As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Pauta de costumes?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

O termo “costumes” soa como algo individual, secundário, relativo. Compreensível que a mídia e os reacionários se manipulem o termo, mas não dá para aceitar é gente progressista usando a expressão

Por Julian Rodrigues*

“Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”. (Rosa Luxemburgo)

Ao informar, em fevereiro, que o STF iria decidir sobre a “criminalização da homofobia”, o Estadão noticiou que se tratava de um assunto com potencial de operar colisão do Judiciário com o Congresso Nacional – pois seria o primeiro tema de uma lista da “pauta de costumes”.

O ex-presidente do Banco Central no governo FHC, Armínio Fraga, elogiou, em outubro, no Valor, a pauta econômica do governo Bolsonaro, mas criticou duramente sua “agenda de costumes”.

Em setembro, Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, em entrevista à Folha, demarcou: “a pauta de costumes do governo Bolsonaro não vai sair do papel”.

O Congresso Nacional do PSDB aprovou um manifesto no início de dezembro, no qual crava: “consideramos que o governo – qualquer governo – não deve interferir em costumes”.

O presidente do Novo, em outubro, disse em entrevista à revista Exame, que a “pauta de costumes” é definição do cidadão, não imposição do Partido.

Bernardo Ricupero, em instigante artigo publicado no site A Terra é Redonda (https://aterraeredonda.com.br/notas-sobre-o-bonapartismo-o-fascismo-e-o-bolsonarismo/), diz que a centro-direita: “desenvolveu relação esquizofrênica com o governo [Bolsonaro]: defende o programa econômico, mas mostra reticência com a pauta de costumes”.

Comandante Zé Dirceu, que retoma o colunismo regular, publicou em sua mais recente coluna: “setores do chamado Centrão e da oposição liberal se opõem abertamente à agenda de costumes do presidente”.

Costumes?

Não consigo identificar exatamente a origem da expressão. Nem em que momento os temas da igualdade de gênero, da igualdade racial, dos direitos sexuais e reprodutivos, dos direitos humanos, das políticas afirmativas, do reconhecimento da diversidade foram comprimidos e reduzidos à “pauta de costumes”.

No dicionário, costume é equivalente a hábito (tipo: acordar cedo). Para o direito, parece que pode ser definido como uma “prática frequente”, confunde-se com o conceito de tradição.

O problema é que, sabe-se lá exatamente a razão, boa parte da imprensa conservadora (o que contaminou gente de esquerda), manipula o conceito de agenda ou pauta de “costumes”.

Uma vantagem imediata de usar essa expressão é não ter que explicar do que está se falando exatamente. Moda? Cultura? Gastronomia? Música? Linguagem? Outra facilidade é que não precisam se posicionar nem a favor nem contra. Afinal, “costumes”, soa como algo bem individual, secundário, relativo.

Compreensível que a mídia e os reacionários se manipulem o termo. O que não dá para entender, muito menos aceitar é gente progressista: intelectuais, ativistas, artistas, acadêmicos, militantes, usando a expressão.

Agenda de direitos

Não é tão trabalhoso. Nem tão difícil de entender. Ao invés de falar em “pauta de costumes”, basta dizer: “agenda de direitos”.

Embora não fique explícito, quando alguém saca o termo “agenda de costumes”, o que se fala, de fato, é de igualdade de gênero, de igualdade racial, de direitos LGBTI, de direitos civis, de direitos sexuais e reprodutivos, de reconhecimento da diversidade, de direitos humanos, afinal.

Ou seja: não tem nada de “costume”, de detalhes comportamentais ou culturais. Trata-se de DIREITOS. Da luta pelo fim da discriminação, das opressões. Do pleno reconhecimento dos direitos e da igualdade. Estamos falando da luta feminista e antirracista. E da jornada pelos direitos sexuais e reprodutivos. Pelo reconhecimento das minorias e de toda diversidade humana.

Toda vez que alguém usa o termo “pauta de costumes” a intenção é “passar um pano”, subestimar a luta das mulheres, negros e negras, LGBTI, jovens, periféricos, dissidentes. Ninguém está preocupado com hábitos individuais. O que queremos é reconhecimento de direitos. Construir um mundo sem opressão de nenhum tipo.

Assim, pactuemos: ninguém de esquerda usará o termo “costumes” quando for falar das pautas feministas, antirracistas, LGBTI, etc.

*Julian Rodrigues é jornalista e professor; ativista dos movimentos LGBTI e de Direitos Humanos.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Dirceu Henri Acselrad Daniel Brazil Juarez Guimarães Otaviano Helene Vanderlei Tenório Alexandre Aragão de Albuquerque José Geraldo Couto Samuel Kilsztajn Alexandre de Lima Castro Tranjan João Feres Júnior Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Valério Arcary Marcos Silva Tarso Genro Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marilia Pacheco Fiorillo Claudio Katz Michael Löwy Mariarosaria Fabris Sergio Amadeu da Silveira Roberto Bueno Celso Favaretto Dênis de Moraes Luiz Renato Martins Ricardo Fabbrini Sandra Bitencourt Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt José Costa Júnior Valerio Arcary Eduardo Borges Airton Paschoa Maria Rita Kehl Daniel Afonso da Silva Manchetômetro Paulo Nogueira Batista Jr Celso Frederico Denilson Cordeiro Francisco de Oliveira Barros Júnior Salem Nasser Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto Armando Boito Paulo Capel Narvai João Lanari Bo Rubens Pinto Lyra Eleonora Albano Ronald León Núñez Luiz Eduardo Soares Fernando Nogueira da Costa Jorge Branco Igor Felippe Santos Gilberto Lopes Henry Burnett Tadeu Valadares Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Flávio Aguiar Chico Alencar Eliziário Andrade Gabriel Cohn Eugênio Bucci Paulo Sérgio Pinheiro Caio Bugiato Luciano Nascimento João Adolfo Hansen João Sette Whitaker Ferreira Bruno Machado Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz André Singer Ricardo Abramovay Marcelo Guimarães Lima Chico Whitaker Eugênio Trivinho Eleutério F. S. Prado Fábio Konder Comparato Paulo Fernandes Silveira João Carlos Salles Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Leonardo Boff Mário Maestri Leonardo Sacramento Jean Pierre Chauvin Berenice Bento Anselm Jappe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Lorenzo Vitral Michael Roberts Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Marjorie C. Marona Luís Fernando Vitagliano Paulo Martins Antônio Sales Rios Neto Marilena Chauí André Márcio Neves Soares Milton Pinheiro Vinício Carrilho Martinez Luiz Carlos Bresser-Pereira Andrew Korybko Antonino Infranca Ricardo Musse Érico Andrade Alexandre de Freitas Barbosa Marcus Ianoni Renato Dagnino Leonardo Avritzer Walnice Nogueira Galvão Osvaldo Coggiola Marcos Aurélio da Silva Rafael R. Ioris Antonio Martins Luiz Marques João Carlos Loebens Lincoln Secco Ladislau Dowbor Roberto Noritomi Ricardo Antunes Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes Luis Felipe Miguel Francisco Pereira de Farias Rodrigo de Faria Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Liszt Vieira Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Carla Teixeira José Machado Moita Neto Slavoj Žižek João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Fernão Pessoa Ramos Elias Jabbour Luiz Bernardo Pericás Bento Prado Jr. Ronald Rocha Gilberto Maringoni Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Anderson Alves Esteves Daniel Costa Gerson Almeida Luiz Costa Lima Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani José Micaelson Lacerda Morais José Luís Fiori Thomas Piketty Everaldo de Oliveira Andrade Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada