O debate político nas redes sociais

Imagem: Tracy Le Blanc
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCIO LUIZ MIOTTO*

Posições sobre o mundo podem ser manipuladas caso se tenha o conhecimento devido das formas pelas quais as pessoas se relacionam com o mundo

Certas mudanças culturais ocorrem não exatamente no nível explícito da linguagem, mas na soleira dela, naquilo que não se discute ou que não se pode discutir, ou que é difícil de enxergar e torna a discussão pesada, enfadonha, sem propósito. Algo dessas mudanças é o que presenciamos nos debates políticos recentes, por exemplo em torno das eleições. Pois um “debate” político parece carregar hoje algo mais do que já carregou em outros tempos.

Vejamos: alguém vem nas redes sociais com um meme repleto de fake news pronto a defender certos candidatos e a criticar por exemplo Lula, imputado de inúmeros termos pejorativos, como “nove-dedos”, “ladrão” e outras coisas mais. Em geral, há duas respostas para isso: concordar ou ficar calado.

Mas experimentemos uma terceira opção: responder ao meme apontando, com fatos e razões, que ele é mentiroso. A reação possível a isso é tripla: a primeira é a pessoa empreender uma espécie de silêncio inibidor e ficar calada, dissuadindo a continuidade da conversa. A segunda é a pessoa encerrar a conversa apelando a um respeito inibidor, isto é, a seu direito de manter a própria opinião mesmo que esteja errada.

A terceira é inibir o outro partindo para o ataque, de duas formas: ou com ataques ad hominem, ou com o típico “grito de internet”, aquele que apenas retoma o que se disse antes com palavras em caixa alta, palavras de ordem ou estereótipos (é como se, na opção do ataque, ou a pessoa apontasse o dedo na cara do interlocutor para desviar a atenção, ou tapasse o ouvido e começasse a gritar).

A conversa então termina. E se ela não termina, a continuidade dela não segue a definição corrente de uma “conversa”. Não importa, aqui, buscar um ponto comum entre os interlocutores, ser convencido ou convencer o outro, apresentar fatos, razões e argumentos. O que importa é falar por último. E ter falado por último indicará não um consenso, mas uma vitória.

Todas as opções acima mostram algo muito claro: não há qualquer troca. Ou há adesão pura e simples do interlocutor às teses que defendo, ou há ruptura com o outro sob os modos do silêncio sem aceitação ou da vitória que, ou anexa o outro sob minhas ideias ou o aniquila como interlocutor. Não há razões apresentadas ou compartilhadas e toda e qualquer razão é reduzida a uma simples opinião.

Essas atitudes já existiam na cultura geral e na cultura brasileira em particular. Mas elas não existiam predominantemente quando alguém pretendia cultivar algum debate de tipo político. Elas já existiam comumente em espaços cívicos cotidianos como, por exemplo, o do futebol ou o da religião. Nessas esferas – para utilizarmos esses exemplos – não há o uso do convencimento, e sim da pura e simples adesão. E quando a adesão não é possível, o que ocorre é certa negação do outro, embora provisória e sob espaços delimitados e até recreativos (como no esporte), sem que a figura do outro seja exatamente aniquilada (salvo em casos extremos, como o da perseguição religiosa ou do fanatismo esportivo).

Isso porque no esporte há rivais e na religião há crentes e não crentes, mas tais coisas são temporárias e permanecem restritas em suas devidas esferas: presumivelmente eu aceito a existência do rival – pois é rival apenas no esporte – e também a do outro crente – que me é diferente apenas na esfera da religião.

Mas esses artifícios foram transplantados para a política. E se o esporte visa a vitória sobre rivais e a religião visa a minha crença sobre as demais, a política virou um terreno no qual rivalidades ou crenças não se aplicam mais a espaços delimitados, cívicos ou recreativos, mas à existência mesmas das pessoas e seus modos de vida. Rivais devem ser calados, cancelados, postos fora de circuito, e apenas pode haver espaço para quem tiver uma crença igual à minha (não há mais, propriamente dizendo, sequer discussões sobre propostas partidárias, pois mesmo tendo seu próprio teor de dogmatismo, ao menos eram discussões).

Essa operação tem custos reais. Transformar o contato com o outro num espaço de adesão ou aniquilamento em política significa acabar com a política no seu cerne, pois acaba-se aí com qualquer pretensão de um debate democrático ou qualquer coisa que se assemelhe a ele. No nível da própria linguagem e de seu uso cotidiano, qualquer coisa que lembre uma democracia deixa de ser democracia, isto é, deixa de conter os ingredientes (mesmo em tese) básicos de isonomia e isegoria, do uso livre e igual da palavra e da busca de um ambiente comum. Todo princípio de comunidade é substituído pelo particular, e não à toa as políticas partidárias também cederam lugar nos últimos anos a lobbies particularistas como os da “Bala-Boi-Bíblia” (ou, mais recentemente, dos proprietários de armas).

Mas essa passagem dos elementos da crença e da rivalidade, incentivados por um particularismo existencial, não ocorre por acaso e é acompanhada da tecnologia informática, isto é, do uso dos celulares e das redes sociais. E isso significa comunicação rápida, o uso de tecladinhos, o horror a ler textos argumentativos e a exploração da linguagem do meme. Nas redes sociais, o contato com o outro resume-se aos follows e likes, isto é, mais uma vez à simples adesão e concordância do outro, ou pelo contrário, aos blocks, ao banimento e ao “cancelamento” do outro como meu interlocutor. Tudo faz com que o outro e suas informações se reduzam ao “meu” simples aprazimento, sem negociação possível. O que é racional, argumentativo, merecedor de exposição e ponderação perde lugar nas redes sociais, pois suas plataformas são feitas para trocas imediatas.

Só que, além de as relações de rivalidade e crença terem sido transpassadas para a política, e além da política encontrar um espaço bem curto de expressão nas redes sociais, as pessoas também mudaram seu comportamento para com as redes sociais: estas servem cada vez menos como instrumento de comunicação complementar e cada vez mais como paradigma de comunicação cotidiana (que o diga o WhatsApp).

Dez, ou vinte anos de redes sociais e semelhantes, não apenas mudaram hábitos, mas formaram pessoas, e pessoas que se expressam no mundo e votam, mesmo que criadas sob telas de celulares e tablets e sob likes e follows. É ponto pacífico, em Psicologia, que isso não diz respeito ao simples uso que a inteligência humana faz de certos instrumentos, pois a inteligência também é condicionada e formada pelos instrumentos que utiliza.

É sob fatores como os descritos acima que as discussões políticas de 2022 parecem carregar algo mais do que elas sempre dizem. Elas não dizem respeito apenas a escolher Bolosnaro ou Lula, ou sobre “tios” meigos e pacíficos que de repente se tornaram raivosos consumidores de WhatsApp e de robôs ocasionais para balões de ensaio em estratégias de microssegmentação. Há uma questão de linguagem e de concepção de mundo que implica formas de se relacionar com o outro e, por consequência, também escolhas políticas.

Já existe literatura farta a respeito disso, e cito apenas o livro Os engenheiros do caos, de Giuliano Da Empoli, quando ele demonstra que há campanhas muito bem-sucedidas nas redes sociais para orientar a opinião pública. Um exemplo impressionante contido no livro é o das estratégias de microssegmentação empregadas para que pessoas tanto favoráveis quanto contrárias à caça votassem a favor do Brexit. Tendo em mãos bancos de dados de milhões de comportamentos em redes sociais, foi possível que os marketeiros da Cambridge Analytica orientassem pessoas favoráveis à caça para votar a favor do Brexit devido à existência de países da União Européia contrários à caça. Quanto aos contrários à caça, os marketeiros apenas empregaram a estratégia inversa, mostrando publicidade e conteúdos ligados a países favoráveis à caça. O que esse exemplo mostra? Que posições sobre o mundo podem ser manipuladas caso se tenha o conhecimento devido das formas pelas quais as pessoas se relacionam com o mundo, por vezes independentemente do conteúdo efetivo de suas crenças ou dos próprios fatos.

Eis, aí, o cerne: não nos comportamos mais politicamente como o fazíamos há alguns anos. Somos ainda mais particularistas e sectários, e mais capazes de manter relações de simples adesão ou rivalidade com os outros, recusando tudo o que diz respeito à discordância e à diferença. Termos como “cancelar alguém” são cotidianos e colorem não apenas memes e palavras de ordem, mas também relações efetivas. A violência verbal das redes sociais cada vez mais se traduz em violência física, uma vez que palavras são ações como quaisquer outras. Distanciamo-nos cada vez mais dos outros e de uma esfera comum não apenas sob os conteúdos do que falamos, mas sob as formas mesmas de o dizer.

O político que souber usar essas nossas novas – digamos – “pré-disposições”, tornando-as objeto de estratégias de microssegmentação baseadas em redes sociais, estará sempre em vantagem – no caso, uma vantagem que sempre atenta contra os princípios mesmos da democracia.

*Marcio Luiz Miotto é professor de psicologia na Universidade Federal Fluminense (UFF).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leonardo Sacramento Rafael R. Ioris Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Juarez Guimarães Carlos Tautz Plínio de Arruda Sampaio Jr. Gerson Almeida Anselm Jappe Elias Jabbour João Lanari Bo Tales Ab'Sáber Milton Pinheiro Walnice Nogueira Galvão Ladislau Dowbor Lorenzo Vitral Leonardo Boff João Carlos Loebens Daniel Costa Marjorie C. Marona Caio Bugiato Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Capel Narvai Marcelo Guimarães Lima Maria Rita Kehl Antônio Sales Rios Neto Renato Dagnino Jean Marc Von Der Weid Érico Andrade Matheus Silveira de Souza Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Airton Paschoa João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Avritzer Armando Boito Claudio Katz Jorge Luiz Souto Maior Gabriel Cohn Tarso Genro Flávio R. Kothe Vladimir Safatle Eleutério F. S. Prado Michel Goulart da Silva Manuel Domingos Neto Chico Whitaker Mariarosaria Fabris Marcos Silva Paulo Martins Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Luciano Nascimento Daniel Afonso da Silva Flávio Aguiar Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani Manchetômetro Dennis Oliveira Atilio A. Boron Ricardo Abramovay Igor Felippe Santos Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Priscila Figueiredo Luís Fernando Vitagliano José Raimundo Trindade Otaviano Helene Eleonora Albano Andrew Korybko Carla Teixeira Fernão Pessoa Ramos José Machado Moita Neto João Carlos Salles Francisco de Oliveira Barros Júnior André Singer Celso Frederico Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald Rocha Alysson Leandro Mascaro Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira João Adolfo Hansen Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Liszt Vieira Benicio Viero Schmidt Luiz Roberto Alves Eliziário Andrade Julian Rodrigues Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez João Feres Júnior Dênis de Moraes Luiz Renato Martins Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento Anderson Alves Esteves Luis Felipe Miguel José Luís Fiori Lincoln Secco Heraldo Campos Luiz Werneck Vianna Michael Roberts Luiz Marques Ronaldo Tadeu de Souza José Micaelson Lacerda Morais Andrés del Río Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Michael Löwy Ricardo Fabbrini Henri Acselrad Antonino Infranca Yuri Martins-Fontes Ronald León Núñez Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Branco Eugênio Bucci Marcos Aurélio da Silva Daniel Brazil Ricardo Musse Salem Nasser Osvaldo Coggiola Mário Maestri Denilson Cordeiro Francisco Fernandes Ladeira Antonio Martins Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra José Geraldo Couto Chico Alencar Tadeu Valadares Francisco Pereira de Farias Bernardo Ricupero Samuel Kilsztajn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Annateresa Fabris José Dirceu Remy José Fontana Vanderlei Tenório Eduardo Borges José Costa Júnior Marcelo Módolo Valerio Arcary Bento Prado Jr. Marilena Chauí Valerio Arcary Sandra Bitencourt André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada