Desafios da próxima década

Imagem: Ready Made
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ DIRCEU*

Para que o Brasil retome o caminho do desenvolvimento, não há opção a não ser assumir seu papel na América do Sul e no mundo e criar as condições para uma revolução social com unidade nacional

É impossível falar em desafios da esquerda e do Brasil sem levar em consideração que vivemos um momento de hegemonia internacional da extrema direita e do conservadorismo. As consequências da globalização financeira e da desregulamentação do capitalismo foram o desmonte dos estados de bem-estar social e o ressurgimento da extrema direita, que hoje governa a Itália, a Holanda e a Suécia; é uma alternativa real na França; consolida-se na Polônia e na Hungria; pode retomar o governo dos EUA; é ameaça na Alemanha; e, derrotada no Brasil, acaba de vencer na Argentina.

As crises de 2008-9 e 2011-12, a Covid-19 e a quebra das cadeias produtivas e redes logísticas abriram oportunidades para países como o Brasil, ao mesmo tempo em que a crise climática agravou a necessidade de cada nação buscar segurança ambiental, energética, alimentar e tecnológica. Políticas industriais e subsídios passaram a fazer parte das escolhas dos EUA e da Europa, ao lado do protecionismo e de uma aberta guerra comercial e tecnológica contra a China, que cada vez mais ameaça a hegemonia dos norte-americanos.

No Brasil, os anos Michel Temer e Jair Bolsonaro foram de desmonte do Estado e das políticas sociais e de renda próprias da Constituição de 1988, dos governos do PT e do ciclo desenvolvimentista – o que é per si uma contradição com os países desenvolvidos, onde a presença do Estado e de políticas industriais e sociais é cada vez maior. Após vencer quatro eleições e só perder a quinta pela prisão ilegal de Lula, o PT e a esquerda voltaram ao governo, mas em condições de minoria na Câmara e noSenado. Esse retorno se deu com um desafio: como governar e retomar o fio da história do desenvolvimento sem unidade nacional ou sem uma aliança entre a esquerda e setores empresariais?

Explico. A esquerda, sozinha, não tem maioria para fazer reformas estruturais. Também não consegue, sozinha, construir um projeto nacional de desenvolvimento que resolva os pontos de estrangulamento do crescimento – os juros e a concentração de renda, realimentados pela estrutura tributária baseada no consumo e na produção. As bancadas conservadoras, de direita e dos bancos bloqueiam os instrumentos que poderiam superar os impasses nacionais: baixa poupança, investimento e produtividade. Revelada na pandemia e na Guerra da Ucrânia, nossa dependência em chips, fertilizantes, agrotóxicos, fármacos e produtos químicos é quase total. O Brasil pode e deve superar essa dependência, que é de interesse nacional, não só da esquerda.

A condição está em nossa capacidade de construir um bloco social que impulsione reformas que viabilizem desenvolvimento com distribuição de renda. Nossa capacidade de mobilizar a sociedade para essas reformas encontra limites nos partidos e na hegemonia da direita conservadora, razão pela qual o PT e as esquerdas precisam mudar a correlação de forças no Congresso e na disputa eleitoral, política e cultural. Sem isso, será impossível.

A extrema direita se apropriou dos avanços tecnológicos e das guerras culturais e nos impuseram derrotas políticas e eleitorais graças à aliança com os interesses econômicos das elites financeiras e agrárias e com os neopentecostais. Para enfrentar os desafios da próxima década, o PT e as esquerdas necessitam de renovação a fim de lidarem com essa nova conjuntura, condição para serem instrumentos da mobilização que garanta base parlamentar e apoio social para as reformas necessárias.

O Brasil precisa fazer 100 anos em 10. Com educação e inovação, reforma tributária que inverta a concentradora estrutura de impostos, redução dos juros, uma reforma político-institucional e a redefinição do papel do Estado. Precisamos também recuperar nossa soberania na política de desenvolvimento. É um equívoco histórico o pressuposto de que o Brasil pode resolver seus problemas ou via austeridade ou apoiado na agregação de valor da agricultura e da mineração, associada com a negação do Estado e das políticas industriais. As consequências são conhecidas: crescimento que beneficia as elites e pobreza com perda da soberania nacional.

Para que possamos retomar o caminho do desenvolvimento, não há opção para o Brasil a não ser assumir seu papel na América do Sul e no mundo e criar as condições para uma revolução social com unidade nacional.

*José Dirceu foi ministro da Casa Civil no primeiro governo Lula. Autor, entre outros livros, de Memórias – Vol. 1 (Geração editorial). [https://amzn.to/3H7Ymaq]

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Thomas Piketty Érico Andrade Bruno Machado Airton Paschoa Andrés del Río Ronaldo Tadeu de Souza Leonardo Avritzer Leonardo Boff Yuri Martins-Fontes Caio Bugiato Paulo Nogueira Batista Jr João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko Rubens Pinto Lyra Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques José Raimundo Trindade Fernão Pessoa Ramos Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez Antonino Infranca Eugênio Bucci Maria Rita Kehl Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Jean Pierre Chauvin Carlos Tautz Fábio Konder Comparato Marcos Silva Michael Löwy Ricardo Antunes Samuel Kilsztajn Luiz Carlos Bresser-Pereira Igor Felippe Santos José Machado Moita Neto Alexandre de Freitas Barbosa Marcelo Módolo Luiz Werneck Vianna Everaldo de Oliveira Andrade Marilena Chauí Elias Jabbour Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Jean Marc Von Der Weid Ricardo Musse Gilberto Lopes Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Renato Martins Lorenzo Vitral Flávio Aguiar José Luís Fiori Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Michel Goulart da Silva Gerson Almeida Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira Vanderlei Tenório Remy José Fontana Celso Frederico Anselm Jappe Claudio Katz Mariarosaria Fabris Michael Roberts Lucas Fiaschetti Estevez Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Ricardo Abramovay Atilio A. Boron Daniel Brazil Denilson Cordeiro Jorge Branco Eduardo Borges Valerio Arcary Carla Teixeira Heraldo Campos Manchetômetro Ladislau Dowbor Afrânio Catani Anderson Alves Esteves João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Alysson Leandro Mascaro Celso Favaretto Chico Alencar Benicio Viero Schmidt Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Julian Rodrigues Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles Dênis de Moraes Marcos Aurélio da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Matheus Silveira de Souza Bernardo Ricupero Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Fernandes Silveira Eugênio Trivinho Tales Ab'Sáber Juarez Guimarães André Singer Francisco Pereira de Farias José Micaelson Lacerda Morais Kátia Gerab Baggio Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Armando Boito Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Luiz Roberto Alves Milton Pinheiro Antonio Martins João Lanari Bo Tarso Genro Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rodrigo de Faria Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Dennis Oliveira José Costa Júnior Henri Acselrad Rafael R. Ioris Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Vladimir Safatle Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Renato Dagnino Slavoj Žižek Leda Maria Paulani João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Marcus Ianoni Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Annateresa Fabris André Márcio Neves Soares José Dirceu Daniel Costa Tadeu Valadares Lincoln Secco Paulo Martins Ricardo Fabbrini Berenice Bento Luís Fernando Vitagliano João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Chico Whitaker Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Ronald Rocha

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada