Maneiras de evitar o fim do mundo

Imagem: Adam Krypel
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Podemos destruir toda a vida visível como a conhecemos; mas também podemos ser os portadores de um futuro de esperança, garantindo uma forma nova de habitar a Casa Comum

Em todas as épocas, desde as ancestrais, como por ocasião da invenção do fogo, surgem imagens do fim do mundo. De repente, o fogo poderia queimar tudo. Mas os seres humanos conseguiram domesticar os riscos e evitar ou protelar o fim do mundo. Atualmente não é diferente. Mas a nossa situação possui uma singularidade: de fato, não imaginariamente, podemos, efetivamente, destruir toda a vida visível, assim como a conhecemos. Construímos o princípio de autodestruição com armas nucleares, químicas e biológicas que, ativadas, podem de fato eliminar a vida visível sobre a Terra, salvaguardados os micro-organismos que aos quintilhões de quintilhões se ocultam debaixo do solo.

Que podemos fazer diante deste eventual Armageddon ecológico? Sabemos que cada ano, milhares de espécies de seres vivos, chegados ao seu clímax, desaparecem para sempre, depois de terem vivido milhões e milhões de anos neste planeta. O desaparecimento de muitos deles é causado pelos comportamentos vorazes de uma porção da humanidade que vive um super-consumismo e dão de ombros aos eventuais desastres ecológicos.

Será que chegou a nossa vez de sermos eliminados da face da Terra, seja por nossa irresponsabilidade, seja porque ocupamos quase todo o espaço terrestre de forma não amigável mas agressiva? Não teríamos, desta forma, criado as condições de um não retorno e daí de nosso desaparecimento?

O planeta inteiro, afirmam alguns microbiólogos (Lynn Margulis/Dorion Sagan), seria uma espécie de “placa de Petri”: são duas placas contendo bactérias e nutrientes. Ao perceberem o esgotamento deles, elas se multiplicam furiosamente e, de repente, todas morrem. Não seria a Terra uma placa de Petri com o nosso destino semelhante a estas bactérias?

Com efeito, os humanos ocupamos 83% do planeta, exaurimos quase todos os nutrientes não renováveis (the Earth Overshoot), a população cresceu, no último século e meio, de forma exponencial e assim entraríamos na lógica das bactérias da “placa de Petri”. Iríamos fatalmente ao encontro de um fim semelhante?

Como somos portadores de inteligência e de meios técnicos além de valores ligados ao cuidado da vida e de sua preservação, não teríamos condições de “protelar o fim do mundo” (na expressão do líder indígena Ailton Krenak) ou de “escapar do fim do mundo”, expressão usada por mim? Não esqueçamos a advertência severa do Papa Francisco em sua encíclica Fratelli tutti (2021): “estamos todos no mesmo barco: ou nos salvamos todos ou ninguém se salva”. Temos que mudar, caso contrário vamos ao encontro de um desastre ecológico-social sem precedentes.

Aduzo algumas reflexões que nos apontam para uma possível salvaguarda de nosso destino, da vida e de nossa civilização. Parece-nos esperançadora a afirmação recente de Edgar Morin:

“A história várias vezes mostrou que o surgimento do inesperado e o aparecimento do improvável são plausíveis e podem mudar o rumo dos acontecimentos”. Cremos que ambos – o inesperado e o plausível – sejam possíveis. A humanidade passou por várias crises de grande magnitude e sempre conseguiu sair e de forma melhor. Por que agora seria diferente?

Ademais, existe em nós aquilo que foi aproveitado pelo Papa na referida encíclclica: “convido-os à esperança que nos fala de uma realidade enraizada no profundo do ser humano, independentemente das circunstâncias concretas e dos condicionamentos históricos em que vive”(n.55).Esse princípio esperança (Ernst Bloch) é fonte de inovações, novas utopias e práticas salvadoras.

O ser humano é movido pela esperança e comparece como um ser utópico, vale dizer, um projeto infinito. Sempre poderá escolher um caminho de salvação, pois, o desejo de vida, mais e melhor, prevalece sobre o desejo de morte.

Geralmente, este novo possui a natureza de uma semente: começa em pequenos grupos, mas carrega a vitalidade e o futuro de toda semente. Dela brota lentamente o novo até ganhar sustentabilidade e inaugurar uma nova etapa do experimento humano.

Por todas as partes no mundo estão atuando os novos Noés, construindo suas arcas salvadoras, vale dizer, ensaiando uma nova economia ecológica, a produção orgânica, formas solidárias de produção e de consumo e um novo tipo de democracia popular, participativa e ecológico-social.

Estas são sementes, portadores de um futuro de esperança. São elas que poderão garantir uma forma nova de habitar a Casa Comum, cuidando dela, todos os ecossistemas incluídos, vivendo, quem sabe, o sonho andino do bien vivir y convivir.

*Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Cuidar a Terra – proteger a vida: como escapar do fim do mundo (Record).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Fabbrini João Carlos Loebens Jorge Luiz Souto Maior Denilson Cordeiro Anselm Jappe Gilberto Lopes Daniel Costa Fernando Nogueira da Costa Luís Fernando Vitagliano Caio Bugiato Antonio Martins Carlos Tautz Atilio A. Boron Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Nogueira Batista Jr Boaventura de Sousa Santos André Singer Daniel Brazil Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Vladimir Safatle Berenice Bento Igor Felippe Santos Airton Paschoa Liszt Vieira Eleonora Albano Chico Whitaker Juarez Guimarães Paulo Sérgio Pinheiro Érico Andrade Michael Roberts Jorge Branco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Michel Goulart da Silva José Geraldo Couto Marilia Pacheco Fiorillo Michael Löwy Mariarosaria Fabris Paulo Martins Priscila Figueiredo Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Remy José Fontana Leonardo Sacramento Manchetômetro Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Heraldo Campos Marilena Chauí Bento Prado Jr. Lincoln Secco João Lanari Bo Luiz Roberto Alves Ricardo Abramovay Luiz Marques Chico Alencar Marcos Silva Leda Maria Paulani Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Henri Acselrad Flávio Aguiar Annateresa Fabris Henry Burnett Fábio Konder Comparato Everaldo de Oliveira Andrade Leonardo Boff Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Celso Favaretto Marcelo Guimarães Lima Matheus Silveira de Souza João Sette Whitaker Ferreira Sergio Amadeu da Silveira Luis Felipe Miguel André Márcio Neves Soares Dênis de Moraes Ladislau Dowbor Otaviano Helene Bruno Machado João Feres Júnior Eugênio Trivinho Marcus Ianoni Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Bucci João Carlos Salles Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares José Luís Fiori Ronald León Núñez Ronald Rocha Samuel Kilsztajn Armando Boito Leonardo Avritzer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrés del Río Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Julian Rodrigues José Costa Júnior Thomas Piketty Yuri Martins-Fontes Eleutério F. S. Prado Valerio Arcary Alexandre de Lima Castro Tranjan Claudio Katz Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Antonino Infranca Celso Frederico Milton Pinheiro Elias Jabbour Maria Rita Kehl Jean Marc Von Der Weid Lorenzo Vitral Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Walnice Nogueira Galvão Luiz Bernardo Pericás Gerson Almeida Renato Dagnino Luiz Werneck Vianna Ricardo Antunes Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Marcos Aurélio da Silva Kátia Gerab Baggio Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Francisco de Oliveira Barros Júnior Rodrigo de Faria Dennis Oliveira Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Mário Maestri Ari Marcelo Solon José Machado Moita Neto Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Eduardo Borges Andrew Korybko José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Ricardo Musse Salem Nasser Luciano Nascimento Valerio Arcary Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES