As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A inconveniente complexidade

Usina Azov Still em Mariupol após expulsão das tropas alemãs na 2º Guerra Mundial
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BOAVENTURA DE SOUSA SANTOS*

A guerra da Ucrânia trouxe a erosão quase total entre fatos e manipulação das emoções e percepções, entre hipóteses ou conjecturas e verdades inatacáveis

No eixo comunicacional do Atlântico Norte vivemos uma guerra de informação sem precedentes. Conheci-a nos EUA durante dois períodos. No primeiro, durante a guerra do Vietnã que vivi no seu momento de crise final (1969-1971); culminaria com a publicação dos Pentagon Papers em 1971. O segundo momento foi a guerra do Iraque, a partir de 2003, e a saga das armas de destruição massiva, um embuste político de que viriam a resultar muitos crimes de guerra. Mas na Europa nunca tinha assistido a este tipo de guerra de informação, pelo menos com a magnitude atual. Caracteriza-se pela erosão quase total entre fatos e manipulação das emoções e percepções, entre hipóteses ou conjecturas e verdades inatacáveis.

No caso concreto da guerra da Ucrânia, a manipulação visa impedir a opinião pública e os decisores políticos de pensarem e decidirem sem excessivo stress na única medida que agora se impõe: a busca de uma paz duradoura na Ucrânia e na região de modo a por fim ao sofrimento do povo ucraniano, um povo que nestes dias partilha a trágica sorte dos povos palestiniano, iemenita, sírio, sarauí e afegão, ainda que sobre estes últimos pese o mais profundo silêncio. A guerra da informação tem por objetivo continuar a guerra das armas enquanto tal convier a quem a promove. Nestas condições, não é fácil lutar com fatos e experiência histórica porque, do ponto de vista da guerra de informação, explicar é justificar, compreender é perdoar, contextualizar é relativizar. Mesmo assim, tentemos.

 

Causas

Para demonizar o inimigo é crucial desumanizá-lo, ou seja, imaginá-lo como tendo agido criminosamente e sem provocações. Ora a firme e incondicional condenação da ilegal invasão da Ucrânia (em que insisti desde a minha primeira crônica sobre o tema) não implica ter de ignorar como se chegou a tal. Neste caso, aconselho a leitura do livro publicado em 2019, War with Russia?, do professor emérito da Universidade de Princeton Stephen Cohen, recentemente falecido.

Depois de analisar com inexcedível detalhe as relações entre os EUA e a Rússia desde o fim da União Soviética e, no caso da Ucrânia, sobretudo desde 2013, Stephen Cohen conclui deste modo: “Proxy wars [guerras em que os adversários usam países terceiros para prosseguir os seus objetivos de confrontação bélica] são uma característica da velha Guerra Fria, são pequenas guerras no chamado ‘Terceiro Mundo’…Raramente envolveram militares soviéticos ou americanos, quase sempre apenas dinheiro e armas. Hoje as proxy wars entre os EUA e a Rússia são diferentes, estão localizados no centro da geopolítica, são acompanhadas de demasiados instrutores americanos e russos e possivelmente combatentes. Duas já irromperam: na Geórgia em 2008, onde forças russas enfrentaram o exército da Geórgia financiado e treinado com fundos e pessoal americano; e na Síria, onde já foram mortos muitos russos por forças anti-Assad apoiadas pelos EUA. Moscou não retaliou, mas prometeu fazê-lo quando houvesse ‘uma próxima vez’. Se tal acontecer, envolverá uma guerra entre a Rússia e a América. O risco de um tal conflito direto continua a crescer na Ucrânia”. Assim se previu em 2019 a guerra que neste momento martiriza o povo ucraniano.

 

Democracias e autocracias

Na linguagem dos EUA o mundo divide-se em dois: democracias (nós) e autocracias (eles). Ainda há poucos anos a divisão era entre democracias e ditaduras. A autocracia é um termo muito mais vago que, por isso, pode ser usado para considerar autocrata um governo democrático tido por hostil, mesmo que a hostilidade não derive das características do regime. Por exemplo, na Cúpula da Democracia realizada em dezembro de 2021, por iniciativa do Presidente Joe Biden, não foram convidados países como a Argentina e a Bolívia, que tinham passado recentemente por vibrantes processos democráticos, mas são menos receptivos aos interesses econômicos e geoestratégicos dos EUA.

Em contrapartida, foram convidados três países que a Casa Branca reconheceu serem democracias problemáticas (o termo usado foi flawed democracies), com corrupção endêmica e com abusos dos direitos humanos, mas com interesse estratégico para os EUA: as Filipinas, por contrariar a influência da China; o Paquistão, pela sua relevância na luta contra o terrorismo; e a Ucrânia, pela sua resistência à incursão da Rússia. Compreendiam-se as reservas no caso da Ucrânia, pois poucos meses antes os Pandora Papers davam detalhes sobre as empresas offshore do presidente Volodymyr Zelenskii, da sua mulher e dos seus associados.

Agora, a Ucrânia representa a luta da democracia contra a autocracia da Rússia (que, a nível interno, deve estar a par da Ucrânia em termos de corrupção e de abusos de direitos humanos). O conceito de democracia perde, assim, boa parte do seu conteúdo político e transforma-se numa arma de arremesso para promover mudanças de governo que favoreçam os interesses globais dos EUA.

 

Ameaças

Segundo peritos da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em 2020, 40% das forças militares da Ucrânia (um total de 102.000 membros) eram milícias paramilitares de extrema-direita, armadas, financiadas e treinadas pelos EUA, Inglaterra, Canada, França e Suíça, com integrantes de 19 nacionalidades. Desde que a guerra começou, mais elementos se lhes juntaram, alguns vindo do Médio-Oriente, e mais armas receberam de todos os países da OTAN. A Europa está assim em risco de ter no seu seio um nazi-jihadismo nutrido, e nada nos garante que o seu raio de ação se limite à Ucrânia.

Em 1998, o antigo conselheiro de segurança do presidente Jimmy Carter, Zbigniew Brzezinski, afirmava em entrevista à revista Nouvel Observateur: “Em 1979, aumentamos a probabilidade de a URSS invadir o Afeganistão… e criar a oportunidade de lhes dar o seu Vietnã”. Não me surpreenderia se este playbook da CIA não estivesse agora a ser aplicado na Ucrânia. As recentes declarações do secretário-geral da OTAN, segundo as quais “a guerra na Ucrânia pode durar meses ou até anos” – combinadas com a notícia da agência Reuters (12 de Abril) de que o Pentágono ia reunir com os oito maiores produtores de armas dos EUA para discutir a capacidade da indústria para satisfazer as necessidades da Ucrânia “se a guerra com a Rússia durar anos” – deviam ter causado alarme entre os líderes políticos europeus, mas aparentemente apenas os motivaram para uma corrida aos armamentos.

As consequências de um segundo Vietnã russo seriam fatais para a Ucrânia e para a Europa. A Rússia (que é parte da Europa) só será uma ameaça para a Europa se a Europa se transformar numa imensa base militar dos EUA. A expansão da OTAN é, pois, a verdadeira ameaça para a Europa, como há vinte anos alertou o insuspeito Henry Kissinger”.

 

Critérios duplos

A União Europeia, transformada numa caixa de ressonância das escolhas estratégicas dos EUA, defende como lídima expressão dos valores universais (europeus, mas nem por isso menos universalizáveis) o direito da Ucrânia de integrar a OTAN, enquanto os EUA intensificam a integração (veja-se o US-Ukraine Strategic Defense Partnership, assinado em 31 de Agosto de 2021), ao mesmo tempo negando que ela esteja iminente. Certamente os líderes europeus não sabem que o direito reconhecido à Ucrânia de aderir a um pacto militar é negado a outros países pelos EUA e, se soubessem, isso não faria qualquer diferença, tal é o estado de torpor militarista em que se encontram. Por exemplo, as pequenas Ilhas Salomão do Oceano Pacífico aprovaram em 2021 um projeto de pacto de segurança com a China. Os EUA reagiram de imediato e com alarme a esse projeto e enviaram altos responsáveis de segurança para a região a fim de travar a “intensificação da competição de segurança no Pacífico”.

 

A verdade vem tarde demais

A guerra de informação assenta sempre numa mistura de verdades seletivas, meias verdades e mentiras puras e duras (as chamadas false flags) organizada de modo a justificar a ação militar de quem a promove. Estou certo de que neste momento está em curso uma guerra de informação tanto do lado russo como do lado norte-americano/ucraniano, ainda que, devido à censura que nos foi imposta, saibamos menos sobre o que se passa no lado russo. Mais tarde ou mais cedo a verdade virá ao de cima. A tragédia é que virá sempre demasiado tarde.

Neste conturbado início de século temos uma vantagem: o mundo perdeu a inocência. Julian Assange, por exemplo, está a pagar um altíssimo preço por nos ter ajudado neste processo. Aos que ainda não desistiram de pensar com alguma autonomia recomendo a leitura do capítulo da Hannah Arendt, intitulado “Mentir em política”, no livro Crises da República, publicado em 1971. É uma reflexão brilhante sobre os Pentagon Papers, uma recolha exaustiva dos dados (entre eles, muitos crimes de guerra e muitas mentiras) sobre a guerra do Vietnã, uma recolha realizada por iniciativa de um dos maiores responsáveis dessa guerra, Robert McNamara.

 

A pergunta que ninguém faz

Quando os conflitos armados são em África ou no Médio Oriente, os líderes europeus são os primeiros a pedir o cessar das hostilidades e a urgência das negociações de paz. Por que é quando a guerra é na Europa os tambores da guerra tocam incessantemente e nenhum líder apela a que se calem e a voz da paz se ouça?

*Boaventura de Sousa Santos é professor catedrático da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Autor, entre outros livros, de O fim do império cognitivo (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal Público

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Renato Dagnino Antonino Infranca Sandra Bitencourt Tarso Genro João Feres Júnior Ronald León Núñez Antonio Martins Benicio Viero Schmidt Ricardo Abramovay Dennis Oliveira Slavoj Žižek Michael Löwy Ladislau Dowbor Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Bento Prado Jr. Chico Whitaker Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Anselm Jappe Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Maria Rita Kehl Flávio R. Kothe José Geraldo Couto Salem Nasser Mário Maestri Anderson Alves Esteves João Lanari Bo Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Claudio Katz Caio Bugiato Juarez Guimarães Milton Pinheiro Luiz Werneck Vianna Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Priscila Figueiredo João Paulo Ayub Fonseca Marilia Pacheco Fiorillo Ricardo Musse João Carlos Salles José Dirceu Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber Paulo Martins Denilson Cordeiro Armando Boito Alexandre de Lima Castro Tranjan Carla Teixeira Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Rafael R. Ioris Leonardo Avritzer Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez José Luís Fiori Fernando Nogueira da Costa João Sette Whitaker Ferreira Elias Jabbour Andrew Korybko Vanderlei Tenório Ronaldo Tadeu de Souza Leda Maria Paulani Gerson Almeida Érico Andrade Eugênio Bucci João Carlos Loebens Daniel Brazil Afrânio Catani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Igor Felippe Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Atilio A. Boron Jorge Luiz Souto Maior André Singer Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Lorenzo Vitral Luiz Roberto Alves Luciano Nascimento Julian Rodrigues Celso Favaretto Luís Fernando Vitagliano Jean Pierre Chauvin Roberto Bueno Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Liszt Vieira Roberto Noritomi Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Valerio Arcary Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Costa Lima Jorge Branco Berenice Bento Gabriel Cohn Thomas Piketty Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lincoln Secco Fábio Konder Comparato Antônio Sales Rios Neto José Micaelson Lacerda Morais Valério Arcary Paulo Nogueira Batista Jr José Machado Moita Neto Marjorie C. Marona Henry Burnett Kátia Gerab Baggio Luiz Renato Martins Marcelo Módolo Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Vinício Carrilho Martinez Chico Alencar Manchetômetro Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Marcos Aurélio da Silva Ricardo Antunes Ronald Rocha Luis Felipe Miguel Marcus Ianoni Bruno Machado Daniel Costa Carlos Tautz Otaviano Helene Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Celso Frederico Eduardo Borges Airton Paschoa Dênis de Moraes Leonardo Boff Leonardo Sacramento Henri Acselrad Marcelo Guimarães Lima Remy José Fontana Eleutério F. S. Prado José Raimundo Trindade Francisco Fernandes Ladeira Michael Roberts Osvaldo Coggiola

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada