As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A destruição da sacrossanta

Imagem_Oto Vale
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO*

Nação é comunidade complexa, formada por segmentos sociais numerosos, diferenciados e sempre em disputa uns com os outros

As Ciências Sociais já demonstraram que tal entidade é mais que simples  manifestação do instinto gregário observado em agrupamentos “tribais”. Demonstraram que não é fruto “natural” do desenvolvimento socioeconômico e a submissão dos vizinhos pela força, como acreditava Hitler. Também não é crença comum num passado mítico deliberadamente sugerido pelo romantismo. Ou ainda lastreada em “tradições” fabricadas e impostas de cima para baixo.

Nação não se fundamenta em etnias, língua ou crenças religiosas. Tampouco resulta da vontade ou da determinação do Estado, em que pese o esforço ingente do poder político para moldar a sociedade e apresentar-se como sua legítima expressão.

Um alemão, Otto Bauer, cunhou a expressão “comunhão de destino” para caracterizar a nação, comunidade que se reconhece e é reconhecida quando antevê futuro promissor para seus integrantes.

Processos formadores dessas comunidades compreendem a ampla disseminação e apropriação de valores morais, predileções estéticas e, sobretudo, laços solidários, vontades ou sonhos coletivos de vida melhor.

Benedict Anderson, antropólogo traduzido em mais de quarenta idiomas, demonstrou a importância da linguagem impressa na formação das nações. Jornais, livros e músicas fazem com que pessoas que não se conhecem nem pensam do mesmo jeito se emocionem com as mesmas coisas.

A redução de desigualdades sociais, das disparidades regionais e o combate as discriminações étnicas estão no cerne da construção da nação. Alguns distinguem “questão nacional” de “questão social”. Ora, mesmo distintas, são irmãs gêmeas! Uma não pode ser “solucionada” sem a outra.

O apelido afetivo da nação é “pátria”, termo latino que remete à “terra dos pais”. O patriotismo é o amor ao lugar dos ancestrais. Esse é o mais sublime e repulsivo sentimento de uma coletividade. Por amor à pátria, seus filhos enlouquecem, matando e morrendo em grande escala, como demonstrado nas guerras mundiais e coloniais. Associada às ideias de vida e morte, a pátria firma-se como entidade sacrossanta.

Bolsonaro, com seus banqueiros, generais, pastores e milicianos, empenha-se numa cruzada maluca para destruir as frágeis estruturas da pátria brasileira.

Não me refiro apenas à sua obediência vergonhosa à potência estrangeira dominante, mas àquelas instituições e práticas que exerceram papéis indispensáveis na construção da comunidade nacional imaginada.

 

A Funai, por exemplo, que cuida dos povos originários. A relevância desses povos para a ideia de comunhão nacional foi reconhecida desde o século XIX. Pedro II, buscando encarná-la, decorou seu manto europeu com penas de aves nativas. Escritores e artistas preocupados com a formação da alma nacional exaltaram motivos indígenas, inclusive inventando “bons selvagens”. A mortandade em curso entre os originários, anula a percepção de “humanidade” e enterra o impulso primário de “defesa da terra dos pais”.

O Censo Demográfico é outro instrumento indispensável à construção da comunidade imaginada. Sem ter ideia de quantos somos, onde estamos, como vivemos e o que é possível fazer por todos, é impossível pensar em comunidade. O Censo, em essência, é o que permite tudo isso. Contabilizar o mais perfeitamente possível os problemas sociais desagregadores da comunidade nacional é o primeiro passo enfrentá-los. Adiar mais uma vez o Censo do IBGE é jogada de efeito para fragilizar a pátria.

Quanto ao travamento do avanço da educação superior e da ciência, trata-se de marretada fatal na testa da sacrossanta. A moderna comunidade nacional é fundada na ideia de futuro promissor, cujo lastro está na produção incessante de conhecimentos. Negar a ciência é negar perspectiva à pátria. Julgar que determinadas áreas do conhecimento científico são mais importantes que outras, é idiotice. Como foi mil vezes teorizado desde o tempo antigo, idiotas não captam processos constitutivos de sociedades, sejam elementares ou complexas. Ignoram os processos de produção do saber.

Permitir a queima da floresta, o desequilíbrio ecológico, a morte dos rios é demonstração de amor à pátria? Alegar que esse foi o caminho percorrido pelos países mais ricos apascenta as almas inquietas?

Um general, volta e meia, acusa um ex-chancelar de desservir a pátria denunciando no exterior o uso da Justiça para perseguições políticas. Ora, pátrias condicionam mutuamente umas às outras! Nações não existem solitariamente. Sem princípios norteadores da convivência mundial, sem contenções morais, a comunidade de nações seria um inferno dantesco! Que bobalhão perigoso, esse general! É daqueles que não sabem por quem os sinos dobram. Seu patriotismo é castrense: morre e mata pela corporação, não pelos que a mantém com o seu suor. Ama as benesses corporativas, não a multifacetária comunidade de viventes reconhecida como brasileira.

Observando conversas em supermercados e mídias sociais, pensei na possibilidade de Bolsonaro unir brasileiros em torno das mesmas preocupações…

E se o presidente agregasse esquerda, direita e centro, gente de todos os credos e origens étnicas, gente das mais variadas condições sociais, seus apoiadores e contestadores, todos em torno de uma novela policial, tipo… “por que Queiroz depositou dinheiro na conta de Michelle?”.

Não, Bolsonaro, não é como a banda de Chico Buarque, que faz toda a cidade cantar alegremente coisas de amor.

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC. Foi presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e vice-presidente do CNPq.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald León Núñez Salem Nasser Juarez Guimarães Anselm Jappe Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Gilberto Maringoni Jorge Luiz Souto Maior Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Francisco Fernandes Ladeira Luiz Roberto Alves José Costa Júnior André Singer Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Anderson Alves Esteves Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Henry Burnett Denilson Cordeiro Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima Eleutério F. S. Prado José Raimundo Trindade Ricardo Antunes Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Musse Airton Paschoa Eduardo Borges Vanderlei Tenório Rodrigo de Faria Gerson Almeida Carla Teixeira Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Celso Frederico Luiz Costa Lima Manchetômetro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Rafael R. Ioris Valerio Arcary Leonardo Boff Vinício Carrilho Martinez Luis Felipe Miguel Eleonora Albano Antonino Infranca Antonio Martins Tadeu Valadares Ricardo Fabbrini Fernão Pessoa Ramos Priscila Figueiredo Michael Roberts Andrew Korybko Jorge Branco Samuel Kilsztajn José Geraldo Couto José Luís Fiori José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade João Adolfo Hansen Lorenzo Vitral Luciano Nascimento Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Ronald Rocha Leonardo Sacramento Luiz Marques Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Brazil Celso Favaretto Alexandre Aragão de Albuquerque Marcus Ianoni Everaldo de Oliveira Andrade Chico Whitaker Thomas Piketty Ladislau Dowbor Bruno Machado Érico Andrade Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Dênis de Moraes Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Armando Boito Boaventura de Sousa Santos Fábio Konder Comparato Elias Jabbour Carlos Tautz Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leda Maria Paulani Marcos Silva Tarso Genro Roberto Bueno André Márcio Neves Soares Ari Marcelo Solon Rubens Pinto Lyra João Carlos Loebens Liszt Vieira João Lanari Bo Michael Löwy Eugênio Bucci Valério Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins Marcos Aurélio da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Marcelo Módolo Remy José Fontana Atilio A. Boron Daniel Costa Slavoj Žižek Sergio Amadeu da Silveira Paulo Fernandes Silveira Jean Pierre Chauvin Flávio R. Kothe Bento Prado Jr. Luiz Renato Martins Osvaldo Coggiola José Micaelson Lacerda Morais Berenice Bento Roberto Noritomi Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Afrânio Catani Mário Maestri Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Flávio Aguiar Otaviano Helene Henri Acselrad Kátia Gerab Baggio Antônio Sales Rios Neto Marjorie C. Marona João Feres Júnior Marilena Chauí Marilia Pacheco Fiorillo Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Trivinho Ricardo Abramovay Manuel Domingos Neto Claudio Katz Francisco Pereira de Farias Luiz Bernardo Pericás Gabriel Cohn Leonardo Avritzer Mariarosaria Fabris Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada