A narrativa como ilusão coletiva

Imagem: Leah Kelley
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO ORTIZ*

A “verdade” de uma narrativa encontra-se em sua coerência interna, sua razão de ser não repousa no que lhe é alheio

Poucos conceitos passam da área acadêmica para o senso comum, a linguagem quotidiana, geralmente é o movimento contrário que prevalece, os acadêmicos lutam contra o senso comum, buscam escapar da banalidade das palavras sem as quais não podem se expressar. O caso do termo “narrativa” é a exceção que confirma a regra: utilizado pelos críticos literários e semiólogos, ele se apoderou de nossa maneira de falar. Basta olharmos os discursos dos políticos, as declarações das celebridades na imprensa, as mensagens nas redes sociais, os artigos dos jornalistas. Tudo é narrativa.

Exemplos: o conselho de ética de um clube de futebol arquiva uma denúncia de misoginia porque a “narrativa” apresentada não era pertinente para a instituição; o filme A lenda do cavaleiro verde é uma “narrativa” que remonta aos tempos dos cavaleiros da Távola Redonda; uma empresa de marketing ensina como escrever “narrativas”; os políticos dizem que a “narrativa” da vacina gerou um clima de ódio; uma ativista do movimento negro critica o silêncio sobre as “narrativas” das mulheres negras; uma atriz célebre fala da “narrativa” de suas separações. Os exemplos poderiam ser multiplicados, mas atestam a polissemia de sentido de cada uma dessas afirmações. No entanto, a dúvida permanece: qual o significado disso tudo? Há pouco tempo considerávamos o neoliberalismo e o comunismo como “ideologias”, hoje nos referimos à “narrativa neoliberal” ou à “narrativa comunista”. De que estamos falando?

Uma narrativa é uma série de eventos que constitui uma história, trata-se de uma narração, de um conto. Nas línguas latinas o mesmo termo, “história”, é aplicado a situações diferentes: “contar uma história” ou “contar a história”. No primeiro caso o importante é o enredo, aquilo que é dito; no segundo, o que aconteceu no passado (tarefa dos historiadores). Em inglês há uma distinção entre history e story; as narrativas são criadas por meio de storytelling, ou seja, são contos. Seu intuito é narrar tudo que aconteceu. A afirmação é tautológica, embora expressiva: “tudo que aconteceu” significa “o que se desenrolou dentro de um determinado relato”.

A “verdade” de uma narrativa encontra-se em sua coerência interna, sua razão de ser não repousa no que lhe é alheio. Neste sentido, ela difere da ideologia. A ideologia pressupõe a existência de uma “falsa consciência” daquele que a partilha. Dizer que a religião é uma ideologia implica em considerar que tal perspectiva seria incapaz de apreender a realidade na sua inteireza (ela seria parcial); o mesmo ocorre quando nos referimos à ideologia burguesa. Pouco importa o conteúdo dessas afirmações (não está em discussão o papel da religião ou da classe social), o relevante é que o adjetivo “ideológico” nos remete a uma distorção da realidade. Para entender o mundo que nos cerca seria necessário libertar-se da falsidade das representações que nos aprisionam. As ideologias funcionariam, assim, como um véu encobrindo o real.

Uma narrativa não se define em relação à realidade; ela “é”, o relato basta a si mesmo. O exemplo do terraplanismo é sugestivo. Ele afirma: nossos sentidos indicam que a Terra é plana; não enxergamos a curvatura do horizonte mesmo quando estamos em um avião; rios e lagos estão nivelados, deveriam ter uma curvatura se a Terra fosse esférica. O planeta é um disco redondo e achatado no qual o Polo Norte encontra-se no centro e a borda é formada por gelo, a Antártica. Duas críticas podem ser feitas em relação a isso. A primeira destaca o conhecimento acumulado pela ciência em relação ao tema, em particular as viagens espaciais e a exploração das galáxias. Os astrônomos possuem um razoável saber científico a respeito do universo.

A segunda é de natureza histórica. Os historiadores nos mostram que a crença na ideia da Terra plana é recente. Na Antiguidade, gregos e romanos entendiam que o planeta era redondo, a “ciência” da Idade Média e do Renascimento partilhava a mesma certeza. Os mapas antigos são um claro testemunho disso. Somente a partir do final do século XVIII e do início do XIX é que a ideia da Terra plana se impõe. O que é irônico, porque ocorre no momento em que o pensamento científico se afirma, a crença se reforça.

Porém, a pertinência da crítica resvala em um obstáculo: se o terraplanismo é uma narrativa, o princípio da realidade é impertinente; sua coerência interna não pode ser desmentida por algo que lhe é estranho. Pode-se ainda argumentar que a ciência é também uma narrativa, seu relato não invalidaria os outros. Estaríamos assim diante de uma arena de narrativas concorrentes entre si, cada uma delas com sua verdade. De certa maneira, é esta indefinição que contribui para o êxito e a conveniência na utilização do termo. O mundo contemporâneo, particularmente com o advento da internet e das redes sociais, alimenta um tipo de ilusão coletiva. Qualquer coisa, dita com ênfase e paixão, torna-se convincente.

Entretanto, as narrativas não podem se contentar apenas com sua coerência interna, a “estória” contada deve ser ainda persuasiva. A dimensão de convencimento as situa, assim, fora de si mesmas. Há uma intenção que precisa realizar-se junto a um público específico (leitores de um livro, ouvintes de uma rádio, telespectadores). O que é dito deve ajustar-se a ele. Um exemplo é o marketing político. Diante da guerra de versões em relação aos fatos é fundamental impor uma narrativa, isto é, construir um relato no qual as pessoas acreditem.

Outro exemplo: o mercado. Um produto deve ser apresentado através de uma história capaz de seduzir o comprador. Os manuais de marketing são ciosos a esse respeito, há regras específicas de como elaborar corretamente o conto comercial. Nos dois casos não é tanto a realidade que interessa; o intuito é fisgar a atenção das pessoas. As mensagens políticas não constituem uma análise da realidade, tudo deve ser enunciado em linguagem simples e direta. Tampouco os interesses comerciais se ajustam a ela, o discurso deve ser envolvido por laços emocionais e tematizar assuntos como prazer, alegria, felicidade, etc. Importa a crença, o vínculo que se estabelece entre o relato e as pessoas.

Isso tem implicações. Se o mundo é uma arena de narrativas em disputa além do convencimento, é preciso considerar os interesses daqueles que as enunciam. Na concorrência das interpretações a diferença deve ser afirmada. Mas como marcar a distinção? Vejamos alguns exemplos: o pedido de impeachment do presidente Bolsonaro é uma narrativa da esquerda; a narrativa da periferia é uma vitimização dos pobres; a narrativa do sucesso financeiro aliena e escraviza a mente; skate e surf são antídotos à narrativa bélica e individualista da competição; Bolsonaro perdeu a narrativa das vacinas; a inflação desmente a narrativa do governo.

Todas essas afirmações estão centradas no contraponto ao outro, nada dizem de si mesmas. Elas surgem, assim, como argumento acusatório. Para isso recupera-se a ideia de falso e verdadeiro, o que se diz seria uma distorção (uma mentira). Entretanto, a falsidade das afirmações limita-se ao outro e não à verdade de quem as enuncia.

A situação nos lembra os estudos do antropólogo Evans-Pritchard a respeito dos Azande (etnia da África Central). Ele nos ensina que nessas sociedades a bruxaria é um sistema de crenças acionado por atos inconscientes como ciúme, inveja, cobiça, ódio, provocando as doenças e o infortúnio das pessoas. Para combatê-la existe a magia, um conjunto de rituais capaz de controlar as desgraças. O problema resume-se, portanto, em como identificar os feiticeiros; eles não são indivíduos concretos, não existe nenhuma instituição especializada na feitiçaria.

Tudo funciona através da crença socialmente compartilhada: o ato acusatório identifica as transgressões e prescreve a cura, cada infortúnio é percebido como o resultado de um malefício, caberia aos mágicos erradicar a desordem. As narrativas têm algo disso (mas sem os mágicos, que nas sociedades Azande restauram a ordem). A crença é onipresente, está em todos os lugares, vive de sua insustentável leveza de ser, mas é preciso circunscrevê-la na sua falsidade mesmo a realidade tendo passado ao largo de sua existência.

*Renato Ortiz é professor titular do Departamento de Sociologia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de O universo do luxo (Alameda).

Publicado originalmente na revista Suplemento Pernambuco.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eduardo Borges Juarez Guimarães Fernão Pessoa Ramos Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Sandra Bitencourt Afrânio Catani José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Luiz Marques João Sette Whitaker Ferreira Atilio A. Boron Dennis Oliveira Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Fernando Nogueira da Costa Priscila Figueiredo Ronald Rocha Antonio Martins João Lanari Bo José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Celso Frederico Marcus Ianoni Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Carlos Tautz Luiz Renato Martins Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Henri Acselrad Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Thomas Piketty Sergio Amadeu da Silveira Anderson Alves Esteves Elias Jabbour Daniel Costa Érico Andrade Ricardo Abramovay Vladimir Safatle Ladislau Dowbor Matheus Silveira de Souza Marilena Chauí Liszt Vieira Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Henry Burnett Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Marcos Silva Eliziário Andrade Eugênio Bucci Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Antonino Infranca Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Fábio Konder Comparato Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Lima Castro Tranjan Mário Maestri Francisco Fernandes Ladeira Boaventura de Sousa Santos Leonardo Boff Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Anselm Jappe Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Andrew Korybko Andrés del Río Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Claudio Katz Carla Teixeira Berenice Bento Ricardo Fabbrini Yuri Martins-Fontes Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles João Paulo Ayub Fonseca Caio Bugiato Otaviano Helene Daniel Brazil Leda Maria Paulani Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral Antônio Sales Rios Neto Armando Boito Julian Rodrigues Eleutério F. S. Prado Gilberto Lopes Ronaldo Tadeu de Souza José Geraldo Couto Renato Dagnino Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. Chico Alencar Luis Felipe Miguel Chico Whitaker Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Loebens Ronald León Núñez Paulo Fernandes Silveira José Luís Fiori Francisco de Oliveira Barros Júnior Valerio Arcary Flávio R. Kothe Mariarosaria Fabris Tarso Genro José Costa Júnior Heraldo Campos João Feres Júnior Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira Paulo Martins Benicio Viero Schmidt Ricardo Antunes Milton Pinheiro Bruno Machado Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Gilberto Maringoni Walnice Nogueira Galvão André Singer Leonardo Avritzer Marcos Aurélio da Silva Gerson Almeida Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Ricardo Musse Tales Ab'Sáber Kátia Gerab Baggio Luiz Bernardo Pericás Eugênio Trivinho Lincoln Secco Vanderlei Tenório Michel Goulart da Silva Michael Löwy Samuel Kilsztajn Maria Rita Kehl Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar José Dirceu

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada