As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fundamentalismo, terrorismo, genocídio

Torcedores do Celtic / Reprodução Telegram
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Não é mais uma guerra do forte contra o fraco, mas crimes de guerra e de real genocídio por parte do forte

No dia 7 de outubro assistimos um ato terrorista contra Israel, perpetrado pelo grupo armado Hamas da Faixa de Gaza, grupo este que é tambén uma forma convencional de organização civil da sociedade que administram. A retaliação pelo Estado sionista de Israel, sob Benjamin Netanyahu, foi tão asimétrica e desproporcional que,segundo a própria ONU, representa um verdadeiro genocídio do povo palestino da Faixa de Gaza com a morte de milhares de criancinhas inocentes, de civis e da destruição de grande parte das casas. Criou-se um Estado terrorista. Grassa pelo mundo afora uma onda de fundamentalismo, associado ao terrorismo e, em sua forma extrema, ao genocídio. Comecemos com o fundamentalismo.

O fundamentalismo não é uma doutrina mas “uma maneira excludente de ver a doutrina”.O fundamentalista está absolutamente convencido de que sua doutrina é a única verdadeira e todas as demais, falsas. Não tendo direito, podem e devem ser combatidas. Quando alguém se considera portador de uma verdade absoluta não pode tolerar outra verdade e seu destino é a intolerância que degenera em desprezo pelo outro, agressividade e eventualmente guerra.

Oorre com parte do judaísmo que se chama sionismo que pretende um Estado só de judeus. Este diz que a terra da Palestina foi por Deus entregue aos judeus e este teriam o direito de um Estado exclusivamente deles. Em função disso,ocupam terras da Cisjordânia, expulsam seus habitantes árabes, tomando-lhes as casas e tudo que está dentro. O sonho do sionismo-raiz se propõe criar um Estado judaico do tamanho do tempo do rei Davi. Uma parte dos palestinos e dos árabes da região acreditam ter o seu direito secular e recusam reconhecer Israel como Estado por ser usurpador. Declaram o propósito de defender e recuperar suas terras expropiadas e para isso se armam e praticam atos de violência, chegando ao terror como resposta ao terror dos radicais judeus que sofrem já há 75 anos.

Quais as características do terrorismo? A singularidade do terrorismo consiste na “ocupação das mentes”. Nas guerras não bastam os bombardeios aéreos, como se vê nos centenas de raids aéreos israelenses. Precisa-se ocupar o espaço físico para efetivamente se impor. Assim foi no Afeganistão e no Iraque e agora na Faixa de Gaza por parte do exército israelense. No terror não. Basta ocupar as mentes com ameaças que produzem medo, internalizado na população e no governo. Os norte-americanos ocuparam fisicamente o Afeganistão dos talibãs e o Iraque de Saddam Hussein. Mas a Al-Qaeda ocupou psicologicamente as mentes dos norte-americanos. O então ainda vivo Osama Bin Laden, no dia 8 de outubro de 2001 proclamou: “A partir de agora,os EUA nunca mais terão segurança, nunca mais terão paz”.

 Para dominar as mentes pelo medo o terrorismo segue a seguinte estratégia: (i) os atos têm de ser espetaculares, caso contrário, não causam comoção generalizada; (ii) apesar de odiados, devem provocar estupefação pela sagacidade empregada; (iii) devem sugerir que foram minuciosamente preparados; (iv) devem ser imprevistos para darem a impressão de serem incontroláveis; (v) devem ficar no anonimato dos autores (usar máscaras) porque quanto mais suspeitos, maior o medo; (vi) devem provocar permanente medo; (vii) devem distorcer a percepção da realidade: qualquer coisa diferente pode configurar o terror. Um árabe num avião,facilmente, é visto como terrorista e são acionadas as autoridades. Depois, vê-se que era um simples cidadão.

Formalizando: “terrorismo é toda violência espetacular, praticada com o propósito de ocupar as mentes com medo e pavor”. Além da violência, o que se busca é seu caráter espetacular,capaz de dominar as mentes de todos. De modo geral, o terrorismo é a guerra dos fracos, dos sempre dominados e humilhados. No limite, como atualmente na Faixa de Gaza, não lhes resta outra alternativa senão resistir e cometer atos de violência.A resiliência possui seus limites.

Tememos que, após a violência genocida de Israel na Faixa de Gaza ceifando tantas vítimas inocentes, especialmente de milhares de crianças, de mulheres e também de civis, ocorram pelo mundo afora atos de terror contra os judeus ou mesmo irrompa um anti-semitismo, semitismo que não deve ser identificado com o sionismo-raiz.

Deus nos livre deste horror que suscita o espírito de vingança e a espiral da violência assassina. Dada a virulência que os países militaristas aplicam àqueles que se opõem a eles, bem representados pelos estadounidenses, teme-se que o terrorismo se transforme numa manifestação em muitos países dominados. Ele não nasce em si. É explosão de uma dominação e humilhação tão desvairada (violência primeira) que não veem outra alternativa senão se rebelar, alguns se fazerem homens-bombas e praticarem atos de terror (violência segunda).

A resposta dos países dominadores é revidar de forma mais violenta ainda, fazendo guerras híbridas e absolutamente assiméticas com as armas mais modernas, matando indiscriminadamente pessoas, arrasando-lhes as casas e cometendo verdadeiros genocídios, no senitido de assassinarem crianças e idosos que nada tem a ver com a guerra, destruirem templos, hospitais, escolas e centros de cultura. Não é mais uma guerra do forte contra o fraco, mas crimes de guerra e de real genocídio por parte do forte.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Fundamentalismo, terrorismo, religião e paz (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Leda Maria Paulani Elias Jabbour José Machado Moita Neto Rafael R. Ioris Thomas Piketty Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Renato Dagnino Atilio A. Boron Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Fernando Nogueira da Costa João Paulo Ayub Fonseca Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Anselm Jappe João Sette Whitaker Ferreira Priscila Figueiredo Daniel Afonso da Silva Carlos Tautz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Marcus Ianoni Eugênio Trivinho Luiz Marques Manuel Domingos Neto João Lanari Bo Ricardo Abramovay Michael Roberts Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Lincoln Secco Jorge Branco José Raimundo Trindade Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Antônio Sales Rios Neto Armando Boito Ricardo Fabbrini Afrânio Catani Marcelo Guimarães Lima Ladislau Dowbor Salem Nasser Dennis Oliveira Caio Bugiato Michael Löwy Marcelo Módolo Luciano Nascimento Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Renato Martins Tadeu Valadares Daniel Brazil Mário Maestri Leonardo Avritzer Benicio Viero Schmidt Julian Rodrigues Paulo Martins Ricardo Antunes João Carlos Loebens Francisco de Oliveira Barros Júnior Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Otaviano Helene Eleonora Albano Gilberto Lopes José Luís Fiori Walnice Nogueira Galvão Remy José Fontana Flávio Aguiar Roberto Noritomi Flávio R. Kothe Vanderlei Tenório Érico Andrade José Dirceu Marilena Chauí Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Rubens Pinto Lyra Marcos Silva Ricardo Musse Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira Paulo Nogueira Batista Jr Eliziário Andrade Eugênio Bucci Sandra Bitencourt Henri Acselrad Valério Arcary Jean Marc Von Der Weid Luís Fernando Vitagliano José Geraldo Couto Sergio Amadeu da Silveira Ronald Rocha Annateresa Fabris Luiz Bernardo Pericás Bento Prado Jr. Alexandre de Lima Castro Tranjan Lucas Fiaschetti Estevez Luis Felipe Miguel Celso Frederico Alysson Leandro Mascaro Heraldo Campos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bruno Machado Leonardo Boff Daniel Costa Carla Teixeira Rodrigo de Faria Henry Burnett Juarez Guimarães Igor Felippe Santos Chico Whitaker Denilson Cordeiro Alexandre de Freitas Barbosa José Costa Júnior Luiz Costa Lima Fábio Konder Comparato Antonio Martins Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral João Feres Júnior Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza João Adolfo Hansen Dênis de Moraes André Singer Luiz Roberto Alves Gabriel Cohn Slavoj Žižek Chico Alencar Vladimir Safatle Andrew Korybko Eleutério F. S. Prado Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Antonino Infranca João Carlos Salles Mariarosaria Fabris Claudio Katz Liszt Vieira Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada