Museu de velhas novidades

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PLÍNIO DE ARRUDA SAMPAIO JÚNIOR*

O Arcabouço Fiscal de Fernando Haddad é inteligente e capcioso, mas não avança além de um Teto de Gastos 2.0

O governo Lula/Alckmin apresentou ao Congresso Nacional o projeto de Arcabouço Fiscal destinado a substituir o famigerado Teto de Gastos. Para além dos detalhes técnicos de seus mecanismos operacionais e parâmetros institucionais, cuja versão definitiva ainda sofrerá alterações, o espírito da política fiscal proposta é inequívoco. Não se trata de modificar o conteúdo da Emenda Constitucional nº 95, cuja essência consistia em promover uma draconiana redução da presença do Estado na economia, mas apenas de introduzir mudanças na forma de alcançar tal desiderato.

Em comparação com o tosco Teto de Gastos de Henrique Meirelles, cuja viabilidade prática revelou-se insustentável, o Arcabouço Fiscal de Fernando Haddad é bem mais inteligente e capcioso. Trata-se de um Teto de Gastos 2.0. A ideia é subordinar o ritmo e a intensidade das restrições às despesas do setor público às circunstâncias da conjuntura econômica nacional – uma maneira mais flexível e realista de perseguir a meta do Estado mínimo.

A expectativa de que a derrota de Jair Bolsonaro pudesse representar o fim do garrote vil sobre os gastos públicos mal durou três meses. Mesmas políticas, mesmos efeitos. O novo marco fiscal perpetua o estado de penúria permanente que bloqueia a capacidade de gasto do governo federal. Ao invés de responder às necessidades da população e aos interesses nacionais, a evolução das políticas sociais e dos investimentos públicos continuará deprimida, não podendo ultrapassar uma fração do aumento das receitas tributárias e ficando institucionalmente vinculada ao cumprimento de metas de superávits primários – recursos fiscais reservados para o pagamento de parcela das despesas com juros da dívida pública.

Durante a campanha eleitoral, Lula prometeu retomar as políticas sociais de seus dois primeiros mandatos. Não deixa de ser irônico constatar que, se a legislação fiscal proposta agora estivesse então em vigor, suas realizações passadas teriam sido muito mais modestas. Uma simulação mostra que a aplicação das novas regras para o período de 2011 a 2022 teria implicado um corte de R$ 775,3 bilhões nos gastos da União – uma redução de R$ 64 bilhões ao ano, diminuição de 40% na taxa de crescimento real efetivamente observada.[i] Se o mesmo cálculo fosse feito para os anos 2003-2010, período do ciclo de crescimento impulsionado pelo boom de commodities que condicionou o “neodesenvolvimentismo” de Lula, a contração das despesas primárias da União seria ainda muito mais severa e a política de recuperação do poder de compra do salário mínimo, uma das principais bandeiras de seu governo, simplesmente não poderia ter acontecido.

A política econômica do governo Lula-Alckmin, da qual o Arcabouço Fiscal constitui a viga mestra, não enfrenta nenhuma das causas responsáveis pela crônica fragilidade fiscal do Estado brasileiro. A continuidade do padrão de acumulação liberal-periférico, que tem nas metas inflacionárias sua arquitetura estratégica, perpetua a estagnação do crescimento e a desindustrialização da economia. A complacência da reforma tributária com o grande capital e a plutocracia bloqueia qualquer possibilidade de elevação significativa da carga tributária e de correção das seculares injustiças fiscais.

Por fim, a ausência de qualquer providência para limitar as despesas financeiras decorrentes de pagamentos de juros da dívida pública e dos custos da política monetária e cambial que sustentam a farra do rentismo, o principal item de gasto do governo federal, interdita inapelavelmente qualquer possibilidade de colocar o pobre no orçamento público. A sangria que significam tais despesas fica evidente quando se constata que há décadas seu montante equivale a mais de três vezes o gasto acumulado do governo central com saúde e educação.[ii]

Elaborado sem consulta aos sindicatos, desconsiderando os movimentos sociais e ignorando olimpicamente a importância de abrir um debate público sobre o sentido mais geral da política econômica, o Arcabouço Fiscal dos tecnocratas de Fernando Haddad é um museu de velhas novidades. Trata-se de uma gambiarra para remendar a malfadada Emenda Constitucional nº. 95. O bom-mocismo do Ministro da Economia e a maior sofisticação técnica da legislação proposta mal camuflam o objetivo estratégico de subordinar a política fiscal à intenção de abrir espaço para a mercantilização dos serviços sociais e garantir a sustentabilidade intertemporal da relação dívida pública/PIB – critérios sacrossantos que presidem o regime de austeridade fiscal inaugurado com Joaquim Levy no governo Dilma Rousseff e levado ao paroxismo após a chegada espúria de Michel Temer ao Planalto.

Por absoluta falta de coragem para enfrentar os interesses econômicos e sociais que se locupletam com a miséria dos trabalhadores e a desagregação do Estado nacional, o governo Lula-Alckmin caminha a passos largos para repetir o estelionato eleitoral de Dilma Rousseff, que abriu a Caixa de Pandora que impulsiona as hordas reacionárias que lutam para transformar a reversão neocolonial em razão de Estado.

Ao procurar conciliar o inconciliável, Lula tornou-se vítima de suas próprias artimanhas. Muito aquém do que seria necessário para superar a grave crise civilizatória que ameaça a sociedade brasileira, seu governo ficou condenado a cumprir o triste papel de consolidar a ofensiva do capital sobre o trabalho, legitimando e institucionalizando os golpes contra os conteúdos democráticos e republicanos imprimidos pela luta popular à Constituição de 1988.

*Plínio de Arruda Sampaio Jr. é professor aposentado do Instituto de Economia da Unicamp e editor do site Contrapoder. Autor, entre outros livros, de Entre a nação e a barbárie – dilemas do capitalismo dependente (Vozes).

Notas


[i] Ver artigo “Nova regra fiscal teria economizado R$ 64 bi ao ano, estimam analistas”, in https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2023/04/nova-regra-fiscal-teria-economizado-r-64-bi-ao-ano-estimam-analistas.shtml

[ii] Sobre a importância das despesas financeiras no orçamento do governo federal, ver interessante trabalho de Luís Carlos G. de Magalhães e Carla Rodrigues Costa, “Arranjos institucionais, custo da dívida pública e equilíbrio fiscal: a despesa ‘ausente’ e os limites do ajuste estrutural”, in: IPEA, Texto para Discussão, Nº 2403, Rio de Janeiro, agosto de 2018. https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8594/2/TD_2403_sumex.pdf


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Costa Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Celso Frederico Bento Prado Jr. Leonardo Boff Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Michael Löwy Caio Bugiato Eleutério F. S. Prado Alysson Leandro Mascaro Mário Maestri José Machado Moita Neto Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira José Luís Fiori Heraldo Campos Carlos Tautz Remy José Fontana Chico Whitaker Eugênio Trivinho José Raimundo Trindade João Sette Whitaker Ferreira João Adolfo Hansen Leonardo Avritzer Elias Jabbour Leonardo Sacramento Ricardo Antunes João Paulo Ayub Fonseca Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento Tarso Genro Matheus Silveira de Souza Luís Fernando Vitagliano Michael Roberts Anselm Jappe Jean Pierre Chauvin Daniel Brazil Valerio Arcary André Márcio Neves Soares Airton Paschoa Annateresa Fabris Luiz Marques Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Antonio Martins Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Lorenzo Vitral Paulo Martins Ricardo Fabbrini Salem Nasser Andrés del Río Alexandre de Lima Castro Tranjan Jorge Luiz Souto Maior Marcus Ianoni Lincoln Secco Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Fábio Konder Comparato Atilio A. Boron Rodrigo de Faria Valerio Arcary Bernardo Ricupero Gilberto Maringoni José Geraldo Couto Claudio Katz Marilena Chauí Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Henry Burnett Andrew Korybko Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola Julian Rodrigues Bruno Machado Antonino Infranca Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Francisco Pereira de Farias Paulo Nogueira Batista Jr Carla Teixeira Fernando Nogueira da Costa Marilia Pacheco Fiorillo Milton Pinheiro Eduardo Borges Eugênio Bucci Walnice Nogueira Galvão João Carlos Salles Renato Dagnino Ronald León Núñez Paulo Sérgio Pinheiro Denilson Cordeiro Michel Goulart da Silva Luis Felipe Miguel Kátia Gerab Baggio Alexandre de Freitas Barbosa Ronaldo Tadeu de Souza Érico Andrade Ladislau Dowbor Liszt Vieira Marcelo Módolo Tales Ab'Sáber João Feres Júnior João Carlos Loebens Thomas Piketty Priscila Figueiredo Samuel Kilsztajn Ronald Rocha Jorge Branco Otaviano Helene Gabriel Cohn Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Chico Alencar Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Berenice Bento Armando Boito Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Ricardo Musse Mariarosaria Fabris Ricardo Abramovay Leda Maria Paulani Eleonora Albano Marcos Aurélio da Silva Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Afrânio Catani Slavoj Žižek André Singer Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Tadeu Valadares Boaventura de Sousa Santos Igor Felippe Santos Antônio Sales Rios Neto Henri Acselrad José Costa Júnior Celso Favaretto Dennis Oliveira Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Rubens Pinto Lyra Marcos Silva José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira João Lanari Bo Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada