As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Almas bárbaras

Carlos Zilio, O MOMENTO DO FERIMENTO, 1970, caneta hidrográfica sobre papel, 47x32,5
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCIO SALGADO*

O assassinato de Moïse mostra que o sistema político que produziu a barbárie faz de conta que ela é fruto do acaso

As imagens do assassinato de Moïse, imigrante congolês espancado até a morte na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro falam por si, e não se trata de um fato raro o qual somos chamados a testemunhar, pois tragédias como esta são recorrentes em todo o país.

O nosso testemunho deveria contribuir para mudanças de rumo, porém, como disse o filósofo grego Heráclito de Éfeso (540 – 470 a.C.): “Para homens que têm almas bárbaras, olhos e ouvidos são más testemunhas”.

É verdade que de nada vale ter olhos e ouvidos perfeitos se não se quer enxergar e ouvir a realidade. Os brasileiros assistem com um misto de revolta e indignação, outros com total indiferença, à naturalização da barbárie. São monstros os que o mataram, a Justiça deve ocupar-se deles. Mas uma sociedade que alimenta o racismo, a xenofobia e o ódio ao que é diverso também é cúmplice deste ato.

O tempo atual apresenta-nos outras tragédias – individuais e coletivas – que não são exclusivas nossas, mas se disseminam mundo afora com a pandemia. O isolamento prolongado ensinou que o inimigo pode estar no próprio indivíduo, e que não é possível fugir de si mesmo.

No mundo em movimento de Heráclito o devir é a regra, que se expressa poeticamente no fragmento: “Não é possível entrar duas vezes na mesma água do rio”. Ou, conforme outra variação: “Nos mesmos rios entramos e não entramos, somos e não somos”. As águas que passam incessantes são sempre outras, bem como também o ser.

A pandemia nos mostrou o outro lado do rio. Durante dois anos – algumas batalhas vencidas, outras dolorosamente pedidas – ficamos isolados com a sensação de que tudo girava ao redor da mesma sala, na companhia de uma ou duas pessoas próximas. Mas é razoável supor que a repetição tenha-nos ensinado as lições das experiências trágicas, levando-nos a refazer a vida por outros atalhos, enquanto a correnteza de águas turvas do coronavírus alagava as margens do nosso convívio. Uma palavra do outro lado da linha bastava à sensibilidade.

As lives dos artistas, dos cientistas e de todos os que se aventuravam a dizer alguma coisa sobre o insólito da vida cotidiana durante uma pandemia entraram e saíram de moda, enquanto a população continuava a ver o perigo de contágio diante dos olhos com o surgimento das novas variantes. Não faltaram palavras de apoio, mas a repetição dos rituais virou um aborrecido mormaço.

O ser da mudança de Heráclito obedecia a uma lei universal que harmonizava as tensões. “Tudo se faz por contraste; da luta dos contrários nasce a mais bela harmonia”. No seu pensamento os opostos se encontram, assim como o arco e a lira. Essas oposições não se transformam numa desordem inconciliável, pois a unidade essencial do ser, como de todas as coisas, abriga a multiplicidade.

Não se pode assegurar com exatidão o significado de conceitos que datam de tempos tão distantes. No caso de Heráclito, as leituras baseiam-se numa intertextualidade quase sem fim. Hoje falamos em diversidade – cultural, étnica, religiosa, sexual – para traduzir a convivência entre grupos de indivíduos na sociedade. As vozes se harmonizam dentro de um mesmo espaço, com as divergências de praxe. Contudo, jamais devemos esquecer: o mundo tem muitos lados onde habitam as almas bárbaras.

A intolerância pode alcançar o indivíduo na primeira esquina, a sua reação ao diferente é violenta e brutal. O outro, que antes era invisível, agora transformou-se num elemento desafiador. Ele tem outra cultura, outros valores, outro jeito de estar no mundo. A sua presença é incômoda, o seu festejo uma ofensa e a sua reza uma heresia.

Há os que defendem a intolerância sem constrangimentos, inclusive nas mídias. Há poucos dias, o apresentador de um site com milhares de seguidores defendeu numa entrevista com deputados federais a ideia de que no Brasil deveria haver legalmente um partido nazista, além de estabelecer um debate com os nazistas. Fica a pergunta: no campo das ideias ou nos campos de concentração transformados em museus?

Não são raras as vezes em que se confundem propostas desse tipo com liberdade de expressão. Após defender o sistema que exterminou milhões judeus, o youtuber lançou um patético pedido de desculpas que pessoa alguma fora do seu círculo considerou. Era uma encenação para contornar o estrago, pois os patrocinadores do site de ideias pantanosas que dirigia bateram em retirada.

O sistema político que produziu a barbárie faz de conta que ela é fruto do acaso. Os crimes resultantes de discriminação ou preconceito estão previstos em lei, com punições rigorosas que deviam coibir a violência, afinal não foram elaboradas senão com este objetivo. No Brasil não faltam leis, mas a realidade é insuperável em seus recados.

*Marcio Salgado é jornalista e escritor. Autor, entre outros livros, do romance O filósofo do deserto (Multifoco).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão Roberto Bueno Francisco Pereira de Farias Flávio Aguiar Eleutério F. S. Prado Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Ari Marcelo Solon Jean Pierre Chauvin Rafael R. Ioris Maria Rita Kehl Alexandre de Lima Castro Tranjan Rodrigo de Faria Eliziário Andrade Vladimir Safatle Luiz Roberto Alves Claudio Katz Michael Roberts Samuel Kilsztajn Afrânio Catani Eugênio Trivinho Elias Jabbour Gilberto Maringoni Sergio Amadeu da Silveira Rubens Pinto Lyra Thomas Piketty André Márcio Neves Soares Juarez Guimarães Gerson Almeida Antônio Sales Rios Neto Fernando Nogueira da Costa Leonardo Avritzer Roberto Noritomi Vanderlei Tenório Andrew Korybko João Adolfo Hansen Dênis de Moraes Daniel Costa Kátia Gerab Baggio Francisco de Oliveira Barros Júnior João Carlos Loebens Remy José Fontana Marcelo Guimarães Lima Paulo Fernandes Silveira Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt Bruno Machado Daniel Brazil Anderson Alves Esteves Celso Favaretto Érico Andrade José Dirceu Chico Whitaker Jorge Branco Sandra Bitencourt Luiz Renato Martins Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Lorenzo Vitral Fernão Pessoa Ramos Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Denilson Cordeiro Alysson Leandro Mascaro Heraldo Campos Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Alexandre de Freitas Barbosa Anselm Jappe Ladislau Dowbor Marcos Silva Eugênio Bucci Bento Prado Jr. Priscila Figueiredo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Julian Rodrigues Gabriel Cohn Otaviano Helene Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares João Lanari Bo José Raimundo Trindade Eduardo Borges Michael Löwy Celso Frederico Lucas Fiaschetti Estevez Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Caio Bugiato José Luís Fiori Armando Boito Ronald León Núñez José Costa Júnior Lincoln Secco Atilio A. Boron Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Manuel Domingos Neto José Geraldo Couto Leonardo Sacramento Yuri Martins-Fontes Tales Ab'Sáber Igor Felippe Santos Tarso Genro Luiz Werneck Vianna Ricardo Antunes Marilena Chauí Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Renato Dagnino Daniel Afonso da Silva Leonardo Boff Marcelo Módolo José Machado Moita Neto Ronaldo Tadeu de Souza Antonino Infranca Ricardo Musse Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Eduardo Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira André Singer Marcos Aurélio da Silva Slavoj Žižek João Feres Júnior João Sette Whitaker Ferreira João Carlos Salles Marjorie C. Marona Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Milton Pinheiro Antonio Martins Paulo Nogueira Batista Jr Leda Maria Paulani Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola Henry Burnett Carlos Tautz Mário Maestri Liszt Vieira Eleonora Albano Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Flávio R. Kothe Luciano Nascimento Valerio Arcary Henri Acselrad Luiz Marques Ronald Rocha Vinício Carrilho Martinez Jean Marc Von Der Weid Luís Fernando Vitagliano Valério Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada