O mercado não gostou… e daí?!

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NOGUEIRA DA COSTA*

Este governo eleito de Frente Ampla democrática é contra a extrema-direita e a favor dos pobres

A posse do presidente Lula foi um sucesso popular. Teve repercussão internacional com fotos na primeira página dos principais jornais do mundo ocidental. A posse dos ministros demonstrou o acerto de suas nomeações. Todos são políticos experientes – governadores, senadores, deputados e líderes em suas áreas de atuação.

Logo, o mandato começou com o programa apresentado em campanha. Iniciou-se o processo de desarmamento da população civil. Exonerou-se os quadros do governo de extrema-direita. Retirou-se empresas estatais relevantes para o desenvolvimento brasileiro, como a Petrobras, da lista de privatização.

Mas a imprensa, costumeiramente pautada por “analistas e especialistas” anônimos, por isso jocosamente apelidados de “Faria Limers”, estampou em manchete: “O mercado não gostou”… e daí?! “Perdeu, mané, não amola!”

O deus-mercado é sobrenatural? Apesar de aparentar ser onipresente, ele não é onisciente, pois não consegue adivinhar o futuro resultante de múltiplas e desconhecidas decisões de todos os diversos agentes econômicos. Caso ele fosse vidente, anteciparia com precisão o futuro. Então, perderia a pretensa onipotência, pois não mais poderia alterar o rumo preanunciado…

Afinal, quem são os adoradores de o mercado? São submissos à doutrina do neoliberalismo? Defendem a absoluta liberdade de mercado e uma restrição à intervenção estatal sobre a economia, só devendo esta ocorrer em setores imprescindíveis e ainda assim em grau mínimo?

Pois é, mané, o social-desenvolvimentismo ganhou a eleição! Seus adeptos priorizam o controle da inflação para proteção dos salários reais e o desenvolvimento sustentado pela ampliação do mercado interno com política social ativa e do mercado externo.

Mercados de riscos ou rumores, diminutos ou raquíticos como são os de ações e dólar, na economia brasileira, ficam sujeitos a ter alta/baixa no boato e queda/subida no fato. Mas não atingem diretamente os interesses populares.

O volume acumulado ao longo da negociação anual no mercado de ações à vista pode impressionar aos leigos. Com a queda do juro básico (Selic) saiu de R$ 4,1 trilhões em 2019 para R$ 7,2 trilhões em 2020 e alcançou R$ 8 trilhões em 2021. Caiu para R$ 7,2 trilhões em 2022. O PIB brasileiro alcançou R$ 9,8 trilhões em novembro de 2022.

Porém, o volume médio diário do mercado acionário é, relativamente, muito diminuto: R$ 29,8 bilhões em 2022, abaixo de R$ 33,4 bilhões alcançados em 2021. Para comparação, em novembro de 2022, os detentores dos títulos federais em poder do público possuíam R$ 5,6 trilhões aplicados neles e negociaram no mercado secundário a média diária de R$ 1,86 trilhão, sendo 96% em operações compromissadas.

Em 2018, o número de contas de investidores PF na B3 era de 814 mil e, em dezembro de 2020, foi atingida a marca de 3,2 milhões com a fuga da renda fixa para a renda variável. No primeiro semestre de 2021, atingiu a marca de 3,8 milhões de contas de investidores PF. Com o número de investidores, houve uma queda no saldo mediano de ações à vista em custódia de R$ 6 mil no 3º trimestre de 2021 para R$ 3 mil no de 2022.

A participação dos investidores PF caiu de 21,4%, alcançado em 2020, para 12,7% em dezembro de 2022. Em contrapartida, os investidores institucionais (fundos de ações e de pensão) participam com 26%, mas os especuladores estrangeiros com 57% são “quem dá as cartas”. Instituições financeiras detêm apenas 4%.

Por qual razão gente de o mercado prioriza a responsabilidade fiscal em lugar da responsabilidade social de um governo não eleito com seu apoio? Criticam as declarações do presidente Lula contra privatizações, reforma trabalhista, responsabilidade fiscal e, arrogantemente, dizem: “‘Lula só fará um bom governo se abandonar ideias econômicas do Partido dos Trabalhadores”. Ora, ora, pregam um estelionato eleitoral a favor do fracassado neoliberalismo?!

A ideia-chave da esquerda, explicitada por Lula em sua posse, é a diminuição da pobreza e da desigualdade social. A direita acha essa “sorte do berço” ser “natural”…

A propósito do combate à desigualdade, uma das batalhas – fora o uso da tributação progressiva – será extremamente difícil. O tão idolatrado regime monetário, para atingir meta de inflação, é justificativa para a taxa de juros disparatada em relação às do resto do mundo, fixada pela autonomia o Banco Central do Brasil. É o maior juro real mundial.

Faça as contas: em alguns bancos, já é cliente Private Banking quem tem volume de negócios acima de R$ 5 milhões. No total, são 66 mil grupos familiares e 147 mil CPFs. O volume financeiro deles alcançou R$ 1,883 trilhão, ou seja, R$ 12,818 milhões per capita.

O volume financeiro total variou “apenas” 5,74% no ano até novembro de 2022. Os ricaços diminuíram a participação de ações na carteira total de 34% em dezembro de 2021 para 31% naquela data. Mas não fugiram delas de maneira suficientemente rápida.

Os rendimentos das aplicações em fundos e renda variável ficaram bem abaixo dos 12% de quem aplicou apenas em renda fixa (CDI). Com juros de 1% ao mês (equivalentes a 13,75% aa), R$ 5 milhões rendem R$ 50 mil em um mês ou R$ 634 mil por ano com juros compostos. Só. Isto com risco soberano e sem risco do mercado de ações ou dólar.

Alguns economistas dizem a inflação ser um conflito distributivo. No Brasil, a resolução desse antagonismo, no Regime de Meta de Inflação, é a favor de quem detém capital, acentuando a desigualdade distributiva… Daí se entende sua defesa do status quo.

É lamentável a atuação dos pobres crentes, submissos à doutrinação dos pastores “evangélicos” (sic), e dos machos alpha (dominantes e confiantes) sem abandono da doutrina da Guerra Fria da época de prestação de serviço militar obrigatório. O anticomunismo anacrônico é, para essa gente iletrada, apenas uma falsa justificativa, se comparado a qualquer ameaça do comunismo, enterrado há décadas.

Esses idiotas – sem consciência do dano feito à própria reputação e aos demais cidadãos – expressam um delírio coletivo contínuo, em seu mundo paralelo, baseado em fakes news circulantes em suas câmaras de eco. Defendem um nacionalismo autoritário, religioso, conservador em costumes e armamentista, sob jugo militar. Não à toa, jugo ou canga é uma peça de madeira encaixada sobre a cabeça dos bois…

Uns só leem a Bíblia, caso consigam a ler, outros nada leem a não ser “uotzap” da sua turma com viés de autoconfirmação. No caso deles, como a maioria aparenta ser composta de idosos, não terão salvação, pois carregarão a ignorância até os túmulos.

Afinal, quem é esta turma de golpistas pregadores da ditadura militar, promotores de quebra-quebras e responsáveis por atos terroristas? Ninguém da imprensa ou de institutos de pesquisas se aventurou a levantar, presencial e diretamente, o perfil socioeconômico (gêneros, faixas etárias, faixas de renda etc.) e educacional desses vagabundos acampados por dois meses em frente aos quarteis.

A melhor fonte de informação atualizada a respeito é a Avaliação do Governo Jair Bolsonaro e Expectativa sobre Governo Lula, relatório da pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha em dezembro de 2022. Não mostra diretamente o perfil do “gado” em frente aos quarteis militares, mas demonstra a reação da opinião pública.

Três em cada quatro brasileiros (75%) se posicionam contra os protestos de apoiadores do ex-presidente fujão. Desde o fim do segundo turno da disputa presidencial, realizam bloqueios de rodovias e acampam em frente a quartéis, exigindo intervenção militar contra os resultados das eleições. Há 21% favoráveis a esses protestos, e os demais são indiferentes (3%) ou não opinaram (1%).

Os índices de apoio aos protestos clamando por intervenção militar são mais altos nas regiões Sul (28%) e no Norte e Centro-Oeste (29%), entre os mais ricos (36%), no segmento evangélico (31%) e entre empresários (39%). Lamentavelmente, são indicadores do baixo nível cultural (e democrático) existente nessas regiões e faixas sociais.

Entre quem votou em Bolsonaro, no segundo turno da eleição, 44% são a favor desses protestos, e 50%, contra, com 6% indiferentes ou sem opinião. Para 56%, as pessoas em mobilização a favor um golpe militar e contra a Constituição devem ser punidas, porque ela dita o respeito ao resultado da eleição e à alternância democrática de poder.

Entre os eleitores de Bolsonaro na disputa contra Lula, no segundo turno, 67% são contra a punição dos acampados pedindo um golpe militar, e 29%, a favor. No eleitorado do petista, 81% avaliam ser necessário haver punição, só para 15% essas pessoas não devem ser punidas.

Considerando uma escala de 1 a 5 onde 1 significa ser bolsonarista e 5, petista, 32% se colocaram na posição 5, de petista, e 9%, na posição 4, inclinados ao petismo. A posição intermediária (3) abrange 20%, e 25% se colocam na posição 5, de bolsonaristas, com 7% na posição 2, inclinados ao bolsonarismo. Há 5% sem se encaixar em nenhuma das posições na escala, e 1% não respondeu. São 41% esquerdistas contra 32% direitistas.

Entre os mais pobres, na faixa de renda familiar de até 2 salários-mínimos, 40% se posicionam como petistas, e 21%, como bolsonaristas. Na faixa da classe média baixa, de 2 a 5 salários, esses índices em 24% e 30%, respectivamente, e essa tendência se mantém entre quem tem renda de 5 a 10 salários (21% a 25%), ou seja, classe média alta. Entre os mais ricos, 40% se posicionam como bolsonaristas, e 13%, como petistas.

Na parcela de brasileiros votantes em Lula, no segundo turno da eleição de 2022, 63% se posicionam como petistas, 15% se inclinam ao petismo, na posição 4, e 16% estão na posição intermediária. Entre quem votou em Bolsonaro, 56% se posicionam como bolsonaristas, 14% se colocam próximos ao bolsonarismo, na posição 2, e 3% estão na posição intermediária da escala.

Está explicada a necessidade desse governo eleito de Frente Ampla democrática ser contra a extrema-direita e a favor dos pobres?

*Fernando Nogueira da Costa é professor titular do Instituto de Economia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de Rede de apoio e enriquecimento. Disponível em https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2022/09/20/rede-de-apoio-e-enriquecimento-baixe-o-livro/

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Aurélio da Silva Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Ricardo Fabbrini Andrés del Río Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Alexandre de Freitas Barbosa Antônio Sales Rios Neto Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Airton Paschoa Flávio R. Kothe Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Nogueira Batista Jr Berenice Bento Dennis Oliveira Afrânio Catani Otaviano Helene Rodrigo de Faria Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Luiz Eduardo Soares Liszt Vieira Antonio Martins Luiz Werneck Vianna Rafael R. Ioris Annateresa Fabris Jorge Luiz Souto Maior Ronald Rocha Dênis de Moraes Ladislau Dowbor Salem Nasser João Lanari Bo Manchetômetro Julian Rodrigues Milton Pinheiro Igor Felippe Santos Luís Fernando Vitagliano Tales Ab'Sáber Valerio Arcary Atilio A. Boron Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Mário Maestri Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Tarso Genro Érico Andrade Luiz Bernardo Pericás José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Tadeu Valadares Celso Favaretto Chico Alencar Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Vinício Carrilho Martinez Yuri Martins-Fontes Antonino Infranca Vanderlei Tenório Kátia Gerab Baggio Michael Löwy José Raimundo Trindade Luiz Roberto Alves Paulo Martins Thomas Piketty Boaventura de Sousa Santos Alysson Leandro Mascaro Marcelo Guimarães Lima Sandra Bitencourt João Feres Júnior Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto Paulo Sérgio Pinheiro Fernando Nogueira da Costa Jorge Branco Carlos Tautz Francisco Fernandes Ladeira Rubens Pinto Lyra Ronald León Núñez Anselm Jappe Flávio Aguiar Armando Boito João Carlos Salles Renato Dagnino Eduardo Borges André Singer Benicio Viero Schmidt João Paulo Ayub Fonseca Bento Prado Jr. Bernardo Ricupero Eleonora Albano Marcos Silva Eugênio Trivinho Priscila Figueiredo Leonardo Sacramento Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Boff José Geraldo Couto Paulo Capel Narvai Paulo Fernandes Silveira Vladimir Safatle Gabriel Cohn Marcelo Módolo Leda Maria Paulani Michel Goulart da Silva Bruno Machado José Dirceu Marjorie C. Marona Samuel Kilsztajn José Costa Júnior João Sette Whitaker Ferreira José Luís Fiori Caio Bugiato Remy José Fontana Claudio Katz Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Fábio Konder Comparato Eliziário Andrade Ricardo Musse Luis Felipe Miguel Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães Luiz Marques Gilberto Maringoni Valerio Arcary Marilena Chauí Andrew Korybko Ari Marcelo Solon Matheus Silveira de Souza Carla Teixeira André Márcio Neves Soares Chico Whitaker Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Jean Pierre Chauvin Michael Roberts Eugênio Bucci João Adolfo Hansen Ricardo Abramovay Daniel Brazil Luiz Renato Martins Marcus Ianoni Henry Burnett Daniel Costa Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES