As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O coração do Faustão

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO CAPEL NARVAI*

Faustão – que pensava não usar o SUS – estava na lista, que também se vale de critérios técnicos e avaliações clínicas, segundo normas conhecidas e princípios éticos

O SUS está no coração do Faustão. No período dificílimo da pandemia de covid-19, o SUS esteve em preces e nas lutas pela vacina. E esteve também na camisa do glorioso Bahia Esporte Clube, naquela inesquecível noite de 22 de julho de 2020, no Estádio de Pituaçu, quando a equipe venceu em Salvador o igualmente glorioso Clube Náutico Capibaribe, do Recife.

O placar daquele jogo pela Copa do Nordeste não importa tanto quanto o golaço feito pelo tricolor baiano naquela quarta-feira: após quatro meses sem entrar nos gramados, o escudo do Bahia estava com a metade encoberta pelo desenho de uma máscara facial, simbolizando a oposição do clube baiano ao negacionismo científico que, naquele contexto, dividia o país. Mas um outro símbolo, o do SUS, que também motivava a ira dos poderosos de então, estava estampado na camiseta do Bahia. Poderia estar na altura do coração, mas ali estava a máscara. Então, o símbolo do SUS foi deslocado para a parte inferior da frente.

Desde então, meu coração corintiano tratou de arrumar um lugarzinho para também acolher o Bahia Esporte Clube, em reconhecimento aquele que foi mais do que um gesto bonito e solidário. Estampar o símbolo do SUS ajudou a dar visibilidade ao nosso sistema universal de saúde e aos profissionais que lhe dão vida, diariamente. Os mesmos profissionais que renovaram a vida do Faustão.

O SUS está no coração do cidadão Fausto Silva, 73 anos, conhecido apresentador de TV (aliás, torcedor do Santos, o “glorioso alvinegro praiano”, como diz o hino do clube), pois Faustão apresentou agravamento de uma insuficiência cardíaca que evoluía havia mais de dois anos. Em 5 de agosto de 2023 o jornalista foi internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e a bem-sucedida operação de transplante ocorreu 22 depois.

Tão logo a notícia foi divulgada, as redes sociais pulsaram.

Embora os comunicados médicos e da Central de Transplantes do Estado de São Paulo tenham informado sobre as graves condições do doente, e sua posição na lista de pacientes à espera de um órgão, “o sangue de muita gente ferveu” e foram postados comentários apressados e desinformados que contribuíram para dar curso a equívocos sobre o que é e como funciona a Central de Transplantes. Frases como “ser rico deve ser muito bom”, ou “nunca duvide do poder de compra de um bilionário” são péssimas, pois desvalorizam o trabalho de centenas de profissionais de saúde, não apenas em São Paulo, mas em todo o Brasil, atingindo-lhes a dignidade e colocando-os, injusta e indevidamente, sob suspeição.

Ainda que as conhecidas dificuldades de acesso a exames, cirurgias, medicamentos e outros serviços de saúde ofertados pelo SUS, na rede própria ou conveniada, motivem tais desconfianças, a disseminação desses comentários causa muitos prejuízos a quem segue na lista à espera de algum órgão. É um tipo de desabafo que não ajuda, pois as insinuações são injustificadas. Não têm base em fatos e se originam do desconhecimento sobre como opera o sistema de transplantes do SUS, cuja transparência é reconhecida por todos os implicados na lista de espera por um órgão. O acesso a todas as informações é possível a qualquer tempo, a qualquer interessado.

A doação é anônima. Quem doa não tem controle sobre o destino do órgão doado, nem sabe a quem se destina. Quem recebe, não sabe quem doou. Quem investiga, pode obter informações e identificar quem é quem em cada processo, por seus meios. Mas não oficialmente, pois o sistema de controle da lista (não é uma simples “fila”, conforme por vezes se noticia…) segue princípios normativos e éticos. As normas se referem à tipagem sanguínea, compatibilidade de peso e altura, compatibilidade genética e critérios relacionados com a avaliação médica da gravidade de cada paciente.

Tendo em vista os desdobramentos e consequências nefastas da ignorância e do preconceito – que contribuem para a diminuição das doações, um enfrentamento permanente de quem tem responsabilidades na gestão do SUS, nessa área – rapidamente especialistas e o próprio Ministério da Saúde vieram a público divulgar posicionamentos oficiais de instituições e entidades implicadas com o que se reconhece como o maior sistema de transplantes de órgãos do mundo.

Em SUS: terra arrasada, artigo que publiquei no site A Terra é Redonda, em novembro de 2019, assinalei que o SUS é responsável por “três quartos dos atendimentos de urgência e emergência” e “96% dos transplantes de órgãos”, com a realização de “um transplante de pulmão a cada três dias e um de pâncreas a cada dez dias e, diariamente, em média, 16 transplantes de rim, 6 de fígado e 1 de coração”. O Ministério da Saúde divulgou que entre 19 e 26 de agosto foram realizados 11 transplantes de coração no país, sendo sete no estado de São Paulo e que, no primeiro semestre de 2023, foram realizados 206 transplantes de coração no Brasil e que, atualmente, o SUS financia cerca de 88% dessas operações.

Mas pouca gente sabe disso, daí a surpresa com a operação de transplante cardíaco em uma pessoa muito conhecida e a fake news do “Faustão furando a fila do SUS”. Ignora-se que a lista para transplantes é única e vale tanto para os pacientes do SUS quanto para os da rede privada, todos recebendo assistência integral, equânime, universal e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante.

O Sistema Nacional de Transplantes (SNT) tem abrangência nacional, sendo coordenado centralmente pelo Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral do Sistema Nacional de Transplantes (CGSNT). Esse órgão é responsável pela regulamentação, controle e monitoramento do processo de doação e transplantes realizados em qualquer parte do território brasileiro, e realiza suas funções com o objetivo de desenvolver o processo de doação, captação e distribuição de órgãos, tecidos e células-tronco hematopoéticas para fins terapêuticos.

Sobre como tudo isto funciona, a principal preocupação das pessoas, a animar conversas sobre o tema em redes sociais, bares e espaços de convivência, diz respeito à ordem cronológica de cadastro, ou seja, a ordem de “entrada na lista”. Todo mundo quer saber como é isto, embora a maioria tenha a mais absoluta convicção de que “isso é uma bagunça, quem pode mais chora menos, e quem tem dinheiro se salva sempre”, dentre outras pérolas do senso comum.

Poucos acreditam que o que vale mesmo são critérios técnicos e avaliações clínicas, segundo normas conhecidas e princípios éticos. A maioria não se conforma quando informada de que a ordem de “entrada na lista” é sim um dos critérios, mas adotado apenas para desempatar, após a consideração, em cada caso, da gravidade da situação.

Um exemplo da credibilidade da lista brasileira de transplantes, que lamento como tanta gente, se refere ao ex-jogador Sócrates, do Corinthians, Fiorentina e seleção brasileira. Há 12 anos, em agosto de 2011, a doença hepática se agravou e, dada a sua condição clínica, ele poderia “avançar na lista” para uma posição que lhe favorecesse. Mas nem ele nem os médicos que o atenderam poderiam alterar essa posição, segundo o que se noticiou à época. Indagado sobre essa possibilidade, descartou-a: “Não tenho nada contra transplante cardíaco, de rim, de pâncreas, de fígado ou qualquer outro. Só que é o seguinte, eu tenho de estar na lista. Se eu não estiver na lista, eu não furo fila não. E eu não estou em nenhuma lista dessas”.

Sócrates não estava na lista do SUS, embora tenha sido um dos que lutaram pela democracia no país e pela institucionalização do nosso sistema universal de saúde. Faustão, que pensava não usar o SUS, estava na lista.

*Paulo Capel Narvai é professor titular sênior de Saúde Pública na USP. Autor, entre outros livros, de SUS: uma reforma revolucionária (Autêntica).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Francisco de Oliveira Barros Júnior Alysson Leandro Mascaro Walnice Nogueira Galvão Celso Favaretto João Carlos Loebens Luiz Roberto Alves Andrew Korybko Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Igor Felippe Santos Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Bruno Machado Yuri Martins-Fontes Paulo Martins Julian Rodrigues João Lanari Bo Luiz Carlos Bresser-Pereira Afrânio Catani José Raimundo Trindade Lorenzo Vitral Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt João Sette Whitaker Ferreira Luciano Nascimento Michael Roberts Liszt Vieira Michael Löwy Rubens Pinto Lyra Caio Bugiato Luiz Bernardo Pericás Luiz Costa Lima Atilio A. Boron Otaviano Helene Anderson Alves Esteves Antônio Sales Rios Neto Rodrigo de Faria Antonino Infranca Armando Boito Marjorie C. Marona Fábio Konder Comparato Chico Alencar José Costa Júnior Tarso Genro Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Ronald Rocha Celso Frederico Eugênio Trivinho Ricardo Fabbrini José Machado Moita Neto Bernardo Ricupero Mariarosaria Fabris Daniel Costa Ronald León Núñez Ladislau Dowbor José Micaelson Lacerda Morais Paulo Fernandes Silveira Dennis Oliveira André Singer Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Salem Nasser José Geraldo Couto Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Paulo Capel Narvai Marcus Ianoni Alexandre de Lima Castro Tranjan Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Sergio Amadeu da Silveira Mário Maestri Denilson Cordeiro José Dirceu Thomas Piketty Berenice Bento Daniel Brazil Gabriel Cohn Ronaldo Tadeu de Souza Antonio Martins Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Priscila Figueiredo Lincoln Secco Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Marcelo Guimarães Lima Leonardo Boff Eugênio Bucci Luiz Marques Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn Fernando Nogueira da Costa Daniel Afonso da Silva Marcos Silva Fernão Pessoa Ramos Remy José Fontana Gilberto Maringoni Henry Burnett João Adolfo Hansen Marilena Chauí Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber João Paulo Ayub Fonseca Valério Arcary Ari Marcelo Solon Alexandre Aragão de Albuquerque Gilberto Lopes Gerson Almeida Bento Prado Jr. Ricardo Abramovay Carlos Tautz Eliziário Andrade Claudio Katz Luís Fernando Vitagliano Ricardo Musse Leonardo Avritzer Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Heraldo Campos Rafael R. Ioris Maria Rita Kehl Anselm Jappe Francisco Fernandes Ladeira Roberto Bueno Everaldo de Oliveira Andrade Annateresa Fabris Osvaldo Coggiola Henri Acselrad Luiz Werneck Vianna José Luís Fiori Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Tadeu Valadares Luiz Eduardo Soares Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Leda Maria Paulani João Feres Júnior Eduardo Borges Vladimir Safatle Marcelo Módolo Manchetômetro Eleonora Albano Airton Paschoa Jorge Branco Érico Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Flávio Aguiar Boaventura de Sousa Santos Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada