As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Lula, Zanin e nós

Imagem: Filipe Coelho
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ODILON DE BARROS PINTO JÚNIOR*

Lula é grato ao trabalho desempenhado por Cristiano Zanin na Lava-Jato. Essa é uma dívida pessoal de Lula com Cristiano Zanin, não da sociedade brasileira

Faz dez anos nosso país viveu mobilizações gigantescas. Era junho de 2013 e vivíamos o início do segundo governo Dilma Rousseff, quarto consecutivo petista, que culminou com o golpe contra a primeira mulher presidenta do país, hoje, sim, comprovado por sua absolvição no TRF1.

E vieram Michel Temer, Lava-Jato, Sérgio Moro, prisão do presidente Lula e o inferno Bolsonaro. Comemos o pão que o diabo amassou nos últimos quatro anos. Desmatamento e invasões recordes de terras, 700 mil mortes de COVID, muitas evitáveis, deboches, rachadinhas, aparelhamento do estado, liberação generalizada de armas, tentativas de golpe, desrespeitos a direitos humanos, a minorias e tantas e tantas ações que colocaram nossa democracia seriamente em risco.

E vieram as eleições gerais com uma apertadíssima vitória de Lula e a eleição de um Congresso hostil que, diuturnamente, dificulta a governabilidade. Desfazer e/ou consertar o emaranhado de leis, nomeações, projetos equivocados plantados é, por si só, uma agenda demasiadamente pesada para alguém que afirmou que não permaneceria mais que um mandato à frente da nação e demandará muita habilidade do presidente, o que sabemos, Lula tem, mas também pouca margem para erros em escolhas que possam demandar futuras cobranças.

É notório que a escolha de membros para a Suprema Corte é escolha que cabe tão somente ao presidente da República. Portanto, a escolha de Cristiano Zanin para uma das vagas a que Lula tem o direito de indicar, é de sua estrita responsabilidade. Cabe a ele, sim, os questionamentos sobre assuntos que são caros à sociedade brasileira. E mais, bandeiras históricas do partido e campo progressista brasileiro.

Mesmo com toda confiança e competência que Lula sempre declarou depositar no novo ministro, não acredito que o presidente desconhecesse as ideias de seu competente advogado sobre drogas, povos originários, Amazônia, minorias, aborto etc.

Sabemos também que Lula é extremamente grato ao trabalho desempenhado por Cristiano Zanin na Lava-Jato, onde o advogado teve papel fundamental para anulação dos processos e a consequente liberdade do presidente. Porém, essa é uma dívida pessoal de Lula com Cristiano Zanin, não da sociedade brasileira para com Cristiano Zanin.

Se sobrou habilidade política em sua sabatina no Senado Federal para fugir de temas espinhosos e caros à sociedade brasileira que aguarda, faz tempo, um posicionamento definitivo do judiciário brasileiro, faltou transparência na apresentação de seus pensamentos ao Brasil, pois era um dever de postulante ao cargo máximo do Judiciário brasileiro, depois de tanto sofrimento vivido com COVID, garimpo ilegal, genocídio de povos originários com ação no Tribunal Penal Internacional aguardando ser julgada, ter clareza em suas colocações. E isso com certeza não aconteceu!

A sociedade brasileira não quer um Ministro amigo do poder da hora, mas alguém que além do notório saber jurídico tenha a capacidade de compreender que nosso país é formado por um número significativo de mulheres que sofre com homens machistas e misóginos.

Temos uma elite egoísta que acredita que suas necessidades são maiores que o restante da população; que devido à escravidão somos até hoje um povo racista e preconceituoso. Isso precisa ser definitivamente resolvido; militares não são cidadãos acima da lei; que apesar da liberdade para a prática de religiões país afora, somos um Estado laico; que cada cidadão(ã) brasileiro(a) possa ser livre para ser o que quiser ser. E que os povos originários não chegaram aqui para a festa da promulgação de nossa Constituição em 5 de outubro de 1988.

Estimado presidente, caro ministro do STF.

Que fez-se justiça ao presidente Lula com sua liberdade e que Cristiano Zanin tem todos os méritos pelo importante trabalho realizado, é fato e aplaudimos. Que agora no STF, o ministro Cristiano Zanin tenha a sensibilidade para parear tecnicalidades e a letra fria da lei com a concretude das desigualdades e injustiças.

A escolha foi de Lula. O voto é de Cristiano Zanin. O direito de acompanhar é nosso!

*Odilon de Barros Pinto Júnior é administrador, pós-graduado em Responsabilidade Social e Terceiro Setor na UFRJ.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Abramovay Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Armando Boito Dênis de Moraes Rafael R. Ioris Airton Paschoa Marcus Ianoni Otaviano Helene Marcelo Módolo José Dirceu Gilberto Maringoni João Paulo Ayub Fonseca Flávio R. Kothe Marjorie C. Marona Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Vanderlei Tenório José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Musse Marilia Pacheco Fiorillo Valério Arcary Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Jean Marc Von Der Weid Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Elias Jabbour Alysson Leandro Mascaro Francisco Fernandes Ladeira Chico Alencar Ricardo Fabbrini Berenice Bento Leda Maria Paulani Leonardo Avritzer Michael Löwy Tarso Genro Eleonora Albano Alexandre Aragão de Albuquerque Lincoln Secco Thomas Piketty Walnice Nogueira Galvão Luiz Eduardo Soares Paulo Martins Vladimir Safatle Carlos Tautz Tales Ab'Sáber José Geraldo Couto Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Lopes Luis Felipe Miguel José Costa Júnior Fábio Konder Comparato Bernardo Ricupero Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Ronald León Núñez Kátia Gerab Baggio Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad José Machado Moita Neto Luiz Costa Lima Heraldo Campos Marilena Chauí Antonino Infranca Everaldo de Oliveira Andrade Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Igor Felippe Santos Ricardo Antunes Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Chico Whitaker André Márcio Neves Soares Gabriel Cohn Carla Teixeira Luiz Roberto Alves Daniel Brazil Bruno Machado Daniel Costa Roberto Bueno Milton Pinheiro Afrânio Catani Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Anderson Alves Esteves Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jorge Luiz Souto Maior Atilio A. Boron Antonio Martins Henry Burnett Celso Favaretto Anselm Jappe Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Érico Andrade Denilson Cordeiro Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Fernão Pessoa Ramos Marcos Silva Ari Marcelo Solon João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Michael Roberts Juarez Guimarães Leonardo Boff Liszt Vieira José Raimundo Trindade Rubens Pinto Lyra Remy José Fontana Roberto Noritomi João Carlos Salles André Singer Renato Dagnino Manuel Domingos Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira João Feres Júnior Jorge Branco Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Celso Frederico Daniel Afonso da Silva Eugênio Bucci João Lanari Bo Luís Fernando Vitagliano Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Slavoj Žižek Luiz Marques Salem Nasser Leonardo Sacramento Rodrigo de Faria Annateresa Fabris Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Paulo Sérgio Pinheiro Bento Prado Jr. Paulo Capel Narvai Gerson Almeida Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Caio Bugiato

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada