Desbolsonarizar o Brasil. Como?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ELIAS JABBOUR*

 

Crescimento econômico acelerado industrialização e construção das bases materiais para um Welfare State

 

Não se trata de uma pergunta de US$ 1 milhão. É observarmos como sociedades radicalizadas pela direita fizeram para superar um determinado estado de espírito. O exemplo europeu do pós-Segunda Guerra Mundial é clássico: trinta anos de crescimento econômico e construção de um poderoso Welfare State. Isso trouxe em contrapartida mobilidade social, baixos níveis de desemprego e horizonte às gerações futuras.

Nos EUA, ao contrário da URSS que era uma sociedade onde a planificação estava se concentrando na unificação de seu mercado interno e na transição campo-cidade, mecanismos de planificação serviram para buscar o pleno emprego. O sonho americano era real. Analisar o mundo entre 1946-1973 é fundamental como ponto de partida para certas análises.

No caso brasileiro, identificamos todas as características de uma sociedade pronta a ser alienada e fascistizada. Economia em frangalhos, baixa autoestima do povo, precarização, poder excessivo a aparatos de segurança como as PMs e melindre em relação às Forças Armadas. Ao lado disso, todo o debate público dominado por um fiscalismo atroz, uma esquerda ou cosmopolita demais para ser brasileira ou dividia em seitas que desvirtuaram o verdadeiro sentido do que é ser “radical”.

Nosso país, completamente dependente de exportações de commodities tem um duplo problema. A tendência à deterioração dos termos de troca e o reacionarismo do agronegócio. Volto aqui a uma falsa polêmica. Como leninista sou defensor do triunfo da grande produção na agricultura e sei bem quem quer a destruição de nossa grande produção. Mas quero ver reduzido a zero o poder político dos ruralistas brasileiros. Ou seja, temos um emaranhado de contradições a lidar e um único caminho demonstrado pela história: a reindustrialização.

O bolsonarismo só começará a ser passado quando algum consenso em nossa sociedade alcançar a necessidade de crescimento econômico acelerado industrialização e construção das bases materiais para um Welfare State brasileiro. No imediato, voltar a política de correção do salário mínimo com ganho real é um passo. Retomar obras públicas parada e recompor o papel do BNDES e da Caixa, idem. Mas não é suficiente.

O Brasil deve nacionalizar alguns conceitos consagrados por atlantistas. Por exemplo, os conceitos de sustentabilidade, “crescimento verde” e essa máquina reacionária de créditos de carbono. Nossa inteligência nacional deve rever esses conceitos à luz nas necessidades nacionais e materiais de nosso povo. Nesse aspecto, devemos observar com preocupação a crescente força que organizações como a @OpenSocietyBR e outras tem exercido sobre o pensamento dito “progressista” e os danos que nos tem causado, incluindo uma participação no governo muito maior do que muitos partidos. Temos de parar de naturalizar os financiamentos deste tipo de organização a intelectuais de esquerda. À @OpenSocietyBR só interessa “regime change” e nada mais. São obstáculos a um consenso pela esquerda da necessidade de nossa reindustrialização.

Na política a desbolsonarização passa pela redução drástica do poder do agronegócio. Não precisa chegar a Marx para saber a fórmula. Não precisamos destruir nossa grande produção. A dica de David Ricardo é clara: Indústria.

*Elias Jabbour é professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É autor, entre outros livros, junto com Alberto Gabriele, de China: o socialismo do século XXI (Boitempo).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Salem Nasser Marcos Silva Ladislau Dowbor Chico Alencar Fernando Nogueira da Costa Michel Goulart da Silva Celso Frederico Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Kátia Gerab Baggio João Adolfo Hansen André Singer José Machado Moita Neto Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Jorge Branco Afrânio Catani João Sette Whitaker Ferreira Denilson Cordeiro Bento Prado Jr. José Costa Júnior Eugênio Bucci João Feres Júnior Tarso Genro Mariarosaria Fabris Benicio Viero Schmidt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lucas Fiaschetti Estevez Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Ricardo Musse Daniel Brazil Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto Jorge Luiz Souto Maior Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Heraldo Campos Airton Paschoa Eleonora Albano Vladimir Safatle Luciano Nascimento Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Manchetômetro Dennis Oliveira Marjorie C. Marona João Paulo Ayub Fonseca Otaviano Helene Gerson Almeida Jean Pierre Chauvin Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano Luis Felipe Miguel Michael Roberts Leda Maria Paulani Luiz Carlos Bresser-Pereira Leonardo Avritzer Flávio Aguiar Valerio Arcary José Luís Fiori Ricardo Abramovay José Micaelson Lacerda Morais Érico Andrade Ricardo Fabbrini Luiz Werneck Vianna Gilberto Lopes Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Andrés del Río Paulo Martins Antonino Infranca Antonio Martins Luiz Marques Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Boff Tales Ab'Sáber Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Boaventura de Sousa Santos Igor Felippe Santos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ari Marcelo Solon Gilberto Maringoni Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Marcelo Módolo Marilia Pacheco Fiorillo Henry Burnett Leonardo Sacramento Armando Boito Ronald León Núñez Rubens Pinto Lyra João Lanari Bo Andrew Korybko Francisco Fernandes Ladeira Carlos Tautz Fábio Konder Comparato Tadeu Valadares Lincoln Secco Claudio Katz Marcus Ianoni Elias Jabbour André Márcio Neves Soares Thomas Piketty Berenice Bento Ronald Rocha Renato Dagnino José Raimundo Trindade Chico Whitaker Rafael R. Ioris Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Renato Martins Jean Marc Von Der Weid Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Remy José Fontana Alexandre de Lima Castro Tranjan Eleutério F. S. Prado João Carlos Salles Dênis de Moraes Rodrigo de Faria Flávio R. Kothe Michael Löwy Lorenzo Vitral Priscila Figueiredo Vinício Carrilho Martinez Osvaldo Coggiola Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves Slavoj Žižek Matheus Silveira de Souza Paulo Nogueira Batista Jr Bruno Machado Mário Maestri José Geraldo Couto Eugênio Trivinho Paulo Fernandes Silveira Manuel Domingos Neto Eduardo Borges Gabriel Cohn Marilena Chauí Alysson Leandro Mascaro Francisco Pereira de Farias Julian Rodrigues Daniel Costa Liszt Vieira Carla Teixeira Ricardo Antunes João Carlos Loebens Milton Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES