Algumas consequências da operação Lava Jato

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Fábio Konder Comparato*

Até hoje, praticamente em todos os países, o controlador de uma empresa privada é considerado como seu dono ou proprietário. Nessa condição, ele pode usá-la ou dela dispor como um bem integrante de seu patrimônio, independentemente da dimensão da empresa, seja ela unipessoal ou multinacional. E de acordo com o dogma básico do sistema capitalista, a supressão dessa propriedade é inadmissível.

Mas em que consiste realmente uma empresa? Entra ela na classificação das diferentes espécies de bens, constante do Livro II da Parte Geral do Código Civil Brasileiro? Certamente não, pois toda empresa é integrada também pelos trabalhadores, seus empregados; pelo menos enquanto os avanços da robótica não os fizerem totalmente dispensáveis…

Pois bem, o Livro II da Parte Especial do novo Código Civil, que entrou em vigor em 11 de janeiro de 2003, tem por objeto o Direito de Empresa. Em nenhum de seus artigos, porém, consta a definição jurídica dessa instituição; regula-se, tão somente, a figura do empresário e o instituto do estabelecimento.

Acontece que toda organização empresarial, seja ela grande ou pequena, pode ser utilizada como instrumento para a prática de crimes. Os exemplos são múltiplos, bastando citar os mais comuns, como a corrupção ativa (Código Penal, art. 333), inclusive em transação comercial internacional (Código Penal, art. 337-B); a fraude em concorrência pública (Código Penal, art. 335), inclusive em transação comercial internacional (Código Penal, art. 337-C); ou os crimes contra o consumidor.

Sucedeu que, com o lançamento da chamada operação Lava Jato – a qual, segundo todas as evidências, foi concebida e orquestrada pelos norte-americanos – entraram em foco outras modalidades criminosas, cunhadas nos Estados Unidos, como a organização criminosa (Lei nº 12.850, de 2 de agosto de 2013), além de novos meios processuais de prova, como a colaboração premiada (plea bargain), regulada nos artigos 4º e seguintes da mesma lei, e amplamente utilizada na operação Lava Jato. Graças a esses “americanismos”, multiplicaram-se processos criminais intentados contra empresários – sejam eles controladores ou membros da diretoria de grandes empresas – além de colaboradores de toda sorte, tais como intermediários e corretores.

A operação Lava Jato foi posta sob o comando de Deltan Dallagnol, membro do Ministério Público Federal muito ligado aos norte-americanos; e os processos criminais dela resultantes foram, desde o início, canalizados para uma Vara da Justiça Federal de Curitiba onde, por curiosa coincidência, atuava o Juiz Sérgio Moro; muito embora nenhuma das grandes empresas neles envolvidas, a começar pela Petrobras, tenha sede na Capital do Estado do Paraná.

Sérgio Moro foi considerado pela revista Fortune, em março de 2016 – exatamente no mês em que ocorreram os famosos protestos contra o governo de Dilma Roussef –, uma das cinquenta personalidades, tidas como líderes mundiais; foi, aliás, o único brasileiro incluído nessa lista. No mês seguinte, Moro foi designado pela revista Time uma das cem pessoas mais influentes do mundo, sendo mais uma vez o único brasileiro assim considerado.

As consequências da operação Lava Jato foram seríssimas para as empresas nela envolvidas e prejudicaram, indiretamente, a economia brasileira como um todo. Mas os empresários controladores de tais empresas, graças às delações que fizeram no esquema de colaboração premiada, conseguiram safar-se em grande parte das penas privativas de liberdade e pecuniárias, cominadas para os crimes de que foram denunciados. Ou seja, como sempre neste país, os empresários são mais importantes, sob todos os aspectos, que as empresas sob o seu comando.

Como resolver a charada? A solução me parece simples, mas dificilmente será levada em consideração no ambiente capitalista-oligárquico, em que sempre vivemos. Se os réus condenados nos processos criminais são os empresários e não as empresas, por que apenar duramente estas últimas e abrandar a punição daqueles? Seria muito mais racional e conforme ao bem comum determinar em lei que o cumprimento das penas pecuniárias seja feito mediante a penhora da participação dos controladores no capital social, participação essa que seria, findo o processo penal, vendida em leilão público.

Afinal, se o controle empresarial não é uma espécie de propriedade, mas sim um instrumento de poder, dentro e fora da empresa, quem abusa desse poder deve perdê-lo, a fim de não continuar a prejudicar o bem comum da sociedade.

*Fábio Konder Comparato é Professor Honorário da Faculdade de Direito da USP e Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Claudio Katz Ladislau Dowbor Carla Teixeira Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronald León Núñez Carlos Tautz Andrew Korybko Lorenzo Vitral Daniel Costa Celso Frederico Vladimir Safatle Paulo Sérgio Pinheiro Vanderlei Tenório João Feres Júnior Mário Maestri Flávio R. Kothe Manchetômetro Juarez Guimarães Francisco Fernandes Ladeira Salem Nasser José Micaelson Lacerda Morais Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias Luiz Werneck Vianna Ricardo Antunes Ricardo Fabbrini Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Annateresa Fabris Henry Burnett Valerio Arcary Denilson Cordeiro Bernardo Ricupero Lincoln Secco Atilio A. Boron Marcos Aurélio da Silva Jorge Luiz Souto Maior Berenice Bento José Geraldo Couto Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Chico Whitaker Liszt Vieira Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Remy José Fontana Bruno Machado Paulo Capel Narvai João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Manuel Domingos Neto João Lanari Bo Tadeu Valadares Vinício Carrilho Martinez Tarso Genro Henri Acselrad Julian Rodrigues Jean Marc Von Der Weid Francisco de Oliveira Barros Júnior Samuel Kilsztajn Priscila Figueiredo Leonardo Boff Antonino Infranca Luiz Renato Martins Afrânio Catani Luciano Nascimento Paulo Fernandes Silveira Heraldo Campos Benicio Viero Schmidt Renato Dagnino André Singer José Costa Júnior Flávio Aguiar Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Marques João Carlos Loebens Paulo Martins Marjorie C. Marona Marcelo Módolo Andrés del Río Rafael R. Ioris Rodrigo de Faria Yuri Martins-Fontes Caio Bugiato Eugênio Bucci Marcelo Guimarães Lima João Adolfo Hansen Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Ronaldo Tadeu de Souza Ari Marcelo Solon Anselm Jappe Michael Roberts Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel Eleutério F. S. Prado Osvaldo Coggiola Elias Jabbour Michael Löwy Luiz Eduardo Soares Eugênio Trivinho Fernão Pessoa Ramos Dênis de Moraes Ricardo Musse Celso Favaretto Gabriel Cohn Thomas Piketty Marcos Silva Leda Maria Paulani Slavoj Žižek Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Kátia Gerab Baggio José Luís Fiori Dennis Oliveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sergio Amadeu da Silveira João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Ronald Rocha Everaldo de Oliveira Andrade Airton Paschoa Maria Rita Kehl André Márcio Neves Soares Gilberto Lopes Alysson Leandro Mascaro Armando Boito Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Matheus Silveira de Souza Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Lima Castro Tranjan Ricardo Abramovay Fábio Konder Comparato Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt Eliziário Andrade Eduardo Borges Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins João Carlos Salles Marilena Chauí José Dirceu Luiz Roberto Alves Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Sacramento Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Otaviano Helene Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Jorge Branco Michel Goulart da Silva Luiz Bernardo Pericás

NOVAS PUBLICAÇÕES