geraldo Couto Airton Paschoa Marjorie C. Marona Boaventura de Sousa Santos Armando Boito Salem Nasser Ricardo Abramovay Michel Goulart da Silva Manchetômetro Carla Teixeira Érico Andrade Ricardo Antunes Manuel Domingos Neto Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira José Raimundo Trindade Julian Rodrigues Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Guimarães Lima Leda Maria Paulani Vinício Carrilho Martinez Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Lopes Fábio Konder Comparato Remy José Fontana Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Tadeu Valadares Gerson Almeida Marcus Ianoni Andrew Korybko José Dirceu Luiz Renato Martins Liszt Vieira José Costa Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva Samuel Kilsztajn Henry Burnett Thomas Piketty Lorenzo Vitral Denilson Cordeiro Marilena Chauí Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronaldo Tadeu de Souza Flávio Aguiar Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Otaviano Helene Luís Fernando Vitagliano Eugênio Trivinho José Micaelson Lacerda Morais Eduardo Borges Rodrigo de Faria Jorge Luiz Souto Maior Paulo Capel Narvai Ricardo Fabbrini Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Bernardo Pericás Henri Acselrad Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão Flávio R. Kothe Carlos Tautz Daniel Afonso da Silva André Singer Atilio A. Boron Anselm Jappe Mário Maestri Marcos Silva Heraldo Campos Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Carlos Bresser-Pereira Benicio Viero Schmidt João Paulo Ayub Fonseca João Adolfo Hansen Chico Whitaker Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Sérgio Pinheiro Elias Jabbour Kátia Gerab Baggio Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Ronald Rocha Jean Pierre Chauvin Leonardo Boff Vladimir Safatle Dennis Oliveira Antônio Sales Rios Neto Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Marcelo Módolo Leonardo Sacramento Valerio Arcary Gilberto Maringoni André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES