As belas bandeiras

imagem: Anselmo Pessoa Neto
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANSELMO PESSOA NETO*

Depois de George Orwell, Pier Paolo Pasolini e Italo Calvino

Acabo de reler 1984, de George Orwell. Escrevo sob a influência de uma obra que faz história. De interpretações do livro 1984, temos muitas e quase todas válidas. Mas o que ficou na minha cabeça, martelando, foi o controle absoluto da informação por parte do Grande Irmão, do Socing (Socialismo Inglês). Dentre tudo o que George Orwell “errou”, e que foi apontado por tantos críticos, ele teria errado também quando criou a Teletela, o aparelho que funciona dos dois lados: que tanto exibe quanto registra, que transmite e grava ao mesmo tempo? Não é um achado meu, só é pouco dito, mas isso é justamente a Internet e esse o acerto que vale por todos os seus  “erros” de previsão.

A Teletela que vingou é ainda superior à da imaginação, é uma hidra do disfarce e da dissimulação. São os nossos dados que a alimentam, são os nossos dados que tornam mais inteligente a Inteligência Artificial, mais brutais os algoritmos. É a partir de nossos dados que é possível o controle total da informação, como nunca dantes na história. Os gigantescos bancos de dados e os intricados algoritmos das cinco Big Techs Facebook (FB), Amazon (AMZ), Apple (AAPL), Alphabet (GOOGL) e Microsoft (MSFT) controlam de forma absoluta as informações da Teletela (as quais são compartilhadas com serviços de segurança, como mostrou, com rigor de evidências, Edward Snowden).

Resultado do aprendizado continuo, as Teletelas se naturalizaram: são onipresentes, oniscientes e onipotentes!  O mundo que sempre foi uno fisicamente, mas que nunca foi uno em termos de divisão da  riqueza, agora  se tornou uno em termos de informação: quase todos sabemos as mesmas coisas, temos as mesmas opiniões e as mesmas certezas. Quem diverge é louco, (sempre foi!) politicamente incorreto ou fascista (e, às vezes, o são verdadeiramente, o que corrobora a perfeição do plano). Já os loucos tipo Winston Smith são automaticamente levados para as margens da sociedade, calados, obscurecidos, ridicularizados. Só não são eliminados (ou melhor, nem todos são eliminados), pois valem mais vivos do que mortos, como, exatamente, Winston Smith. Winston Smith não é morto, depois de submetido a torturas e lavagem cerebral, agora ama o Grande Irmão. O sistema já previa a necessidade de Winstons Smiths, eles são funcionais ao sistema. Somente com a ameaça real, hipotética ou inventada do dissidente, o aparato de segurança justifica a sua existência, as suas gordas benesses, o seu gozo.

Pense nas suas bandeiras. Quais bandeiras você defende? Quais estão em contraposição ao sistema? Exemplos? Você é a favor do verde? Você é a favor das pautas identitárias, “des” LGBTQIA+? Você é contra a corrupção? Você é a favor das vacinas? Você é a favor dos animais, particularmente dos PETs? Você é a favor da alimentação orgânica? Você é contra os combustíveis fósseis? Você é contra o desmatamento da Amazônia? Você, bandeira das bandeiras, é contra as mudanças climáticas e a destruição completa da Terra? Bem, eu também sou! E provavelmente todos os que estão à sua volta também o são.

Quanta diferença das nossas bandeiras para “As belas bandeiras” de Pier Paolo Pasolini! As nossas belas, puras e ingênuas bandeiras nos trazem o favor geral, somos do bem, somos o bem contra o mal. Só um problema: não identificamos o mal. Não sabemos o que ou quem é o mal. Basta ver: a Rede Globo e todo o conglomerado mundial das comunicações são totalmente a favor de todas essas bandeiras, a família real britânica também, a Vale (do Rio Doce) também, o Banco Itaú também, o Banco Pactual também, o Emmanuel Macron também, o Mario Draghi também, o Cyril Ramaphosa também, a Angela Merkel também, o Guillermo Lasso também, o André Esteves também, aliás, todos os bancos e banqueiros também, todas as ONGs, quase todos os chefes de Estados, a começar pelo chefe dos chefes, o guerrilheiro Joe Biden. Quem, portanto, está contra essas bandeiras?

No Brasil, a resposta é rápida e certeira: é o Jair Bolsonaro! No mundo, é o Recep Tayyip Erdogan, o Rodrigo Duterte, o Viktor Orbán. Para alguns outros, também o Vladimir Putin, o Kim Jong-un, o Xi Jinping, o Narendra Modi e mais alguns outros minúsculos. São eles que impedem que as belas bandeiras se tornem realidades! É isso mesmo? (como me faltam os emojis, as figurinhas e o kkkkkkkkk na escrita“séria”).

Em O visconde partido ao meio, Italo Calvino mostrou como “o bom”, o tipo inteiramente sem maldade, é insuportável (na época em que ele escreveu, as Big Techs ainda não estavam atuando). Sem identificar os inimigos verdadeiros das belas bandeiras, não vamos longe. Pasolini os identificou. E se quem aponta os inimigos fosse o inimigo, como em A nuvem de smog, de Italo Calvino?

Os despossuídos da terra são tão ou mais malvados do que as cerca de 100 corporações capitalistas que poluem, administram e controlam o planeta, inclusive e principalmente a fome e a doença? As grandes corporações são praticamente anônimas e invisíveis, os inimigos têm nomes e endereços: são os nossos vizinhos, nossos colegas de trabalho, o nosso convívio social.  A guerra miúda grassa. O Grande Irmão está no comando e guarda por nós.

*Anselmo Pessoa Neto é professor de literatura italiana na UFG. Autor, entre outros livros, de Italo Calvino: as passagens obrigatórias (UFG).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Silva Leonardo Avritzer Jean Pierre Chauvin Rubens Pinto Lyra Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira João Adolfo Hansen Fábio Konder Comparato Vladimir Safatle João Feres Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Ladislau Dowbor João Sette Whitaker Ferreira Valerio Arcary Gerson Almeida Carla Teixeira Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Atilio A. Boron Rafael R. Ioris Luís Fernando Vitagliano Luciano Nascimento José Costa Júnior Eduardo Borges Anselm Jappe Gilberto Maringoni Jorge Luiz Souto Maior Eleonora Albano Celso Frederico Claudio Katz Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Thomas Piketty Francisco Fernandes Ladeira Igor Felippe Santos Afrânio Catani José Dirceu Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Everaldo de Oliveira Andrade Michael Löwy Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Marcus Ianoni Denilson Cordeiro José Geraldo Couto Matheus Silveira de Souza Jorge Branco Slavoj Žižek Andrew Korybko Gilberto Lopes José Raimundo Trindade Boaventura de Sousa Santos Ari Marcelo Solon Luiz Roberto Alves Yuri Martins-Fontes Gabriel Cohn José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Sandra Bitencourt Lincoln Secco Michel Goulart da Silva Armando Boito Paulo Sérgio Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira José Machado Moita Neto Daniel Costa Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles Marcos Aurélio da Silva Otaviano Helene Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Renato Martins André Singer Tarso Genro Priscila Figueiredo Manchetômetro Paulo Martins Berenice Bento Henri Acselrad Remy José Fontana Marilena Chauí Ricardo Musse Heraldo Campos Bento Prado Jr. Henry Burnett Airton Paschoa André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca Milton Pinheiro Chico Alencar Tadeu Valadares Salem Nasser Sergio Amadeu da Silveira Juarez Guimarães Liszt Vieira Dênis de Moraes Leonardo Boff Bernardo Ricupero Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto Tales Ab'Sáber Paulo Capel Narvai Leonardo Sacramento Caio Bugiato Daniel Brazil Luiz Marques Celso Favaretto Ricardo Antunes Leda Maria Paulani Michael Roberts Antônio Sales Rios Neto Paulo Nogueira Batista Jr Eliziário Andrade Annateresa Fabris Flávio R. Kothe Elias Jabbour Ronald Rocha José Luís Fiori João Lanari Bo Ronaldo Tadeu de Souza Alysson Leandro Mascaro Carlos Tautz Ricardo Fabbrini Kátia Gerab Baggio Eugênio Bucci Mariarosaria Fabris Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Marjorie C. Marona Marcelo Guimarães Lima Daniel Afonso da Silva Rodrigo de Faria Fernando Nogueira da Costa Walnice Nogueira Galvão Benicio Viero Schmidt Osvaldo Coggiola Francisco de Oliveira Barros Júnior Ricardo Abramovay Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Flávio Aguiar Julian Rodrigues Antonino Infranca Chico Whitaker Bruno Machado Luis Felipe Miguel Anderson Alves Esteves Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Érico Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Bernardo Pericás João Carlos Loebens Vanderlei Tenório

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada