A Constituinte chilena

Imagem: Hugo Fuentes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ESTER GAMMARDELLA RIZZI*

Um mergulho neste momento histórico tão singular e especial que é o processo de formulação da nova Constituição do Chile

Em 15 de novembro de 2019, a maioria absoluta dos partidos chilenos com representação em seu Congresso Nacional decidiu convocar uma Convenção Constituinte para elaborar uma nova Constituição para o país. Embora o Acuerdo Por la Paz Social y la Nueva Constitución tenha sido elaborado pelas forças políticas tradicionais chilenas, sua origem estava muito longe das gravatas e do edifício oficial do Congresso Nacional, em Valparaíso.

Se o Chile hoje está em pleno processo constituinte, o que não era possível prever antes do chamado Estallido Social, foi porque uma revolta popular maciça e persistente tomou primeiro Santiago e, em seguida, o país em outubro de 2019 e persistiu com grande intensidade até o acordo de 15 de novembro, que ofereceu uma saída institucional para o grande mal-estar social que estava sendo manifestado nas ruas.

Este texto é o primeiro de uma série de quatro. Nele, uma pequena apresentação de quem escreve e de como cheguei ao Chile neste 2022. Nos próximos três textos pretendo apresentar antecedentes da Convenção Constitucional chilena, forma de eleição dos membros e composição política e, por fim, desafios até o fim do período constituinte. Tudo temperado com as informações e percepções das entrevistas e observações que tenho feito por aqui.

Estou no Chile há quatro dias. Entre os preparativos para a viagem, escrevi muitos e-mails para pessoas das universidades chilenas, para alguns contatos políticos e de movimentos sociais que consegui. Recebi uma resposta amável do que seria um de meus entrevistados: “Me alegro que finalmente puedas venir a Chile para empaparte del proceso constitucional que estamos viviendo”, escreveu Dan Israel, um doutorando chileno vinculado à Universidade de Yale e orientando de Owen Fiss.

“Empaparme”. O dicionário diz que a melhor tradução seria apenas “absorver”. Mas, em português, absorver não é usado como verbo reflexivo. Fiquei pensando, junto com Thais Pavez, que uma boa tradução talvez seria embeber-me, embriagar-me com, ou ainda mergulhar-me no processo constitucional chileno. Os dias aqui têm sido assim: um mergulho neste momento histórico tão singular e especial.

Em razão dos protocolos sanitários de prevenção à Covid-19, há grandes restrições de acesso aos trabalhos da Convenção Constitucional. Nem mesmo os assessores dos convencionales estão podendo entrar no prédio do antigo Congresso Nacional Chileno, no centro de Santiago, onde as reuniões do Pleno e das comissões temáticas estão acontecendo.

Assim, foi com surpresa e enorme alegria que recebi, no mesmo dia em que cheguei ao Chile, a autorização para livre acesso ao prédio durante meu período de estadia acadêmica. Com essa autorização, estou podendo acompanhar de perto as comissões, que começam agora a fase de deliberação de inúmeras iniciativas elaboradas pelos membros da convenção e também por um processo participativo popular. Esse início de deliberações não é simples, afinal há muitos grupos políticos representados na convenção, incluindo muitos independentes. Sobre a forma de eleição para a Convenção Constitucional e sua especial composição, falarei no terceiro texto desta série. Tem sido um privilégio ver de tão perto essa dinâmica política acontecendo.

Desde 2008, estudo processos sociopolíticos que levaram a mudanças de Constituição. Alemanha de 1918-19 e a Constituição de Weimar; Revolução Mexicana 1910-1917 e a Constituição Mexicana de 1917, a primeira a garantir direitos sociais no mundo. Além disso, como professora de Direito Constitucional no curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH e interessada na história de meu país, estudei atentamente a Assembleia Constituinte de 1987-88 no Brasil.

E eis que, aqui em um de nossos vizinhos de América do Sul, o Chile começa um processo constituinte. Foi a professora da UFABC Carolina Stuchi quem, ainda em 2020, me chamou a atenção para a convocação da Convenção Constitucional. E não qualquer convenção, mas, sim, uma que já no início, desde o processo eleitoral, trazia diversas e importantes inovações: (1) paritária, com número igual de homens e mulheres entre os 155 membros da convenção (com ajuste de uma cadeira, por causa do número ímpar); (2) com 17 assentos reservados para povos indígenas; (3) realizada por listas distritais, sem exigência de vinculação partidária para as candidaturas (o que resultou em um grande número de independentes eleitos). Além disso, a paridade também deveria ser espelhada em todas as comissões internas à convenção.

Desde o primeiro semestre de 2021, preparo a estadia acadêmica que está acontecendo agora, em fevereiro de 2022. Em boa parte desse período, compartilhei meu entusiasmo recente em relação ao Chile com a Joana Salém, a quem o Chile já havia conquistado muito tempo antes. Nos próximos textos, contarei um pouco sobre as primeiras impressões do que está acontecendo por aqui.

A Convenção Constitucional chilena “me convoca” a estudá-la, para usar outra ótima expressão dos “hispanohablantes”.

*Ester Gammardella Rizzi é professora do curso de Gestão de Políticas Públicas da EACH-USP.

Publicado originalmente na revista Consultor Jurídico.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Costa José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Eleonora Albano Juarez Guimarães Antonio Martins Érico Andrade Ricardo Fabbrini Ronaldo Tadeu de Souza André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek Leda Maria Paulani Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Fernando Nogueira da Costa Tales Ab'Sáber Mariarosaria Fabris Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Chico Alencar Liszt Vieira José Dirceu Tadeu Valadares João Carlos Salles João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Henri Acselrad Marcos Silva Celso Favaretto Igor Felippe Santos João Sette Whitaker Ferreira Michel Goulart da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Marcos Aurélio da Silva Airton Paschoa Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Lorenzo Vitral Sergio Amadeu da Silveira Jean Marc Von Der Weid Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Claudio Katz Valerio Arcary João Adolfo Hansen Plínio de Arruda Sampaio Jr. Vinício Carrilho Martinez Gerson Almeida José Costa Júnior Renato Dagnino Lincoln Secco Andrew Korybko Boaventura de Sousa Santos Luiz Roberto Alves Luiz Werneck Vianna Bernardo Ricupero Rubens Pinto Lyra Carla Teixeira Eduardo Borges Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Celso Frederico Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade Antonino Infranca Anselm Jappe Michael Roberts Otaviano Helene Jean Pierre Chauvin Annateresa Fabris Manchetômetro Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Luciano Nascimento João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Sacramento Marcus Ianoni Paulo Martins Matheus Silveira de Souza Atilio A. Boron Afrânio Catani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilena Chauí Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto Remy José Fontana Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Branco Francisco Fernandes Ladeira Anderson Alves Esteves Ronald Rocha Luiz Marques Samuel Kilsztajn Heraldo Campos Andrés del Río Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria José Raimundo Trindade Gilberto Maringoni Tarso Genro Carlos Tautz João Carlos Loebens Mário Maestri Osvaldo Coggiola Bento Prado Jr. Milton Pinheiro Eleutério F. S. Prado Salem Nasser Denilson Cordeiro Vanderlei Tenório Daniel Afonso da Silva Dennis Oliveira Paulo Nogueira Batista Jr Daniel Brazil Ricardo Abramovay Luiz Renato Martins João Lanari Bo Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Bucci Flávio Aguiar Eugênio Trivinho Ladislau Dowbor Benicio Viero Schmidt Ronald León Núñez Maria Rita Kehl Julian Rodrigues Elias Jabbour Henry Burnett Fábio Konder Comparato Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Caio Bugiato Sandra Bitencourt Marcelo Módolo Michael Löwy Thomas Piketty André Singer Gabriel Cohn Priscila Figueiredo Berenice Bento Ricardo Antunes Leonardo Avritzer Armando Boito Bruno Machado Paulo Fernandes Silveira Alysson Leandro Mascaro Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Ricardo Musse

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada