Derrotar o fascismo e a política do ódio

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Varrer Bolsonaro e seu governo da morte por meios legais e democráticos, com um candidato de cariz progressista e popular

Este artigo é dedicado aos que lutam pela democracia ferida e pelo resgate da nação devastada.

Forças políticas, inimigas da vida, se aliaram ao Coronavírus e estão favorecendo a dizimação de mais de 600 mil vidas. Seu objetivo consiste em nos conduzir aos tempos pré-modernos, desmantelando nossa cultura e nossa ciência, suprimindo direitos trabalhistas e previdenciários, difundindo mentiras, ódio covarde aos pobres, aos indígenas, aos quilombolas, aos afrodescendentes, aos homoafetivos e aos LGBTI.

Ideologicamente tais forças são ultraconservadoras com cariz nitidamente fascista. Galgaram o mais alto poder da república. O representante-mor destas forças quer, por todos os meios, mesmo ao arrepio da lei, se reeleger. Como parlamentar magnificou torturadores e defendeu ditaduras. Como chefe de estado foi leniente com as grandes queimadas da floresta amazônica, com os madeireiros e com a intrusão das mineradoras e do garimpo, inclusive em terras indígenas. Cometeu crimes contra a humanidade por seu negacionismo em relação aos imunizantes do Covid-19 e se mostrou insensível e sem nenhuma empatia face ao sofrimento das milhares de famílias enlutadas e aos milhões de desempregados e famintos.

Infelizmente constatamos a fragilidade, até a omissão de nossas instituições oficiais ou jurídicas e a baixa intensidade de nossa democracia que media pela justiça social e pelo respeito aos direitos se parece antes uma imensa farsa oficial. Nada ou pouco se fez para afastar esta figura sinistra, autoritária e fascistoide. Não lhes é permitido assistirem, impassíveis, ao esfacelamento populacional, cultural, político e espiritual de nosso país.

Face a esta tragédia histórica, precisamos, pela via eleitoral, frear a pulsão de morte, presente no poder executivo e em seus auxiliares. Impõe-se infligir uma derrota eleitoral fragorosa a este que se mostrou insano, indigno, malévolo e incapaz de governar o povo brasileiro. Ele merece ser, legalmente, varrido da cena política e pagar por seus crimes, para que, em fim, possamos viver com um mínimo de desenvolvimento justo e sustentável, com paz social, com franca alegria e com felicidade coletiva.

Para concretizar esta diligência política e ética, nos limites da Constituição e da ordem democrática de direito, importa, a meu ver, percorrer os seguintes passos:

Primeiro, garantir, se possível, já no primeiro turno, a vitória para presidente, de alguém com carisma, com confiança das grandes maiorias e com capacidade de nos tirar do poço escuro no qual fomos lançados. Ele já mostrou anteriormente que é capaz de realizar esta redenção. Não carece revelar seu nome pois já despontou, vitorioso, nas pesquisas eleitorais.

Segundo, não basta eleger um presidente com tais características. É fundamental garantir-lhe uma bancada parlamentar numerosa para que o presidencialismo de coalizão não comprometa os ideais e propósitos, presentes nas origens e resgatáveis, como a opção por políticas sociais que atendam às grandes maiorias empobrecidas e oprimidas, com transparência, com a ética da solidariedade a partir dos mais vulneráveis e com e soberania ativa e altiva. Fazer alianças com partidos afinados com propósitos sociais e populares. Igualmente é importante garantir a eleição de governadores e, a seu tempo, de prefeitos e de vereadores que nas regiões e na base deem sustentação ao governo central com sentido de justiça social e de cuidado da vida do povo e da natureza.

Terceiro – o mais importante – reforçar e, onde for preciso, retomar o trabalho de base, organizando comitês populares de toda ordem, para que participem e se articulem com os organizações já existentes como da saúde, da educação, da igualdade de gênero e de outros, criando consciência cidadã. Não basta garantir a inserção no sistema vigente, perverso e antipopular, mas criar consciência mudancista, apontando para outro tipo de sociedade com democracia participativa, social e ecológica.

Esse trabalho de base é imperativo se quisermos criar as condições para uma transformação que vem de baixo e criar movimentos progressistas e libertários que traduzem os sonhos em práticas viáveis e cotidianas. É nesse nível, rés-do-chão, que começa a se ensaiar o novo e se alimenta a energia necessária para continuar a refundação de um novo Brasil, contra o prolongamento da dependência histórica, contra o vira-lata, presente nas elites do atraso e contra o oligopólio dos meios de comunicação, braço ideológico da classe dominante, herdeira da Casa grande.

Estamos convencidos de que este sofrido caos destrutivo irá passar e será transformado em promissor caos generativo de uma nova ordem, mais alta, mais justa, fraterna e cuidadora de toda vida: enfim, de um Brasil no qual teremos alegria de viver e conviver com justiça, onde será mais fácil a amorosidade e a jovialidade que caracterizam o melhor de nós mesmos.

*Leonardo Boff é ecoteólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Brasil: concluir a refundação ou prolongar a dependência (Vozes).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Andrew Korybko Jean Pierre Chauvin João Feres Júnior José Micaelson Lacerda Morais Celso Favaretto Antônio Sales Rios Neto Jean Marc Von Der Weid Michael Roberts Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Michel Goulart da Silva Marcelo Guimarães Lima Ricardo Musse Claudio Katz Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Anselm Jappe Luiz Bernardo Pericás Luís Fernando Vitagliano Paulo Capel Narvai Milton Pinheiro José Geraldo Couto Valerio Arcary Leda Maria Paulani Érico Andrade Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva Denilson Cordeiro Igor Felippe Santos Eliziário Andrade Thomas Piketty Maria Rita Kehl Mariarosaria Fabris Tales Ab'Sáber Priscila Figueiredo Rafael R. Ioris Ricardo Antunes Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Julian Rodrigues Salem Nasser Daniel Brazil Atilio A. Boron André Márcio Neves Soares Paulo Fernandes Silveira Gerson Almeida Annateresa Fabris José Raimundo Trindade Matheus Silveira de Souza Remy José Fontana Ladislau Dowbor Afrânio Catani Bruno Machado Carlos Tautz Eugênio Bucci Lucas Fiaschetti Estevez Berenice Bento Otaviano Helene Luis Felipe Miguel Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Lorenzo Vitral Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Roberto Alves Armando Boito Luiz Renato Martins Bernardo Ricupero Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Módolo João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon José Luís Fiori Carla Teixeira Rodrigo de Faria Mário Maestri Eduardo Borges Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Fernandes Ladeira Daniel Costa Luiz Marques Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad João Carlos Salles Dênis de Moraes Gabriel Cohn Marilena Chauí Francisco Pereira de Farias Ricardo Fabbrini Marjorie C. Marona Luiz Werneck Vianna Samuel Kilsztajn Gilberto Maringoni André Singer Luciano Nascimento Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Chico Alencar Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Alexandre de Freitas Barbosa Manchetômetro Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Manuel Domingos Neto Tadeu Valadares Alexandre de Lima Castro Tranjan Chico Whitaker Ronald Rocha Andrés del Río Francisco de Oliveira Barros Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Slavoj Žižek José Machado Moita Neto Osvaldo Coggiola José Dirceu Gilberto Lopes Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Fernando Nogueira da Costa Paulo Martins Eleutério F. S. Prado Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Henry Burnett Walnice Nogueira Galvão Fábio Konder Comparato Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento João Paulo Ayub Fonseca Valerio Arcary Leonardo Avritzer Michael Löwy João Sette Whitaker Ferreira Heraldo Campos Elias Jabbour Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Ricardo Abramovay Antonino Infranca Eugênio Trivinho Flávio Aguiar Leonardo Boff João Adolfo Hansen Luiz Eduardo Soares Tarso Genro Airton Paschoa Boaventura de Sousa Santos Antonio Martins Fernão Pessoa Ramos Alexandre Aragão de Albuquerque Vinício Carrilho Martinez Eleonora Albano Renato Dagnino José Costa Júnior Marcus Ianoni Bento Prado Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES