As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Carta de fundação do MBP

Imagem: Alexandre Saraiva Carniato
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MOVIMENTO BRASIL POPULAR*

Carta da Assembleia Nacional de Lutadores e Lutadoras do Povo – Luiz Gama

Entre os dias 17 e 20 de março, mais de 500 lutadores e lutadoras do povo brasileiro, militantes dos mais diversos movimentos populares, de juventude, do movimento negro, feminista, LGBTQIA+, camponês, sindical e por direitos sociais, estiveram reunidos em Belo Horizonte (MG), com o objetivo de debater a profunda crise pela qual passa o Brasil, mas sobretudo discutir qual organização necessária para derrotar o fascismo junto à e numa relação de complementação com as forças políticas comprometidas com a democracia, ao passo que enfrentamos os problemas concretos do povo e cultivamos a perspectiva de emancipação do povo brasileiro.

Vivenciamos um cenário internacional complexo, marcado pela ofensiva do imperialismo sobre o sul global, provocando novas guerras e ameaçando o direito dos povos à autodeterminação; por uma crise econômica internacional que tem aprofundado a superexploração dos trabalhadores e das trabalhadoras, a exploração desenfreada e irresponsável de bens naturais, saqueando as riquezas de países dependentes, acelerando a emergência climática e crimes ambientais por todo o mundo; e marcado também por fortes questionamentos a ordem política internacional, comandada pelos Estados Unidos da América.

Na América Latina temos presenciado a retomada de grandes mobilizações de massa, com destaque para a luta das mulheres pela descriminalização do aborto, dos povos indígenas, e pela radicalização da democracia, que foram combinadas com importantes vitórias eleitorais no Peru, Chile e Honduras, processo este que, caso as forças democráticas e populares sejam vitoriosas também na Colômbia e no Brasil, abre a possibilidade de um novo ciclo de governos progressistas no continente.

No Brasil, temos visto o aprofundamento das crises política, econômica, ecológica, sanitária e social. O governo Bolsonaro é o principal responsável pelos mais de 650 mil brasileiros e brasileiras mortos devido à pandemia da Covid-19, pelos mais de 19 milhões que passam fome e pelos mais de 14 milhões de desempregados no país.

Por isso, nossa tarefa fundamental para o próximo período é derrotar Bolsonaro e eleger Lula presidente da República. Por essas questões, estamos afirmando que a reconstrução da Nação perpassa pela construção de um forte movimento político de massas, que eleja Lula presidente e que combine as diversas formas de luta: social, institucional e ideológica, com centralidade no fortalecimento da organização popular.

Esse movimento político compreende que as transformações estruturais no Brasil serão obra de milhões de brasileiros e brasileiras que lutam. Compreende, também, a importância de alterar a correlação de forças institucional, com a eleição de parlamentares progressistas, para reverter o conjunto de medidas antidemocráticas e antipopulares implementadas a partir do Golpe parlamentar de 2016 que retirou Dilma Rousseff da Presidência da República.

Para isso, precisamos transformar a forte referência política que Lula possui no povo brasileiro em organização popular, e para essa tarefa apontamos a construção de Comitês Populares Lula Presidente, que disputem a hegemonia na sociedade através de um Projeto Nacional de Desenvolvimento que possa contribuir para a reconstrução do Brasil.

Desse modo, nossas tarefas políticas e organizativas para o próximo período são: (1) se construir enquanto um movimento político, social e cultural, de caráter nacional e de massas; (2) construir, em todos os territórios onde estamos inseridos, os Comitês Populares da candidatura Lula; (3) fortalecer a unidade do campo democrático e popular, em especial nossa relação com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Partido dos Trabalhadores (PT).

Ao mesmo tempo, reivindicamos parte significativa da nossa trajetória política anterior, em especial nosso compromisso com a construção de um Projeto Popular para o Brasil, que contemple a diversidade do nosso povo; o compromisso com o trabalho de base e uma organização vocacionada para a luta de massas; o compromisso com a unidade das forças populares e o fortalecimento dos diversos movimentos populares do país.

Inspirados pela história de Luiz Gama e do movimento abolicionista radical brasileiro, adicionamos o compromisso com a igualdade étnico-racial como um dos pilares fundamentais da construção do Projeto Popular, pois compreendemos que a luta antirracista é parte estrutural da luta da classe trabalhadora no Brasil. Cada militante sai dessa assembleia reafirmando seu compromisso e animação com a luta popular e os grandes enfrentamentos políticos que virão este ano, tendo a certeza de que o povo brasileiro é o sujeito das grandes transformações sociais em nosso país.

A partir de hoje, nossa ferramenta organizativa será o Movimento Brasil Popular, que carrega em seu nome a expressão das lutas nacionais por libertação do povo brasileiro, ao mesmo tempo que, no ano do bicentenário da independência, apontamos que queremos um Brasil a serviço de seu povo, que realize a segunda independência e a verdadeira abolição, concretizando um projeto nacional, soberano, popular e socialista.

Pátria Livre. Venceremos!

*Movimento Brasil Popular é formado pelo conjunto de militantes que saiu da Consulta Popular em 2021.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Ronald León Núñez Sergio Amadeu da Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Roberto Bueno Roberto Noritomi Lorenzo Vitral José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Marjorie C. Marona Berenice Bento Renato Dagnino Alexandre de Freitas Barbosa Osvaldo Coggiola Juarez Guimarães Kátia Gerab Baggio Salem Nasser João Adolfo Hansen Julian Rodrigues Celso Frederico Luiz Costa Lima João Lanari Bo Heraldo Campos Jorge Branco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero José Geraldo Couto Annateresa Fabris Vanderlei Tenório Valerio Arcary André Singer André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Werneck Vianna Leonardo Avritzer Ladislau Dowbor Eugênio Bucci Michael Roberts Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Francisco Fernandes Ladeira Marcos Silva Flávio Aguiar Marcelo Guimarães Lima Flávio R. Kothe José Raimundo Trindade Dênis de Moraes Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Ricardo Abramovay Rafael R. Ioris João Sette Whitaker Ferreira Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves Paulo Sérgio Pinheiro Caio Bugiato Airton Paschoa Daniel Costa Ricardo Musse Elias Jabbour Gerson Almeida Tadeu Valadares Everaldo de Oliveira Andrade Remy José Fontana Manuel Domingos Neto Paulo Capel Narvai Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Jean Pierre Chauvin Ricardo Fabbrini Paulo Fernandes Silveira Atilio A. Boron Luiz Renato Martins Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca Leda Maria Paulani Vladimir Safatle Claudio Katz Maria Rita Kehl Mário Maestri Ricardo Antunes Andrew Korybko Ari Marcelo Solon Bento Prado Jr. Marcelo Módolo Lincoln Secco Anselm Jappe Fábio Konder Comparato José Dirceu Marilena Chauí Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Luiz Eduardo Soares Priscila Figueiredo Daniel Brazil Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque Armando Boito Leonardo Boff Luiz Marques Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Yuri Martins-Fontes José Machado Moita Neto Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber Eleonora Albano Igor Felippe Santos Jean Marc Von Der Weid Daniel Afonso da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Otaviano Helene Rubens Pinto Lyra Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira Chico Whitaker Paulo Martins Rodrigo de Faria Luciano Nascimento Carlos Tautz Eugênio Trivinho Michael Löwy Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior José Micaelson Lacerda Morais Eleutério F. S. Prado Valério Arcary Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Henry Burnett Alysson Leandro Mascaro Liszt Vieira Gilberto Maringoni Tarso Genro João Carlos Salles Fernão Pessoa Ramos Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens João Feres Júnior Érico Andrade Eduardo Borges Antonio Martins Bruno Machado Chico Alencar Leonardo Sacramento Denilson Cordeiro Slavoj Žižek Francisco Pereira de Farias Gilberto Lopes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada