O fascismo não morreu em 1945

Imagem: Mohamed Abdelsadig
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SERGIO SCHARGEL*

Há uma ligação estreita entre fascismo e democracia liberal. O problema é interpretá-los como sinônimos

A peça Praça dos heróis, de Thomas Bernhard, abre com Josef Schuster se jogando de sua janela na Heldenplatz (Praça dos Heróis), onde Hitler anunciou a anexação da Áustria. Os motivos são absurdos e propositalmente exagerados: Schuster teria se matado porque a Áustria de 1988 seria mais nazista e antissemita do que a Áustria de 1938. É óbvio que Thomas Bernhard exagera de propósito, para chocar – como é, por sinal, típico da sátira –, mas para pegar em uma ferida: o fascismo não morreu em 1945.

Como diz um personagem: “ele não contava com isso / que os austríacos depois da guerra / seriam muito mais hostis e muito mais antissemitas”. O exagero permite que Thomas Bernhard critique o revisionismo austríaco, que tomava a nação como vítima e a Alemanha como única perpetradora do nazismo.

Em A barata, de Ian McEwan, não apenas uma sátira mas também um pastiche de A metamorfose, o parlamentarismo inglês é dominado por baratas travestidas de homens. O disfarce permite que elas empreendam um movimento absurdo: inverter a economia, tornando consumo em trabalho, e trabalho em consumo. As pessoas passam a ser pagas para consumir, e pagam para trabalhar. Antes ridicularizada, aos poucos a ideia começa a ganhar penetração e os “Reversalistas” se tornam uma corrente majoritária dentro do Partido Conservador. Mais uma vez o exagero da sátira funciona como ataque contra o ressurgimento do nacionalismo, dessa vez com o Brexit.

Assim como a história, a ficção política nos ensina sobre o contemporâneo político. Em especial sobre esse fenômeno de negação sobre os perigos dos movimentos de extrema direita. Há extensa discussão conceitual sobre o fascismo, com correntes díspares que se digladiam há pelo menos cem anos. Já a Terceira Internacional Comunista foi dedicada à questão do fascismo, na tentativa de compreender aquele movimento reacionário de massas, que fugia à visão teleológica da história e não fora previsto por nenhum dos profetas marxistas. Na tentativa de enquadrá-lo sem ferir o cânone, pregou-se que o fascismo não era além de um liberalismo extremo – ignorando o seu antiliberalismo – e um mecanismo de defesa do capitalismo moribundo. Ou seja, o fascismo era o último sinal de vida da democracia burguesa prestes a morrer e dar lugar à ditadura do proletariado, tal como um animal acuado que mostra suas garras. Pior: classificaram sociais-democratas como sociais-fascistas, epiteto infame que prestou um desserviço ao conceito, transformando-o em uma espécie de xingamento, um sinônimo para troglodita, como George Orwell descreveu em 1944.

Como disse Evgeni Pachukanis, “o Estado fascista é o mesmo Estado do grande capital, como são a França, a Inglaterra e os Estados Unidos, e, nesse sentido, Mussolini cumpre a mesma tarefa que estão cumprindo [Raymond] Poincaré, [Stanley] Baldwin e [Calvin] Coolidge”. Uma parcela considerável (embora não todos) dos marxistas da época equivaleram fascismo e liberalismo, prostando-se quase indiferentes a eles. Como afirmou Robert Paxton: “Mesmo antes de Mussolini ter consolidado por completo seu poder, os marxistas já tinham pronta sua definição para o fascismo, ‘o instrumento da grande burguesia em sua luta contra o proletariado’”.

É preciso, contudo, ressaltar alguns elementos que os marxistas da época notaram sobre o fascismo, e que permanecem relevantes. Foram os primeiros, por exemplo, a perceberem a associação entre fascismo e crise econômica, social e política. Também perceberam a sua ligação intrínseca e simbiótica com a democracia liberal – ainda que, obviamente, não sejam sinônimos, como alguns interpretaram.

Sabemos da ironia histórica em terem acreditado que o fascismo apresentava a inevitabilidade da morte do capitalismo, mas ressaltemos a percepção que tiveram de que líderes fascistas tendem a chegar ao poder não por uma ruptura institucional, mas pelas vias democráticas e legais. Foi assim com Adolf Hitler e Benito Mussolini. É assim com análogos contemporâneos. O fenômeno tão comumente descrito como inédito da crise contemporânea das democracias liberais, sua erosão lenta por dentro, é um traço típico do fascismo. Há, portanto, uma ligação estreita entre fascismo e democracia liberal. O problema é interpretá-los como sinônimos.

Como notado por alguns antropólogos, muitos mitos reaparecem com roupagens distintas em diferentes comunidades e mitologias, mas seguem uma estrutura comum. Entre eles, está o mito do doppelgänger. Como discutido em outros artigos, voltados à área da Literatura comparada, o doppelgänger, apesar de só ter recebido essa denominação no século XVIII, reaparece em narrativas do folclore alemão, egípcio, escandinavo, finlandês, entre outros. Com algumas diferenças, todos convergem sobre um mesmo ponto: o duplo é uma espécie de negativo, de sósia, um outro eu, mas com características psicológicas opostas. Ou seja, o total contrário. Pela incapacidade do “Eu” existir ao mesmo tempo que um outro “Eu”, que também é um outro, seu mito converge para o drama: invariavelmente, quando os sósias se encontram, tendem a eliminar um ao outro. A figura transitou da mitologia à Literatura, popularizada em William Wilson, de Edgar Allan Poe, e, a partir daí, figurou em diversas outras obras.

Essa pequena digressão é necessária para compreender o que se quer dizer quando se chama, aqui, o fascismo como doppelgänger da democracia liberal de massas: ele surge desse uno para se tornar sua versão distorcida. Ou seja, se divide a partir da democracia de massas, para se opor a tudo que ela defende. Não por coincidência se trata de um movimento abertamente antiliberal e antidemocrático, ainda que chegue ao poder por vias democráticas e se apoiando em aliados liberais. Os liberais são vistos como “pais” dos marxistas, como figuras apáticas culpadas pelo socialismo. É óbvio que ser antiliberal não significa ser anticapitalista, como algumas análises revisionistas, principalmente dos próprios liberais ou da extrema direita, sugerem.

Mas o que os erros da análise marxista em 1920 podem nos ensinar hoje em dia? Por que discutir essas questões em 2022? Porque em muito se repetem. Embora elementos como o fascismo como defesa do capitalismo moribundo de fato não sejam mais defendidos por (quase) ninguém, outros traços permanecem. Alguns segmentos da esquerda ainda insistem no sinônimo entre (neo)liberalismo e fascismo.

Mas a maior de todas as questões, por, na prática, dificultar o entendimento e a consequente reação contra a extrema direita: o mito de que o fascismo como ditadura do grande capital, como uma reação da alta burguesia. Sendo um movimento de massas, o fascismo conquistou (e conquista) apoio dos mais diversos segmentos sociais, da alta burguesia a fragmentos consideráveis do proletariado. Como diz Madeleine Albright, “o fascismo depende tanto dos ricos e poderosos como do homem ou da mulher da esquina ― dos que têm muito a perder e dos que não têm nada”.

Entre a alta burguesia, entre liberais, conservadores e fascistas, houve mais uma espécie de sociedade em permanente tensão, do que uma ligação orgânica. O fascismo era visto como uma “escolha muito difícil”, uma alternativa preferível à esquerda, ainda que não fosse o ideal. Não representava estabilidade social e econômica, com a volatilidade promovida pela circulação de elites e um incômodo personalismo messiânico.

É isso que precisamos ter em conta, e que permanece relevante no cenário político em 2022: o perigo desses grupos se juntarem, não por desejo, mas pelo que enxergam como necessidade. Perigo que foi ponto de inflexão na vitória dos fascismos em 1920 e 1930, e que permanece como espectro nas nossas eleições de 2022. E lembrar que o fascismo não desapareceu em 1945, como a peça de Thomas Bernhard não nos falha em recordar.

*Sergio Schargel é doutorando em ciência política na Universidade Federal Fluminense (UFF).

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Daniel Brazil Rafael R. Ioris Bruno Machado Mário Maestri Gilberto Maringoni João Carlos Loebens Dênis de Moraes Gilberto Lopes Julian Rodrigues João Adolfo Hansen Ricardo Antunes Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Marcus Ianoni Tales Ab'Sáber Flávio Aguiar Luciano Nascimento Luiz Marques Matheus Silveira de Souza José Dirceu Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Heraldo Campos Marilia Pacheco Fiorillo Gabriel Cohn Elias Jabbour Andrés del Río Vladimir Safatle Henri Acselrad Lorenzo Vitral Leonardo Avritzer Thomas Piketty Leonardo Boff Paulo Fernandes Silveira Carlos Tautz Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Paulo Nogueira Batista Jr Bento Prado Jr. Michael Roberts Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Tarso Genro Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Jorge Branco José Geraldo Couto Marcelo Módolo Renato Dagnino Liszt Vieira Chico Whitaker Manchetômetro Henry Burnett João Lanari Bo Luiz Bernardo Pericás Alexandre de Freitas Barbosa Marjorie C. Marona Denilson Cordeiro Berenice Bento Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Antônio Sales Rios Neto Boaventura de Sousa Santos André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Armando Boito Mariarosaria Fabris Ronald León Núñez Leonardo Sacramento Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Eduardo Borges Vanderlei Tenório Gerson Almeida André Singer Igor Felippe Santos Lincoln Secco Andrew Korybko Marilena Chauí Luiz Werneck Vianna Leda Maria Paulani Yuri Martins-Fontes Celso Frederico Samuel Kilsztajn José Luís Fiori João Paulo Ayub Fonseca Fernão Pessoa Ramos Atilio A. Boron Sandra Bitencourt Michael Löwy Caio Bugiato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Antonino Infranca Eugênio Bucci Luis Felipe Miguel Chico Alencar Jean Pierre Chauvin Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Tadeu Valadares Claudio Katz Ladislau Dowbor Jean Marc Von Der Weid Eugênio Trivinho Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Érico Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Aurélio da Silva Remy José Fontana José Costa Júnior José Raimundo Trindade José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl Airton Paschoa Daniel Costa Sergio Amadeu da Silveira Paulo Sérgio Pinheiro Slavoj Žižek Ronaldo Tadeu de Souza Benicio Viero Schmidt Manuel Domingos Neto Antonio Martins Ricardo Musse Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Eliziário Andrade Marcelo Guimarães Lima Fábio Konder Comparato Flávio R. Kothe Michel Goulart da Silva Ricardo Fabbrini Eleutério F. S. Prado Anselm Jappe Walnice Nogueira Galvão Marcos Silva Fernando Nogueira da Costa Daniel Afonso da Silva Rodrigo de Faria Priscila Figueiredo Otaviano Helene João Feres Júnior Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves Afrânio Catani José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano Everaldo de Oliveira Andrade João Sette Whitaker Ferreira Paulo Martins Celso Favaretto Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES