As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O espelho e a lâmpada

Andy Warhol, Flowers, 1964.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ COSTA LIMA*

Comentário sobre o livro de Meyer Howard Abrams

Os méritos e limites do livro de M. H. Abrams serão mais bem vistos se o localizarmos temporalmente. Na tradição americana, O espelho e a lâmpada (1953) tinha atrás de si duas correntes. A primeira, o new criticism, recebeu seu nome do título do livro que John Crowe Ransom publicara em 1941; a segunda, de alvo bem definido, os “Chicago critics”, também conhecidos como neoaristotélicos.

Embora se distinguissem porque os “novos críticos” procuravam aprofundar a caracterização verbal específica do texto literário, enquanto os “neoaristotélicos” se concentravam na diferenciação dos gêneros e na retomada da questão da mímesis como imitatio, as duas correntes tinham em comum uma carência de embasamento teórico, decorrente de se fundarem no empirismo inglês. Essa razão, ademais, explica que a designação tenha se estendido à orientação contemporânea inglesa de I. A. Richards, W. Empson e T. S. Eliot. (Para ser ultrapassado, o esboço acima exigiria o exame da obra do mais valioso dos críticos americanos, K. Burke, e no lado inglês, sobretudo de Eliot e Empson.)

Embora M. H. Abrams fosse contemporâneo dos “novos críticos” – e tenha tido, durante um ano, em Cambridge, Richards como seu orientador – dá pouco destaque àqueles e a única referência aos ingleses é reservada a Eliot, a quem lê de maneira distorcida. Talvez assim se explique porque, embora Eliot fosse politicamente conservador, sua crítica repudiava a poética romântica, enquanto Abrams exaltava o romantismo enraizando-o porém em um pensamento bastante preso à tradição, o neoclassicismo. Portanto, já do ponto de vista do que lhe é temporalmente próximo, Abrams assumia uma posição reservada.

Imagine-se agora como se comportará diante de corrente que se expande, nos Estados Unidos, dentro de um lapso apenas um pouco maior. Refiro-me ao que se costuma chamar de desconstrucionismo (ou pós-estruturalismo), que teve no emigrado belga Paul de Man (1919-1987) seu mais importante incentivador. Limito-me a lembrar que o desconstrucionismo empolgou as grandes universidades americanas, a partir de simpósio realizado em outubro de 1966, na Johns Hopkins University, tendo por título “As Linguagens críticas e as ciências do homem”.

O simpósio tinha o propósito de apresentar ao público culto norte-americano as direções assumidas pelo pós-estruturalismo na França, com destaque para o papel de Lacan, na psicanálise, de Derrida na filosofia e de Roland Barthes, na crítica literária. Se o simpósio teve um efeito de choque ante sua audiência, nessa se destacava alguém, até então desconhecido, o belga Paul de Man, responsável pela difusão quase imediata de Derrida nos Estados Unidos. Verdadeiro tsunami que atinge a elite acadêmica, Paul de Man, quando vem a ser contratado pela Yale University, forma o grupo desde então conhecido como dos “Yale critics”.

A verdadeira revolução que era introduzida na condução do texto literário se dá quando Abrams já tinha seu nome firmado como o grande especialista americano em romantismo, renome conquistado pelo livro que ora se traduz e reforçado por Natural supernaturalism (1971), cujo subtítulo, Tradition and revolution in romantic literature, mostra ser a continuação da obra que o consagrara.

Posto entre essas direções, chamemos à primeira de textualismo, e a oposta, que acentuava ser o texto literário apenas a particularização de estruturas da linguagem, da psique e da sociedade, O Espelho e a lâmpada parecia flutuar e, como mal menor, antes se vê aproximado da primeira direção, mantendo-se sempre distante dos desconstrucionistas. (Em consequência, seu prestígio, mantido entre os meios mais tradicionais, é de certo modo retomado quando, após a morte de Paul de Man, descobre-se, para escândalo de seus muitos discípulos, que, durante a guerra, ainda na Bélgica, havia sido um colaboracionista, cujos artigos em jornal chegavam a defender o antissemitismo).

A introdução acima foi necessária para que fizesse sentido a condensação que se segue.

Para Abrams, que acreditava que as ciências chamadas exatas são de fato exatas, o pensamento não exato, analógico, com um papel na História, recorre a um elenco pequeno de variantes. Já o título de sua obra procura acentuar a dualidade analógica básica que atravessa a reflexão sobre a poesia e a pintura, desde Platão. “Espelho” (mirror) é a metáfora favorita para dizer da poesia e da pintura como imitação da natureza, enquanto “lâmpada” (lamp) é a contraposição segundo a qual tais artes ressaltam a interioridade do criador, iluminando-a com palavras, linhas e cores. Sendo “espelho e “lâmpada” as analogias básicas e antagônicas, Platão para a primeira, Plotino e Longino para a segunda são suas fontes irradiadoras fundamentais.

O fato de Plotino e Longino pertencerem também ao pensamento antigo apenas demonstraria como é pequeno o leque das analogias de que dispõe o pensamento humano. E o fato de que a “imitação-espelho” tenha uma história muito mais longa acentuaria o quanto nosso pensamento favoreceria o tradicional. No entanto, para sermos justos, havemos de acrescentar que Abrams não é tão esquemático: o privilégio da imitação não impede que haja divergências na afirmação de o quê a arte imita. Sem falar na discordância entre Platão e Aristóteles – tarefa que Abrams cumpre de maneira a mais trivial possível –, a adoção da tradução latina, imitatio, consagrada por Horácio, vem acompanhada do famoso dístico “ensinar e deleitar” (prodesse et delectare), que, por sua vez, daria lugar a alternativa de ou manter a dupla exigência ou ressaltar apenas o deleite.

Mas não só: no século XVIII, Batteux e Lessing, em obras respectivamente publicadas em 1747 e 1776, ressaltariam que a imitação é alcançável dedutiva ou indutivamente. Se Abrams, no entanto, não está interessado em uma história da arte tomada como “imitação” é porque seu propósito antes se concentraria na teoria romântica, precisamente naquela que ressaltaria a analogia da lâmpada. Não deixa porém de ser curioso que a fonte da lâmpada romântica seja por ele encontrada no pensamento neoclássico. Daí as semelhanças que o autor descobre entre afirmações do neoclássico inglies por excelência, o Dr. Johnson, e o “Prefácio” às Lyrical ballads (1800), de Wordsworth – com frequência, tomado como o manifesto do romantismo inglês.

De todo modo, Abrams acede que a metáfora do espelho foi gradualmente cedendo à da lâmpada, representada pela figura do gênio criador. Daí que proponha que, em síntese, até princípios do século XIX a reflexão crítica no Ocidente foi dominada (a) pela teoria mimética platônica, (b) pela parcial retificação aristotélica, (c) pelo pragmatismo, “que perdura desde a fusão da retórica com a poética nas eras helenística e romana quase até fins do século XVIII” e (d) pela teoria expressiva do romantismo inglês (e um pouco antes alemão). (Ao não dar uma palavra sobre a autonomia da obra de arte, mostra que desconsidera seus contemporâneos).

*Luiz Costa Lima é Professor Emérito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) e crítico literário. Autor, entre outros livros, de O chão da mente: a pergunta pela ficção (Unesp).

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 11, março de 2011.

Referência


M. H. Abrams. O espelho e a lâmpada: teoria romântica e tradição crítica. Tradução: Alzira Vieira Allegro. São Paulo, Unesp, 480 págs.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Daniel Brazil José Costa Júnior Heraldo Campos Bruno Machado José Luís Fiori Gilberto Lopes Mário Maestri Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Maria Rita Kehl Chico Alencar Ronaldo Tadeu de Souza Vladimir Safatle Jean Marc Von Der Weid Marilena Chauí Renato Dagnino Lincoln Secco João Carlos Loebens Sandra Bitencourt Valerio Arcary Lorenzo Vitral Daniel Costa José Micaelson Lacerda Morais Leonardo Sacramento Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Flávio R. Kothe João Adolfo Hansen Vanderlei Tenório Luiz Costa Lima Francisco Pereira de Farias Alexandre de Freitas Barbosa Carla Teixeira Paulo Nogueira Batista Jr Afrânio Catani Paulo Martins Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Manchetômetro Érico Andrade Ricardo Fabbrini João Lanari Bo Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Chico Whitaker Bento Prado Jr. José Raimundo Trindade Armando Boito Jorge Branco Marcos Aurélio da Silva Henry Burnett Marcelo Módolo Thomas Piketty Liszt Vieira Igor Felippe Santos Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Eugênio Bucci Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Luiz Marques Otaviano Helene Samuel Kilsztajn Juarez Guimarães Eugênio Trivinho Antonio Martins Fábio Konder Comparato Valério Arcary Dênis de Moraes Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna Michael Roberts João Carlos Salles Rubens Pinto Lyra Atilio A. Boron Berenice Bento Marcus Ianoni Slavoj Žižek Ricardo Musse Alysson Leandro Mascaro Paulo Capel Narvai Ronald León Núñez Airton Paschoa Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Denilson Cordeiro Anderson Alves Esteves José Machado Moita Neto João Sette Whitaker Ferreira Luis Felipe Miguel Michael Löwy Boaventura de Sousa Santos Mariarosaria Fabris Leonardo Avritzer Marilia Pacheco Fiorillo André Singer Ricardo Antunes Tadeu Valadares Annateresa Fabris Henri Acselrad Marcos Silva Anselm Jappe Tarso Genro Leda Maria Paulani Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Gabriel Cohn Roberto Bueno Leonardo Boff Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Luiz Souto Maior Everaldo de Oliveira Andrade Rodrigo de Faria Eduardo Borges Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Ronald Rocha Paulo Fernandes Silveira Ari Marcelo Solon André Márcio Neves Soares Luís Fernando Vitagliano Eleonora Albano Milton Pinheiro Luiz Roberto Alves Celso Frederico Fernando Nogueira da Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Fernão Pessoa Ramos Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Antônio Sales Rios Neto Francisco Fernandes Ladeira Daniel Afonso da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sergio Amadeu da Silveira Carlos Tautz Andrew Korybko Luiz Bernardo Pericás Caio Bugiato José Geraldo Couto Antonino Infranca Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Julian Rodrigues Bernardo Ricupero Luiz Renato Martins Luiz Eduardo Soares Manuel Domingos Neto João Paulo Ayub Fonseca Claudio Katz João Feres Júnior José Dirceu Celso Favaretto Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Maringoni Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada