Marxismo sem utopia

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICARDO MUSSE*

Considerações sobre o livro de Jacob Gorender

Sob muitos aspectos, Marxismo sem utopia é um livro notável. Diferentemente do usual na tradição do marxismo local, não busca adaptar as teorias de Marx e de seus seguidores à especificidade brasileira nem destacar as singularidades de nossa formação social (assunto abordado com brilhantismo por Jacob Gorender em O escravismo colonial). Propõe-se nada mais nada menos que atualizar o próprio marxismo. Sintoma de maturidade intelectual (do autor e do marxismo brasileiro), mas também de lucidez diante dos impasses da prática e da teoria depois da derrocada do socialismo do Leste europeu e da ascensão do neoliberalismo.

A flexibilidade, implícita no projeto de revisar as teses marxistas levando em conta a atual situação do mundo, destoa do disseminado dogmatismo de teóricos e militantes de esquerda e não deixa de ser inesperada (apesar de sua trajetória heterodoxa) em um antigo membro do Comitê Central do Partido Comunista Brasileiro. Tampouco é comum – numa época em que prevalecem expectativas de curto prazo – a atitude de elaborar propostas que assumidamente só poderão ser efetivadas pelas gerações futuras.

Por fim, o leitor haverá de se surpreender com a riqueza enciclopédica do livro. Encontram-se lá sumariados, com clareza, didatismo e uma espantosa capacidade de destacar o essencial: (i) as discussões contemporâneas acerca de temas como os desdobramentos do capitalismo no século XX, (ii) a história da tradição marxista e do “socialismo real”; (iii) a dita globalização e tudo que afeta a atualidade e o futuro do mundo do trabalho; (iv) a situação presente das classes, dos partidos e do Estado, bem como suas mútuas relações; (v) o debate acerca da pertinência da teoria de Marx acerca da extração da mais-valia, da queda tendencial da taxa média de lucro e das crises de superprodução; (vi) a questão da transição e das características da sociedade socialista etc.

A construção enciclopédica do livro nos esclarece sobre a variante do marxismo retomada por Jacob Gorender. A organização do legado de Marx como um sistema aberto, atento às discussões internas nos diversos campos do saber, foi a estratégia utilizada por Friedrich Engels para atualizar o materialismo histórico após a morte de Marx. Nessa versão, denominada “socialismo científico”, ascendeu ao primeiro plano a dicotomia ciência/utopia presente no título e retomada no decorrer do livro.

No que tange ao método, Jacob Gorender está mais próximo de Eduard Bernstein, um discípulo de Engels que, levando ao pé da letra a associação entre marxismo e ciência, não hesitou em adotar como fio a tese de que “Marx desviou-se da disciplina científica e cedeu a propensões utópicas”. A proximidade entre Eduard Bernstein e Jacob Gorender, no entanto, é puramente formal. Como a convergência entre teoria e prática, método e política é ainda apenas um ideal, Jacob Gorender pôde retomar o mote a partir do qual Eduard Bernstein procedeu à revisão do marxismo e, ao mesmo tempo, rejeitar peremptoriamente o reformismo social-democrata preconizado por ele. Mas nem por isso está imune, por exemplo, às críticas metodológicas que György Lukács endereçou a Eduard Bernstein em História e consciência de classe, particularmente à ilusão de que a simples seleção dos fatos relevantes já não contenha uma interpretação.

Para Jacob Gorender, a fonte dos equívocos de Marx e do marxismo, dado fundamental que o impele a revisar essa tradição, seria a constatação de que, ao contrário do que sempre se supôs, “o proletariado é ontologicamente reformista”. Para corroborar o que considera uma evidência, recorre ao artigo “Século Marxista, Século Americano” de Giovanni Arrighi (em A ilusão do desenvolvimento, Vozes) que destaca a cisão do marxismo em movimentos reformistas no centro e revolucionários na semi-periferia do capitalismo.

Entretanto, o que preocupa Giovanni Arrighi não é uma definição sobre o caráter ontológico da classe operária, mas sobretudo o fato de que a desigualdade do sistema interestatal (entre os países do núcleo orgânico e os demais) parece ter determinado a ação do proletariado mais fortemente que o objetivo socialista. Isto é, a classe operária das nações do centro esforça-se por manter a posição privilegiada de seu país, enquanto os trabalhadores da periferia anteviram (equivocadamente) na revolução um meio de alcançar o padrão dos países centrais.

Diante desse dilema não basta propor a substituição da força social preponderante no processo revolucionário, como fez Jacob Gorender ao apostar suas fichas nos assalariados intelectuais (os assim chamados “colarinhos brancos”). A existência de um sistema interestatal hierarquicamente estruturado e imune a alterações tornou-se uma questão incontornável para quem quiser propor modificações no modo de organizar o mundo, sejam marxistas ou não.

*Ricardo Musse é professor no Departamento de Sociologia da USP. Autor, entre outros livros, de Émile Durkheim: Fato social e divisão do trabalho (Ática).

Versão modificada de artigo publicado na Folha de S. Paulo, em 6 de fevereiro de 2000 [http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0602200012.htm].

Referência


Jacob Gorender. Marxismo sem utopia. São Paulo, Ática, 1999, 288 págs.


Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Luís Fernando Vitagliano Juarez Guimarães Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior João Lanari Bo Remy José Fontana Bento Prado Jr. Atilio A. Boron Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Tales Ab'Sáber Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Michael Roberts Flávio Aguiar Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Sacramento João Carlos Salles João Paulo Ayub Fonseca Gerson Almeida Gabriel Cohn Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Daniel Brazil Berenice Bento Igor Felippe Santos Marcos Aurélio da Silva José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Daniel Afonso da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Liszt Vieira Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Marilia Pacheco Fiorillo Andrew Korybko Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary José Costa Júnior Bruno Machado Rodrigo de Faria Airton Paschoa Otaviano Helene Anselm Jappe Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Boaventura de Sousa Santos Claudio Katz Celso Frederico José Luís Fiori Paulo Sérgio Pinheiro João Adolfo Hansen Ricardo Antunes João Sette Whitaker Ferreira Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Mário Maestri Marcelo Módolo Paulo Martins André Singer Antonino Infranca Maria Rita Kehl Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás José Raimundo Trindade Paulo Fernandes Silveira Elias Jabbour Vanderlei Tenório Ronald León Núñez Caio Bugiato Julian Rodrigues Afrânio Catani Tarso Genro Henri Acselrad Daniel Costa Kátia Gerab Baggio Paulo Nogueira Batista Jr Renato Dagnino Eduardo Borges Ronald Rocha Henry Burnett Antonio Martins Dênis de Moraes João Feres Júnior Lucas Fiaschetti Estevez Eliziário Andrade Armando Boito Vinício Carrilho Martinez Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Marcos Silva Salem Nasser Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Samuel Kilsztajn Tadeu Valadares Marjorie C. Marona Heraldo Campos Chico Whitaker Manchetômetro Dennis Oliveira Francisco Pereira de Farias Michael Löwy Vladimir Safatle Ricardo Abramovay Benicio Viero Schmidt Leda Maria Paulani Manuel Domingos Neto Fernão Pessoa Ramos Chico Alencar José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Jean Pierre Chauvin Thomas Piketty Eugênio Trivinho Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Francisco Fernandes Ladeira Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Jorge Branco Luis Felipe Miguel Érico Andrade Jean Marc Von Der Weid Anderson Alves Esteves Antônio Sales Rios Neto Marcus Ianoni Milton Pinheiro Luiz Roberto Alves Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ricardo Musse Celso Favaretto Carla Teixeira Michel Goulart da Silva João Carlos Loebens Luiz Marques José Dirceu Carlos Tautz Rafael R. Ioris Alexandre de Lima Castro Tranjan Gilberto Lopes Denilson Cordeiro Andrés del Río Eleonora Albano

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada