As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Bruno Monteiro Aiub, vulgo “Monark”

Imagem: Emmet
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Muito antes de Monark o neoconservadorismo vem cavando raízes no Brasil, dando voz a idiotas e fascistas

Jair M. Bolsonaro não foi um raio em céu azul. O reacionarismo crescia há tempos no Brasil, na forma de um neoconservadorismo. Macaqueando os EUA, já tínhamos aqui nossos fundamentalistas religiosos, nossos humoristazinhos reaças e sem graça e todo um movimento político-cultural que vinha abrindo espaço, alargando imites. Lembrem-se de programas televisivos como CQC, ou o lixo do Pânico.

Esse neoconservadorismo, inspirado no Tea Party estadunidense, bem antes até do Trump virar modinha, foi cavando raízes aqui. Bolsonaro não teria sido eleito se o ambiente sócio-cultural-político não estivesse tão contaminado pelas ideias, valores e símbolos neocons.

O Pânico na TV (2003-2012) foi um dos vetores importantes na construção do ambiente reacionário, para não falar do CQC, entre tantos outros. Mesmo durante os governos do PT, avançou muito e de todo jeito, a difusão de valores conservadores, moralistas, reacionários, autoritários, racistas, machistas, homofóbicos e transfóbicos.

Bruno Monteiro Aiub, vulgo “Monark” é só a bola de vez. Sintoma e símbolo.

As redes sociais e todas inovações e tal vieram juntas com muito irracionalismo, fora a permissão tácita de divulgar qualquer besteira como se fosse algo sério, mais os discursos de ódio e as oportunidades para que qualquer bobalhão ou bobalhona ficassem famosos, ricas e ricos, desde que abarrotados de cliques.

O Flow Podcast é um dos maiores desse segmento. Apresentado por Igor Coelho (discreto e preciso) e por Monark, virou referência.

Monark nunca escondeu sua abissal ignorância. Pelo contrário, se orgulha de ser inculto e iletrado. Em inúmeras entrevistas, passou muita vergonha – mas sempre mantendo a pose. Defensor do capitalismo neoliberal de forma aberta, mesmo sem muitos argumentos, sei lá por qual razão esse podcast bombou muito.

Um dia a casa cai. No último dia 7 de fevereiro, entrevistando a deputada funcionária do bilionário Jorge Paulo Lehman (Tábata Amaral) e Kim Kataguiri, Monark soltou pérolas indigestas. Defendeu abertamente o direito dos nazistas se organizarem em um Partido. (Antes de defender os nazi, o moço disse que a esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical).

Além de defender o direito dos nazistas, o gênio Monark diz que “ a gente tem que liberar tudo, porque se o cara quiser ser anti-judeu ele tem o direito de ser”.

Nem vamos destacar agora que o nazismo não perseguia somente judeus, mas também a população LGBT, ciganos, comunistas, pessoas com deficiência.

Monark não está sozinho. Já faz um tempinho que a extrema-direita e os neofascistas de Bolsonaro vêm difundindo a ideia de que a liberdade de expressão é ilimitada. Não, não é. Os direitos humanos são um conjunto indissociável, nenhum deles se sobrepõe ao outro. A liberdade de expressão não é maior que o direito à dignidade humana, à pluralidade, à não discriminação.

Discurso de ódio não é direito humano. Liberdade de expressão não é permissão para propagar discriminação. Disseminar ofensas não é algo protegido pela liberdade de expressão. Ninguém pode falar algo que desqualifique outro ser humano e incite o ódio.

O fato é que o imbecil do Monark só chegou a esse ponto porque estamos num ambiente toxico. Monark é cria do bolsonarismo. Não vai ser suficiente derrotar Bolsonaro nas urnas. Vamos ter que construir um movimento amplo de “desfascistização” do Brasil. Muita luta cultural. Ideológica. Disputa de valores. Sem concessões.

Contra o autoritarismo, a democracia.  Contra o machismo, a igualdade de gênero. Contra a violência, a cultura de paz. Enfrentar já o racismo com a afirmação dos direitos da população negra nesse país preto. No lugar da discriminação às LGBT, o respeito à diversidade sexual e de gênero.

Sairá a manipulação da fé popular e o fundamentalismo religioso. Alternativamente propagaremos a laicidade do Estado e a pluralidade das crenças. Desbolsonarizar o Brasil não será tarefa fácil. E nem imediata. Contudo, a luta pela democracia precisa começar imediatamente. Mas não dá mais para contemporizar com os monarks da vida (bolsominions em profusão). O fascismo deve ser esmagado, de frente, sem tergiversação, sem titubeios. A batalha cultural, nos meios de comunicação, no dia a dia é imprescindível. Cercear os espaços desses imbecis neofascistas.

*Julian Rodrigues, professor e jornalista, é ativista LGBT e dos Direitos Humanos.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Roberto Bueno Rodrigo de Faria Otaviano Helene José Luís Fiori Rafael R. Ioris Tales Ab'Sáber Marcos Aurélio da Silva Marcus Ianoni Annateresa Fabris João Sette Whitaker Ferreira Antônio Sales Rios Neto Mariarosaria Fabris Celso Favaretto Luis Felipe Miguel Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Sérgio Pinheiro Ronald León Núñez Jorge Luiz Souto Maior Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Nogueira Batista Jr André Márcio Neves Soares Carlos Tautz Luiz Werneck Vianna Kátia Gerab Baggio Caio Bugiato Renato Dagnino Marcelo Módolo Vanderlei Tenório Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gerson Almeida Jean Marc Von Der Weid Luiz Marques Remy José Fontana Leda Maria Paulani Daniel Brazil Heraldo Campos Thomas Piketty Ronald Rocha Juarez Guimarães Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Marjorie C. Marona Valério Arcary Vladimir Safatle Ricardo Abramovay Eduardo Borges Salem Nasser Tarso Genro Eleonora Albano Ricardo Antunes Eleutério F. S. Prado Elias Jabbour Airton Paschoa Samuel Kilsztajn Daniel Afonso da Silva Ladislau Dowbor Rubens Pinto Lyra Luís Fernando Vitagliano Chico Alencar Marcos Silva Jorge Branco Lorenzo Vitral Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gabriel Cohn Celso Frederico João Carlos Salles Luiz Eduardo Soares Luiz Costa Lima José Costa Júnior Valerio Arcary Maria Rita Kehl Michael Löwy Paulo Capel Narvai Leonardo Boff Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Liszt Vieira João Carlos Loebens Mário Maestri Érico Andrade Osvaldo Coggiola Ari Marcelo Solon Manchetômetro Eliziário Andrade Francisco Fernandes Ladeira Michael Roberts Atilio A. Boron Francisco de Oliveira Barros Júnior Bento Prado Jr. Yuri Martins-Fontes Anderson Alves Esteves Bruno Machado João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento Alysson Leandro Mascaro André Singer Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira Lucas Fiaschetti Estevez Bernardo Ricupero Denilson Cordeiro Afrânio Catani João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos Jean Pierre Chauvin Alexandre de Freitas Barbosa João Adolfo Hansen Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais Andrew Korybko Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Anselm Jappe Manuel Domingos Neto José Geraldo Couto José Raimundo Trindade Paulo Martins Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Roberto Noritomi Lincoln Secco Armando Boito João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Claudio Katz Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Leonardo Avritzer Henri Acselrad Flávio R. Kothe Tadeu Valadares Chico Whitaker Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Paulo Fernandes Silveira Eugênio Trivinho Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Fernando Nogueira da Costa Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto Eugênio Bucci Antonino Infranca Daniel Costa Sandra Bitencourt Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento Priscila Figueiredo José Dirceu Dênis de Moraes Marilena Chauí Antonio Martins Henry Burnett Igor Felippe Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada