As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mitos, mitologias e o “mito”

Imagem: Wendy Wei Seguir
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VANDERLEI TENÓRIO*

Os mitos políticos são uma das chaves para a compreensão da política enquanto instância da vida social

Quando falamos em mito, a definição mais antiga do termo vem da língua grega μῦθος (mûtos, para mito), mais precisamente concebida pelo poeta épico Homero, célere autor dos livros Ilíada e Odisseia, e significa palavra, fala ou história ou mesmo fábula, sem qualquer conotação de falsidade.

No transcorrer da história, a palavra “mythos” cada vez mais implicava “histórias difíceis de acreditar”, de modo que na época do icônico Platão (início do século IV aC), a palavra “mythos” tinha a maioria das conotações que nossa palavra “mito” tem.

Ou seja, mentira, suspeita, falsidade. Em síntese, basicamente, um mito é uma história. Contudo, um mito é um tipo particular de história. Pode ser definido como um “conto tradicional”, com duas características que o distinguem de uma lenda ou de um conto de fadas. Primeiro, um mito é adaptável a muitos gêneros literários. Em segundo lugar, embora flexível, a adaptabilidade de um mito é limitada pelo fato de que um mito deve ser culturalmente relevante.

Mito, sociedade e cultura

De maneira geral, os mitos têm sido e continuam a ser cruciais para a formação social, política, cultural e histórica de todas as comunidades que habitam ou habitaram este globo que denominamos de planeta Terra. Se não fossem pelos mitos, os conhecimentos, histórias, perspectivas e visões de mundo não teriam surgido.

Cada cultura possui suas próprias composições linguísticas, políticas, religiosas, históricas e geográficas que são fundamentadas em algum tipo de mito. Os antigos gregos, por exemplo, foram notáveis por sua rica tradição de mitos complexos. Um exemplo desse legado é a metáfora de “O Mito da Caverna”, escrito por Platão, que explora o conceito de apegar-se apenas àquilo que se conhece a alienação do ser humano.

Corroborando com a questão, na atualidade, um artigo intitulado “Os mitos como representações e transmissão do conhecimento”, escrito por Alan Carvalho, discutiu o papel dos mitos na representação e transmissão de conhecimentos. Ele menciona os mitos Yorubás, que são a base ideológica e ética do Candomblé, consistindo em uma coleção de cerca de cem contos, histórias e passagens da vida dos Orixás que contêm um vasto conhecimento sobre a essência da religião. As passagens, que abrangem todos os Orixás, oferecem ensinamentos sobre suas regências, personalidades, fraquezas e domínios, e esses ensinamentos são reproduzidos diariamente dentro dos terreiros e barracões.

Roland Barthes

Roland Barthes em sua obra Mitologias (1957) aborda os mitos do cotidiano da sociedade francesa, mas que podem ser observados de forma universal. Roland Barthes argumenta que a função do mito na mídia é naturalizar e eternizar a sociedade burguesa, envolvendo uma contingência histórica em eternidade e imobilizando o mundo. Essa ideia é exposta em seu livro, que é uma coleção de pequenos artigos publicados em jornais e revistas francesas, incluindo a Paris Match. As narrativas desses artigos abordam os mitos do cotidiano da sociedade francesa no contexto histórico-cultural e político-social.

Nesse sentido, para Roland Barthes, o mito é uma forma de fala despolitizada, produzida pela conotação e uma distração da realidade que se transforma em ideologia. O mito não nega as coisas, apenas as torna inocentes, atribuindo-lhes uma significação natural e eterna por meio de seu caráter imperativo. Não é definido pelo objeto de sua mensagem, mas sim pela sua forma e pode ser representado por um fato, anúncio, reportagem, entre outros.

O jornalista Alexander Goulart, do Observatório da Imprensa, destaca de maneira enfática que Roland Barthes realizou um estudo profundo da mídia, explorando sua relação com o contexto social e cultural. Ele concebeu uma semiologia ativa que investiga os signos presentes no cotidiano, abrangendo tanto a língua quanto a fala. Roland Barthes compreendeu que o signo é relativo e histórico, não podendo ser considerado uma verdade absoluta.

Ao romper com a visão de Ferdinand de Saussure, para quem o signo era absoluto, Roland Barthes adotou uma abordagem estruturalista dialética, na qual o signo é compreendido em relação ao contexto sócio-histórico. Dessa forma, o autor também se preocupa com o translinguístico, ou seja, os aspectos que vão além da linguagem em si.

Os mitos políticos

Ao abordar o tema do mito sob a perspectiva cultural, a historiadora Regina Célia Daefiol destaca que os mitos políticos são uma das chaves para a compreensão da política enquanto instância da vida social, além de serem um aspecto fundamental da cultura de uma sociedade. Regina Célia Daefiol ressalta que, para entender as complexidades políticas de uma sociedade, é necessário compreender seus mitos e como eles moldam as ideias e valores que sustentam as instituições políticas.

Nesse sentido, Regina Célia Daefiol enfatiza a interconexão entre cultura política e poder na sociedade. A cultura política de uma sociedade é formada por um conjunto de práticas, crenças e valores que influenciam a forma como a política é exercida. Ao mesmo tempo, o poder é um elemento central nesse processo, uma vez que é por meio do poder que as decisões políticas são tomadas e as instituições são criadas e mantidas.

Para ilustrar essa relação, Regina Célia Daefiol cita Frantz Fanon, psiquiatra e filósofo político, que em seu livro História e poder afirma que a cultura política e o poder estão intrinsecamente relacionados na sociedade. Em outras palavras, a cultura política de uma sociedade não pode ser entendida separadamente do poder que a governa.

Assim, a análise dos mitos políticos torna-se fundamental para a compreensão da cultura política e do poder em uma sociedade. Através da análise dos mitos, é possível compreender como determinados grupos políticos legitimam seu poder, como as ideias e valores são transmitidos e como a política é exercida em uma determinada sociedade.

*Vanderlei Tenório é jornalista e bacharelando em geografia na Universidade Federal de Alagoas (UFAL).


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos Vanderlei Tenório Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcelo Guimarães Lima José Luís Fiori Caio Bugiato Thomas Piketty Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Annateresa Fabris Remy José Fontana Francisco Fernandes Ladeira José Geraldo Couto Marilena Chauí Tarso Genro Berenice Bento Milton Pinheiro André Singer Alexandre de Lima Castro Tranjan Fernando Nogueira da Costa Valerio Arcary Michael Löwy Celso Frederico Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade Benicio Viero Schmidt Liszt Vieira Claudio Katz Ricardo Fabbrini Rubens Pinto Lyra Chico Alencar Marilia Pacheco Fiorillo Antonio Martins Érico Andrade Fernão Pessoa Ramos Michael Roberts Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Alysson Leandro Mascaro Celso Favaretto Paulo Capel Narvai Henri Acselrad Ari Marcelo Solon Daniel Costa José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Leda Maria Paulani Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Rodrigo de Faria José Dirceu Luís Fernando Vitagliano Eleutério F. S. Prado Antonino Infranca João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Walnice Nogueira Galvão Luiz Marques Eugênio Bucci Ronald Rocha Mariarosaria Fabris Gilberto Maringoni Luiz Bernardo Pericás Lorenzo Vitral Maria Rita Kehl Henry Burnett Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Jorge Branco Luiz Costa Lima Atilio A. Boron Roberto Bueno Juarez Guimarães Armando Boito Dênis de Moraes Sergio Amadeu da Silveira João Feres Júnior Manuel Domingos Neto Luiz Eduardo Soares Marcus Ianoni Leonardo Avritzer Samuel Kilsztajn Gerson Almeida Julian Rodrigues Luiz Werneck Vianna Bruno Machado Marcos Silva Flávio Aguiar Eleonora Albano Elias Jabbour Bernardo Ricupero José Costa Júnior Yuri Martins-Fontes Daniel Afonso da Silva Osvaldo Coggiola Luiz Renato Martins Kátia Gerab Baggio Eugênio Trivinho Tadeu Valadares Igor Felippe Santos Paulo Martins Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Pereira de Farias Dennis Oliveira Airton Paschoa Luis Felipe Miguel João Paulo Ayub Fonseca Slavoj Žižek João Sette Whitaker Ferreira Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Brazil Otaviano Helene Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Lincoln Secco Manchetômetro Andrew Korybko Eduardo Borges Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Mário Maestri Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Chico Whitaker Valério Arcary Leonardo Sacramento Eliziário Andrade Lucas Fiaschetti Estevez José Machado Moita Neto Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Bento Prado Jr. Ricardo Musse Anderson Alves Esteves João Lanari Bo Priscila Figueiredo Vladimir Safatle Denilson Cordeiro Renato Dagnino Roberto Noritomi João Carlos Salles Carla Teixeira Leonardo Boff Ladislau Dowbor Ricardo Antunes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada