As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Marxismo negro?

Jindrich Štyrský, Sem título, 1934.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARIO SOARES NETO*

Nota preliminar da tradução do trabalho recém-publicado de August H. Nimtz Jr.

O presente trabalho consiste na tradução do artigo “Marxism and the Black Struggle: The ‘classe vs. race’ debate revisited” do professor Dr. August H. Nimtz Jr, publicado originalmente no Journal of African Marxists no ano de 1984. [i] Trata-se de uma resenha crítica ao livro “Black Marxism: The Making of the Black Radical Tradition” (1983), de Cedric J. Robinson.

O material foi escrito na era pré-digital há mais de trinta anos atrás (não obstante as reflexões aqui presentes permaneçam extremamente atuais e atuantes). O texto foi digitalizado pela University of Minnesota (instituição norte-americana de ensino a qual agradecemos), o que, porém nos exigiu realizarmos a transcrição completa do material além de empreendermos algumas revisões, com a inserção de tópicos de leitura para uma melhor estrutura e organização do artigo. Ao longo deste trabalho realizamos a inserção de um conjunto de notas da tradução, destinadas à sua melhor compreensão e aprofundamento das pesquisas pelo público leitor.

O autor desta profícua reflexão, o norte-americano August Nimtz é formado em Relações Internacionais, com mestrado em Estudos Africanos pela Howard University e doutorado na Indiana University. O professor Nimtz leciona Ciência Política, Estudos Africanos e Afro-Americanos na University of Minnesota, em Minneapolis (EUA). Suas investigações empreendidas ao longo de mais de quarenta anos de pesquisas e de intensa militância política no âmbito internacional, compreendem as áreas da teoria marxista, economia política, estudos de raça, classe, relações étnicas, política africana e afro-americana. Autor de variadas obras teóricas e de artigos científicos, Nimtz é um dos mais destacados intelectuais marxistas contemporâneos no campo da questão racial.

Neste artigo, a obra de Robinson (1983) é criticada em seus fundamentos epistemológicos e políticos, bem como em virtude dos “espantalhos da sua própria criação”. Nimtz demonstra os limites da perspectiva culturalista e nacionalista negra, questionado o conceito de “tradição radical negra” como uma construção estéril e meramente acadêmica – não relacionada ao mundo concreto da política e da luta emancipatória em África e na Diáspora Africana. A formulação de Robinson referindo-se a intelectuais-militantes como Du Bois, Wright e James, enquanto supostos integrantes desta tradição, demonstra-se falha e insuficiente, visto que todos estes pensadores negros tiveram como traço comum a filiação às idéias marxistas, socialistas e comunistas.

O exemplo de Fanon é instrutivo. Muito embora praticamente negligenciado nesta obra e apesar das disputas existentes em torno do seu legado arbitrariamente categorizado como “decolonial” e/ou “pós-colonial” (como parte das “imposturas intelectuais” pós-modernas), a perspectiva teórico-metodológica e político-estratégica fanoniana compreendia nitidamente que “triunfando, a revolução nacional será socialista; detido seu ímpeto, a burguesia colonizada toma o poder, e o novo Estado, a despeito de uma soberania formal, continua nas mãos dos imperialistas”. [ii]

Em sua crítica Nimtz sustenta o materialismo histórico dialético enquanto projeto de crítica da economia política atrelado à noção de práxis revolucionária. A preocupação deste autor reside em aplicar o método marxista à questão racial, destacando as contribuições da filosofia da práxis para as lutas antirracistas e anticapitalistas, questionando a hegemonia liberal e nacionalista em torno da temática.

A publicação deste artigo – até então inédito no Brasil – cumpre uma função indispensável. A iniciativa inscreve-se de acordo com a máxima presente em Lênin segundo a qual, “sem teoria revolucionária, não há movimento revolucionário”. Ademais, em tempos “onde o entusiasmo pelas formas mais limitadas da ação prática aparece acompanhado pela propaganda em voga do oportunismo” [iii] – torna-se fundamental o aprofundamento da “batalha das idéias”. [iv]

O movimento social negro e as organizações da classe trabalhadora brasileira precisam superar as suas próprias contradições e limitações. O rebaixamento do horizonte estratégico, o déficit organizativo, o abandono da formação crítico-radical e a subordinação política aos interesses reformistas-eleitorais são aspectos constringentes que exigem cada vez mais posturas disruptivas. Cumpre forjar a “primavera nos dentes” e alimentar a “consciência para ter coragem”. Neste sentido, a crítica de August Nimtz torna-se fundamental para a reflexão e para a ação revolucionária em nosso tempo presente e futuro.

*Mario Soares Neto é advogado, professor e pesquisador. Mestre em direito pela Universidade Federal da Bahia (PPGD/UFBA).

 

Notas


[i] NIMTZ JR, August H. Marxismo e a luta negra: o debate “classe vs. raça” revisitado. Tradução de Mario Soares Neto. Revista Direito e Práxis, Ahead of print, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/63074.

[ii] FANON, Frantz. Os condenados da terra. Prefácio de Jean-Paul Sartre. Tradução de José Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1968, p. 6.

[iii] LÊNIN, V. I. Que Fazer? As questões palpitantes do nosso movimento. São Paulo: Hucitec, 1978, p. 18.

[iv] Neste sentido que se insere o Curso Marxismo e Questão Racial, iniciativa coletiva organizada no âmbito do Grupo de Estudos Direitos Humanos, Centralidade do Trabalho e Marxismo, da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (DHCTEM – USP). Ver: https://drive.google.com/file/d/1A8wNOKGTY-NPNMfAQasvVRs5Qe1Oq6n0/view Ver também: https://www.youtube.com/watch?v=Dryny8U8JEY

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Antunes José Costa Júnior Julian Rodrigues Kátia Gerab Baggio Everaldo de Oliveira Andrade Eleutério F. S. Prado Atilio A. Boron Luiz Marques João Lanari Bo André Singer Marilena Chauí Paulo Martins Roberto Noritomi Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Ricardo Fabbrini Slavoj Žižek Leonardo Sacramento João Feres Júnior Ronald Rocha Denilson Cordeiro João Carlos Salles José Dirceu Mário Maestri João Paulo Ayub Fonseca Alexandre Aragão de Albuquerque Eleonora Albano Elias Jabbour Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Fernandes Ladeira Marcelo Módolo Walnice Nogueira Galvão Francisco de Oliveira Barros Júnior Sandra Bitencourt Igor Felippe Santos Jorge Branco Salem Nasser Maria Rita Kehl Michael Löwy Dênis de Moraes Flávio Aguiar Valerio Arcary Chico Whitaker Luiz Carlos Bresser-Pereira Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro José Micaelson Lacerda Morais Osvaldo Coggiola José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Yuri Martins-Fontes Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares Lucas Fiaschetti Estevez Milton Pinheiro Rubens Pinto Lyra Valério Arcary Anselm Jappe Roberto Bueno Renato Dagnino Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Eduardo Borges Tarso Genro Jean Marc Von Der Weid Caio Bugiato Antonino Infranca Boaventura de Sousa Santos Heraldo Campos Luiz Roberto Alves Afrânio Catani José Geraldo Couto Liszt Vieira Lorenzo Vitral Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Costa Lima Gilberto Maringoni Carla Teixeira João Carlos Loebens Ronald León Núñez João Adolfo Hansen Dennis Oliveira Celso Favaretto Flávio R. Kothe Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira José Raimundo Trindade Marcus Ianoni Leonardo Boff Bento Prado Jr. Henri Acselrad Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Ronaldo Tadeu de Souza Vanderlei Tenório Priscila Figueiredo Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna Paulo Nogueira Batista Jr Ari Marcelo Solon Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Rafael R. Ioris Alexandre de Freitas Barbosa Carlos Tautz Juarez Guimarães Ricardo Musse Manuel Domingos Neto Chico Alencar Alexandre de Lima Castro Tranjan Fernão Pessoa Ramos Thomas Piketty Gilberto Lopes Anderson Alves Esteves Eugênio Bucci Érico Andrade Armando Boito Claudio Katz Tales Ab'Sáber José Machado Moita Neto Leonardo Avritzer Gerson Almeida Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Vladimir Safatle João Sette Whitaker Ferreira Sergio Amadeu da Silveira Marcos Silva Henry Burnett Leda Maria Paulani Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Tadeu Valadares Fábio Konder Comparato Luís Fernando Vitagliano Marcos Aurélio da Silva Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias Luiz Bernardo Pericás Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Michael Roberts Lincoln Secco Antonio Martins Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Bernardo Ricupero Jean Pierre Chauvin Daniel Costa Luciano Nascimento Mariarosaria Fabris Celso Frederico Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Airton Paschoa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada