O apartheid na Palestina

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SÉRGIO PINHEIRO*

Em Bruzundanga, violações de Israel contra os palestinos não se discutem

Em setembro do ano passado, às vésperas da abertura da Assembleia Geral da ONU, Lakhdar Brahimi, antigo enviado especial do secretário-geral da ONU e membro do grupo The Elders, criado por Nelson Mandela, apelava para que a Assembleia investigasse “o aprofundamento do regime de supremacia israelense sobre milhões de palestinos, que tem sido reconhecido por cada vez mais observadores como um regime de apartheid”.

Brahimi lembrava que, com a anexação e expansão de seu controle absoluto sobre toda a Palestina, Israel nega o direito inalienável do povo palestino à existência e soberania em sua própria terra. Consolidando, assim, um sistema de governo de discriminação, segregação e desigualdade institucionalizada, por meio de leis e políticas, em toda a Palestina histórica. Concluía dizendo que esse sistema atende à definição de apartheid da ONU.

Mapa do apartheid de Israel contra palestinos

Essa caracterização das práticas de Israel contra os palestinos como apartheid não é nova. Até líderes israelenses, como os antigos primeiro-ministros Ehud Barak e Ehud Olmert, alertaram que o Estado judeu se arriscava a se tornar um Estado com apartheid, a menos que negociasse com os palestinos. Em 2006, o ex-presidente Jimmy Carter fez a mesma análise com o seu livro Palestine: Peace Not Apartheid. Bem recentemente, as respeitáveis ONGs israelenses Yesh Din e B´Tselem recorreram igualmente à definição de apartheid.

Em maio de 2021, um relatório da Human Rights Watch (HRW), baseado numa investigação de dois anos e em duas décadas de trabalho em Israel e nos territórios ocupados, chegou à mesma conclusão de que o crime contra a humanidade de apartheid é cometido pelo governo de Israel. Ao usar o termo apartheid a HRW afirma simplesmente aplicar o direito internacional contido na convenção de 1973 sobre o apartheid e no estatuto de Roma, do Tribunal Penal Internacional. Três elementos concorrem para tal crime: a intenção de um grupo racial de dominar um outro, uma opressão sistemática e a perpetuação de certos atos desumanos.

Agora chegou a vez da Anistia Internacional (AI), tendo como nova secretária-geral Agnès Callamard, antiga relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias. A AI acaba de publicar o relatório “O apartheid de Israel contra os palestinos: um sistema cruel de dominação e um crime contra a humanidade”, baseado numa análise de cinco anos do direito civil israelense, que governa 2 milhões de palestinos com nacionalidade israelense, e o direito militar, que governa os restantes 4 milhões na Cisjordânia e Gaza.

Agnès Callamard afirma que “o relatório revela a verdadeira extensão do regime de apartheid de Israel. Quer vivam em Gaza, em Jerusalém Oriental e no resto da Cisjordânia, ou em Israel, os palestinos são tratados como um grupo racial inferior e sistematicamente privados de seus direitos. Descobrimos que as políticas cruéis de segregação, expropriação e exclusão de Israel em todos os territórios sob seu controle claramente equivalem ao apartheid.

Como em todas as falas e relatórios mencionados aqui, o objetivo principal deste artigo é relembrar que a comunidade internacional tem a obrigação de agir, deixando de tolerar Israel como um estado membro da ONU acima das obrigações do direito internacional.

Diante do relatório, houve acusações imediatas de antissemitismo do governo israelense, afirmando que a “linguagem extremista” (sic) da Anistia derramará combustível no fogo do antissemitismo” e pode levar à violência contra os judeus em todo o mundo. “A Anistia não é uma organização de direitos humanos, mas apenas outra organização radical que ecoa propaganda sem verificar seriamente os fatos”, afirmou Yair Lapid, ministro das Relações Exteriores. “Em vez de buscar a verdade, a Anistia ecoa as mesmas mentiras compartilhadas por organizações terroristas”. Apesar dessa reação histérica, como caracterizou o jornal israelense Haaretz, o relatório da Anistia Internacional visa o atual governo de Israel e não a população israelense, nem contesta a existência do Estado de Israel.

E aqui, em Bruzundanga? Ao contrário dos grandes jornais impressos e cadeias de televisão no mundo, aqui a grande imprensa foi discretíssima sobre o relatório da Anistia Internacional, privilegiando opiniões favoráveis a Israel. O mesmo silêncio tumular se ouviu nas Universidades, nas organizações de direitos humanos. A questão das violações dos direitos humanos dos palestinos simplesmente não existe em Bruzundanga.

*Paulo Sérgio Pinheiro é professor aposentado de ciência política na USP; ex-ministro dos Direitos Humanos; relator especial da ONU para a Síria e membro da Comissão Arns. Autor, entre outros livros, de Estratégias da ilusão: a revolução mundial e o Brasil, 1922-1935 (Companhia das Letras).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Heraldo Campos José Machado Moita Neto Anderson Alves Esteves Milton Pinheiro Otaviano Helene Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Ronald Rocha Luciano Nascimento Valerio Arcary Yuri Martins-Fontes Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Luis Felipe Miguel Denilson Cordeiro Manchetômetro Michael Roberts Leonardo Boff Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Slavoj Žižek José Costa Júnior Ronald León Núñez Thomas Piketty Luiz Renato Martins Francisco Pereira de Farias Plínio de Arruda Sampaio Jr. João Carlos Salles Elias Jabbour Alexandre Aragão de Albuquerque Jorge Branco Eugênio Bucci Chico Alencar Sandra Bitencourt Andrés del Río Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Francisco Fernandes Ladeira Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Michel Goulart da Silva João Sette Whitaker Ferreira Daniel Afonso da Silva Armando Boito Caio Bugiato Benicio Viero Schmidt Remy José Fontana Atilio A. Boron Eleonora Albano Marcus Ianoni Tarso Genro Carlos Tautz Manuel Domingos Neto Tales Ab'Sáber Antônio Sales Rios Neto Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Priscila Figueiredo Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Antunes João Paulo Ayub Fonseca João Feres Júnior José Luís Fiori Anselm Jappe Bruno Machado Flávio Aguiar Ricardo Abramovay João Adolfo Hansen João Lanari Bo Maria Rita Kehl Alexandre de Freitas Barbosa Bento Prado Jr. Boaventura de Sousa Santos Berenice Bento Salem Nasser Walnice Nogueira Galvão Jean Pierre Chauvin Érico Andrade Eugênio Trivinho André Singer José Raimundo Trindade Sergio Amadeu da Silveira Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Liszt Vieira Paulo Capel Narvai Vladimir Safatle Afrânio Catani Rubens Pinto Lyra Marjorie C. Marona Marcos Silva Eliziário Andrade Paulo Martins Osvaldo Coggiola Igor Felippe Santos Francisco de Oliveira Barros Júnior Airton Paschoa André Márcio Neves Soares Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Luiz Marques Celso Favaretto Lorenzo Vitral Renato Dagnino Marcelo Módolo Vinício Carrilho Martinez Ricardo Fabbrini Gabriel Cohn Ladislau Dowbor Vanderlei Tenório Henry Burnett Daniel Brazil Rafael R. Ioris Samuel Kilsztajn José Micaelson Lacerda Morais Flávio R. Kothe Chico Whitaker Dennis Oliveira Rodrigo de Faria Gilberto Maringoni Andrew Korybko Gilberto Lopes Lincoln Secco Gerson Almeida Julian Rodrigues Luiz Roberto Alves Luís Fernando Vitagliano Michael Löwy Mariarosaria Fabris Henri Acselrad Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro José Dirceu Ricardo Musse Antonino Infranca Daniel Costa Jean Marc Von Der Weid Tadeu Valadares Kátia Gerab Baggio Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Bernardo Ricupero José Geraldo Couto Luiz Bernardo Pericás Carla Teixeira Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Nogueira Batista Jr João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada