Mulheres, eleições e o futuro do Brasil – trabalho e emprego

Imagem: Thgusstavo Santana
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BÁRBARA CASTRO, LYGIA SABBAG FARES, PATRÍCIA VIEIRA TRÓPIA & SELMA CRISTINA SILVA*

O compromisso por maior valorização e reconhecimento do trabalho das mulheres precisa estar visceralmente atado à agenda redistributiva

As mulheres brasileiras contribuem enormemente para a produção da riqueza nacional, embora o reconhecimento e a retribuição material por este trabalho sejam inferiores aos recebidos pelos homens.

Responsabilizadas pelo trabalho reprodutivo, elas dedicam mais tempo às atividades domésticas e de cuidados, o que torna sua inserção no mercado de trabalho mais precária. Estão mais presentes em trabalhos sem registro, a tempo parcial e mais concentradas em atividades concebidas como extensão do trabalho doméstico e de cuidados.

A sociedade trata ensinar, cuidar, limpar, cozinhar, como atributos naturais de ser mulher – algo feito por amor, não como trabalho. Não à toa essas atividades têm menor status social e, se pagos, remuneração inferiores.

Um mercado de trabalho competitivo, com jornadas desreguladas e que ultrapassam as 40 hs semanais, leva mulheres e homens a delegar para uma maioria de mulheres negras o trabalho que possibilita, afinal, continuarmos vivos. São elas que mantêm nossas casa e espaço de trabalho limpos, crianças e idosos cuidados e comida pronta – seja em casa, seja no restaurante a quilo. A maioria de mulheres negras entre empregadas domésticas e cuidadoras explicita o lugar subalterno a que são relegadas em nossa história, cunhada na escravização.

Não à toa, a informalidade persiste nesses setores, com a negação, na prática, do que a PEC das Domésticas garantiu e o veto, pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), ao projeto de lei que regulamenta a profissão de cuidadoras de idosos. As profissionais da educação infantil também lutam para serem reconhecidas como docentes. Portanto, reconhecer a centralidade desses trabalhos é um desafio primordial.

Como a pandemia e a crise econômica recentes demonstraram, as mulheres são as principais afetadas por um Estado que transferiu a responsabilidade pelos cuidados da crise sanitária ao espaço privado. Elas ampliaram sua participação entre as pessoas desalentadas e indisponíveis para trabalhar. Tornou-se ainda mais penoso ter um trabalho remunerado em 2021, com as creches e escolas fechadas e o atraso no início da vacinação.

Nesse sentido, agendas políticas que defendem igualdade racial e de gênero precisam se comprometer com a universalização de equipamentos públicos de cuidado, como creches e espaços para idosos. Também é necessário estimular a criação de licenças igualmente divididas entre os pais, realidade em muitos países, responsabilizando os homens pelo cuidado. É urgente a atuação do Estado na promoção de mudanças estruturais e culturais: manutenção da política de cotas raciais no ensino superior; campanhas públicas para desnaturalizar competências e habilidades com viés de gênero e raça; e uma educação antissexista e antirracista.

As mulheres organizadas em movimentos sociais priorizaram a valorização do salário mínimo como agenda política no início dos anos 2000. Marchas organizadas para Brasília foram encampadas pelo movimento sindical e se desdobraram na maior conquista redistributiva do século XXI, com redução na distancia salarial entre homens brancos, mulheres brancas, homens negros e mulheres negras. Tal conquista, alcançadas nos governos Lula e Dilma Rousseff (PT), foi descontinuada pelos governos Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro.

A redução das desigualdades sociais no Brasil passará, necessariamente, por uma agenda feminista e antirracista. As mulheres são as principais afetadas pela descontinuidade de políticas redistributivas, pelas alterações que flexibilizam a jornada e contratos de trabalho e pelo desestímulo do Estado à diversificação produtiva. É preciso retomar uma agenda que aposte na qualificação, formalização, redução da jornada sem redução dos salários, garantia efetiva do intervalo durante a jornada de trabalho para o aleitamento e valorização real do salário mínimo.

O compromisso por maior valorização e reconhecimento do trabalho das mulheres precisa estar visceralmente atado à agenda redistributiva. Apenas assim, elas terão uma retribuição à altura da sua parcela na produção de riquezas para o país.

*Bárbara Castro é professora do Departamento de Sociologia da Unicamp.

*Lygia Sabbag Fares é professora no Brooklyn Institute for Social Research (New York).

*Patrícia Vieira Trópia é professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

*Selma Cristina Silva é professora do Departamento de Educação da UFBA.

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.

⇒O site A Terra é redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.⇐
Clique aqui e veja como.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald León Núñez Alysson Leandro Mascaro Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Valerio Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Nogueira Batista Jr Carla Teixeira Michel Goulart da Silva Manuel Domingos Neto Henry Burnett Leonardo Avritzer Mário Maestri Benicio Viero Schmidt José Geraldo Couto Eduardo Borges Renato Dagnino Ricardo Musse Daniel Brazil Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens Elias Jabbour Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen Ricardo Fabbrini Igor Felippe Santos João Carlos Salles Fábio Konder Comparato Marcos Aurélio da Silva Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leonardo Boff Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrés del Río Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Marcelo Guimarães Lima Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Flávio Aguiar Fernão Pessoa Ramos João Feres Júnior Luis Felipe Miguel Liszt Vieira José Costa Júnior Luiz Eduardo Soares Henri Acselrad André Márcio Neves Soares Armando Boito Luiz Bernardo Pericás Alexandre de Lima Castro Tranjan Luís Fernando Vitagliano João Sette Whitaker Ferreira Ari Marcelo Solon Denilson Cordeiro Salem Nasser Luiz Renato Martins Slavoj Žižek Afrânio Catani Paulo Martins Thomas Piketty Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Antonino Infranca Marilia Pacheco Fiorillo Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Ricardo Antunes Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Samuel Kilsztajn Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Valerio Arcary Michael Roberts Eliziário Andrade Gerson Almeida Gabriel Cohn Bento Prado Jr. José Machado Moita Neto Milton Pinheiro Heraldo Campos João Paulo Ayub Fonseca Eleonora Albano Osvaldo Coggiola Antônio Sales Rios Neto Berenice Bento José Luís Fiori Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Abramovay Bruno Machado Manchetômetro Antonio Martins Juarez Guimarães Gilberto Maringoni Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Andrew Korybko Annateresa Fabris Dennis Oliveira Érico Andrade Chico Whitaker Rafael R. Ioris Jean Pierre Chauvin Ladislau Dowbor Celso Favaretto Marjorie C. Marona Carlos Tautz Jorge Branco Marcelo Módolo Sergio Amadeu da Silveira Caio Bugiato Marcos Silva Airton Paschoa Anselm Jappe Jean Marc Von Der Weid Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório Daniel Costa Luiz Werneck Vianna Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene José Dirceu Marilena Chauí Remy José Fontana Claudio Katz Tadeu Valadares Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Vinício Carrilho Martinez Tales Ab'Sáber Fernando Nogueira da Costa Tarso Genro André Singer Atilio A. Boron Lorenzo Vitral Flávio R. Kothe Michael Löwy Eugênio Bucci Bernardo Ricupero Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Celso Frederico Matheus Silveira de Souza Priscila Figueiredo Lincoln Secco Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Gilberto Lopes Dênis de Moraes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada