As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lula e a “família militar”

Alison Wilding OBE, Sem título,1990
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Os militares ajudam a massificar mentiras e a movimentar as ruas em defesa do candidato das fileiras

A “família militar”, importante ator eleitoral ainda carente de trato sociológico, pesou no último pleito presidencial ajudando a massificar mentiras e a movimentar as ruas em defesa do candidato das fileiras. Frente ao grave desgaste da imagem das corporações que se seguiu, era de se esperar que atenuasse seu ardor militante. Eis que, nas redes sociais, surgem vídeos produzidos para açular-lhe o ódio contra Lula.

Um desses vídeos reúne frases descontextualizadas do ex-presidente como prova indiscutível de sua postura agressiva com as Forças Armadas. Na montagem grosseira e bobalhona, mas eficaz tendo em vista sua finalidade, Lula aparece falando agressivamente da incompetência administrativa de oficiais. Promete demitir militares e confunde as corporações com grupos milicianos. A ideia vendida é a de que desrespeita as fileiras.

Nada mais falso. Ao longo de sua atuação política, o ex-presidente mostrou absoluta confiança nas instituições, com destaque para os instrumentos de força do Estado. Perseguido arbitrária e injustamente, atendeu à voz de prisão. Esperou com paciência de Jó uma palavra razoável da Justiça.

Quando governava, Lula acatou os pleitos dos comandos corporativos sem maiores questionamentos. Evitou formar, no âmbito do Ministério da Defesa, um corpo civil especializado que reduzisse o monopólio do conhecimento dos oficiais sobre assuntos de Defesa e negócios militares. O pequeno contingente de pesquisadores acadêmicos dedicados a estas temáticas ficou sem o devido estímulo.

Os oficiais continuaram pontificando, mesmo diante de seu retumbante fracasso em dotar o país de capacidade dissuasória compatível com suas dimensões e com a veleidade de altivez na política externa. Lula confiou nos generais a mais não poder.

A confiança foi tamanha que beirou à ingenuidade, para não dizer à irresponsabilidade. O mérito dos custosos projetos estratégicos não foi discutido de forma aprofundada, assim como a dependência da Defesa brasileira em relação ao complexo militar-industrial dos Estados Unidos. O sistema de recrutamento, as normas de promoção hierárquica, a dimensão e a distribuição espacial dos efetivos, a índole perdulária das organizações militares, o espírito de casta de seus integrantes… nada disso foi objeto de debate amplo e aprofundado.

No alvorecer do século XXI, as corporações sofreram poucos retoques em relação à modernização que experimentaram entre as duas guerras mundiais. O PT não se deu conta de que a capacidade dos comandantes de pensar a defesa nacional fora apequenada quando o Estado brasileiro aceitou uma inserção internacional subordinada a partir da redefinição da ordem mundial, ocorrida com a derrota do nazifascismo, em 1945. Não tomou conhecimento da degradação intelectual promovida pela feroz repressão ideológica durante 21 anos de ditadura.

O que esperar de homens que encaram reformadores sociais como inimigos da pátria?

Assumissem uma postura minimamente profissional e respeitosa com a sociedade brasileira, os comandantes deveriam reconhecer sua responsabilidade pelo fato de o país não dispor de capacidade dissuasória autônoma e adequada. Os generais operaram em favor da dependência aos Estados Unidos, os grandes fornecedores de armas e equipamentos aos exércitos ocidentais.

Lula empenhou-se em não criar atritos com as Forças Armadas. Dilma Rousseff, com o Relatório da Comissão da Verdade, aborreceu comandantes, mas permitiu-lhes continuar ditando as cartas em matéria na qual a vida lhes reprovara.

Hoje, quando o mundo se despedaça, diria Chenua Achebe; quando mísseis hipersônicos equipados com ogivas nucleares estão prontos para destruir a vida no planeta, o Ministro da Defesa do Brasil quer contar votos! Seus camaradas, ocupadíssimos no combate às mudanças sociais de que precisamos, formam “rambos” na Amazônia e distribuem vídeos para açular o ódio da “família militar” contra Lula.

Um general chegou a se queixar, em entrevista ao canal CNN, que o ex-presidente estaria “atacando” os militares! O homem só viu boniteza no 7 de setembro mais degradante de nossa história. O jornalista perguntou-lhe se as Forças Armadas “conseguiram escapar à tentativa clara do presidente da República de transformá-las em instrumento de sua tática político-eleitoral”. O intimorato respondeu, desmentindo inclusive um amigo de infância, o general Villas-Bôas e o próprio presidente da República: “As Forças Armadas, como instituição, nunca estiveram vinculadas à candidatura”.

Essa turma precisa se dar ao respeito. Gastamos além da conta formando e mantendo fileiras que não servem para nos defender. A grotesca militância eleitoral da “família militar”, ensandecida pela perspectiva da vitória de Lula, é o seu retrato político fiel.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Antunes Ronald León Núñez Carla Teixeira Ari Marcelo Solon Celso Favaretto José Luís Fiori Eliziário Andrade Celso Frederico Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás Marilena Chauí Tarso Genro Érico Andrade Flávio R. Kothe Paulo Sérgio Pinheiro Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Rafael R. Ioris André Singer João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Marjorie C. Marona Boaventura de Sousa Santos Gilberto Lopes Bento Prado Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Costa Andrew Korybko Anselm Jappe Marcos Silva Jorge Branco Claudio Katz Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Rubens Pinto Lyra Henry Burnett Michael Löwy Eugênio Bucci Milton Pinheiro Dênis de Moraes Sergio Amadeu da Silveira Fernando Nogueira da Costa Lorenzo Vitral Antonino Infranca Daniel Brazil Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani João Carlos Salles Fábio Konder Comparato Maria Rita Kehl Eugênio Trivinho Paulo Capel Narvai Heraldo Campos Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Rodrigo de Faria Marcelo Guimarães Lima Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior José Raimundo Trindade Luiz Renato Martins Luiz Roberto Alves Luiz Marques Roberto Bueno Dennis Oliveira Michael Roberts Vladimir Safatle Carlos Tautz Lincoln Secco Slavoj Žižek Julian Rodrigues Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Ricardo Fabbrini José Dirceu Igor Felippe Santos Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty Jorge Luiz Souto Maior Luiz Costa Lima Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana Ronald Rocha Ricardo Musse Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Luiz Eduardo Soares Marcus Ianoni Caio Bugiato Tales Ab'Sáber Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Roberto Noritomi Flávio Aguiar Valério Arcary Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Loebens Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcelo Módolo Manchetômetro Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Paulo Martins Alexandre de Freitas Barbosa Elias Jabbour Gabriel Cohn Valerio Arcary Ladislau Dowbor Yuri Martins-Fontes Berenice Bento Manuel Domingos Neto José Geraldo Couto José Costa Júnior Leonardo Boff Antonio Martins Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Ronaldo Tadeu de Souza João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Eleutério F. S. Prado Mário Maestri Chico Alencar Eduardo Borges Alysson Leandro Mascaro João Lanari Bo Francisco de Oliveira Barros Júnior Renato Dagnino Antônio Sales Rios Neto Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Samuel Kilsztajn Chico Whitaker Ricardo Abramovay Afrânio Catani Armando Boito Daniel Afonso da Silva Osvaldo Coggiola João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira José Machado Moita Neto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada