Neoliberalismo e financeirização da Amazônia

Imagem: Paula Nardini
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ RAIMUNDO BARRETO TRINDADE*

A financeirização da economia política brasileira, somada a crescente mercantilização da região amazônica, subordinada a regras de rentismo e concentração das terras

A década de 1990 estabelece um conjunto contraditório de políticas de intervenção econômica estatal sobre a Amazônia brasileira. A crise econômica que se estabeleceu ao final do regime militar, marcado pela alta da dívida pública externa, paulatina falência do Estado brasileiro e crise de estagnação econômica e hiperinflação, levou ao recrudescimento das ações do Estado referentes as políticas de exploração dos recursos minerais, energéticos e das terras agriculturáveis da região, o que não implicou na extinção das políticas de renúncia fiscal e/ou de financiamentos públicos que beneficiavam fundamentalmente o grande capital centrado nessas atividades.

Como bem notou, com certa antecipação no tempo, o professor Otávio Ianni (1979, p. 237), o “que predominou no desenvolvimento capitalista extensivo havido na Amazônia foi a política de produzir para exportar”. Após a falência do regime militar, diga-se falência fundamentalmente econômica, o aprofundamento dos desequilíbrios nacionais do balanço de pagamentos, encetou uma dupla lógica sobre o amplo território nacional: a expansão da produção agrária para exportação e a intensificação dos esforços de extração mineral. A Amazônia se tornou na virada da década de 1980 o maior espaço condizente com o padrão econômico que o regime militar decadente legava a democracia liberal restrita brasileira.

Na segunda metade dos anos 1990, as políticas neoliberais adotadas pelo governo brasileiro envolveram diversas mudanças estruturais, incluindo o processo de abertura comercial, a desoneração das exportações e a redução da participação estatal na economia, que culminou com a privatização de várias empresas estatais, incluindo a Companhia Vale do Rio Doce em 1997. A privatização da maior mineradora latino-americana teve e tem um conjunto de repercussões sobre a região, com notáveis repercussões nacionais.

Aliado ao processo de exploração mineral e privatização característicos do período, observa-se também a expansão do mercado de terras na Amazônia. O texto que segue explora a dinâmica que consideramos siamesa: a financeirização da economia política brasileira, somada a crescente mercantilização da região amazônica, subordinada a regras de rentismo e concentração das terras. Para tratar esses elementos nos utilizaremos autores já estabelecidos, como o citado Otavio Ianni (1979), mas teremos também a base de apoio do trabalho intelectual do professor Francisco de Assis Costa (2012), um dos autores contemporâneos mais lúcidos no que se refere a análise da “problemática amazônica.

A lógica econômica dos anos 1990 em diante são estabelecidos desde quatro frentes de ação do capital em consonância com o Estado brasileiro: (i) primeiramente e, tanto ou mais negligenciado pelas análises, refere-se ao poder herdado pela antiga estatal Companhia Vale do Rio Doce (CVRD) e concedido aos setores de apropriação privadas nacionais e internacionais, especialmente a enorme transferência de terras para controle privado e ganhos especulativos com a manipulação dessas terras; (ii) os movimentos de apropriação de terras por segmentos da produção de grãos em grande escala, algo que se tornará visível nos movimentos de concentração das terras; (iii) o estimulo creditício, desde os bancos estatais, para os grandes produtores e latifúndios, intensificando a capacidade de compra e concentração de terras; (iv) por fim e mais que central, esse conjunto de movimentos estabelecem a condição econômica de financeirização da Amazônia, inclusive com o uso de ferramentas pretensamente progressistas, mas cuja base é a apropriação das terras, a espoliação da natureza e a destruição de culturas locais, o exemplo mais conhecido são os diversos títulos e derivativos de exploração ou proteção ambientais (REDD+, entre outros).

A década de 2000 representou um período de forte expansão da produção de commodities no Brasil, impulsionada pela expressiva alta dos preços internacionais (absolutos e relativos) relacionado com o efeito-China e outros fatores como custo, taxa de câmbio e financeirização (TRINDADE&OLIVEIRA, 2017). No caso das commodities minerais, o fluxo internacional se desenvolveu muito com o aumento da demanda chinesa a partir do início década passada, mantendo taxas elevadas de crescimento apesar da crise de 2008/2009.

Seguindo o impulso da forte valorização das commodities minerais no mercado internacional, na década de 2000 as exportações de minério de ferro do Pará aprestaram uma taxa de crescimento de 7,4% ao ano ente 2000 e 2010, com o valor das exportações saltando de US$ 681 milhões para expressivos US$ 6.900 bilhões tendo seu preço médio (dólar/ton) alcançado um aumento de 91,23% ao ano, conforme gráfico abaixo.

Exportação e Valor Exportado de Minério de Ferro pelo Estado do Pará (1997 – 2015)

Fonte: SECEX/MDIC, Sistema AliceWeb. Elaboração própria.

Tomando como referência o intervalo de 2005 a 2015 o volume exportado mais do que dobra, atingindo um pico de 123,7 milhões de toneladas no ano de 2015, o que representou um crescimento de 10,3% ao ano no período. Com um crescimento exponencial desde 1997 (ano de privatização da CVRD), em fevereiro de 2011 o preço internacional do minério de ferro alcança seu maior nível: US$ 187 dólares/ton. métrica seca, mas mesmo que venha apresentando oscilações nos último dez anos, mas mantêm-se acima de US$ 100 dólares (Fonte: Index Mundi. Acesso: https://www.indexmundi.com/pt/pre%E7os-de-mercado/?mercadoria=min%C3%A9rio-de-ferro).

Enquanto os chineses estão lavrando minério de ferro com teores cada vez mais baixos e com custos de produção elevados, atualmente em torno de US$ 100/ton. No Brasil a matéria prima é lavrada a uma média de US$ 20 por tonelada, sendo que nas minas de Carajás, o minério com teor de 66% de ferro, pode ser lavrado a US$ 15/ton (TRINDADE&OLIVEIRA, 2011; CRUZ&TRINDADE, 2021). Considerando a relação entre as minas chinesas (minas de menor produtividade e qualidade) e as minas de Carajás, pode-se estimar, somente aproximadamente, a elevada renda diferencial que a Companhia Vale se apropria. A renda suplementar pode ser vista como o diferencial entre os custos de produção das minas de Carajás e os custos de produção das minas chinesas, assim considerando os valores de 2010 apresentados pela Vale referente a Carajás, temos uma diferença de US$ 85. Nestes termos, maior a diferença entre os custos de produção, maior o lucro suplementar resultante de Renda Diferencial I, resultante da qualidade do minério e da escala de produção possível, elemento central para viabilizar a estrutura de logística necessária.

No caso das commodities minerais, o que realmente afeta a oferta é a capacidade produtiva existente e os custos de produção, assim, dado que a capacidade produtiva é estabelecida pelos limites naturais de produção (volume minerário), oscilações na tendência de crescimento da demanda podem deixar a indústria de mineração com capacidade ociosa, implicando na necessidade de redução de custo. Por outro, um crescimento inesperado e acelerado da demanda pode elevar os preços de mercado ao ponto de tornar viável operação de minas com custos de extração altos ou crescentes e por período relativamente longo, gerando rendas diferenciais para as minas de maior produtividade.

Essas características estabelecem três movimentos notáveis e problemáticos: (i) primeiramente, as plantas de extração mineral amazônicas são de muito baixos custos, não por conta de aspectos tecnológicos, em primeiro momento, mas pelas características de extração e teor do minério, assim as minas podem ser exploradas até sua exaustão, pois sempre estará com custos muito abaixo da média d oscilação dos preços internacionais; (ii) a desregulação econômica (fiscal e ambiental) brasileira tornam a Amazônia um centro de exploração expansivo, sendo que a capacidade extrativa se torna espoliativa e degradadora da natureza até o limite da exaustão natural; (iii) esses elementos se somam a condição mais notável desses últimos anos, que são os ganhos rentistas, a base de produção se torna somente o nexo para transferências crescentes e de curto prazo dos dividendos a serem repassados aos controladores acionários da empresa.

O mercado financeiro foi o grande beneficiário com a privatização da Companhia Vale do Rio Doce, suas ações passaram a ser comercializadas a partir de 2000 na Bolsa de Valores de Nova York (NYMEX), fato que alterou completamente o caráter da empresa, que passou a integrar o processo de financeirização das commodities. Com a elevação dos preços, o minério de ferro passou a ocupar cada vez mais espaço na balança comercial brasileira. Em 2013 o lucro líquido gerado pela empresa foi de US$ 406 milhões, o que permitiu que fossem distribuídos aos acionistas US$ 4,5 bilhões em dividendos. Os dividendos distribuídos pela Companhia Vale estão entre os maiores distribuídos entre as “players” internacionais: entre 2011 e 2022 a mineradora distribuiu para os controladores, na forma de dividendos e JCP (juros sobre o capital próprio) cerca de 132 bilhões de reais (conferir: http://www.vale.com/brasil/PT/investors/equity-debt/dividends-ise/Paginas/default.aspx).

A lógica rentista que impulsiona a mineração na região se mantém baseada na utilização de vantagens comparativas decorrentes de acesso privilegiados aos recursos naturais a baixo custo, facilidades creditícias e tributárias, elevada relação capital/trabalho e baixa difusão tecnológica. Articulada a dinâmica global de acumulação e de financeirização das commodities minerais, os procedimentos industriais padronizados da mineração do ferro não necessitam interagir (salvo em situações especificas) com outros arranjos produtivos e com a diversidade local e regional reforçando a concentração de rendas e as desigualdades territoriais. A persistência da mineração industrial (não apenas do minério de ferro) em bases primário-exportadora, pouco contribui para internalizar dinâmicas econômicas, sociais e ambientais duradoras e nesse sentido, não constitui vetor sustentável de desenvolvimento local e regional de longo prazo.

Cabe reforçar que os controladores capitalistas recebem lucros extraordinários como forma de perpetuidade pelas vantagens minerárias que passam a dispor desde a concessão do direito de lavra pelo Estado (após a privatização), pois o subsolo passa a constituir mero espaço de fruição de bem apropriável privadamente, por mais que a legislação estabeleça a lavra enquanto concessão pública. Assim, os controladores capitalistas minerários se apropriam da renda diferencial possibilitada pelas minas de qualidade superior encravadas no subsolo amazônico, o que explica o alentado volume de dividendos distribuídos para os controladores internacionais, base do atual processo de financeirização do capitalismo, onde a Amazônia, suas minas e suas terras estão no centro do processo mundial.

Aspecto que deve ser ressaltado é que o nível desse lucro suplementar é dado pela diferença entre a produtividade individual e a produtividade média, e o preço de produção que prevalece dentro da indústria mineral. Porém essa força natural não é a fonte da riqueza acrescida (mais-valia) e sim somente sua base natural, sendo que a circulação do capital é o que proporciona esse processo, dado a crescente apropriação e transformação em elemento do processo reprodutivo de novas jazidas minerais de teores, facilidade de exploração do filão mineral e localização da mina em relação aos principais centros de demanda internacional.

Concomitante a financeirização do subsolo, cuja apropriação passa a ser quase visceral, observa-se a mercantilização da terra em larga escala, algo que trataremos em texto próprio, pela importância e papel que cumprirá na próxima fase de reprimarização da economia brasileira, com repercussões de grande monta sobre o Brasil e o mundo.

*José Raimundo Trindade é professor do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da UFPA. Autor, entre outros livros, de Seis décadas de intervenção estatal na Amazônia (Paka-tatu).

Referências


TRINDADE, José Raimundo Barreto e OLIVEIRA, Wesley Pereira de. Especialização produtiva primária e meio ambiente em período recente na Amazônia. In: Novos Cadernos do NAEA, Vol. 14, N. 02, 2011. Acesso em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/view/539.

TRINDADE, José Raimundo Barreto e OLIVEIRA, Wesley Pereira de. Padrão de especialização primário-exportador e dinâmica de dependência no período 1990-2010, na economia brasileira. In: Ensaios FEE, Vol. 37, N. 04 (2017). Acesso em: https://revistas.planejamento.rs.gov.br/index.php/ensaios/article/view/3435.

CRUZ, Adejard Gaia e TRINDADE, José Raimundo Barreto. Amazônia Paraense: dois séculos de extrativismo e especialização primário-exportadora. In: Revista de Economia Regional, Urbana e do Trabalho, Vol. 10, N. 02, 2021. Acesso em: https://periodicos.ufrn.br/rerut/article/view/27428.

IANNI, Octavio. Ditadura e agricultura. São Paulo: Civilização Brasileira, 1979.

COSTA, Francisco de Assis. Elementos para uma economia política da Amazônia. Belém: NAEA, 2012.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Mário Maestri Osvaldo Coggiola Chico Whitaker Tarso Genro Marcelo Guimarães Lima Jorge Luiz Souto Maior Eliziário Andrade Julian Rodrigues Caio Bugiato Celso Frederico Yuri Martins-Fontes Afrânio Catani Ricardo Abramovay Marjorie C. Marona Bruno Fabricio Alcebino da Silva Gilberto Lopes José Micaelson Lacerda Morais Carla Teixeira Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Claudio Katz José Luís Fiori Remy José Fontana Igor Felippe Santos Ricardo Fabbrini Alysson Leandro Mascaro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Maria Rita Kehl Marcelo Módolo Annateresa Fabris João Carlos Loebens João Paulo Ayub Fonseca Gabriel Cohn Celso Favaretto Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro Anselm Jappe Antonio Martins Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Bernardo Ricupero Daniel Costa Ricardo Antunes Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Michael Roberts Tadeu Valadares Luís Fernando Vitagliano João Lanari Bo Airton Paschoa Paulo Martins Leonardo Avritzer Heraldo Campos Michel Goulart da Silva Paulo Fernandes Silveira Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Juarez Guimarães João Feres Júnior Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Armando Boito Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Francisco de Oliveira Barros Júnior Ronald León Núñez Lorenzo Vitral Manuel Domingos Neto Eduardo Borges Antonino Infranca Flávio R. Kothe Daniel Afonso da Silva Fernando Nogueira da Costa Vinício Carrilho Martinez Daniel Brazil Paulo Nogueira Batista Jr Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Anderson Alves Esteves Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Jean Marc Von Der Weid Luis Felipe Miguel Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo Thomas Piketty Eleonora Albano Alexandre de Freitas Barbosa Mariarosaria Fabris Chico Alencar João Carlos Salles Eugênio Bucci Matheus Silveira de Souza José Dirceu Benicio Viero Schmidt Marcos Aurélio da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Vladimir Safatle Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Érico Andrade Ronald Rocha Leonardo Boff Berenice Bento André Singer Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko Leda Maria Paulani Fernão Pessoa Ramos João Adolfo Hansen Jorge Branco Everaldo de Oliveira Andrade Gerson Almeida Marcus Ianoni Flávio Aguiar Ronaldo Tadeu de Souza Otaviano Helene Bruno Machado Ladislau Dowbor Bento Prado Jr. Renato Dagnino Lucas Fiaschetti Estevez Andrés del Río Elias Jabbour Manchetômetro André Márcio Neves Soares Priscila Figueiredo José Raimundo Trindade Henry Burnett Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Dennis Oliveira Ari Marcelo Solon Eugênio Trivinho Lincoln Secco Tales Ab'Sáber Luiz Renato Martins Luciano Nascimento Paulo Capel Narvai Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias João Sette Whitaker Ferreira Denilson Cordeiro Marcos Silva Samuel Kilsztajn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada