Losurdo: presença e permanência

Imagem: Elyeser Szturm, da série Nós
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JONES MANOEL*

Comentário sobre o livro organizado por João Quartim de Moraes

A distinção entre “negro da casa” e “negro do campo” ficou famosa com Malcolm X. O primeiro se identificava com o senhor de escravos — e colocava-se contra a luta antiescravagista — dadas as suas condições de vida e trabalho um pouco menos brutais na casa grande do que a situação em que viviam os escravizados nas plantations. Malcolm X falava da cooptação e da servidão ao poder instituído numa sociedade escravagista pouco complexa. A ordem burguesa criou várias possibilidades de cooptação e servidão ao poder impossíveis de se imaginar no escravagismo. Se no exemplo de Malcolm eram transparentes as posições políticas e compromissos de cada sujeito, o capitalismo torna a questão bem mais intrincada.

O capitalismo e sua complexa rede de aparelhos ideológicos concebeu a possibilidade de servir aos senhores do capital apresentando-se como neutro, como um pesquisador desinteressado na política que faz ciência, preocupando-se apenas com o bem-estar de sua instituição acadêmica. Uma espécie de ciência que existe num vácuo do espaço-tempo sem tocar ou olhar as misérias do mundo. Em outras épocas, o mesmo espaço acadêmico que hoje propicia essa ilusão ideológica também condicionava futuros tecnocratas da burguesia a se apresentarem como intelectuais marxistas, que falavam de luta de classes, de socialismo, de revolução.

Com a derrubada da União Soviética, as experiências de transição socialista e os projetos de nacionalismo popular, conjugados com o fim de diversos partidos comunistas, na longa noite neoliberal e neocolonial, vários desses intelectuais puderam afirmar tranquilos: esqueçam o que eu escrevi! Aquele era o momento de reforçar o mito do intelectual neutro, “não ideológico” e moderno, que significava aceitar que os “valores universais” da democracia burguesa (pouco democrática e muito burguesa), a economia de mercado (na verdade, um punhado de monopólios globais) e, claro, a “paz perpétua” das canhoneiras da OTAN tinham vencido. Adeus não só a Lênin, como também a Marx, Rousseau, Hegel e, por que não, Platão.

Alguns intelectuais, porém, negaram-se a aceitar a onda do pensamento único reacionário. Não só continuaram marxistas, acreditando que sua tarefa no mundo era produzir uma teoria revolucionária para criar a prática revolucionária, como aceitaram de forma corajosa e honrada a derrota simbolizada pelo fim da URSS e se puseram, sem qualquer subalternidade ideológica, a repensar por completo o marxismo, a reconstruir o materialismo histórico, a abordar com profundidade todos os problemas da luta revolucionária no final do século XX e no século XXI.

Na lista dos homens e mulheres que aceitaram o desafio de dizer não ao espírito reacionário do tempo, em lugar de destaque, está Domenico Losurdo. O italiano não foi apenas um intelectual que aceitou o desafio de refletir com profundo sentido histórico-concreto, rica densidade filosófica e agudo senso político sobre a defesa e a reconstrução do marxismo. Ele, não satisfeito com o tamanho do seu desafio, ou justamente para cumpri-lo melhor, buscou estudar com rigor científico ímpar e dedicação militante toda a tradição democrático-radical da modernidade burguesa: a Revolução Francesa e Haitiana, o jacobinismo, o pensamento de Hegel, as lutas abolicionistas etc. A obra losurdiana é, também, uma ousada e incrível história a contrapelo da modernidade no geral e do século XX em particular (com destaque para os aportes de um novo balanço da história do movimento comunista sem autofobia).

Sua morte prematura, em 2018, interrompeu o andamento de um dos mais ousados e refinados projetos teórico-políticos das últimas décadas. Mas todo grande pensador morre e deixa suas ideias vivendo na terra para sempre. Cabe aos que ficam continuar seu legado e superar seus possíveis erros e falhas. A primeira iniciativa no Brasil de balanço e avaliação do legado losurdiano é o livro Losurdo: presença e permanência, organizado por João Quartim de Moraes.

O livro contém um rico e qualificado escrito de Stefano Azzarà, que faz um balanço da obra do comunista italiano, demonstrando a fortuna literária da produção losurdiana e da diversidade de temas abordados pelo pensador nas várias décadas de ação teórica e política. Em seguida, temos o artigo de João Quartim de Morares, “Estudo introdutório”, que faz um balanço do conjunto da obra losurdiana e ajuda a localizar a evolução teórica e temática na produção do autor.

Sobre a contribuição de Domenico Losurdo a respeito do marxismo e da questão nacional, os professores Diego Pautasso, Marcelo Fernandes e Gaio Doria realizam uma excelente reflexão. A questão nacional é uma problemática que perpassa o conjunto da obra desse autor, que, ao dar continuidade aos fundamentais aportes de Antonio Gramsci, consegue desenvolver uma dialética entre o nacional e o internacional que se mostra indispensável para os combates anti-imperialistas e anticoloniais do nosso tempo.

Por fim, o livro nos brinda com dois artigos do próprio Losurdo: “Marx, Cristóvão Colombo e a Revolução de Outubro – materialismo histórico e análise das revoluções” e “Gramsci e a Rússia soviética: o materialismo histórico e a crítica do populismo”. Os dois artigos oferecem ao leitor um belíssimo exemplo da erudição histórica, da complexidade filosófica e do realismo político revolucionário tão característicos da forma losurdiana de fazer ciência e política — com vistas, friso, à (re)construção da teoria revolucionária. Esses dois artigos também são ótimos exemplos de como o nosso autor não tinha medo de nadar na contracorrente, questionar e desmontar com fina ousadia argumentativa os consensos, à esquerda e à direita, sobre vários problemas filosóficos e políticos.

Esse livro deve cumprir a tarefa de iniciar uma série de publicações sobre as muitas dimensões da obra losurdiana. As barreiras e estigmas, como acusar o grande pensador de “justificacionista de repressão” ou — a mais ridícula de todas — “neostalinista”, não vão impedir que os lutadores e as lutadoras sociais do Brasil conheçam o legado de Domenico, essa arma da crítica tão necessária em nosso tempo.

Cedo demais ele partiu, mas seu compromisso com os condenados da terra deixou frutos que vão crescer e produzir muitas árvores de emancipação. O brilho da ousadia, da coragem, do rigor científico e do compromisso com os que sofrem e sangram que marcam cada página escrita por Domenico Losurdo vão ecoar por muitos anos.

*Jones Manoel é historiador, mestre em Serviço Social pela UFPE, educador e comunicador popular.

Publicado originalmente na revista Princípios

Referência


João Quartim de Moraes. Losurdo: presença e permanência. São Paulo, Anita Garibaldi / Fundação Maurício Grabois, 2020.

 

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Osvaldo Coggiola Fábio Konder Comparato Henry Burnett Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Paulo Capel Narvai Michael Löwy Valerio Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Leda Maria Paulani Michael Roberts Chico Whitaker Mário Maestri Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carla Teixeira Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto José Luís Fiori Manchetômetro Luiz Marques Ronald Rocha Fernando Nogueira da Costa Milton Pinheiro Leonardo Avritzer Luiz Roberto Alves Daniel Brazil Paulo Martins Jorge Branco Bernardo Ricupero João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl Celso Frederico Kátia Gerab Baggio Andrés del Río Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Atilio A. Boron Eugênio Trivinho Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Antonino Infranca Antonio Martins Armando Boito Gilberto Maringoni Ricardo Musse Eleutério F. S. Prado Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Rodrigo de Faria Luiz Renato Martins Eleonora Albano Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Michel Goulart da Silva Matheus Silveira de Souza Henri Acselrad Remy José Fontana Alexandre Aragão de Albuquerque Sergio Amadeu da Silveira Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Julian Rodrigues Liszt Vieira José Dirceu Gilberto Lopes Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Salles Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Francisco Pereira de Farias Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Renato Dagnino Berenice Bento Celso Favaretto Slavoj Žižek Plínio de Arruda Sampaio Jr. Thomas Piketty Daniel Costa João Feres Júnior Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Gabriel Cohn Marilena Chauí Heraldo Campos Alexandre de Lima Castro Tranjan Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Tales Ab'Sáber Bruno Machado Ari Marcelo Solon Valerio Arcary Ronald León Núñez José Geraldo Couto Vladimir Safatle Eugênio Bucci José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Lincoln Secco Luiz Eduardo Soares Salem Nasser Afrânio Catani Claudio Katz Airton Paschoa João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos Tadeu Valadares José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo José Machado Moita Neto Boaventura de Sousa Santos Eduardo Borges Marcos Aurélio da Silva Marcelo Guimarães Lima João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Elias Jabbour José Costa Júnior Tarso Genro André Singer Juarez Guimarães Gerson Almeida Antônio Sales Rios Neto Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Flávio Aguiar Vinício Carrilho Martinez Chico Alencar Luciano Nascimento Carlos Tautz João Carlos Loebens Bento Prado Jr. Caio Bugiato Denilson Cordeiro Rafael R. Ioris Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva André Márcio Neves Soares Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada